Instituto Millenium

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Instituto Millenium
Tipo Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP)
Fundação 2005
Sede Rio de Janeiro, RJ Brasil
Pessoas-chave Patrícia Carlos de Andrade (fundadora)
Denis Lerrer Rosenfield (fundador)
Website oficial www.imil.org.br

O Instituto Millenium, também conhecido pelo acrônimo Imil (ou IMIL), é um advocacy think tank brasileiro, com sede no Rio de Janeiro. Foi criado em 2005 pela economista Patrícia Carlos de Andrade e pelo professor de filosofia Denis Rosenfield, para difundir uma visão de mundo liberal, situando-se portanto à direita do espectro político.[1][2][3] Conta com o apoio de importantes grupos empresariais e dos meios de comunicação de massa, buscando influenciar a sociedade brasileira através da divulgação das ideias de seus representantes, especialistas e colunistas.[4][5]

História[editar | editar código-fonte]

O Instituto Millenium (Imil) foi fundado em 2005 como "Instituto de Estudos da Realidade Nacional". Em 2009, o Imil tornou-se uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP).[6]

Atividades[editar | editar código-fonte]

O Imil divulga sua visão de mundo através de "seminários, palestras e encontros realizados por todo o país, do contato com a imprensa e a publicação de análises diárias no portal". Segundo o jornalista e ex-candidato ao governo de São Paulo pelo PSOL, Gilberto Maringoni, as conexões entre o Imil e a grande imprensa tendem a assegurar aos seus filiados do Instituto o espaço midiático dedicado à veiculação do ideário do Instituto.[5][4][6]

Vinculação ideológica[editar | editar código-fonte]

Oficialmente, o Imil declara-se como "sem vinculação político-partidária", mas divulga valores de "liberdade individual, direito de propriedade, economia de mercado, democracia representativa, Estado de Direito e limites institucionais à ação do governo".[6] O Imil, contudo, não se assumia como "liberal", pelo menos até os anos 2000, pois, segundo sua fundadora, Patrícia Carlos de Andrade, esta palavra seria traduzida erroneamente no Brasil como "direitista" ou "apoiador de ditaduras militares".[7] Já em 2005, Patricia Andrade assina, como co-autora, artigo publicado no site do Imil, no qual critica a falta de uma "corrente político-cultural de direita moderna, que apresente alternativas de avanço para o País na conclusão da transição entre o forte estatismo que sempre caracterizou a sociedade brasileira e a real democracia de mercado, nunca antes experimentada".[1]

O Imil alinha-se com outras instituições similares, brasileiras ou internacionais, entre elas, estão o Instituto Liberal, Movimento Endireita Brasil, Instituto Liberdade, Instituto Ling, Instituto Atlântico, Instituto de Estudos Empresariais,[6][8] a rede chilena Latinoamerica Libre[9] e a global Atlas Economic Research Foundation.[10]

Pensadores e articulistas identificados com a direita política também estão entre os fundadores, inspiradores, simpatizantes, especialistas e colaboradores habituais ou eventuais do Imil - vários deles com significativa exposição midiática -, como Alexandre Schwartsman,[11]Bolívar Lamounier,[12]Edmar Bacha,[13] Gustavo Franco,[14] Reinaldo Azevedo,[15] Ali Kamel,[16] entre outros.[17][3]

O Imil tem sido apontado como um sucessor dos think tanks IBAD[18] e IPES.[19]

Financiamento e estrutura[editar | editar código-fonte]

Ao tornar-se uma OSCIP, o Imil tornou-se apto à "receber doações dedutíveis de Imposto de Renda de pessoas jurídicas de até 2%".[6] Entre seus mantenedores, parceiros e patrocinadores, já estiveram as grandes empresas de mídia, como o Grupo Abril (revistas Veja e Exame), Grupo OESP (O Estado de S. Paulo) e Grupo RBS (afiliado à Rede Globo no Sul do Brasil) a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ). Também já estiveram entre os mantenedores a segunda maior universidade privada do Brasil (Estácio de Sá),[20] conglomerados industriais (Grupo Gerdau e Suzano), seguradoras (Pottencial e Porto Seguro) e instituições financeiras, como o Bank of America Merrill Lynch.[8] O instituto também aceita doações feitas por pessoas físicas.[6]

Personalidades associadas[editar | editar código-fonte]

Entre outros mantenedores e associados notáveis, o Imil possui as seguintes personalidades das cenas cultural, jornalística e empresarial do Brasil:[6]

O falecido Roberto Civita, presidente do Grupo Abril, também foi um dos conselheiros do Instituto Millenium.[21]

Entre os membros "convidados", incluem-se:[22]

Entre os membros da categoria "especialistas", estão:[23]

Referências

  1. a b Hector Leis (13 de abril de 2005). Instituto Millenium, ed. «Revolucionando a agenda política». Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  2. Por que a direita anda mais raivosa do que nunca? Os barões das grandes corporações midiáticas perceberam que, para haver uma oposição de direita forte, é preciso uma ampla opinião pública direitista. Por Antonio Lassance. Carta Maior, 19 de junho de 2014
  3. a b Vanguarda popular: a direita sai do armário (com roupas de esquerda). Lady Baginski, Ricardo Salles, Ricardo Gama, Helio Beltrão Filho, Movimento Endireita Brasil, Movimento Direitas Já: o que pretendem os jovens brasileiros de direita, liderados pelo Instituto Millenium. Por Alex Solnik. Brasileiros, 20 de dezembro de 2012.
  4. a b Laurindo Lalo Leal Filho (26 de junho de 2012). Observatório da Imprensa, ed. «Imprensa sob suspeita». Consultado em 26 de outubro de 2013 
  5. a b Gilberto Maringoni (17 de fevereiro de 2010). Carta Maior, ed. «Instituto Millenium: toda a democracia que o dinheiro pode comprar!». Consultado em 27 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 29 de Outubro de 2010 
  6. a b c d e f g Instituto Millenium (ed.). «Quem Somos». Consultado em 26 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 16 de Dezembro de 2013 
  7. Ricardo Allan (1 de junho de 2009). Instituto Millenium, ed. «Conversa com Patrícia». Consultado em 26 de outubro de 2013 
  8. a b Instituto Millenium (ed.). «Mantenedores e Parceiros». Consultado em 26 de outubro de 2013 
  9. Latinoamerica Libre, ed. (20 de dezembro de 2009). «Latinoamerica Libre - Enlaces» (em castelhano). Consultado em 26 de outubro de 2013 
  10. Atlas Economic Research Foundation (ed.). «Directory» (pdf) (em inglês). Consultado em 26 de outubro de 2013 
  11. Instituto Millenium. Autor: Alexandre Schwartsman
  12. Instituto Millenium. Autor: Bolívar Lamounier
  13. Instituto Millenium. Autor: Edmar Bacha
  14. Instituto MilleniumAutor: Gustavo H. B. Franco
  15. Instituto Millenium (ed.). «Reinaldo Azevedo». Consultado em 7 de abril de 2014 
  16. Instituto Millenium (ed.). «Ali Kamel». Consultado em 7 de abril de 2014 
  17. Instituto Millenium (ed.). «Especialistas». Consultado em 26 de outubro de 2013 
  18. Millenium é o novo IBAD Instituto Millenium, 18 de março de 2010 (originalmente publicado pelo Jornal Bom Dia, 15 de março de 2010).
  19. Instituto Millenium, mídia e as lições da história. Por Emiliano José. Carta Capital, 6 de setembro de 2012.
  20. Informatica Corporation, ed. (8 de agosto de 2012). «Estacio University Realizes Significant Annual Savings with Informatica». Consultado em 26 de outubro de 2013 
  21. Instituto Millenium, ed. (27 de maio de 2013). «A multiplicidade de vozes é fundamental». Consultado em 26 de outubro de 2013 
  22. Instituto Millenium. Convidados
  23. Instituto Millenium. Especialistas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]