Iolau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde abril de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Hércules e seu sobrinho, ajudante e erómeno Iolau. Mosaico do século I a.C. do Ninfeu de Anzio, Roma

Na mitologia grega, Iolau (em grego: Ιόλαος, transl. Iólaos) era um herói divino tebano, filho de Íficles – e assim um sobrinho de Hércules – e de Automedusa. Ele frequentemente agia como condutor de bigas e companheiro de Hércules, e foi tido também como eromenos (amante,na passagem de jovem adulto para homem).

Plutarco reporta que antes dele casais de homens homossexuais iriam à tumba de Iolau para jurar lealdade ao herói e a cada outro. Este mito de iniciação é de origem antiga. A tumba de Iolau também é mencionada por Píndaro. O ginásio tebano foi também nomeado após ele, e a Ioleia, um festival atlético consistindo de eventos ginásticos e equestres, era cumprido anualmente em Tebas em sua honra.

Hércules e Iolau, com Eros entre eles. Vaso de ritual etrusco do século IV a.C.

Quando Hércules estava parando a hidra em seu segundo trabalho, Iolau cauterizou cada pescoço, e levou a hidra a ser morta.[1] Hércules casou sua ex-esposa Mégara com Iolau.[2] Tiveram uma filha, Leipefilene. Com a morte de Hércules, Iolau acendeu a tocha do funeral.

Iolau liderou uma colônia grega para a Sardenha, composta por vários dos filhos téspios de Héracles.[3]

Árvore genealógica baseada em Pseudo-Apolodoro[4][5]:

Anfitrião
Alcmena
Alcatos
Íficles
Automedusa
Iolau

Na ficção[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Biblioteca, 2.5.2, por Pseudo-Apolodoro
  2. Biblioteca, 2.6.1, por Pseudo-Apolodoro
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro IV, 29.4
  4. Biblioteca, 2.4.8, por Pseudo-Apolodoro
  5. Biblioteca, 2.4.11, por Pseudo-Apolodoro