Invasão normanda na Irlanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Invasão normanda da Irlanda
Ireland medieval location map-es.svg
Data 1169-1175
Desfecho Tratado de Windsor (1175). A exitosa invasão dirigida por Henrique II de Inglaterra marca do começo de 8 séculos de domínio inglês sobre a ilha da Irlanda.
Beligerantes
Normandos:
Flag of Leinster.svg Leinster
Generieke vlag van Vlaanderen.svg Flandres
Flag of Wales 2.svg Gales
Flag of England.svg Inglaterra
Reinos irlandeses:
Flag of Ulster.svg Ulster
Flag of Munster.svg Munster
Flag of Connacht.svg Connacht
Dublim
Comandantes
Flag of Leinster.svg Diarmuid Mac Murchadha
Flag of England.svg Henrique II de Inglaterra
Flag of England.svg Strongbow
Flag of England.svg Raymond Carew
Flag of England.svg Richard Fitz Godbert
Flag of Wales 2.svg Rhys ap Gruffydd
Flag of Wales 2.svgMaurice FitzGerald
Flag of Wales 2.svg Robert Fitz-Stephen
Rory O'Connor
Raven Banner.png Hasculf Rögnvaldsson
   

A conquista cambro-normanda de Irlanda consistiu numa série de campanhas militares iniciadas em 1 de maio de 1169 por Dermot MacMurrough, um dos reis da província irlandesa de Leinster, que se viu forçado ao exílio quando outros reis da ilha se alçaram contra ele.[1] Consistiu numa extensão da conquista de Gales, levada a cabo pelos senhores cambro-normandos que atuavam com maior ou menor independência da coroa.[2] Finalmente, foi parcialmente consolidada por Henrique II da Inglaterra em 18 de outubro de 1171, e conduziu finalmente ao domínio inglês sobre a ilha.[3] Sua consequência imediata foi o final da Irlanda gaélica e a da hierarquia irlandesa de «Reis Supremos».[4] Desde este momento, a ilha converteu-se no senhorio de Irlanda, estado nominativo que durou até 1541.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Bula Papal[editar | editar código-fonte]

O primeiro papa inglês Adriano IV, num de seus primeiros atos em 1155, promulgou uma Bula papal concedendo a Henrique autoridade para invadir Irlanda a modo de conter os abusos e corrupção eclesiástica.[5] De todo modo, se fez pouco uso contemporâneo da Bula Laudabiliter como seu texto obrigava a fazer cumprir a soberania papal não só sobre a ilha da Irlanda, senão em todas as ilhas da costa européia, incluindo a Inglaterra, em virtude da Doação de Constantino.

O texto diz o seguinte:[6]

De fato não dúvida, como Sua Alteza também reconhecem que a Irlanda eo resto das ilhas qual Cristo o sol misericordioso iluminadas, e que tenham recebido as doutrinas da fé cristã, pertencem à jurisdição de San Pedro e Santa igreja romana.

as referências à bula Laudabiliter fazem-se mais frequentes no posterior período Tudor, quando as investigações dos eruditos humanistas do Renascimento mostram dúvida sobre a veracidade da historicidade da Doação de Constantino.

Situação da Irlanda Celta de 1166[editar | editar código-fonte]

Após perder a protecção de Muirchertach MacLochlainn, chefe do condado de Tyrone e «Rei Supremo» da Irlanda, Dermot MacMurrough, que era rei de Leinster, se viu forçado ao exílio por uma confederação de irlandeses sob o comando do novo Rei Supremo, Ruaidrí Ua Conchobair, ao qual seus conselheiros não recomendaram o assassinar, mas o desterrar.[7] O antagonismo contra McMurrough começou quando sendo o Senhor de Dublin, arrendou uma frota a Henrique II para sua campanha de Gales em 1165, pelo que no ano seguinte, quando outros reis da ilha tiveram conhecimento disto, o hostilizaram-no até o expulsar de seu reino.[8]

Por sua vez, MacMurrough navegou primeiro para Bristol, onde se refugiou durante um tempo, e depois partiu para Normandia.[9] Uma vez ali, chegou a solicitar a ajuda de Henrique II com a desculpa dos últimos contratempos acontecidos em Irlanda e a situação dos diferentes clãs, a fim de recuperar seu reino.[9] Em 1167 obteve os serviços do cavalheiro cambro-normando Maurice FitzGerald e posteriormente persuadiu a Rhys ap Gruffydd, príncipe da província galesa de Deheubarth, para que libertasse de seu cativeiro ao meio irmão de FitzGerald, Robert Fitz-Stephen a fim de que também pudesse fazer parte da expedição.[10] Com maior importância, obteve o apoio do duque de Pembroke, Richard FitzGilbert de Clare, popularmente conhecido como «Strongbow», ao qual lhe prometeu direitos de sucessão ao trono e terras, bem como a mão de sua filha Aoife em casal a mudança de sua ajuda.[11]

Campanha normanda na Irlanda[editar | editar código-fonte]

Primeira expedição, 1167[editar | editar código-fonte]

O primeiro cavaleiro normando que chegou à ilha foi Richard FitzGodbert de Roche em 1167. Esta expedição conseguiu restaurar a Diarmuid como rei de Leinster, apesar de ter sofrido uma derrota numa escaramuza nas cercanias de Ceann Losnadha, contra as forças do rei irlandês Ruaidrí Ua Conchobair e seu aliado Tigernán Ua Ruairc, rei de Breifne. Depois de ter perdido 25 de seus guerreiros e vários mercenários galeses na batalha, Diarmuid conseguiu chegar a um acordo com Ruaidrí, o qual o permitiu retornar a tomar seu reino. No entanto, os normandos continuaram invadindo, o que permitiu a Diarmuid dotar da oportunidade de se aliar com eles, fato que lhe permitiu usar seus serviços e expandir seu poder na ilha para poder atacar a suas adversários. Entre 1168 e 1171 os normandos não só tinham reconquistado toda a província de Leinster, com Macmurrough, incluindo a Dublin, mas também tinham invadido a província vizinha de Meath e acossado ao Reino de Breifne, de Tiernan Ou'Rourke.[12]

Desembarco do exército invasor[editar | editar código-fonte]

Em 1169 a segunda onda de forças normandas, galesas e flamengas chegaram ao porto de Wexford, sob o comando de Robert Fitz Stephen.[13] A estes se lhes uniu outro contingente no dia seguinte, sob o comando de Maurice de Prendergast. Ao todo contavam com trinta cavaleiros normandos, sessenta soldados com armadura, 300 soldados rasos e uma divisão dentre 300 ou 400 arqueiros galeses.[14] Por último, uniram-se-lhes 500 dos guerreiros irlandeses de Leinster, baixo o comando de Diarmuid mac Murchadha. O primeiro que fizeram foi atacar ao porto de Wexford e o tomar depois de um breve assédio; a população desse lugar estava composta por colonos de origem escandinava. Depois, uma remessa de colonos escandinavos tomou também o porto de Waterford. Ao completar estes dois passos, atacaram o Reino de Osraige e conseguiram conquistá-lo depois de breve resistência. Gerald de Barri, historiador cambro-normando, conta que, os irlandeses de Osraige quase expulsaram exitosamente aos invasores de seu território mediante o uso de táticas de guerrilha, mas que se descuidaron e subestimaram os adversários numa batalha em campo aberto, sendo finalmente derrotados. Uma vez mais foi Diarmuid submetido a Osraige, que levou seu exército misto a Leinster, sua terra, para submeter a todos os que ainda se lhe opunham. Durante as contendas assolaram muitas terras na província e fortaleceram seu controle sobre o reino. Num curto período recuperou-se Leinster, enquanto Waterford e Dublin encontravam-se sob o controle de Diarmuid. Strongbow casou-se com a filha de Diarmuid, Eva a Vermelha, a qual foi nomeada herdeira do Reino de Leinster. Este último deseslane ocasionou a consternação de Henrique II, o qual temia que se estabelecesse um Estado rival.

Pacificação da ilha e fim da invasão[editar | editar código-fonte]

Henrique desembarcou com uma enorme frota em Waterford em 1171, convertendo-se no primeiro rei da Inglaterra a pôr os pés em solo irlandês. Tanto Waterford como Dublin foram proclamadas cidades reais. O sucessor do papa Adriano, Alexandre III, ratificou a concessão das terras irlandesas a Henrique em 1172. Em 14 de outubro desse mesmo ano, o rei desembarcou em Waterford com quatrocentos cavaleiros, entre os que se encontrava Hugo de Lacy.[15] Henrique concedeu seus territórios irlandeses a seu filho mais jovem, João, com o título Dominus Hiberniae (Senhor de Irlanda). Quando João inesperadamente teve mais sucesso que seu irmão ao se proclamar rei, o Reino de Irlanda passou diretamente a se situar sob o controle da Coroa inglesa.

Henrique foi clamorosamente reconhecido pela maioria dos reis irlandeses, os quais viram nele a oportunidade de manejar a expansão tanto de Leinster como dos hiberno-normandos. Isto conduziu à ratificação do Tratado de Windsor em 1175 entre Henrique e Ruaidrí.[16] No entanto, com Diarmuid e Strongbow ambos mortos (em 1171 e 1176 respectivamente), Henrique de volta em Inglaterra e Ruaidrí incapaz de controlar seus vassalos nominais, durante dois anos não valeu a pena a vitela no qual estava inscrito. John de Courcy invadiu e apoderou-se de boa parte do este do Úlster em 1177, Raymond lhe Gros já tinha capturado Limerick e boa parte do norte de Munster, enquanto as outras famílias normandas como os Prendergast, os Fitz-Stephen, os FitzGerald, os Fitz Henry e a família lhe Poer se apropriaram-se de territórios que governaram de maneira quase independente.

Gallóglaigh[editar | editar código-fonte]

A importação dos mercenários gallowglass em Irlanda foi o principal fator na contenção da invasão cambro-normanda do século XII, já que sua chegada fortaleceu a resistência dos nobres irlandeses. Os gallowglass ou «Gall Óglaigh» (jovens guerreiros estrangeiros) eram mercenários, normalmente de origem escocesa, que portavam machados para o combate e vestiam cotas de malha e capacetes. Estas tradições bélicas adquiriram-nas durante a Era Viquingue dos colonos noruegueses que se assentaram nas ilhas Hébridas e criaram uma cultura mista hiberno-nórdica. Durante toda a Idade Média, tanto os nobres irlandeses gaélicos como os hiberno-normandos mantiveram tropas gallowglass. Inclusive o lord deputado de Irlanda inglês mantinha com frequência uma companhia deles a seu serviço.

Pessoas que colaboraram com Mac Murchadha durante a invasão de 1169[editar | editar código-fonte]

Existe uma longa lista de colaboradores e pessoas que de algum ou outro modo colaboraram com a invasão, deles cabe destacar os seguintes:

  • Maurice de Prendergast
  • Robert Barr
  • Meiler Meilerine
  • Maurice FitzGerald
  • Redmond, sobrinho de Fitz-Stephen
  • William Ferrand
  • Milhares de Cogan (Cogan)
  • Gualter de Ridensford
  • Gualter e Alexander, filhos de Maurice FitzGerald
  • William Notte
  • Robert Fitz-Bernard
  • Hugh de Lacy
  • William FitzAldelm
  • William Macarell
  • Hemphrey Bohun
  • Hugh De Gundevill
  • Philip de Hasting
  • Hugh Tirell
  • David Walsh
  • Robert Poer (primeiro Lhe Poer em Irlanda)
  • Osbert de Herloter
  • William de Bendenges
  • Adam de Gernez
  • Philip de Breos
  • Griffin, sobrinho de Fitz-Stephen
  • Raulfe Fitz-Stephen
  • Walter de Barry
  • Philip Walsh
  • Adam de Hereford
  • Tommy De Downes

Referências

  1. Dennis Walsh (1996). «The Cambro-Norman Invasion of Ireland» (em inglés). Consultado em 23 de abril de 2010. 
  2. «The Norman Conquest of Ireland» (em inglés). 1997. Consultado em 19 de octubre de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. McCarthy, Dennis. «William the Conqueror» (em inglés). Robert Appleton Company. Consultado em 12-01 de 2009.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. «The Normans in Ireland» (em inglés). Consultado em 27-09 de 2008.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. «Clans and Chieftains (in Ireland)» (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2012. 
  6. «The Bull of Pope Adrian IV Empowering Henry II to Conquer Ireland. A.D. 1155» (em inglês). 2008. Consultado em 2 de novembro de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  7. «Clans and Chieftains (in Ireland)» (em inglés). Consultado em 2 de diciembre de 2012.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  8. «Welsh campaign of 1165» (em inglés). 2009. Consultado em 19 de octubre de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  9. a b «The history of Ireland to the coming of Henry II» (em inglés). Consultado em 12 de octubre de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  10. «The Cambro-Norman Invasion of Ireland» (em inglés). 2009. Consultado em 19 de octubre de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. «The Cambro-Norman Invasion of Ireland» (em inglés). RootsWeb. Consultado em 1 de septiembre de 2008.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  12. «The Cambro-Normans» (em inglés). 2009. Consultado em 19 de octubre de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  13. «Robert FitzStephen» (em inglés). Consultado em 2 de noviembre de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  14. «Story of Ireland» (em inglés). Consultado em 15 de octubre de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  15. «Hugh De Lacy» (em inglés). Consultado em 12 de octubre de 2012.  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  16. Asociación Española para la Cultura, el Arte y la Educación. «Geografía». Asocae. Consultado em 12 de octubre de 2012.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Norman Invasion of Ireland, by Richard Roache, 1998.
  • History of the Norman Conquest, III, IV, V (Oxford, 1870-76)

Enlaces externos[editar | editar código-fonte]