Invasão chola do Império Serivijaia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:

Em 1025, Rajendra Chola, o Rei Chola de Tâmil Nadu, no Sul da Índia, lançou saques navais aos portos do Império Serivijaia no Sudeste Marítimo da Ásia,[1] e conquistou Cadaram (Atual Quedá) de Serivijaia e o ocupou por algum tempo. A expedição marítima de Rajendra contra Serivijaia foi um evento único na História da Índia e de suas relações pacíficas com os estados do Sudeste da Ásia. Vários lugares na Malásia e na Indonésia foram invadidos por Rajendra Chola I da dinastia Chola.[2][3] A invasão Chola favoreceu a expansão das associações comerciais de tâmeis como a Manigramam, Ayyavole e Ainnurruvar no Sudeste da Ásia.[4][5][6][7]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Durante a maior parte de sua história comum, antiga Índia e Indonésia aproveitavam relações amigáveis e pacíficas, portanto, esta invasão indiana é um evento único na história da Ásia. Nos séculos IX e X, Serivijaia mantinha relações estreitas com o Império Pala em Bengala, e uma 860 Inscrição Nalanda registra que Marajá Balaputra de Serivijaia dedicou um mosteiro na Universidade de Nalanda em Território Pala. A relação entre Serivijaia e a dinastia Chola do sul da Índia foi amigável durante o reinado de Raja Chola I. Em 1006, um Serivijaiano marajá da dinastia sailendra — rei Maravijaiatungavarmam — construiu Chudamani Vihara na cidade portuária de Negapatão.[8] No entanto, durante o reinado de Rajendra Chola I as relações deterioraram-se porque os Cholas atacaram cidades Serivijaianas.[9]

As Cholas são conhecidos por beneficiarem tanto a pirataria quanto o comércio exterior. Às vezes, as viagens marítimas Chola levavam a saques completos e conquistas no Sudeste da Ásia.[10] Enquanto Serivijaia que controlava dois grandes pontos vitais para a navegação; Malaca e o estreito de Sunda, no tempo que era um grande império comercial que possuía formidáveis forças navais. A abertura ao noroeste do estreito de Malaca foi controlado de Quedá na costa Península e de Panai na costa de Sumatra, enquanto Malaiu (Jambi) e Palembang controlavam sua abertura sudeste e o estreito de Sunda. Eles praticavam monopólio comercial naval, que forçou qualquer embarcação comercial a passar por suas águas para chegar aos seus portos, se não o fizessem, sofreriam saques.

As razões para esta expedição naval não foram claras com a sugestão de Nilakanta Sastri de que o ataque foi causado provavelmente por uma tentativa Serivijaiana de lançar obstáculos no caminho das rotas de comércio Chola com o Oriente (especialmente com a China), ou mais provavelmente, de um simples desejo da parte de Rajendra para estender o seu digvijaya para os países de todo o mar tão bem conhecido, por sua matéria e, portanto, adicionar brilho à sua coroa.[11] Outra teoria sugere que as razões da invasão foram provavelmente motivadas pela geopolítica e pelas relações diplomáticas. Rei Suriavarmam I do Império Khmer solicitou auxílio de Rajendra Chola I da dinastia Chola contra o reino Tambralinga.[12] Depois de aprender sobre a aliança de Suriavarmam com Rajendra Chola, o reino Tambralinga solicitou auxílio de Sangrama Vijaiatungavarmam de Serivijaia.[12][13] Isso levou o Império Chola a entrar em conflito com o Serivijaia. Esta aliança também teve um contexto religioso, uma vez que tanto os Chola quanto os Khmer são Hindus xivaístas, enquanto Tambralinga e Serivijaia são Budistas Mahayana.

Invasão[editar | editar código-fonte]

Pintura Siamesa retratando os saques Chola em Quedá

A invasão Chola a Serivijaia foi uma rápida campanha, que deixou Serivijaia despreparada. Para velejar da Índia para o Arquipélago da Indonésia, os navios da Índia navegavam para leste em toda a Baía de Bengala, e paravam nos portos de Lamuri em Aceh ou Quedá na península Malaia antes de entrar no Estreito de Malaca. Mas a armada Chola navegou diretamente para a costa oeste de Sumatra. O porto de Barus na costa oeste do Norte do Sumatra na época pertencia às guildas de Tamil e serviu como um porto para reabastecer depois de atravessar o Oceano Índico. A armada Chola, em seguida, continuou a navegar ao longo da costa oeste em direção ao sul, e navegou no Estreito de Sunda.[1] A marinha Serivijaiana vigiava Quedá e áreas circundantes, no noroeste da abertura do estreito de Malaca, completamente inconsciente de que a Invasão Chola estava vindo do Estreito de Sunda, no sul. A primeira cidade Serivijaiana a ser invadida foi Palembang, a capital de Serivijaia. O ataque inesperado levou aos Cholas saqueando a cidade, o palácio real Cadatuam e mosteiros. Uma inscrição Chola diz que Rajendra capturou o Rei Sangramavijayottunggavarman de Serivijaia e tomou uma grande pilha de tesouros, incluindo o Vidiadara Torana, o "Portão da Guerra de Serivijaia" adornado com joias de grande esplendor.[11]

Depois de saquear o palácio real de Palembang, os Cholas lançaram ataques sucessivos a outros portos Serivijaianos, incluindo Malaiu, Tumasique, Panai e Quedá. A invasão Chola não resultou na administração sobre as cidades derrotadas, pois os exércitos mudavam rapidamente e saqueavam as cidades de Serivijaia. A Armada Chola parece ter obtido vantagem com as monções do Sudeste Asiático para mover-se de um porto para outro rapidamente. A tática de um movimento rápido de ataque inesperado foi, provavelmente, o segredo do sucesso dos Chola, pois não permitiu que a Mandala Serivijaia preparasse as defesas, se reorganizasse, prestasse assistência ou revidasse.[1][1][1] A guerra terminou com uma vitória para os Cholas e grandes perdas para Serivijaia, terminando com o monopólio marítimo na região.[12][13][14][15]

Rescaldo[editar | editar código-fonte]

Com o marajá Sangrama Vijaiotungavarmam preso e a maioria de suas cidades destruídas, a Mandala Serivijaia sem líder entrou em um período de caos e confusão. A invasão marcou o fim da dinastia Sailendra. De acordo com a análise Malaia de Sejará Melaiu, no século XV , Rajendra Chola I depois do sucesso dos saques navais em 1025 casou-se com Onang Kiu, filha de Vijayottunggavarman.[16][17] Esta invasão forçou Serivijaia a fazer um tratado de paz com o reino javanês de Kahuripan. O acordo de paz foi negociado pela filha exilada de Vijayottunggavarman, que conseguiu escapar Palembang e veio para a corte do Rei Airlanga no leste de Java. Ela também se tornou a rainha consorte de Airlanga chamada Darmaprasadotungadevi e em 1035, Airlanga construiu um mosteiro Budista chamado Serivijaiasrama dedicada à sua rainha consorte.[1]

Apesar da devastação, a Mandala Serivijaia ainda sobreviveu, pois a invasão Chola falhou ao instalar administração direta sobre Serivijaia, sendo que a invasão foi curta e apenas para saquear. No entanto, esta invasão enfraqueceu gravemente a hegemonia Serivijaiana e permitiu a formação de reinos regionais como Kahuripan e seu sucessor, Quediri em Java baseados na agricultura, ao invés do comércio marítimo. Sri Deva foi entronizado como o novo rei e as atividades de negociação foram retomadas. Ele enviou uma embaixada à corte imperial da China em 1028.[1] Embora a invasão não tenha sido seguida pela ocupação Chola e a região tivesse se mantido geograficamente, houve enormes consequências no comércio. Comerciantes Tamil invadiram o território Serivijaiano tradicionalmente controlado por mercadores malaios e a influência das guildas Tamil aumentou na Península Malaia e na costa norte de Sumatra.[1]

Com a crescente presença de guildas Tamil na região, as relações melhoraram entre Serivijaia e os Cholas. Nobres de Chola foram aceitos no tribunal Serivijaia e em 1067, um príncipe Chola chamado Divacara ou Devacala foi enviado como embaixador Serivijaiano à Corte Imperial da China. O príncipe, sobrinho de Rajendra Chola, mais tarde, foi entronizado em 1070 como Culotunga Chola I. Mais tarde, durante a Rebelião Quedá, Serivijaia pediu ajuda aos Cholas. Em 1068, Virarajendra Chola lançou um saque naval para ajudar Serivijaia a recuperar Quedá.[18] Virarajendra restabeleceu o rei de Quedá a pedido do marajá Serivijaiano e Quedá aceitou a soberania Serivijaiana.[1][18]

Referências

  1. a b c d e f g h i Munoz, Paul Michel (2006).
  2. Nagapattinam to Suvarnadwipa: Reflections on the Chola Naval Expeditions to Southeast Asia by Hermann Kulke,K Kesavapany,Vijay Sakhuja p.170
  3. Trade and Trade Routes in Ancient India by Moti Chandra p.214
  4. Buddhism, Diplomacy, and Trade: The Realignment of Sino-Indian Relations 600-1400 by Tansen Sen p.159
  5. Power and Plenty: Trade, War, and the World Economy in the Second Millennium by Ronald Findlay,Kevin H. O'Rourke p.69
  6. Wink, André, Al-Hind: The Making of the Indo-Islamic World, Vol.
  7. Ancient Indian History and Civilization by Sailendra Nath Sen p.564
  8. Sastri, pp 219–220
  9. Power and Plenty: Trade, War, and the World Economy in the Second Millennium by Ronald Findlay,Kevin H. O'Rourke p.67
  10. Craig A. Lockard (27 December 2006).
  11. a b Hermann Kulke; K. Kesavapany; Vijay Sakhuja (2009).
  12. a b c Kenneth R. Hall (October 1975), "Khmer Commercial Development and Foreign Contacts under Sūryavarman I", Journal of the Economic and Social History of the Orient 18 (3), pp. 318-336, Brill Publishers
  13. a b R. C. Majumdar (1961), "The Overseas Expeditions of King Rājendra Cola", Artibus Asiae 24 (3/4), pp. 338-342, Artibus Asiae Publishers
  14. Southeast Asia: Past and Present by D.R. Sardesai p.43
  15. Early kingdoms of the Indonesian archipelago and the Malay Peninsula by Paul Michel Munoz p.161
  16. Buddhism, Diplomacy, and Trade: The Realignment of Sino-Indian Relations by Tansen Sen p.226
  17. Nagapattinam to Suvarnadwipa: Reflections on the Chola Naval Expeditions to by Hermann Kulke,K Kesavapany,Vijay Sakhuja p.71
  18. a b Nagapattinam to Suvarnadwipa: Reflections on the Chola Naval Expeditions by Hermann Kulke,K Kesavapany,Vijay Sakhuja p.305