Invéxis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:

Invéxis, ou inversão existencial[1], é a técnica de planejamento máximo da vida humana, fundamentada na Conscienciologia, aplicada desde a juventude, objetivando o cumprimento da programação existencial[2], o exercício precoce da assistência e a evolução.

Este planejamento técnico é realizado sem influências de dogmas, religião, misticismo, doutrinas sectárias, ideologias político-partidárias ou quaisquer compromissos escravizantes, tolhedores da liberdade de ideias e expressão.

A invéxis parte do princípio de que a pessoa não precisa esperar até a meia-idade, período de maior maturidade psicológica e estabilidade econômica, para conhecer a si mesma, avaliar as prioridades evolutivas, suas realizações pessoais e promover a assistencialidade além do círculo familiar e amigos.

É muito comum ouvirmos de colegas e de familiares, em geral após a meia-idade, que gostariam de voltar à juventude com a mesma maturidade que possuem hoje. Por outro lado, quando um rapaz, uma moça, ou mesmo uma criança, demonstram prioridades maduras, comportamentos “adultos”, não é raro estes serem repreendidos por se preocuparem demais muito cedo ou por não aproveitarem “a flor da idade”. Juventude é associada, em diversas culturas, a uma fase de aventuras, experiências, enfim, um momento em que erros e deslizes são comuns, logo, admissíveis e naturais.

A técnica da inversão existencial (invéxis) é um dos caminhos, meios ou estratégias para direcionar a vida da moça ou do rapaz para maior produtividade, envolvimento em atividades assistenciais, investimento em renovações íntimas.

Um dos objetivos que a técnica propõe, assim como outras técnicas evolutivas, é o atingimento da desperticidade [3]em uma vida intrafísica.

Origem da técnica[editar | editar código-fonte]

Em 1991, a invéxis foi lançada no I Congresso Internacional de Projeciologia[4], em Brasília (DF), passando a ser mais debatida e conhecida publicamente.[carece de fontes?]

Os fundamentos técnicos foram publicados pela primeira vez em 1994, no tratado 700 Experimentos da Conscienciologia[5]. Propostos pelo Médico e pesquisador Waldo Vieira.

O processo de estudo da técnica foi continuado pelos pesquisadores e inversores a partir das reuniões grupais dos "Grinvexes" (Grupos de inversores existenciais) e das apresentações públicas de artigos científicos nos Simpósios do Grinvex e nos Congressos de inversão existencial. Esses artigos foram escritos e divulgadas nos Anais do SIG[6]

Em 2010, a Editares lançou o livro Inversão Existencial[7]: autoconhecimento, assistência e evolução desde a juventude.

Invéxis e polêmicas[editar | editar código-fonte]

A invéxis como técnica se opõe a qualquer atitude considerada como entrave e perda de tempo na vida do inversor existencial. Essas perdas de tempo podem ser desde aquelas mais simples como a preguiça, a desorganização, a procrastinação, até aquelas mais complexas como o vínculo a religiões, grupos acadêmicos radiciais, participação em abortos e acidentes.

A mais polêmica, sem dúvida, é a recomendação em não se ter filhos, com o argumento de que ao se ter filhos a pessoa compromete pelo menos 20 anos de sua vida na criação, educação e assistência da prole, atrasando sua programação de vida caso ela seja mais abrangente e sem necessidade de se ter filhos.

Institucionalização da pesquisa[editar | editar código-fonte]

Em 1998 foi proposta pela primeira vez a criação de uma instituição que servisse para unir pesquisadores interessado na Invéxis. A partir de 1999 iniciou-se as atividades da ASSINVÉXIS, denominada na época de "Associação Internacional de Inversão Existencial". Em 2003 esta instituição deixou de ser um departamento do IIPC - Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, e mudou suas atividades centrais da cidade do Rio de Janeiro para a cidade de Foz do Iguaçu, no estado do Paraná.

Desde 1992 funcionam em várias capitais brasileiras, vinculados primeiramente ao IIPC e depois à ASSINVÉXIS, os Grinvexes - Grupos de Inversores Existenciais. O primeiro grinvex foi fundado no Rio de Janeiro, em 9 de fevereiro. São dedicados à pesquisa teórico-prática dos resultados da aplicação da técnica da invéxis, sendo seus resultados apresentados em eventos locais denominados SIGs - Simpósios do Grinvex ou em eventos internacionais como os CINVÉXIS - Congressos internacionais de Inversão Existencial.

Atualmente, a ASSINVÉXIS está implantando um campus de Invexologia, que contará com sede administrativa, residências, sala de aula, laboratórios de pesquisa. O primeiro, já em fase de construção é o Serenarium.

Breve descrição da Invéxis[editar | editar código-fonte]

A técnica parte do princípio que a consciência humana vive múltiplas existências e que entre uma vida física e outra ela passa por um período intermissivo, ou seja, vive na dimensão extrafísica, até adquirir novo corpo físico.

Nesse período intermissivo a consciência, utilizando seu corpo extrafísico e habitando comunidades extrafísicas, participa de diversas atividades para se conhecer melhor e planeja tecnicamente aquilo que fará em sua nova vida intrafísica, próxima, tendo para esta finalidade o apoio de consciências mais evoluídas. Neste planejamento inclui reconciliações com futuros parentes, provável atividade profissional, reencontros com antigos amigos de outras vidas, projetos inovadores para a humanidade entre inúmeros outros itens que seriam úteis para a evolução como personalidade multimilenar.

O objetivo da invéxis é a execução precoce deste planejamento de vida, sem precisar esperar a fase da aposentadoria para executar aquilo que se propôs. Em geral as pessoas se perdem em suas inúmeras rotinas ligadas ao corpo físico, como alimentação, moradia, trabalho e esquecem daquilo que se programaram para fazer, chegando muitas vezes à terceira idade com sensação de vazio e de insatisfação íntima (na terminologia da Conscienciologia, este processo é denominado melancolia intrafísica ou melin).

Publicações sobre a invéxis[editar | editar código-fonte]

  1. Inversão Existencial: autoconhecimento, assistência e evolução desde a juventude. Foz do Iguaçu: Editares, 2011, 304p. Autores: Alexandre Nonato, Alexandre Zaslavsky, Filipe Colpo, Flávio Amaral e Silvia Muradás.
  2. Gestações Conscienciais volumes 1, 2, 3 e 4 - publicados pelo IIPC - Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia.
  3. Anais dos Congressos Internacionais de Inversão Existencial (III, IV e V, VI, VII) - publicados pelo Centro de Altos Estudos da Conscienciologia, na Revista Conscientia.
  4. Jornal da Invéxis - publicação iniciada em 1994 e ativa até os dias de hoje. Artigo relacionado que referencía as obras: Bibliografia Específica Exaustiva da Invexologia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Nonato, Alexandre et. al (2011). Inversão existencial. Foz do Iguaçu, PR - Brasil: Editares. ISBN 9788598966403 
  • Vieira, Waldo (1997). Manual da proéxis. Foz do Iguaçu: Editares. pp. Programação Existencial. ISBN 978-85-98966-49-6 
  • Couto, Cirleine (2004). Invexologia e Desperticidade. Foz do Iguaçu, PR: Divulgação científica, Revista Conscientia 
  • O I Congresso Internacional de Projeciologia ocorreu em 1991 tendo sido divulgado no programa fantástico. Os registros do evento não foram mantidos ou não estão disponíveis para referência detalhada. Sendo assim, no caso de pesquisa histórica do evento pode-se buscar informações diretamente com o IIPC (Instituto Internacional de projeciologia e conscienciologia) de Brasília que possivelmente mantém os registros dos acontecimentos.
  • Conscienciologia, 700 Experimentos (1994). 700 Experimentos da Conscienciologia. [S.l.]: Instituto internacional de projeciologia e conscienciologia. pp. 689–713. ISBN 978-85-98966-65-6 
  • XXVI Simpósio do Grinvex, Anais (2016). Anais do XXVI SIG. Foz do Iguaçu: Assinvéxis. pp. 3, 4. ISBN 85-86019-23-2 
  • Autoconhecimento, assistência e evolução desde a juventude, Inversão (2011). Inversão Existencial. Foz do Iguaçu, PR - Brasil: Editares. ISBN 9788598966403