Invasão dos Aliados Ocidentais da Alemanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Invasão dos Aliados a Alemanha
Frente Ocidental, Segunda Guerra Mundial
Wernberg1945.jpg
Tropas americanas da 11º Divisão Blindada avançando pelas ruas de Wernberg, na Alemanha, em abril de 1945.
Data 22 de março8 de maio de 1945
Local Regiões oeste e sul da Alemanha
Desfecho Vitória dos Aliados
Beligerantes
Flag of the United States (1912-1959).svg Estados Unidos
 Reino Unido
Flag of France (1794–1815, 1830–1958).svg França
 Canadá
 Polônia
Alemanha Nazista Alemanha Nazista  Rendição (militar)
Comandantes
Flag of the United States (1912-1959).svg Dwight Eisenhower
Flag of the United States (1912-1959).svg Omar Bradley
Flag of the United States (1912-1959).svg Jacob Devers
Reino Unido Bernard Montgomery
Flag of France (1794–1815, 1830–1958).svg Jean de Lattre de Tassigny
Alemanha Nazista Adolf Hitler
Alemanha Nazista Albert Kesselring
Alemanha Nazista Gerd von Rundstedt
Alemanha Nazista Walter Model
Alemanha Nazista Paul Hausser
Alemanha Nazista Johannes Blaskowitz
Forças
4,5 milhões de soldados (91 divisões)[1]
~ 17 000 tanques[2]
~ 28 000 aeronaves de combate[3]
~ 63 000 peças de artilharias[4]
970 000 veículos motorizados[3]
~ 1 milhão de soldados[5][6]
~ 500 tanques e armas de assalto operacionais[7]
~ 2 000 aeronaves de combate operacionais[8]
Baixas
Estados Unidos:
62 704 (incluindo 15 009 mortos)[9]
Canadá:
6 298 (incluindo 1 482 mortos)[10]
Reino Unido:
Desconhecidas
França:
Desconhecidas
De janeiro a maio de 1945:
Estimado entre 265 000 a 400 000 soldados mortos ou feridos e 200 000 capturados[11]
Soldados americanos da 3ª Divisão de Infantaria avançando pela cidade de Nürnberg, no sul da Alemanha, em abril de 1945.

A Invasão Aliada da Alemanha foi uma série de operações militares feitas pelos Aliados Ocidentais no Teatro Europeu durante a Segunda Guerra Mundial. Em preparação para a invasão da Alemanha pelas forças Aliadas, várias ofensivas foram feitas por tropas anglo-americanas para tomar pontos chaves nas duas margens do rio Reno. Os Aliados finalmente cruzaram o Reno e iniciaram sua invasão em larga escala da Alemanha em 22 de março de 1945, avançando de forma rápida pelo oeste do território alemão, do Báltico no norte até a Áustria no sul e seu avanço só parou em 8 de maio do mesmo ano, quando os alemães se renderam.[12][13]

No começo de 1945, a situação dos Aliados na Europa Ocidental era muito boa. Na Frente Oeste, as forças Aliadas já estavam lutando em solo alemão, conduzindo operações militares contra a Linha Siegfried desde a Batalha de Aachen e a Batalha da Floresta de Hürtgen, travadas ao fim de 1944 e janeiro de 1945, que empurraram os alemães de volta para suas posições anteriores a Batalha das Ardenas. Naquele ponto, o exército alemão estava desgastado e havia utilizado suas últimas reservas de homens e máquinas na luta, deixando as defesas ocidentais muito enfraquecidas, facilitando o trabalho dos Aliados. Os alemães sofreram também muitas perdas na luta na região da Renânia, deixando unidades quebradas do exército para defender a margem leste do rio Reno. Em 7 de março de 1945, os Aliados haviam tomado a última ponte que cruzava o Reno na altura de Remagen e haviam estabelecido uma grande cabeça de praia na margem oriental do rio. Durante as Operações Lumberjack, Plunder e Undertone, em março de 1945, as perdas alemãs contabilizaram mais 400 000 homens, com pelo menos 280 000 outros sendo feitos prisioneiros.[14]

Em coordenação com o Alto-Comando Aliado, os soviéticos, na Frente Oriental, e seu Exército Vermelho haviam, simultaneamente aos ataques no Oeste, lançado uma grande ofensiva para libertar a Polônia e em fevereiro de 1945 já estavam lutando na banda leste da Alemanha, começando, em abril, seu ataque direto contra a região de Berlim. Os rápidos e avassaladores avanços das forças soviéticas no leste, ao final de 1944, tomando a Romênia, a Hungria e depois a Tchecoslováquia, forçou os alemães a transportarem do oeste muitas tropas (incluindo algumas de suas melhores divisões) para lutar contra os soviéticos no leste e, embora tenham conseguido deter temporariamente a investida do exército vermelho na Linha Oder-Neisse, no começo de 1945, as defesas na Europa Ocidental foram parcialmente esvaziadas, limitando as opções militares de Adolf Hitler e seus generais para tentar manter o Reno guarnecido. Assim, quando os Aliados Ocidentais atacaram, as defesas alemãs no oeste, embora tenham lutado ferozmente, estavam lutando uma batalha perdida. Quando as forças Aliadas estavam no coração da Alemanha, em 8 de maio, as notícias chegaram que o governo nazista em Berlim havia se rendido após o suicídio de Hitler, encerrando a guerra na Europa.[15]

Referências

  1. MacDonald 2005, p. 322.
  2. "Tanks and AFV News", 27 de janeiro de 2015.
  3. a b MacDonald 2005, p. 478.
  4. S. L. A. Marshall. ["ON HEAVYthi ARTILLERY: AMERICAN EXPERIENCE IN FOUR WARS"]. Journal of the US Army War College. Pág. 10.
  5. Glantz 1995, p. 304.
  6. Zimmerman 2008, p. 277.
  7. "Tanks and AFV News", 27 de janeiro de 2015.
  8. Alfred Price. Luftwaffe Data Book. Greenhill Books. 1997.
  9. Dept of the Army 1953, p. 92.
  10. Stacey & Bond 1960, p. 611.
  11. "Biennial reports of the Chief of Staff of the United States Army to the Secretary of War : 1 July 1939-30 June 1945. Washington, DC : Center of Military History, 1996", Pág. 202. Página acessada em 24 de abril de 2018.
  12. «World War II: The Allied Invasion of Europe». The Atlantic. Consultado em 23 de abril de 2018 
  13. Bedessem 1996, p. 3.
  14. Zaloga & Dennis 2006, p. 88.
  15. Bedessem 1996, p. 34.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]