Inundação de melaço de Boston

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O local do desastre
Estrutura da ferrovia elevada danificada pelo tanque
Mapa atual de Boston com a região do incidente circulada

A inundação de melaço de Boston foi um incidente ocorrido em Boston, Estados Unidos, em 15 de janeiro de 1919, quando um grande tanque de armazenamento de melaço rebentou, espalhando o produto pelas ruas a uma velocidade estimada de 56 km/h, matando 21 pessoas e ferindo 150. O acontecimento entrou para o folclore local, e os moradores costumam dizer que em dias quentes de verão a região ainda cheira a melaço.[1]

Desastre[editar | editar código-fonte]

O desastre ocorreu na fábrica Purity Distilling Company em 15 de janeiro de 1919, um dia estranhamente quente para janeiro, com uma temperatura de 4ºC. Na época, melaço era o adoçante padrão nos Estados Unidos, sendo também fermentado para produzir rum e álcool etílico, ingrediente ativo de outras bebidas alcoólicas e então componente chave na fabricação de munição. O melaço armazenado estava aguardando transferência para as instalações da Purity em Cambridge.[2]

O tanque, com 15 metros de altura, 27 de diâmetro e capacidade para mais de 8700 m3,[3] arrebentou repentinamente, lançando uma imensa onda de melaço a uma altura de aproximadamente 3 metros, a uma velocidade de 56 km/h e pressão de 200 kPa.[4] A força da onda foi suficiente para quebrar as vigas da ferrovia elevada adjacente e tirar um trem dos trilhos. Perto dali, construções foram arrancadas de suas fundações e demolidas. Diversos quarteirões ficaram cobertos de melaço, que chegou a alcançar uma profundidade de 60 a 90 cm.[2]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Após o tanque rebentar, os primeiros a vir em auxílio das vítimas foram 116 cadetes sob as ordens do tenente-comandante H. J. Copeland, que se encontravam no navio de treinamento USS Nantucket, ancorado nas proximidades. Eles trabalharam para manter o local isolado até a chegada da polícia, da Cruz Vermelha, do exército e de mais pessoal da marinha para o resgate. Os feridos eram tantos que os médicos improvisaram um ambulatório em um prédio vizinho, e a busca por vítimas continuou por quatro dias. O saldo total foi de 21 mortos e 150 feridos.

Foram necessárias 87 000 horas-homem para remover o melaço das ruas de pedra, dos teatros, comércio, automóveis e residências. O porto ficou com a cor do melaço até ao verão seguinte.[2]

Os moradores locais entraram com um processo conjunto contra a United States Industrial Alcohol Company (USIA), que comprou a Purity Distilling em 1917. Apesar da companhia alegar que o tanque fora explodido por anarquistas (devido ao fato de uma parte do álcool ser destinada à produção de munição), após três anos de julgamento a corte considerou a USIA responsável pelo incidente, condenando-a a pagar 600 000 dólares em indenizações.[5]

A USIA decidiu não reconstruir o tanque no local, que atualmente abriga um complexo recreativo, com um recreio infantil e campos de bocha e baseball.[6]

Causas[editar | editar código-fonte]

Diversos fatores podem ter contribuído para a ruptura do tanque, como montagem inadequada e elevação da pressão interna devido à produção de dióxido de carbono resultante da fermentação, assim como aumento da temperatura ambiente externa. Um inquérito para apurar as causas do desastre revelou que Arthur Jell, que supervisionou a construção do tanque, negligenciou testes básicos de segurança, como preencher o reservatório com água para verificar por vazamentos. Quando enchido com melaço, o tanque vazou tanto que foi pintado de marrom/castanho na tentativa de esconder os defeitos.[5]

Uma lenda urbana especula que o tanque pode ter sido enchido além da conta no final de 1918 para que a fábrica pudesse produzir o máximo possível de rum antes que a Lei Seca entrasse em vigor. A Purity, no entanto, não fabricava rum, sendo especializada na produção de álcool industrial, eximido das leis de proibição de 1919. Apesar de seu caráter hipotético, a história foi tema de um documentário de televisão integrante da série Modern Marvels' Engineering Disasters. Exibido em 1999, o programa argumentou que, mesmo que não houvesse intenção de aumentar o fabrico de álcool para burlar a Lei Seca, pode ter existido um plano de expandir o volume no último minuto para o caso do álcool ser proibido.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Without Warning, Molasses in January Surged Over Boston". Eric Postpischil's Domain (Smithsonian Institution), 24 de novembro de 2004
  2. a b c Dark Tide: The Great Boston Molasses Flood of 1919. Stephen Puleo. Beacon Press. ISBN 0-8070-5021-0 (2004)
  3. "12 Killed When Tank of Molasses Explodes". The New York Times, 16 de janeiro de 1919
  4. "The Great Molasses Flood of 1919". The Ooze
  5. a b "Was Boston once literally flooded with molasses?". The Straight Dope
  6. "City parks"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Inundação de melaço de Boston