Insurgência no nordeste da Índia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um conflito armado recente ou ainda em curso. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 23 de setembro de 2019; editado pela última vez em 21 de julho de 2019) Warfare current.svg
Insurgência no nordeste da Índia
India-locator-map-NE.svg
nordeste da Índia
Data 1964-presente
Local Assam, Manipur, Nagaland, Tripura, Meghalaya e Mizoram, nordeste da Índia
Desfecho Conflito em andamento
Combatentes
Flag of India.svg India Grupos insurgentes
Forças
Índia 200.000 en Nagaland (1995)[1]
Bangladesh 70.000 (1992)[1]
Vários milhares
Vítimas
desde 2005: 360 militares mortos[2] desde 2005: 2.595 rebeldes mortos [2]
desde 2005: 1,947 civis mortos[2]

Vários grupos estão envolvidos na insurgência no nordeste da Índia, os Estados do nordeste da Índia, estão ligados ao resto da Índia por uma estreita faixa de terra conhecida como o Corredor de Siliguri ou "pescoço de galinha". Grande parte da região é, nomeadamente étnica e linguisticamente diferente do resto da Índia. Na região operam vários grupos armados. Alguns grupos clamam por um Estado separado, outros pela autonomia, enquanto alguns grupos extremistas exigem nada mais que a total independência.

O Nordeste da Índia consiste sete estados (também conhecidos como as "Sete Irmãs"): Assam, Meghalaya, Tripura, Arunachal Pradesh, Mizoram, Manipur e Nagaland. As tensões existentes entre estes estados e o governo central, bem como entre os povos tribais, que são nativos desses estados, e os povos migrantes de outras partes da Índia.[3]

Os estados têm acusado Nova Deli de ignorar as questões que lhes dizem respeito. É este sentimento que levaram os nativos desses estados a buscar uma maior participação na auto-governação. Há disputas territoriais entre Manipur com Nagaland, Nagaland com Assam, Meghalaya com Assam e Mizore com Assam, muitas vezes baseadas em disputas de fronteiras históricas e diferentes afinidades étnicas, tribais ou culturais. Tem havido uma série de atividades insurgentes e movimentos regionais em todas as partes do Nordeste, muitas vezes, operando em um único estado. A ação militar das forças armadas e paramilitares e a ação política levaram à escalada de ações insurgentes e as tentativas de resolução em Mizore.

Há um aumento das atividades insurgentes e movimentos regionais no Nordeste, especialmente nos estados de Assam, Nagaland, Mizoram e Tripura. A maioria dessas organizações exigem estatuto de Estado independente ou aumento da autonomia regional e soberania.

As tensões regionais têm recuado nos últimos tempos, com esforços indianos e governos estaduais concertados para elevar os padrões de vida da população nessas regiões. No entanto, a militância ainda existe na região.

Assam[editar | editar código-fonte]

Assam tem sido o foco do ativismo por muitos anos devido a suas fronteiras montanhosas com Bangladesh e Butão. As principais causas dos atritos incluem agitação contra os estrangeiros na década de 1980 e as tensões latentes entre assameses e bodos. O estado de insurgência em Assam é classificado como muito ativo.

O conflito começou no final da década de 1970.[4] Deriva da tensão entre os assameses e da negligência e da colonização interna pelo governo da Índia com seu o centro federal de Nova Delhi.[5][6] Além disso, o Estado é rico em petróleo.[4] O movimento separatista assamês já matou 12 mil membros do ULFA e 18.000 civis e membros de outros grupos.[7]

No entanto, várias organizações compõem a insurgência, incluindo a Frente Unida de Libertação de Assam (ULFA), Exército de Libertação Nacional Adivasi, Frente de Libertação Karbi Longri NC Hills (KLNLF) e a Frente Nacional Democrática de Bodoland (NDFB). A ULFA é talvez o maior desses grupos,[8] e uma dos mais antigos, fundado em 1979. A ULFA possui ou utiliza ligações com o Inter-Services Intelligence do Paquistão. Tem participado ativamente no negócio do narcotráfico. Também têm atacado trabalhadores migrantes que utilizam a língua Hindi .[9]

Manipur[editar | editar código-fonte]

Os grupos insurgentes em Manipur podem ser classificados como tribos das montanhas e dos vales. Enquanto os primeiros exigem a preservação de sua cultura tribal de influência externa, os últimos focam as suas exigências para a independência.

A longa tradição de independência de Manipur pode ser atribuída à fundação do Estado Kangleipak em 1110. O Reino de Manipur foi conquistado pela Grã-Bretanha após a breve Guerra Anglo-Manipuri de 1891, tornando-se um protetorado britânico.[10]

Manipur tornou-se parte da União Indiana em 15 de outubro de 1949. A incorporação de Manipur pela Índia logo levou à formação de várias organizações insurgentes, buscando a criação de um Estado independente dentro das fronteiras de Manipur, e descartando a fusão com a Índia como involuntária. [11]

Apesar do fato de Manipur se tornar um estado separado da União Indiana em 21 de janeiro de 1972, a insurgência continuou. Em 8 de setembro de 1980, Manipur foi declarada como uma área de perturbação, quando o governo indiano impôs a Lei das Forças Armadas (Poderes Especiais) de 1958; o ato atualmente permanece em vigor. [11]

A ascensão paralela do nacionalismo naga na vizinha Nagaland levou ao surgimento das atividades do Conselho Nacional Socialista de Nagaland em Manipur. Os confrontos entre as facções de Isak-Muivah e Khaplang do Conselho Nacional Socialista de Nagaland agravaram ainda mais as tensões, já que as tribos Kukis começaram a criar seus próprios grupos guerrilheiros para proteger seus interesses das supostas violações dos nagas. Escaramuças entre os dois grupos étnicos ocorreram durante a década de 1990. Outros grupos étnicos como os Paite, Vaiphei, Pangals e Hmars seguiram o exemplo estabelecendo grupos militantes.[11]

Nagaland[editar | editar código-fonte]

Nagaland foi criado em 1963 como o décimo sexto estado da União da Índia, antes era um distrito de Assam. Grupos insurgentes classificados como ativos, exigem principalmente a independência. O Conselho Nacional Naga liderado por Phiz foi o primeiro grupo de dissidentes em 1947 e em 1956 passou à clandestinidade.

Tripura[editar | editar código-fonte]

Os grupos insurgentes em Tripura apareceram no final da década de 1970, devido às tensões étnicas entre os imigrantes bengalis e a população tribal nativa, que foram superados em número pelos primeiros vindos de outras partes da Índia e de Bangladesh, o que resultou em sua redução para a condição de minoria. Essa situação pôs em risco o desenvolvimento econômico, social, cultural, o que resultou em uma reivindicação para salvaguardar os direitos e as culturas tribais. Atualmente o conflito é muito ativo.

O conflito armado ocorre entre as forças governamentais e os rebeldes da Frente de Libertação Nacional de Tripura (em inglês: National Liberation Front of Tripura, NLFT) e a Força de Todos os Tigres de Tripura (All Tripura Tiger Force, ATTF), que afirmam representar o povo tripuri e a comunidade carente.[12] A NLFT foi fundada em 1989 e reivindica a independência de Tripura, enquanto o ATTF (fundado em 1990) é baseado na tribo Debbarma . Outro conflito eclodiu na região em 1950 .[13]

Meghalaya[editar | editar código-fonte]

Os problemas em Meghalaya são decorrentes da divisão entre as tribos e colonos não-indígenas, questões de identidade e corrupção crescente, e o receio das tribos nativas de serem reduzidas a uma minoria. O status de atividade é classificado como ativo.

O estado de Meghalaya foi separado do estado de Assam em 1971, a fim de satisfazer os Khasis, os Synteng e os Garos por um estado separado. A decisão foi inicialmente elogiada como um exemplo de integração nacional bem-sucedida na Índia. [14]

Isso, no entanto, não impediu o surgimento da consciência nacional entre as populações tribais locais, levando depois a um confronto direto entre o nacionalismo indiano e os novos nacionalismos dos Garos e dos Khasis. Um aumento paralelo do nacionalismo nos outros membros dos Sete Estados Irmãos complicou ainda mais a situação, o que resultou em confrontos ocasionais entre grupos rebeldes. [14]

O sistema estatal de distribuição de riqueza alimentou ainda mais os crescentes movimentos separatistas, uma vez que o financiamento é praticado através de transferências per capita, o que beneficia largamente o principal grupo étnico. [14]

O primeiro grupo militante a emergir na região foi o Conselho de Libertação Hynniewtrep Achik. Foi formado em 1992, com o objetivo de proteger os interesses da população indígena de Meghalaya da ascensão da imigração não-tribal ("Dkhar").[15]

Mizore[editar | editar código-fonte]

As tensões em Mizore são baseadas entre assameses e mizos. Em 1986, os mizos firmaram a paz, enquanto que os guerrilheiros assameses, hmars, Chakma, brus, Pawisa, lasi e reangs ainda seguem ativos.

Forças insurgentes[editar | editar código-fonte]

Organização Data
(luta armada)
Forças
Assam
Frente Unida de Libertação de Assam
ULFA (United Liberation Front of Assam)
(1979-atual) 500-3.000 (1990)[1]
4.000 (1991)[1]
700-3.000 (1997)[1]
1.000-3.000 (2000)[1]
3.000-4.000 (2002)[1]
2.500 (2003)[16]
4.000 (2009)[17]
Frente de Libertação de Karbi Longri e das Colinas de Cachar do Norte
KLNLF (Karbi Longri North Cachar Hills Liberation Front)[18]
(2004-atual)[19] 200 (2004)[20]
Exército de Libertação Nacional Adivasi ou
Exército de Libertação Nacional de Todo Adivasi
ANLA (Adivasi National Liberation Army) ou
AANLA (All Adivasi National Liberation Army)
2006-atual 20-100 (2006)[21]
Frente Nacional Democrática de Bodoland
NDFB (National Democratic Front of Bodoland)
(1986-atual) 1.500-3.500 (1998)[1]
600-3.500 (2000)[1]
2.000-3.500 (2003)[16][22]
1.000 (2009)[17]
Solidariedade Democrática do Povo Unido
UPDS (United People’s Democratic Solidarity)
(1999-2004) 150 (2002)[23]
Organização de Libertação de Kamtapur
KLO (Kamtapur Liberation Organisation)
(1995-atual) 60-300 (1995)[24]
Tigres de Libertação Bodos
BLT (Bodo Liberation Tigers)
(1998-atual) 3.000 (2003)[25][26]
Voluntários Nacionais Karbi
KNV Karbi National Volunteers)
(1997-atual) 50 (1997)[27]
Força de Segurança Nacional Rabha
RNSF (Rabha National Security Force)
(Anos 1990-2000) 120 (2000)[28]
Organização de Libertação Koch-Rajbongshi
KRLO (Koch-Rajbongshi Liberation Organisation)
(1995-1996) 25 (1995)[29]
Tigres de Libertação dos Muçulmanos Unidos de Assam
MULTA (Muslim United Liberation Tigers of Assam)
(1996-atual) 1.500-2.500 (2002)[30][31]
Frente Unida de Libertação do Vale de Barak
ULFBV (United Liberation Front of Barak Valley)
(2002-atual) 50 (2003)[32]
Dima Halim Daogah (DHD) 1995-2004[33]
Frente Revolucionária Nacional de Tiwa
TNRF (Tiwa National Revolutionary Front)
1996-atual[34]
Viúvas Negras
Black Widow
2003-atual 300 (2008)[35]
Força Cobra de Adivasi
ACF (Adivasi Cobra Force)
Anos 1990-2002 100 (2001)[36]
Nagaland
Conselho Nacional Naga
NNC (Naga National Council)
(1954-1963; 1969-1975)
Conselho Socialista Nacional de Nagaland
NCSN (National Socialist Council of Nagaland)
(1980-atual) NCSN-IM:
600-1.500 (1992)[1]
1.500-4.500 (1997)[1]
4.500 (2000)[37]
2.000 (2003)[16]
NSCN-K:
1.100 (1988)[38]
2.000 (2000)[39]
Governo Federal Naga
Naga Federal Government
(Anos 1970)
Organização Nacional Kuki/Exército Nacional Kuki
KNO/KNA (Kuki National Organisation/Kuki National Army)
1988-atual 350 (2000)[40]
600 (2005)[41]
Exército Revolucionário Kuki
KRA (Kuki Revolutionary Army)
1999-atual 150-450 (1999)[42]
250 (2000)[40]
Frente Nacional Kuki
KNF (Kuki National Front)
1988-atual 300 (1997)[1]
110 (2000)[40]
400-500 (2005)[43]
Exército de Libertação Kuki
KLA (Kuki Liberation Army)
1992-atual[40]
Frente Unido de Libertação Kuki
UKLF (United Kuki Liberation Front)
Anos 2000 150 (2000)[40]
Tripura
Frente Nacional de Libertação de Tripura
NLFT (National Liberation Front of Tripura)
(1989-atual) 150-500 (1999)[1]
800-1.500 (2000)[1]
1.500 (2003)[16]
Força de Todos os Tigres de Tripura
ATTF (All Tripura Tiger Force)
(1990-atual) 1.600 (1993)[1][44]
150-200 (1998)[1]
500-600 (2003)[1]
Frente de Libertação Bengali Unida
UBLF (United Bengali Liberation Front)
(1999-atual)[45]
Organização para a Libertação da Frente Tripura
TLOF (Tripura Liberation Organisation Front)
(1992) 218 (1992)[46]
Manipur
Frente Unida de Libertação Nacional
UNLF (United National Liberation Front)
(1964-1990) 600-800 (2000)[1]
1.500 (2003)[16]
Partido Popular Revolucionário de Kangleipak
PREPAK (People’s Revolutionary Party of Kangleipak)
(1977-atual) 200 (1993)[47]
200-500 (2005)[48]
Exército Popular de Libertação de Manipur
PLA (People’s Liberation Army)
(1978-atual) 1.000 (1991)[49]
500-600 (2000)[1]
1.500 (2003)[16]
Frente Popular Revolucionária
RPF (Revolutionary People's Front)
(1978-1995) 1.500 (1990)[50]
Partido Comunista de Kangleipak
KCP (Kangleipak Communist Party)
1980-atual 100 (2006)[51]
Kanglei Yawol Kanna Lup (KYKL) 1994-atual[52]
Exército Republicano do Povo
PRA (People’s Republican Army)
Anos 1990[53]
Organização Revolucionária Zomi/Exército Revolucionário Zomi
ZRO/ZRA (Zomi Revolutionary Organisation/Zomi Revolutionary Army)
ZRO: 1993-atual
ZRA: 1997-atual[54]
Megalaya
Frente Popular de Libertação de Meghalaya
PLF-M (People’s Liberation Front of Meghalaya)
(1992-1994)[55]
Conselho Nacional dos Voluntários Achik
ANVC (Achik National Volunteer Council)
(1995-2004) 20 (2004)[56]
Força Elite de Libertação de Achik
LAEF (Liberation of Achik Elite Force)
(2005-atual)[57]
Conselho de Liberação Nacional de Hynniewtrep
HNLC (Hynniewtrep National Liberation Council)
(1992-atual) 200 (2003)[16]
300 (2010)[58]
Mizoram
Frente Nacional Mizo
MNF (Mizo National Front)
(1961-1986) 10.000 (1966)[1]
Convenção do Povo Hmar
HPC (Hmar People's Convention)
(1986-1992)
Convenção do Povo Hmar (Democracia)
HPCD (Hmar People's Convention (Democracy))
(1995-atual) 100-150 (2003)[59]
Frente de Libertação Nacional Bru
BNLF (Bru National Liberation Front)
(1996-atual) 100 (1997)[60]
Kanglei Yawol Kanna Lup (KYKL) (1994-atual)[61]
Frente Revolucionária Zomi
ZRF (Zomi Revolutionary Front)
Arunachal Pradesh
Força Dragão Arunachal
ADF (Arunachal Dragon Force)
1996-atual 60 (1996)[62]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t Uppsala conflict data expansion. Non-state actor information. Codebook pp. 81-82; 176; 227; 249-250; 272-273; 291-294
  2. a b c Fatalities in Terrorist Violence in India's Northeast South Asia Terrorism portal
  3. Global security - Seven Sisters
  4. a b Bloody Tea - People & Power - Al Jazeera English 27 de junho de 2007.
  5. India needs talks for Assam's peace | Aruni Kashyap | Comment is free | guardian.co.uk 19 de maio de 2010.
  6. Bomb Kills 10 at India Independence Parade - New York Times 15 de agosto de 2004.
  7. «The Sentinel - Hold discussion with ULFA on core demands: Convention». Consultado em 10 de setembro de 2011. Arquivado do original em 19 de julho de 2011 
  8. Global security - Assam
  9. Assam: ULFA’s Rerun of Violence against Migrant Workers Arquivado em 28 de novembro de 2010, no Wayback Machine. 30 de maio de 2007.
  10. «Insurgencies in Manipur: politics & ideology». The Hindu. 28 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2016 
  11. a b c «Overview: Insurgency & Peace Efforts in Manipur». CDPS. 26 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2015 
  12. UNHCR | Refworld | Assessment for Tripuras in India
  13. Peace processes and peace accords, Samir Kumar Das, pp. 205, SAGE Publications, 2005.
  14. a b c «Nationalism and the origins of separatist civil war in India» (PDF). University of Rochester. Arquivado do original (PDF) em 2 de Abril de 2015 
  15. «Overview: Insurgency & Peace Efforts in Meghalaya». CPDS. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2015 
  16. a b c d e f g Outlook India | MAGAZINE | The 14 Spokes Of A Revolution Arquivado em 15 de fevereiro de 2011, no Wayback Machine. 20 de octubre de 2003.
  17. a b Kulbhushan Warikoo (2009). Himalayan frontiers of India: historical, geo-political and strategic perspectives. Taylor & Francis, Nueva York, ISBN 0-203-88372-8.
  18. Official Website of Indian Army
  19. Opiniones de Frente de Liberación de Karbi Longri y de NC Hills Sucesora del UPDS.
  20. Karbi Longri North Cachar Hills Liberation Front (KLNLF) - Terrorist Group of Assam
  21. All Adivasi National Liberation Army - Terrorist Group of Assam
  22. National Democratic Front of Bodoland (NDFB)- Terrorist Group of Assam
  23. United People's Democratic Solidarity (UPDS) - Terrorist Group of Assam
  24. Kamtapur Liberation Organisation (KLO) - Terrorist Group of Assam
  25. Bodo Liberation Tigers (BLT) - Former Terrorist Group of Assam
  26. Assam: Ex-Rebels Turn Kingmakers
  27. Karbi National Volunteers (KNV) - Terrorist Group of Assam
  28. Rabha National Security Force (RNSF)
  29. Koch-Rajbongshi Liberation Organisation (KRLO) - Terrorist Group of Assam
  30. Muslim United Liberation Tigers of Assam (MULTA) - Terrorist Group of Assam
  31. Naga fatwa against Muslims. Author: Deepak Sharma/New Delhi. Publication: The Pioneer. Date: April 7, 2002.
  32. United Liberation Front of Barak Valley (ULFBV) - Terrorist Group of Assam
  33. Dima Halim Daoga (DHD) - Terrorist Group of Assam
  34. Tiwa National Revolutionary Front
  35. Black Widow - Terrorist Group of Assam
  36. Adivasi Cobra Force (ACF)
  37. National Socialist Council of Nagaland - Isak-Muivah
  38. Global security - NSCN (KK) National Socialist Council of Nagalim (Khaplang-Kitovi)
  39. National Socialist Council of Nagaland - Khaplang
  40. a b c d e Global security - Kuki Insurgent Groups
  41. Kuki National Army, Manipur
  42. Kuki Revolutionary Army , Manipur, India, South Asia Terrorism Portal
  43. Kuki National Front, Terrorist Outfits, Manipur South Asia Terrorism Portal
  44. All Tripura Tiger Force, Tripura, India, South Asia Terrorism Portal
  45. United Bengali Liberation Front, Tripura, India, South Asia Terrorism Portal
  46. Tripura Liberation Organisation Front, Tripura, India, South Asia Terrorism Portal
  47. People's Revolutionary Party of Kangleipak, Manipur, India, South Asia Terrorism Portal
  48. Global security - People's Revolutionary Party of Kangleipak-i (PREPAK)
  49. People's Liberation Army, Manipur, India, South Asia Terrorism Portal
  50. Global security - Revolutionary People's Front (RPF) People's Liberation Army (PLA)
  51. Kangleipak Communist Party
  52. Kanglei Yawol Kunna Lup, Manipur
  53. People's Republican Army , Manipur, India, South Asia Terrorism Portal
  54. Zomi Revolutionary Organisation- Zomi Revolutionary Army , Manipur, India, South Asia Terrorism Portal
  55. People’s Liberation Front of Meghalaya (PLF-M)
  56. Achik National Volunteer Council (ANVC)
  57. Liberation of Achik Elite Force(LAEF)
  58. Hynniewtrep National Liberation Council(HNLC)
  59. Hmar People's Convention- Democracy (HPC-D), Terrorist Outfits, Mizoram, South Asia Terrorism Portal
  60. Bru National Liberation Front, Terrorist Outfits, Mizoram, South Asia Terrorism Portal
  61. Global security - Kangleipak Yawal Kanna Lub - Kanglei Yawol Kanna Lup (KYKL)
  62. Arunachal Dragon Force (ADF)