Instituto Metodista Izabela Hendrix

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Instituto Metodista Izabela Hendrix
IMIH
Lema "A história do seu futuro começa aqui."
Fundação 08 de outubro de 1904
Tipo de instituição Instituição de Ensino
Mantenedora Educação Metodista
Faculdades Liberdade
Localização Belo Horizonte
Brasil
19° 55' 56.6" S 43° 56' 24.7" O
Reitor(a) Prof. Dr. Luciano Sathler
Diretor(a) Profa. Débora Castanha
Cores da escola Vermelho
miniaturadaimagem280px
Website oficial
Fachada do Centro Universitário, localizado na Rua da Bahia, 2020

O Instituto Metodista Izabela Hendrix é uma instituição de ensino filantrópica brasileira localizada na cidade de Belo Horizonte, estado de Minas Gerais. Inaugurada em 1904, vinculado à Igreja Metodista, hoje está entre os melhores centros educativos do estado. Faz parte da Educação Metodista[1] que conta com cerca de 20 unidades em todo país, dentre estas Colégios, Centros Universitários e Cursos Técnicos.[2]

Fachada do Colégio Metodista Izabela Hendrix, localizado na Rua Espírito Santo, 2055

O Instituto agrega o Colégio Metodista Izabela Hendrix e o Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, que atualmente possui 20 cursos reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC).

Em 2017, a publicação Guia do Estudante, da Editora Abril, avaliou os cursos de graduação oferecidos pelo Centro Universitário e considerou o Izabela Hendrix como o melhor centro universitário privado de Minas Gerais.

História[editar | editar código-fonte]

Fundado pela missionária norte-americana Martha Watts em 1904, o Izabela Hendrix tinha a missão de ser uma escola para meninas brasileiras, com recursos enviados por sociedades metodistas de mulheres americanas. O trabalho foi pioneiro em Minas Gerais, pois atuou na afirmação do direito feminino à plena capacitação para intervenção na vida social.

A década de 60 foi marcante para o Colégio. Até então, ele só recebia matrículas de mulheres, e nesse período passou a receber homens. Já em 1972, o Izabela Hendrix ingressou no ensino superior com a criação de uma faculdade isolada e, em 2002, recebeu o credenciamento como Centro Universitário.

Hoje, o Instituto conta com mais de 5 mil alunos e professores e funciona em três unidades na região metropolitana, sendo eles: Campus LiberdadeBelo Horizonte, Vila da SerraNova Lima e Fazendinha - Sabará.[2][3]

Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix[editar | editar código-fonte]

Uma instituição comunitária, pública e não-estatal[editar | editar código-fonte]

O Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix é uma Instituição Confessional Comunitária de Educação Superior[4], nos termos da Lei nº 12.881, de 12 de novembro de 2013. Isso significa que tem um modelo diferenciado de atuação, cujas características são marcadas pela natureza pública de seus atos instituidores, pela regionalidade de atuação e pelo seu comprometimento com o processo de desenvolvimento de Minas Gerais, especialmente na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O Izabela Hendrix não distribui qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título, e aplica integralmente no país os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais. Ao não ter o compromisso de entregar lucros a acionistas ou mantenedores, assume o caráter público não estatal, para agir no espaço social e coletivo estabelecido pela Sociedade Civil.

Capela Izabela Hendrix, localizada na Rua da Bahia

Uma instituição confessional cristã metodista[editar | editar código-fonte]

A confessionalidade cristã metodista implica ter a espiritualidade e a comunidade como elementos centrais, segundo a pregação de Jesus Cristo sobre o Reino de Deus, cujos valores éticos pressupõem a vida cristã vivenciada e interpretada como uma vida de fé comunitária, sendo fundamental conviver com os outros, viver em comunhão.

A fé comunitária se baseia na espiritualidade, a expressão exterior e corporal da fé interior motivada pelo Espírito Santo. Inclui a fé, o exercício espiritual e o estilo de vida. Trata-se, portanto, da vivência da fé sob as condições da vida cotidiana, abrangendo as dimensões individual, familiar, comunitária e social.

Jesus expressava sua espiritualidade por meio do ouvir, orar, compartilhar, testemunhar e agir. É diferente da espiritualidade ascético-monástica, místico-contemplativa ou fundamentalista. Na tradição da Reforma Protestante, a pessoa se prepara espiritualmente para viver as ambiguidades da vida. Como vemos, é uma espiritualidade comunitária.

A Tradição Metodista nasce da espiritualidade pietista, que enfatiza o processo de salvação: Conversão, Santificação e Edificação dos fiéis. John Wesley foi o criador do movimento metodista, no Século XVII, na Inglaterra.

Para Wesley, como nos lembra o Prof. Dr. Rui de Souza Josgrilberg[5], de quem apresentamos as reflexões sobre espiritualidade a seguir, a experiência cristã se abre como horizonte de práticas e compromissos: é uma experiência que não se fecha como um fim em si mesmo; abre-se num horizonte de práxis. Essa práxis é transformadora nas dimensões pessoal, comunitária, social. Nesse sentido a espiritualidade cristã encarna um paradoxo: viver em Cristo ou segundo o Espírito pode expressar-se assim, perder-separa encontrar-se – Mateus 10:38-39. 

Espiritualidade é práxis de transformação em Cristo, deixar Cristo tomar forma em nós e na comunidade humana. Começa consigo mesmo na relação com Cristo; é práxis que começa em si, mas não termina em si, pois está dirigida aos outros.

A espiritualidade cristã é marcada, desde o início, pelo compartilhar. A pessoa encontra seu valor pleno no espírito que se forma nas relações com Cristo a partir de outros. Esse traço da espiritualidade cristã - perder-se para achar-se por intermédio do outro-, é uma de suas marcas mais ricas e lhe dá uma dimensão universal. O outro com sua diferença, o outro da pluralidade, o outro da tolerância, o outro companheiro/a, o outro pelo qual eu existo e me reconheço.

Espiritualidade cristã, em seu sentido mais geral, pode ser descrita como o compartilhar a vida divina em nós e por meio dos outros. Ela é transformadora da vida pessoal e social, individual e comunitária, institucional e política. A força fermentadora não é uma propagação superficial, mecânica; a força fermentadora é uma transformação lenta, mas profunda.

Compromisso com o Bem Comum[editar | editar código-fonte]

A busca do Bem Comum é central para o Izabela Hendrix, o bem-estar geral, isto é, o bem maior que é possível conseguir para um maior número de pessoas. O bem comum considerado como um bem público, para todos e todas, o que inclui a saúde, a segurança, a educação, as oportunidades, a equidade, o trabalho e o meio-ambiente sadio.  Além disso, diz respeito à pertença de cada indivíduo, à comunidade humana e a certeza de que não pode ser excluído dela.

Ao se posicionar tendo o bem comum como fundamento de sua ação, o Izabela Hendrix assume o caráter relacional ou solidário, para indicar que se trata de um bem partilhado entre todos os agentes morais e realizado junto, através de interações e colaborações. O bem de cada um não se persegue de modo isolado porque o bem de cada um não é separável do bem de todos, mas é interdependente. Trata-se de uma interdependência do tipo moral, que depende da dignidade de cada um e que visa a realização e o bem de todos. Em consequência, depende das realizações de solidariedade que existem na sociedade civil, especialmente para alcanças aqueles que são mais pobres e fragilizados.[6]

Compromisso com o desenvolvimento regional[editar | editar código-fonte]

O Estado de Minas Gerais precisa mudar sua matriz produtiva e a realidade socioeconômica para se tornar mais inclusivo, equânime, justo e capaz de lidar com os desafios da Alta Modernidade. O Izabela Hendrix busca colaborar com a transformação em curso ao se posicionar como uma Instituição Confessional Comunitária Tecnológica de Educação Superior focada no desenvolvimento regional e na inovação.

Se propõe a apresentar caminhos à sociedade, por conhecimentos e competências que ela, sociedade, julga necessários. Busca incorporar os problemas da vida prática como um dos fundamentos da atividade que lhe é própria. Há um consenso de que o objetivo maior dos sistemas educacionais, e muito especialmente da educação superior, é contribuir para a formação do cidadão consciente, o indivíduo autônomo e consciente da sua liberdade. Desse ponto de vista, a formação oferecida pelo Izabela Hendrix é crítica em relação à reificação da tecnologia e a alienação que ela supõe, buscando seus fundamentos no Humanismo.

A formação humanista proposta pelo Izabela Hendrix deve, por um lado, capacitar os indivíduos à comunicação e argumentação racionais em contextos culturais distintos, pois é dessa capacidade que resulta a possibilidade de criação, isto é, de ampliação dos limites legítimos da liberdade, seja por meio de novos objetos que ampliem os horizontes de possibilidades, seja por meio de novas estratégias de relacionamentos sociais. Ela deve igualmente, servir como suporte ao desenvolvimento de uma atitude crítica em relação às estruturas tradicionais de dominação que marcam historicamente a sociedade brasileira.

A tradição de educação Wesleyana e Metodista une o conhecimento à piedade vital. Nessa tradição, o ensino e a aprendizagem devem ter uma ênfase social. Educação é a chave para erradicar a escravidão, a pobreza, a fome, o analfabetismo, o desemprego e muitas outras formas de opressão em todo o mundo. Educação é a chave para promover a paz, o desenvolvimento e o Bem Comum.

Trata-se de se posicionar por uma racionalidade estratégica, entendida como ação orientada por um objetivo determinado, que privilegia a adequação lógica e técnica entre meios e fins. O oposto de uma ação de tipo tradicional, que se molda para ter coerência com padrões de comportamento socialmente sancionados, ainda que promotores da desigualdade de renda e oportunidades. Esse é o horizonte ético do Izabela Hendrix, enquanto uma Instituição Confessional Comunitária Tecnológica de Educação Superior comprometida como humanismo.

Compromisso com o empreendedorismo e inovação[editar | editar código-fonte]

Nesse sentido, o Izabela Hendrix tem como um de seus eixos de atuação o suporte ao empreendedorismo e à inovação, de forma a incentivar e orientar alunos de graduação e pós-graduação interessados em desenvolver empreendimentos econômicos, de forma articulada com outros agentes locais de desenvolvimento.

As novas tecnologias podem resultar em um significativo deslocamento de empregos nas próximas décadas e aumentar as disparidades entre grupos sociais, com mais desemprego estrutural e ampliação da pobreza para amplas parcelas da população. É preciso oferecer oportunidades para capacitação dos trabalhadores e jovens estudantes para atender as novas demandas do mundo do trabalho. O Brasil tem a oportunidade de incorporar e desenvolver avanços científicos e tecnológicos para vencer seus dilemas socioeconômicos, mas, para que isso aconteça, precisa de pessoas bem formadas, capazes de lidar com a complexidade e interagir no âmbito internacional com as grandes cadeias produtivas mundiais.

O Instituto Metodista Izabela Hendrix possui três unidades, sendo: Campus Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, Campus Vila da Serra, em Nova Lima, e Unidade Fazendinha, em Santo Antônio de Roça Grande / Sabará, todos no estado de Minas Gerais.

A educação metodista desenvolveu-se significativamente, representada hoje por cerca de 800 instituições em 80 países, membros da The International Association of Methodist-related Schools, Colleges, and Universities (IAMSCU)[7].[8]


Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

[1]Bolsas de Estudo[9]

Referências

  1. «Account Suspended». www.cogeime.org.br. Consultado em 26 de julho de 2018 
  2. a b «História» 
  3. «Colégio Metodista Izabela Hendrix». colegiometodista.g12.br. Consultado em 23 de julho de 2018 
  4. «Associação Brasileira das Instituições Comunitárias de Educação Superior». www.abruc.org.br. Consultado em 26 de julho de 2018 
  5. Revista Mosaico - Outubro-Dezembro 2007 (PDF). [S.l.: s.n.] 
  6. «Igreja Metodista». 4re.metodista.org.br. Consultado em 26 de julho de 2018 
  7. «Igreja Metodista - Sede Nacional». www.metodista.org.br. Consultado em 18 de julho de 2018 
  8. Reitoria do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix
  9. «Colégio Metodista Izabela Hendrix - Belo Horizonte, Minas Gerais | Melhor Escola». www.melhorescola.com.br. Consultado em 14 de janeiro de 2019