Instituto Histórico de Petrópolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Instituto Histórico de Petrópolis
(IHP)
Tipo Instituto Privada, reconhecido de utilidade pública.
Fundação 24 de setembro de 1938
Estado legal Ativa
Propósito Desenvolver a cultura historiográfica, com ênfase à Petrópolis e ao período do Império, e sua preservação e disponibilização à sociedade brasileira.
Sede Casa de Cláudio de Souza. Praça da Liberdade, 247 - Vila Imperial - 25685-050 - Petrópolis, RJ - Brasil
Línguas oficiais Português
Sítio oficial http://www.ihp.org.br

O Instituto Histórico de Petrópolis (IHP) tem por finalidade velar pelas tradições, realizar investigações históricas, publicar documentos, firmar convênios com Instituições Científicas e Culturais, promover conferências e incentivar estudos e biografias de petropolitanos ilustres e outras personalidades ligadas a cidade de Petrópolis.[1][2][3][4][5] Foi fundado em 24 de setembro de 1938.[6] Tem como sendo o seu patrono, Dom Pedro II.[7]

Origens[editar | editar código-fonte]

As origens do Instituto Histórico de Petrópolis vem da Comissão Centenário de Petrópolis, encarregada de promover as comemorações desta efeméride; Em uma de suas reuniões, em 1938, foi sugerida a criação de um instituto de estudos históricos que levaria o nome de Pedro II. Mas tarde, já com a denominação de Instituto Histórico de Petrópolis, foi escolhida a data de 2 de dezembro para instalação do Instituto, por ser a do nascimento, em 1825, do Imperador Dom Pedro II. Como presidente de honra foi escolhido o Príncipe Dom Pedro de Orleans e Bragança, filho primogênito da Princesa Isabel.[8]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Os associados reúnem-se ordinariamente em abril de cada ano e, de dois em dois anos, em dezembro para eleições.[7] O estatuto de 1938 passou por várias reformas, em 1962, 1982, 1985 e 1986, sendo o atual aprovado em 8 de abril de 1996. Tendo por finalidade a investigação, o estudo, a discussão e a divulgação da História, em especial a de Petrópolis e a colaboração na preservação de seus bens culturais, o Instituto admite as seguintes categorias de sócios: Fundadores (ad perpetuam rei memoriam); Efetivos, em número de 40, dos quais pelo menos 30, residentes e domiciliados em Petrópolis; Correspondentes; Honorários e Eméritos. Seus órgãos de Direção são a Assembléia Geral, a Diretoria e a Comissão de Contas.[8][9][10]

No biênio 2016-2017 o instituto é presidido por Maria de Fátima Moraes Argon[11], tendo como vice-presidente Joaquim Eloy Duarte dos Santos.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Disponibiliza na internet, desde 31 de agosto de 2000 diversos de seus trabalhos, realizados por diferentes autores e variados temas históricos. Por outros motivos serão realizadas Assembléias Gerais Extraordinárias.[12]

Instalações[editar | editar código-fonte]

Não possuindo sede própria, funcionou o Instituto em lugares diversos, numa sala da Câmara Municipal, no extinto Museu Histórico da Cidade, no Grupo Escolar Dom Pedro II, nas dependências do Museu Imperial.[8] A partir de 1981, a sede do Instituto Histórico de Petrópolis passou a ser o Silogeu Petropolitano, um prédio histórico da cidade onde localizam-se, além da sede do IHP, a Academia Petropolitana de poesia Raul de Leoni. O imóvel pertence ao governo federal sob responsabilidade patrimonial do Museu Imperial de Petrópolis por doação da família do escritor e médico Cláudio de Sousa, membro da Academia Brasileira de Letras.[6]

Personalidades ilustres[editar | editar código-fonte]

O Instituto Histórico de Petrópolis já teve como integrantes alguns destacados nomes da historiografia brasileira,[8] como:

Referências

  1. «Museu Imperial comemora 170 anos de nascimento da Princesa Isabel». Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  2. Neoabolicionistas (3 de junho de 2013). «125 anos – Instituto Histórico de Petrópolis celebra o Treze de Maio». Instituto Cultural Dona Isabel I, a Redentora - IDII. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  3. «Instituto Histórico de Petrópolis». Portal Net Petropolis. 13 de novembro de 2011. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  4. «Livro conta a história da imigração italiana para o Rio de Janeiro». Prefeitura Municipal de Petropolis. 16 de setembro de 2015. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  5. «Núcleo de História e Memória Institucional». Núcleo de História e Memória Institucional - Universidade Católica de Petrópolis (UCP). Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  6. a b «IHP - Instituto Histórico de Petrópolis». Portal Oficial de Turismo de Petrópolis. Consultado em 1 de novembro de 2017 
  7. a b «Principal». IHP - Instituto Histórico de Petrópolis. Consultado em 1 de novembro de 2017 
  8. a b c d «Histórico, 1938-1997». IHP - Instituto Histórico de Petrópolis. Consultado em 1 de novembro de 2017 
  9. «Posse General Castro no Instituto Histórico de Petrópolis». Portal FEB - Força Expedicionária Brasileira. 20 de agosto de 2012. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  10. «Pesquisadora trirriense fala sobre entrada no Instituto Histórico de Petrópolis. O IHP é das mais tradicionais instituições dedicadas à preservação da História do país (em cache)». Revista On. 20 de agosto de 2013. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  11. «Presidente do Instituto Histórico alerta para especulação imobiliária». Jornal Diário de Petrópolis. 21 de março de 2017. Consultado em 17 de dezembro de 2017 
  12. «Assembléia, Diretoria 2016-2017, Associados, Estatuto». IHP - Instituto Histórico de Petrópolis. Consultado em 1 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]