Insurreição do Crato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Insurreição do Crato
Data 2 de janeiro - 3 de novembro de 1832
Local Microrregião do Cariri, Ceará, Brasil
Desfecho Vitória Governamental
Beligerantes
Flag of Empire of Brazil (1847-1889).svg Império do Brasil CoA Empire of Brazil (1822-1870).svg Restauradores
Comandantes
Império do Brasil Pedro Labatut Joaquim Pinto Madeira

Leonardo Douétts

Antônio Gomes Correia da Cruz

Insurreição do Crato foi movimento tradicionalista ocorrido na então província do Ceará, durante o período regencial, como decorrência da abdicação de D. Pedro I, tendo como principal líder o restaurador Joaquim Pinto Madeira, coronel tanto politicamente quanto hierarquicamente, e que eclodiu a 2 de janeiro de 1832.[1][2]

Principais eventos[editar | editar código-fonte]

Buscando a restauração do Imperador Pedro I, que após abdicar rumou para a Europa, os rebelados dirigiram-se até a Vila do Crato, onde proclamaram nula sua abdicação e instalaram um governo provisório para todo o Cariri.[1]

Após combates em Icó (a 6 de outubro) e em Missão Velha (3 de novembro de 1832), o General Pedro Labatut, que já atuara na Independência da Bahia, sufoca o movimento. Pinto Madeira é preso, julgado e fuzilado no Crato, por seus adversários.[1]

Referências

  1. a b c Hernâni Donato (1996). Dicionário das batalhas brasileiras. Volume 17 de Biblioteca "Estudos brasileiros" 2 ed. [S.l.]: IBRASA. p. 112. ISBN 9788534800341 ISBN 8534800340. Consultado em março de 2011  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. GIRÃO, Raimundo; MARTINS Filho, Antônio (organizadores). O Ceará. Fortaleza: Editora Fortaleza, 1945.