Instituto Viver Basquetebol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lobos Brasília
Lobos Brasília logo
Nome completo Instituto Viver Basquetebol
Alcunha Time de Lobos
Torcedores Brasiliense
Candango
Torcida de Feras
Mascote Lobo Guará
Fundação 2000 (17 anos)
(como Universo/Brasília)
Arena Ginásio ASCEB
Ginásio Nilson Nelson
Arena Capacidade 1.100 pessoas
16.000 pessoas
Localização Brasão do Distrito Federal (Brasil).svg Brasília, Distrito Federal (Brasil) DF
Cores Azul, Vermelho, Branco
              
Presidente Brasil Homero Neto
Títulos 1 Liga das Américas
3 Liga Sul-Americana
4 Campeonato Brasileiro
11 Metropolitano/Braba

O Instituto Viver Basquetebol é um clube de basquete brasileiro, sediado em Brasília, Distrito Federal, e atualmente fora da disputa de campeonatos oficiais. O time foi fundado em 2000 e rebatizado em 13 de junho de 2009, sendo originalmente ligado à Universidade Salgado de Oliveira (Universo), e de 2010 a 2017 vinculado ao Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Seus ginásios são o Nilson Nelson e a ASCEB.

Os resultados dentro de quadra favoreceram à sua consolidação, em especial o tricampeonato do Novo Basquete Brasil conquistado na temporada 2011-12, que levou o time a alcançar a marca de quatro títulos nacionais em seis finais consecutivas.[1] Além disso, o Lobos Brasília foi o primeiro clube brasileiro campeão da Liga das Américas, o torneio da Federação Internacional de Basquetebol (FIBA) mais importante para equipes do continente.[2]

História[editar | editar código-fonte]

2000-06: criação e consolidação[editar | editar código-fonte]

A história do Instituto Viver Basquetebol começou em 2000, quando a Universidade Salgado de Oliveira montou em Brasília seu time de basquete. Desde o seu primeiro ano a equipe passou a dominar o cenário local do DF, com a conquista dos Campeonatos Metropolitanos de Basquetebol, mas somente em 2003, a partir do investimento de um patrocinador de peso como o BRB,[3] o time apareceu pela primeira vez no cenário nacional. Naquela temporada, o então Universo/BRB/Brasília conquistou a Supercopa Brasil de Basquete contando com um plantel de atletas experientes e com passagem pela Seleção Brasileira, como Ratto, Alexey Carvalho e Sandro Varejão.[4]

WikiCup Trophy Gold.png
Supercopa Brasil
2003 e 2004

Com o título da Supercopa de 2003, a equipe conquistou uma vaga no Campeonato Brasileiro de Basquete de 2004. Mantido o elenco do ano anterior, a equipe conquistou o bicampeonato da Supercopa em 2004,[5] garantindo presença pelo segundo ano consecutivo na principal competição nacional.

Com a continuidade do trabalho, o time, comandado na época por José Roberto Lux, alcançou a 4° posição no Campeonato Brasileiro de Basquete de 2005. No ano seguinte, a equipe foi montada para conquistar finalmente o título nacional, mas o desfecho daquela temporada até hoje gera polêmica. Oficialmente, o Campeonato Brasileiro de 2006 sequer teve final, pois o time de Brasília entrou com liminar na Justiça alegando que o armador Arnaldinho, do Telemar/Rio de Janeiro, teria jogando irregularmente no hexagonal que definiu os finalistas.[6]

2007-12: hegemonia nacional[editar | editar código-fonte]

O ano de 2007 marcou o início da chamada Era de Ouro da equipe brasiliense, que chegaria a seis finais nacionais consecutivas para conquistar quatro títulos brasileiros, além dos troféus da Liga Sul-Americana de Basquete e da Liga das Américas. A deslanchada do time foi possível graças à chegada de um grupo de ex-jogadores do COC/Ribeirão Preto, como Nezinho, Alex Garcia, Arthur, Márcio Cipriano e Alírio.

WikiCup Trophy Gold.png
Campeonato Brasileiro
2007

Já em 2007, após uma série invicta de 20 jogos, o Universo/BRB/Brasília obteve o recorde de público do basquete nacional numa partida contra o Flamengo, com 24.286 pessoas fazendo barulho no Ginásio Nilson Nelson.[7] E na final do Campeonato Brasileiro daquele mesmo ano, a consagração para os comandados de José Carlos Vidal: o título nacional em cima do tradicional time de Franca.[8] Após o título, Alex partiu para uma nova aventura internacional, desta vez para jogar em Israel. Nezinho também deixou o time, indo defender a equipe de Limeira. E o time sentiu a saída dos dois.[9]

Na temporada 2008, para repor a saída de Nezinho e Alex, foram contratados Valtinho e o norte-americano Maurice Spillers. O time voltou a ser comandado por Lula Ferreira e foi vice-campeão Campeonato Brasileiro, perdendo a final para o Flamengo por 3 a 0.[10]

Copa de Liga de España2.svg
Liga das Américas
2008-09

Alex Garcia voltou para Brasília em 2009, mas o time novamente foi vice-campeão brasileiro, dessa vez na primeira edição do Novo Basquete Brasil (NBB), perdendo a final mais uma vez para o Flamengo, pelo placar de 3 a 2.[11] Ainda assim, escalou um degrau e conquistou o primeiro título internacional do grupo, sendo campeão da Liga das Américas, vencendo o Quadrangular Final jogado em Xalapa, no México, contra a equipe da casa, Halcones Xalapa.[12]

Coppadelre.png
Liga Sul-Americana
2010

Decidido a recuperar a posição mais alta do basquete brasileiro, o Universo recontratou Nezinho e repatriou Guilherme Giovannoni em 2010.[13] A equipe então vingou-se do Flamengo, e voltou a sagrar-se Campeã Nacional vencendo o clube carioca por 3 a 2 na final do NBB2.[14]

A partir da temporada seguinte, a equipe passou a ser abrigada pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Desavenças políticas levaram o Universo a trocar Brasília por Uberlândia.[15] Com a mudança, saíram Valtinho e Estevam, que foram defender as cores da equipe mineira, enquanto o técnico Lula Ferreira foi substituído por José Carlos Vidal.

WikiCup Trophy Gold.png
NBB
2009-10, 2010-11
e 2011-12

O grupo que sobrou, trocando as cores azul e branca do Universo pelo vermelho e branco do UniCEUB, ganhou o NBB3, novamente sobre Franca na final,[16] e a Liga Sul-Americana, sobre o Flamengo em pleno Rio de Janeiro.[17] Em 2012 a equipe ainda alcançaria seu quarto título nacional naquela geração ao ser tricampeã no NBB4, em final em jogo único contra o São José.[18]

2013-17: renovação e sucesso continental[editar | editar código-fonte]

Após seis temporadas de conquistas encadeadas, a temporada 2012-13 foi a primeira sem títulos para a equipe brasiliense. O time acabou eliminado nas quartas-de-final do NBB5 por São José, perdendo a série por 3 a 2 com uma dolorosa derrota no quinto jogo em pleno Nilson Nelson.[19] Vidal deixou de ser o técnico e o projeto buscou renovação com a contratação do argentino Sérgio Hernández, tricampeão argentino das temporadas 2009-10, 2010-11 e 2011-12 com o Peñarol de Mar del Plata, para ser o novo treinador.[20]

Coppadelre.png
Liga Sul-Americana
2013

Com Hernández no comando, o time foi campeão de sua segunda Liga Sul-Americana,[21] mas não foi além das quartas-de-final no NBB6, caindo novamente diante de São José, por 3 a 0.[22] Ao fim da temporada, Alex e Nezinho deixaram a equipe, encerrando suas trajetórias vitoriosas na capital nacional.[23] Para repor a vaga do armador, o UniCEUB/BRB/Brasília anunciou a contratação do experiente Fúlvio para a temporada 2014-15.[24] Novamente sob as instruções de Carlos Vidal, a equipe voltou a ser eliminada nas quartas-de-final do NBB, dessa vez perdendo para Limeira.[25]


Para a temporada 2015-16, o Uniceub/BRB/Brasília manteve a base do ano anterior e investiu na contratação de jovens promessas do basquete brasileiro como Deryk Ramos e Jefferson Campos.[26] Com um banco mais equilibrado, possibilitando maior rotação durante os jogos, a equipe conquistou sua terceira Liga Sul-Americana, tornando-se a maior vencedora da competição, ao lado do Atenas de Córdoba (ARG).[27] No NBB, entretanto, a equipe voltou a ficar de fora da decisão, ao ser eliminada por Bauru nas semi-finais.[28]

Coppadelre.png
Liga Sul-Americana
2015

Dando sequência à renovação do elenco, o Uniceub/BRB/Brasília contratou dois pivôs jovens e promissores para a temporada 2016-17: Lucas Mariano, com passagens pela Seleção Brasileira,[29] e Fab Melo, com experiência na NBA.[30] Mas, mesmo com a melhora na rotação da equipe ao longo da temporada, o time foi eliminado prematuramente na segunda fase da Liga Sulamericana e nas quarta-de-final do NBB9, mais uma vez perdendo a série para Bauru.[31]

2017-presente: hiato esportivo e futuro incerto[editar | editar código-fonte]

Depois de sete anos como principal patrocinador da equipe de Brasília, o UniCEUB anunciou ao fim da temporada 2016-17 que deixaria de aportar recursos à modalidade, assim como a Terracap. Com isso, a permanência de Brasília no cenário nacional do basquete ficou ameaçada.[32] O Banco de Brasília - patrocinador da equipe desde 2004 - chegou a garantir a continuidade do projeto, mantendo a marca BRB Card vinculada à equipe,[33] que seria a partir de então renomeada como Lobos Brasília.[34] A equipe, no entanto, não conseguiu levantar o capital necessário para a disputa da temporada 2017-18 do NBB e anunciou o seu afastamento da competição.[35]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Red pog.svg Títulos Nacionais
Cyan pog.svg Títulos Sul-Americanos
Pfeil links oben.svg Título das Américas
Basketball.png Continentais
Copa de Liga de España2.svg FIBA Liga das Américas: 2008-09
Coppadelre.pngCoppadelre.pngCoppadelre.png Liga Sul-Americana de Basquete: 2010, 2013 e 2015


Basketball.png Nacionais
WikiCup Trophy Gold.png WikiCup Trophy Gold.png WikiCup Trophy Gold.png WikiCup Trophy Gold.png Campeonato Brasileiro: 2007, 2009-10, 2010-11 e 2011-12
WikiCup Trophy Gold.png WikiCup Trophy Gold.png Supercopa Brasil de Basquete: 2003 e 2004


Basketball.png Regionais
Liga10.pngLiga trophy (adjusted).png Metropolitano/Braba: 2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2015 e 2016


Basketball.png Outros
Torneio de Páscoa (MG): 2006
Copa Sudeste (MG): 2008-09
Troféu Yuncheng Shanxi (CHI) : 2009
Troféu João Herculino (DF): 2011
Troféu Oscar Vieira (SP): 2011
Copa Minas Gerais (MG): 2016
Copa Universo (BA): 2016

Equipe sub22

Performances[editar | editar código-fonte]


Competição Títulos 2º lugar 3º lugar 4º lugar Temporadas Estreia Última
Latin America (orthographic projection).svg Liga das Américas 1 (2008-09) 2 (2012 e 2013) 8 2007-08 2016
South America (orthographic projection).svg Liga Sul-Americana 3 (2010, 2013 e 2015) 1 (2012) 1 (2011) 1 (2007) 10 2006 2016
Brazil (orthographic projection).svg Campeonato Brasileiro 4 (2007, 2009-10, 2010-11 e 2011-12) 2 (2008 e 2008-09) 2 (2005 e 2015-16) 14 2004 2016-17
SuperCopa Brasil 2 (2003 e 2004) 2 2003 2004
Distrito Federal (Brasil) Metropolitano/Braba 11 (2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2015 e 2016) 2 (2013 e 2014) 16 2000 2016

Elenco[editar | editar código-fonte]


Ao longo das temporadas, a equipe de Brasília sempre contou com jogadores com passagem pela Seleção Brasileira e grande destaques no cenário do basquete nacional. Nos últimos anos, com a tentativa de reestruturação do elenco, o clube também passou a apostar em jovens promessas do esporte no País. Para eternizar a passagem de grandes ídolos pelo time, em 2016 foi criado o Hall da Fama, no qual as mãos de atletas vitoriosos em Brasília passaram a ser expostas em um memorial no Ginásio da ASCEB.[36]


Temporadas anteriores





Legenda
Hall da Fama BrasíliaHomenageado no Hall da Fama de Brasília
Seleção PrincipalConvocado para a Seleção Nacional Principal
Seleção de BaseConvocado para a Seleção Nacional de Base
NBA Atleta com passagem pela NBA
Medalhista Panamericano Medalhista Panamericano
Atleta Olímpico Atleta Olímpico

Recordes de público[editar | editar código-fonte]

A arquitetura do Ginásio Nilson Nelson foi inspirada em uma cesta de basquete.

O Brasília é detentor do maior público registrado em uma partida de basquete realizada no Brasil, com 24.286 torcedores na histórica vitória de 101 a 76 contra o Flamengo, em partida realizada no dia 1º de maio de 2007 no Ginásio Nilson Nelson.[37]

O recorde do Novo Basquete Brasil também é do Brasília. No jogo em que venceu Franca por 77 a 68 e se sagrou campeão do NBB 2010-11, a equipe do DF colocou 18.000 pessoas no Nilson Nelson,[38] superando a capacidade máxima da Arena após as reformas para receber o Campeonato Mundial de Futsal da FIFA em 2008, sendo que os ingressos se esgotaram em menos 24 horas.

Os excelentes resultados do Lobos Brasília e as ótimas médias de público dos torcedores brasilienses levaram a Liga Nacional de Basquete (LNB) a escolher a capital federal como sede do Jogo das Estrelas NBB na temporada 2012/2013.[39] O evento foi realizado nos dias 1 e 2 de março de 2013, e contou com um público de cerca de 14.000 pessoas.

Rivalidades[editar | editar código-fonte]

Brasília x Flamengo[editar | editar código-fonte]

Brasília x Flamengo
Histórico
Jogos oficiais 47
Retrospecto BRA 22–25 FLA
Maior vitória 110–72 Flamengo
(NBB 2011–12)
Finais disputadas
CBB 2008 Flamengo, 3–0
NBB 2008-09 Flamengo, 3–2
NBB 2009-10 Brasília, 3–2
LSA 2010 Brasília, 1-0

Considerado o maior clássico do basquetebol brasileiro na última década e conhecido como o Clássico dos Campeões,[40] a rivalidade entre as duas equipes se traduz também na disputa pela hegemonia recente do esporte no País.[41] O histórico entre as duas equipes tem o retrospecto de 25 vitórias cariocas contra 22 candangas em 47 partidas oficiais disputadas, excluídos os amistosos. Considerando-se apenas os 28 jogos válidos pelo NBB, o confronto tem 14 vitórias para o Flamengo e 14 para Brasília.[42]

O confronto marcou as finais de diversos torneios nacionais e internacionais, sendo que o Flamengo ganhou as decisões do CBB 2008 e do NBB 2008-09, enquanto o Lobos Brasília venceu as finais do NBB 2009-10 e da Liga Sul-Americana 2010. Como o clássico tem registrado as maiores médias de público do basquete nacional, em Brasília os jogos são disputados no Ginásio Nilson Nelson, com maior capacidade e segurança.

As equipes também foram protagonistas do Jogo 1.000 do NBB, disputado no primeiro turno da temporada 2012-13.[43] Além disso, o clássico foi escolhido para abrir a edição 2013-14 do NBB no dia 9 de novembro de 2013.[44] O Flamengo também foi o clube escolhido para o torneio amistoso Troféu João Herculino que marcou a apresentação da equipe brasiliense para a temporada 2011-12.[45]

Brasília x Franca[editar | editar código-fonte]

Brasília x Franca
Histórico
Jogos oficiais 40
Retrospecto BRA 24–16 FRA
Maior vitória 92–72 Brasília
(NBB 2010–11)
Finais disputadas
CBB 2007 Brasília, 3–1
NBB 2010-11 Brasília, 3–1

Maior campeão brasileiro do Século XX com 11 títulos, Franca passou a ter o apelido de Capital do Basquete ameaçado pela ascensão do Lobos Brasília,[46] que conquistou 4 campeonatos nacionais no Século XXI. Além da rivalidade pelo reconhecimento enquanto capital nacional do esporte, as equipes disputaram as finais do CBB 2007 e do NBB 2010-11, ambas vencidas pelo clube brasiliense.

Na história de confrontos entre as duas equipes, Brasília registra 24 vitórias, contra 16 da rival. Considerando-se apenas os 27 jogos válidos pelo NBB, Brasília também leva vantagem, sendo 16 vitórias contra 11 da equipe paulista.[47]

Outro elemento que incrementou a rivalidade entre os clubes foi a escolha de Brasília como sede do Jogo das Estrelas do NBB na temporada 2012-13, após dois anos de realização do evento em Franca.[48]

Escudo[editar | editar código-fonte]

Ao ser fundado em 2000, o time adotou o símbolo da Universidade Salgado de Oliveira como escudo para disputar competições locais e regionais, mas, com a conquista da vaga para o Campeonato Brasileiro de Basquete de 2004, foi necessário adotar um escudo próprio, já que outras equipes - de Goiás [49] e Minas Gerais [50] - que disputavam a competição também eram mantidas pelo Universo. Em 2008, já sendo a última remanescente das equipes vinculadas à universidade, a equipe de Brasília voltou a usar o símbolo do grupo como escudo oficial, até o fim da parceria em 2010.[51]

A partir de 2010, com a parceria entre a equipe e o Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), o escudo passou a fazer referência ao Lobo-Guará, eleito mascote do time no ano anterior. A primeira versão do novo símbolo trazia o animal segurando uma bola de basquete dentro de uma elipse em referência à própria marca do novo mantenedor do time. A partir de 2011, o escudo foi simplificado para ser tornar a face do Lobo, incorporando estrelas simbolizando os títulos nacionais da equipe.

Por fim, em 2016 o escudo passou por uma nova modernização que conferiu maior agressividade ao animal-símbolo da equipe.[52] Também houve a retirada das estrelas que integravam o distintivo. Abaixo, a evolução dos escudos, desde a fundação até os dias atuais:

Evolução do Escudo do Instituto Viver Basquetebol
2000-2003 2004-2007 2008-2010 2010-2011 2011-2016 2016-presente
Instituto Viver Basquetebol 2008-2010.png Instituto Viver Basquetebol 2000-2007.png Instituto Viver Basquetebol 2008-2010.png Instituto Viver Basquetebol 2011.png Instituto Viver Basquetebol 2012-2015.png Brasilia Instituto Viver Basquetebol.png

Mascote[editar | editar código-fonte]

O Lobo Guará está presente no escudo da equipe desde 2010.
O mascote do Brasília é o Lobo Guará. A escolha foi feita por meio de votação popular no Distrito Federal realizada em abril de 2009. Com 1.003 votos, o animal foi eleito o representante oficial do clube, derrotando outras espécies típicas do cerrado brasileiro, como o Calango e a Siriema.[53] Logo em seguida, no dia 1 de maio, o mascote foi lançado em uma partida válida pela 12º rodada da segunda edição do NBB. Desde a temporada 2010-11, o Lobo Guará está presente no escudo oficial da equipe, além de ser o símbolo da Torcida Organizada UNI.

De modo a criar simpatia com o público e atrair crianças aos jogos, o mascote sempre é ilustrado como um personagem infantil. Nos intervalos das partidas em Brasília, o Lobo Guará participa de brincadeiras com os espectadores e distribui brindes do time e seus patrocinadores.

Para a temporada 2016-17, o mascote foi repaginado e ganhou a companhia de um grupo oficial de Cheerleaders, formado por dançarinas profissionais,[54] campeãs sul-americanas em 2016 do Hip Hop International. O grupo irá disputar o campeonato mundial da modalidade em 2017, em Las Vegas.

O Lobo Guará também é uma das atrações da Cortina da Distração, junto a outros personagens fantasiados que tentam desestabilizar atletas adversários posicionados na linha de lance livre. A brincadeira, tradicional no basquete universitário norte-americano, também conta com a participação de torcedores da equipe.[55]

Uniformes[editar | editar código-fonte]

2017-18 - não usado

Kit body lobos1718.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts lobos1718.png
Team colours
Mandante
Kit body lobos1718a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts lobos1718a.png
Team colours
Visitante
Kit body lobos1718b.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts lobos1718b.png
Team colours
Alternativo

2016-17

Kit body brasiliabk1617.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts brasiliabk1617z.png
Team colours
Mandante
Kit body brasiliabk1617a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts brasiliabk1617az.png
Team colours
Visitante
Kit body brasiliabk1617b.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts brasiliabk1617bz.png
Team colours
Alternativo

2014-16

Kit body brasiliabk1516.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts brasiliabk1516.png
Team colours
Mandante
Kit body brasiliabk1516a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts brasiliabk1516a.png
Team colours
Visitante
Kit body brasiliabk1516c.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts brasiliabk1516c.png
Team colours
Alternativo

2010-14

Kit body brasilia1.png
Mandante jersey
Kit shorts red stripes adidas.png
Team colours
Mandante
Kit body brasilia1.png
Visitante jersey
Kit shorts red stripes adidas.png
Team colours
Visitante
Kit body brasilia3.png
Alternativo jersey
Kit shorts blue stripes adidas.png
Team colours
Alternativo

2008-10

Kit body universobk08a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk06a.png
Team colours
Mandante
Kit body universobk08b.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk05a.png
Team colours
Visitante

2007

Kit body universobk06a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk06a.png
Team colours
Mandante
Kit body universobk05a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk05a.png
Team colours
Visitante

2006

Kit body universobk06a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk06a.png
Team colours
Mandante
Kit body universobk06b.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk06b.png
Team colours
Visitante

2005

Kit body universobk05b.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk04b.png
Team colours
Mandante
Kit body universobk05a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk05a.png
Team colours
Visitante

2004

Kit body universobk04b.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk04b.png
Team colours
Mandante
Kit body universobk04a.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universobk04a.png
Team colours
Visitante

2000-03

Kit body universobk0003a.png
{{{title}}} jersey
Team colours
Team colours
Mandante
Kit body universobk0003b.png
{{{title}}} jersey
Kit shorts universo0003b.png
Team colours
Visitante

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

Sub22[editar | editar código-fonte]

O Lobos Brasília disputa a Liga de Desenvolvimento do Basquete, da qual participam as principais equipes filiadas à LNB. Na primeira edição do torneio, que em 2011 contou com 16 times participantes, o clube se classificou para o quadrangular final e acabou na quarta colocação. O campeonato revelou jovens jogadores que posteriormente foram integrados à equipe adulta de Brasília, com destaque para o pivô Ronald Reis.[56] A categoria é comandada pelo técnico Frederico Rossi.

Além disso, a capital federal foi escolhida como uma sedes da segunda edição do torneio, ao lado de Belo Horizonte. Com 19 equipes dividas em quatro grupos, a competição de 2012-13 teve sua fase final também em Brasília, no mesmo final de semana do Jogo das Estrelas do NBB.[57]

Peneiras[editar | editar código-fonte]

O Lobos Brasília faz seletivas anuais entre os meses de fevereiro e março para jovens que queiram se tornar jogadores profissionais de basquete. As peneiras são uma oportunidade aos que queiram seguir os passos de importantes atletas da Seleção Brasileira de Basquetebol Masculino que iniciaram sua trajetória com a bola laranja no Distrito Federal como, por exemplo, Oscar Schmidt e Pipoka. Este último, com passagem na NBA, encerrou a sua carreira no time de Brasília após o título nacional da temporada de 2007.

As diversas categorias de idade disputam, entre outros torneios, o Campeonato Brasiliense e a Copa Brasil Central de Basquete.[58] Sob o comando do treinador Márcio Guilherme, as equipes de base seguem o time adulto e treinam nos ginásios da ASCEB e Nilson Nelson.

Em competições internacionais, o Lobos Brasília conquistou o título sulamericano Sub-14 em 2012 ao vencer o 16º Encontro Sulamericano de Basquete. No mesmo torneio, a equipe Sub-15 ficou na terceira colocação.[59]

Marketing[editar | editar código-fonte]

Brasília Basketball Weekend

Para apresentar o elenco para a temporada 2016-17 e mostrar outras novidades aos torcedores, o Lobos Brasília organizou um evento de três dias em uma arena montada no estacionamento do Shopping Boulevard, entre 26 e 28 de agosto de 2016. Além do lançamento de novos uniformes, nova identidade visual do mascote e do grupo de cheerleaders, o Brasília Basketball Weekend contou com apresentações musicais, grafite e com uma etapa do Campeonato Brasileiro de Basquete 3x3. A equipe inaugurou ainda o seu Hall da Fama, com o ala Arthur Belchor.[60]

Video Game

O Lobos Brasília foi uma das 15 franquias da Liga Nacional de Basquete a estrelar o Game NBB, lançado em março de 2012 pela Globo.com. Desenvolvido pela Aquiris Game Studio, o jogo conta com três modalidades de disputa: arremessos de três pontos, lances livres e enterradas. Para cada uma delas, são oferecidas três opções: treinamento, prova (cujos pontos contam para um ranking geral ou de grupo) e versus (contra outro jogador). Todos os clubes que disputaram o NBB 2011-12 estiveram presentes na primeira versão jogo, que foi premiado na categoria "Artes/Design" do Brasil Game Show 2012.[61]

Tour da taça

Após a conquista do tricampeonato consecutivo do Novo Basquete Brasil, o Lobos Brasília iniciou em agosto de 2012 uma exposição itinerante do troféu da competição por colégios de Ensino Médio da capital. Além da taça, o projeto contou com módulos em tamanho real dos principais atletas da equipe, como Alex, Guilherme Giovannoni, Nezinho, Arthur e Ronald Reis. As visitas às escolas tiveram ainda a presença de jogadores do clube e os alunos participaram de sorteios de produtos oficiais do NBB.[62]

Jogos itinerantes

Para conquistar novos torcedores e fortalecer a marca do Lobos Brasília em todo o Distrito Federal, a equipe lançou o projeto "Jogos Itinerantes" na temporada 2011-12 do Novo Basquete Brasil, levando partidas oficiais do time para ginásios de outras regiões administrativas do DF. A inicativa em princípio desagradou parte da torcida acostumada a assistir aos jogos do clube nos ginásios ASCEB e Nilson Nelson, no centro de Brasília, mas garantiu bom público nos locais visitados, como Sobradinho e Cruzeiro. Para poder mandar partidas em outros locais, o time precisou da aprovação da Liga Nacional de Basquete.[63]

Automobilismo

Em iniciativa inédita no basquetebol brasileiro, o Lobos Brasília estampou o teto dos carros da equipe brasiliense Amir Nasr Racing na 2ª etapa da Copa Petrobras de Marcas de 2012 disputada no Autódromo Nelson Piquet nos dias 8, 9 e 10 de junho.[64] Os Ford Focus dos pilotos #3 Vitor Meira e #30 Serafin Jr tinham os mesmos patrocinadores principais do time de Brasília e foram adesivados com mensagem idêntica à camiseta vestida pelos jogadores após a conquista do terceiro título consecutivo do Novo Basquete Brasil uma semana antes, no dia 2 de junho: "Uma aula de basquete - UniCEUB/BRB tricampeão do NBB".

MMA

Mesmo tendo contrato com o Flamengo, o então campeão mundial Peso Pena do UFC, José Aldo vestiu o uniforme do Lobos Brasília e participou de treinamento com atletas da equipe no Ginásio ASCEB. O evento ocorreu na véspera do Shooto Brasil 31, realizado em Brasília em julho de 2012,[65] e o lutador de Artes Marciais Mistas posou para fotos com os jogadores e até mesmo acertou diversas cestas. Além disso, José Aldo levou o ala Arthur Belchor para um treino de artes marciais no ringue da competição montado no Ginásio Nilson Nelson, que também é uma das casas da equipe brasiliense de basquete.[66]

Comerciais

O Centro Universitário de Brasília - UniCEUB foi a primeira instituição a veicular comercial com a equipe de basquete, durante os meses de novembro e dezembro de 2010, para promover o seu vestibular de verão. A propaganda audiovisual veio ao ar logo após a conquista da Liga Sul-Americana de Clubes.[67] O segundo filme comercial foi veiculado pelo Banco de Brasília - BRB, agente financeiro oficial do Distrito Federal e parceiro ininterrupto do time de basquete desde 2003. Na propaganda audiovisual, os jogadores Alex, Arthur, Guilherme Giovannoni e Nezinho aparecem como clientes do banco.[68]


Cronologia[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 6 de junho de 2012 
  2. «FIBA Américas». Consultado em 6 de junho de 2012 
  3. «Jornal Coletivo». Consultado em 29 de julho de 2014 
  4. «Folha de S. Paulo». Consultado em 29 de julho de 2014 
  5. «Esporte Uol». Consultado em 29 de julho de 2014 
  6. «Esporte Uol». Consultado em 29 de julho de 2014 
  7. «Folha de S.Paulo». Consultado em 29 de julho de 2014 
  8. «Forum CifraClub / Globo Esporte». Consultado em 29 de julho de 2014 
  9. «Esporte Candango». Consultado em 29 de julho de 2014 
  10. «Esporte Candango». Consultado em 29 de julho de 2014 
  11. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 29 de julho de 2014 
  12. «Extra». Consultado em 29 de julho de 2014 
  13. «Esporte IG». Consultado em 29 de julho de 2014 
  14. «Draft Brasil». Consultado em 29 de julho de 2014 
  15. «Lancenet». Consultado em 29 de julho de 2014 
  16. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 29 de julho de 2014 
  17. «Gazeta Esportiva». Consultado em 29 de julho de 2014 
  18. «Estadão». Consultado em 29 de julho de 2014 
  19. «Gazeta Esportiva». Consultado em 29 de julho de 2014 
  20. «Folha de S. Paulo». Consultado em 29 de julho de 2014 
  21. «Lancenet». Consultado em 29 de julho de 2014 
  22. «Globo Esporte». Consultado em 29 de julho de 2014 
  23. «Jornal de Brasília». Consultado em 29 de julho de 2014 
  24. «Ahe Brasil». Consultado em 29 de julho de 2014 
  25. «SuperEsportes». Consultado em 8 de novembro de 2015 
  26. «Fato Online». Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  27. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  28. «Gazeta Esportiva». Consultado em 10 de maio de 2016 
  29. «Globo Esporte». Consultado em 16 de junho de 2016 
  30. «Globo Esporte». Consultado em 16 de junho de 2016 
  31. «Globo Esporte». Consultado em 1 de maio de 2017 
  32. «DF Super Esportes». Consultado em 8 de junho de 2017 
  33. «Jornal de Brasília». Consultado em 5 de julho de 2017 
  34. «Metrópoles». Consultado em 12 de julho de 2017 
  35. «Globo Esporte». Consultado em 25 de agosto de 2017 
  36. «UniCeub/BRB apresenta elenco ao público e aposta em renovação do marketing». Consultado em 28 de agosto de 2016 
  37. «Correio Braziliense». Consultado em 30 de setembro de 2011 
  38. «Liga Nacional de Basquete» (PDF). Consultado em 6 de junho de 2012 
  39. «Basketeria». Consultado em 6 de fevereiro de 2013 
  40. «LNB». Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  41. «SuperEsportes». Consultado em 22 de junho de 2012 
  42. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 22 de junho de 2012 
  43. «Globo Esporte». Consultado em 13 de dezembro de 2012 
  44. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 26 de agosto de 2013 
  45. «Basketeria». Consultado em 22 de junho de 2012 
  46. «Uol Esporte». Consultado em 22 de junho de 2012 
  47. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 6 de fevereiro de 2013 
  48. «Basketeria». Consultado em 6 de fevereiro de 2013 
  49. «Universo Ajax». Consultado em 31 de outubro de 2016 
  50. «Universo BH Minas». Consultado em 31 de outubro de 2016 
  51. «Elias Rodrigues». Consultado em 31 de outubro de 2016 
  52. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 31 de outubro de 2016 
  53. «Globo Esporte». Consultado em 30 de setembro de 2011 
  54. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 21 de outubro de 2016 
  55. «Globo Esporte». Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  56. «Basketeria». Consultado em 17 de junho de 2012 
  57. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 21 de dezembro de 2012 
  58. «Correio de Uberlândia». Consultado em 17 de junho de 2012 
  59. «Encontro Sulamericano de Basquete». Consultado em 30 de julho de 2012 
  60. «Metrópoloes». Consultado em 28 de agosto de 2016 
  61. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 24 de outubro de 2012 
  62. «Liga Nacional de Basquete». Consultado em 14 de agosto de 2012 
  63. «Máquina do Esporte». Consultado em 14 de agosto de 2012 
  64. «Cross Brasil». Consultado em 9 de junho de 2012 
  65. «Sportv». Consultado em 29 de junho de 2012 
  66. «Globo Esporte DF». Consultado em 29 de junho de 2012 
  67. «Peabirus». Consultado em 30 de setembro de 2011 
  68. «Blog do Callado». Consultado em 30 de setembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]