Insurgência iraquiana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerrilheiros iraquianos.
Tropas americanas, na cidade iraquiana de Tall Afar, em combate contra a resistência iraquiana.
Explosão de uma bomba contra forças da coalizão ocidental.
Um intérprete do exército iraquiano a serviço da coalizão.

A insurgência iraquiana ou guerrilha iraquiana refere-se ao movimento de resistência armada à ocupação do Iraque por uma coalizão de países ocidentais liderada pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido, entre 2003 e 2011. Grupos de guerrilheiros, em sua maioria sunitas (mas também contando com islamitas xiitas), opuseram-se também ao recém criado governo iraquiano de transição (2005- 2006), instalado pela coalizão ao final do governo interino (2004 - 2005), também instalado pela mesma coalizão, que também derrubara o presidente do país, Saddam Hussein, em abril de 2003.

Paralelamente, uma brutal guerra civil travou-se entre os diversos grupos e facções, envolvendo praticamente toda a população do país. Combatentes estrangeiros também foram ao Iraque para lutar contra as tropas ocidentais. Durante o período de ocupação, ocorreram numerosas violações dos direitos Humanos, tanto por parte dos grupos da resistência como das forças ocupantes.[1]

Em 2003, no primeiro ano de ocupação do Iraque, a violência era esporádica. Mas, em 2004, a resistência à ocupação (agora protagonizada por jihadistas ligados a facções extremistas como a al-Qaeda) se organizou e intensificou suas ações contra as tropas da coalizão ocidental. Constituiu-se uma guerrilha urbana, com maciços atentados a bomba e extenso uso de explosivos improvisados. Entre 2003 e 2007, pelo menos 600 mil iraquianos morreram, sendo a esmagadora maioria composta de civis. De 2003 e a 2014, cerca de 4.491 militares americanos também perderam a vida, assim como outros 400 soldados da coalizão, dos quais 179 eram britânicos.[2] Em 2007, contudo, a violência começou a declinar, o que se atribuiu à maior presença de tropas americanas e à reconciliação de grupos xiitas e sunitas moderados com o governo iraquiano.

A violência no Iraque voltou a ganhar força após a retirada das forças americanas do país, em 2011. Em 2014, os combates voltaram a se intensificar, e o Iraque retornou ao caos de uma nova guerra civil.[3]

Referências

  1. Civilian Victims of Resistance Groups in Iraq
  2. «Operation Iraqi Freedom | Iraq» (PDF). iCasualties. 28 de maio de 2010. Consultado em 15 de agosto de 2015 
  3. "ISIS: The first terror group to build an Islamic state?". Página acessada em 13 de junho de 2014.

Ver também[editar | editar código-fonte]