Invasão soviética do Azerbaijão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Invasão soviética do Azerbaijão
Parte da(o) Guerra Civil Russa
Красная армия в Баку, май 1920 г..jpg
Exército Vermelho em Baku, maio de 1920
Data 1920
Local Transcaucásia
Desfecho Derrubada do governo da República Democrática do Azerbaijão
Estabelecimento da República Socialista Soviética do Azerbaijão
Combatentes
 RSFS da Rússia
 bolcheviques azerbaijanos
República Democrática do Azerbaijão
Principais líderes
República Socialista Federativa Soviética da Rússia Mikhail Tukhachevsky
República Socialista Federativa Soviética da Rússia Mikhail Levandovsky
República Socialista Federativa Soviética da Rússia Mikhail G. Yefremov
República Socialista Federativa Soviética da Rússia Gazanfar Musabekov
República Socialista Soviética do Azerbaijão Nariman Narimanov
República Socialista Soviética do Azerbaijão Chingiz Ildyrym
Samad Mehmandarov

A invasão do Azerbaijão pelo Exército Vermelho , também conhecida como a sovietização ou ocupação soviética [carece de fontes?] do Azerbaijão, foi uma campanha militar realizada pelo 11.º Exército da Rússia soviética de 27 de abril a 11 de maio de 1920 para instalar um novo governo soviético na República Democrática do Azerbaijão, um antigo território do Império Russo. A invasão coincidiu com uma insurreição anti-governo encenada pelos bolcheviques locais azeris na capital Baku.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Sergey Kirov, Anastas Mikoyan, Grigol Ordzhonikidze e Mikhail Levandovsky entre os soldados do Exército Vermelho em Baku.

No início de 1920, a Rússia Soviética precisava desesperadamente dos suprimentos de petróleo de Baku. Em 17 de março de 1920, Vladimir Lenin enviou o seguinte telégrafo ao Conselho Militar Revolucionário na Frente do Cáucaso:

“Nós absolutamente devemos tomar Baku. Direcionar todos os seus esforços para este fim, mas é necessário permanecer estritamente diplomáticos em suas declarações e garantir a uma extensão máxima de uma preparação sólida para o poder soviético local. O mesmo se aplica à Geórgia, embora neste caso eu o aconselho a ser ainda mais cuidadoso.[1]

Em janeiro de 1920, Mikhail Tukhachevsky, que chegou a Petrovsk-Port (atual Makhachkala), juntamente com o membro do Conselho Militar Revolucionário, Sergo Ordjonikidze, foi apontado como o comandante do Exército Vermelho no distrito do Cáucaso. Em 21 de abril de 1920, Tukhachevsky emitiu a seguinte diretiva para o 11.º Exército Vermelho e a flotilha militar Volga—Cáspia para a iniciativa de uma ofensiva em direção a Baku:

“Principais forças do Azerbaijão estão ocupadas no lado ocidental do país. De acordo com a nossa inteligência, apenas pequenas forças azerbaijanas estão defendendo a estação de Yalama—Baku. Em conformidade com as diretrizes recebidas, ordeno:

1. Para o comandante do 11.º Exército a cruzar a fronteira do Azerbaijão em 27 de abril e, em uma ofensiva rápida, assumir o controle da província de Baku. A Operação Yalama-Baku a ser concluída no prazo de 5 dias. As unidades de cavalaria devem ser enviadas para assumir o controle da ferrovia Transcaucásia em torno de Kurdamir.

2. Nesse momento, quando o 11.º Exército se aproxima da Península Absheron, o comandante da flotilha [Cáspia], Raskolnikov, a assegurar o desembarque de uma pequena unidade em torno da estação Alat. Esta unidade deve receber ordens do comandante do 11.º Exército. Assegure uma incursão rápida para tomar o controle de Baku usando toda a frota de petroleiros, evitando qualquer dano aos campos de petróleo.[2]

Operação militar[editar | editar código-fonte]

De acordo com o historiador russo A.B. Shirokorad, a invasão soviética do Azerbaijão foi realizada utilizando um modelo padrão bolchevique: um comitê revolucionário local inicia revoltas de trabalhadores reais ou "virtuais" e solicita o apoio do Exército Vermelho. Este esquema foi usado também décadas mais tarde, durante as invasões soviéticas da Hungria (1956) e da Checoslováquia (1968). Em 28 de abril de 1920, o Comitê Revolucionário de Baku entrou com um pedido formal de ajuda com o governo russo soviético. Porém um dia antes, o 11.º Exército Vermelho, incluindo as 26.º, 28.º e 32.º divisões de fuzileiros e o 2.º corpo de montaria (mais de 30.000 soldados), já invadiu o território do Azerbaijão. [2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]