Instituto de Física e Química da Universidade Federal de Itajubá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Edifício que abriga o Instituto de Física e Química e o Instituto de Matemática e Computação.

O Instituto de Física e Química da Universidade Federal de Itajubá é uma das sete unidades acadêmicas da instituição.

História[editar | editar código-fonte]

O instituto tem sua origem no Departamento de Ciências Aplicadas do Instituto Básico da Escola Federal de Engenharia de Itajubá, criado em 1 de outubro de 1980.[1] Posteriormente teve seu nome alterado para Departamento de Física e Química e manteve essa denominação mesmo após a transformação da escola de engenharia em universidade em abril de 2002.[2] Depois de cerca de dez anos, o departamento foi elevado à categoria de instituto por ocasião da divisão do Instituto de Ciências Exatas.[3]

Cursos de graduação[editar | editar código-fonte]

O instituto é responsável pelas disciplinas básicas das áreas de Física e Química de todos os cursos da universidade e pelas disciplinas do ciclo profissional dos cursos sob sua responsabilidade:

  • Física (Bacharelado e Licenciatura);[4]
  • Química (Bacharelado e Licenciatura);

Programas de pós-graduação[editar | editar código-fonte]

O Instituto também é responsável por três programas de pós-graduação da UNIFEI:

  • Mestrado em Ensino de Ciências;[5]
  • Mestrado em Física e Matemática Aplicada;
  • Mestrado e doutorado em Materiais para Engenharia.

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Com forte atuação em pesquisa acadêmica em suas áreas de atuação, o Instituto de Física e Química mantém colaborações com instituições no Brasil e no exterior.[6] Os grupos de pesquisa do instituto atuam nas seguintes áreas:[7]

Referências

  1. Leão, F.G. (org) (2004). Universidade Federal de Itajubá: 1913-2004. Viçosa: Divisão Gráfica da UFV. 28 páginas 
  2. «BRASIL. Lei 10.435 de 24 de abril de 2002». Consultado em 5 de janeiro de 2013. 
  3. «Reitor Dagoberto dá posse aos diretores dos novos institutos da UNIFEI». Consultado em 5 de janeiro de 2013. 
  4. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (dezembro de 2009). «Relatório do INEP sobre o curso de Física da UNIFEI» (PDF). Consultado em 5 de janeiro de 2013. 
  5. CAPES (novembro de 2010). «Cursos novos» (PDF). Consultado em 5 de janeiro de 2013. 
  6. Abdalla, M.C.B.; Villela, T (2005). Novas Janelas para o Universo. São Paulo: Editora UNESP. 60 páginas. ISBN 85-7139-573-X 
  7. «Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil». Consultado em 5 de janeiro de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]