Irajá Damiani Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Irajá Damiani Pinto
Nascimento 3 de julho de 1919
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Morte 21 de junho de 2014 (94 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Nacionalidade Brasil
Instituições Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Campo(s) Paleontologia e geologia

Irajá Damiani Pinto (Porto Alegre, 3 de julho de 191921 de junho de 2014) foi professor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.[1]

Formação e carreira[editar | editar código-fonte]

Ingressou na então Universidade de Porto Alegre no curso de História Natural, na Faculdade de Filosofia, graduando-se em 1944 e licenciando-se no ano seguinte no mesmo curso. Foi contratado pela universidade, ainda cursando, com auxiliar de ensino e em 1945, ainda na licenciatura, foi contratado como assistente nas cadeiras de Geologia e Paleontologia. Foi também neste ano que participou de sua primeira excursão científica, orientada e chefiada por Llewelyn Ivor Price, um dos primeiros paleontólogos brasileiros. Ainda em 1945 estagiou no DNPM, no Rio de Janeiro e com recursos emprestados por seu avô, Irajá começou a formação da biblioteca de Geologia e Paleontologia da universidade, comprando em antiquários livros e revistas para a coleção. [1]

No ano seguinte, assumiu a disciplina de Paleontologia da mesma universidade e se tornou professor adjunto no Colégio Estadial Júlio Castilhos[2]. Por falta de reconhecimento de suas atividades na área das Ciências Naturais, professor Irajá prestou vestibular para o curso de Medicina em 1952, mas no ano seguinte recebeu uma bolsa da Universidade de São Paulo pelo professor Paulo Sawaya, admirador de sua pesquisa e trabalhos em Paleontologia. [1]

Fez seu doutorado na Universidade de São Paulo, contando com a colaboração dos professores do Curso de História Natural, em especial de Josué Camargo Mendes e Viktor Leinz. Ainda em 1953, organizou o Instituto de Ciências Naturais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sendo seu diretor até 1957. Com a visita de Harry Miller, da Rockefeller Foundation, conseguiu fundos para os setores de Genética, Paleontologia e Botânica, melhorando as condições de trabalho destes departamentos e melhorando equipamentos e biblioteca. Convidado pela Petrobrás em 1956, organizou o primeiro curso de formação de geólogos de petróleo na Bahia[2]. Ao retornar para Porto Alegre, foi convidado para organizar o curso de Geologia, que teria sua primeira turma naquele ano, transformando-a na primeira escola da área no país, reconhecida pelo Ministério da Educação, sendo seu diretor durante 11 anos. Em 1968, implantou o curso de Pós-graduação em Geociências, nas modalidades de mestrado e doutorado, tendo criado também as primeiras revistas da UFRGS na área das Ciências Naturais, permitindo grande intercâmbio internacional e vinda de material publicado por pesquisadores estrangeiros.[2][1]

Foi o responsável pela organização e direção do Centro de Investigação do Gondwana, órgão auxiliar do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi eleito presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul, em 1974, sendo reeleito duas vezes[2]. Deixou o cargo 9 anos depois para se dedicar à pesquisa e ao CECLIMAR, Centro de Estudos Costeiros Limnológicos e Marinhos cuja direção exerceu por 11 anos. [1]

Foi Presidente da Sociedade Brasileira de Geologia em 1968/1969 e 1978/1979, membro e coordenador da Comissão de Geologia do CNPq, tendo recebido as medalhas José Bonifácio de Andrada e Silva, Llewelyn Ivor Price e Silvio Torres, entre outros prêmios e homenagens especiais de pesquisadores estrangeiros. Suas pesquisas resultaram em 37 trabalhos sobre insetos fósseis, 22 sobre ostracodes recentes e fósseis e 22 trabalhos com grupos fósseis tais como filópodes, malacostráceos, corais, escolecodontes, ictiodontes e arachnida. Formou 22 mestres, 8 doutores e em 1990 recebeu o título de Professor Emérito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul[2]. [1]

Foi Presidente da Sociedade Brasileira de Geologia em 1968/1969 e 1978/1979. Foi Membro e Coordenador da Comissão de Geologia do CNPq. Além das Medalhas José Bonifácio de Andrada e Silva, Llewelyn Ivor Price e Silvio Torres, recebeu outras de municípios gaúchos e homenagens especiais de cientistas estrangeiros que lhe dedicaram espécies novas de ostracode, o Dr. Karl Krömmelbein da Kiel Universität; de conchostráceo o Professor Emérito Paul Tasch da Wickita State University; a Dra. Laurence Beltán do Museum d'Histoire Naturelle de Paris, bem como de pesquisadores nacionais. Como Professor Universitário, suas pesquisas resultaram em 37 trabalhos sobre insetos fósseis, 22 sobre ostracodes recentes e fósseis e 28 com fósseis de grupos tais como: filópodes, malacostráceos, corais, escolecodontes, ictiodontes e arachnida. Nestes grupos foram orientados, além de uma série de pesquisadores de várias universidades, 22 mestres e 8 doutores.[1]

Em 1990 recebeu o título de Professor Emérito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Títulos[editar | editar código-fonte]

  • Bacharel (História natural) - Faculdade de Filosofia - Universidade de Porto Alegre - 1944.
  • Auxiliar de ensino - Faculdade de Filosofia - Universidade de Porto Alegre - 1944.
  • Licenciado (História natural) - Faculdade de Filosofia - Universidade de Porto Alegre - 1945.
  • Professor assistente de regência (Paleontologia) - Faculdade de Filosofia - Universidade de Porto Alegre - 1945.
  • Professor assistente - Escola de Engenharia - Universidade de Porto Alegre - 1945.
  • Primeiro regente da cadeira de Paleontologia - Faculdade de Filosofia - Universidade Católica do Rio Grande do Sul - 1946/1952.
  • Professor auxiliar - Faculdade de Filosofia - 1948/1950.
  • Professor catedrático (Geologia e Paleontologia) - Faculdade de Filosofia - Universidade do Rio Grande do Sul - 1950/1968.
  • Professor (Paleontologia geral e Paleontologia superior) - Escola de Geologia - Universidade do Rio Grande do Sul - 1958/1963.
  • Doutor (Geologia) - USP - 1972.
  • Professor emérito - Universidade Federal do Rio Grande do Sul - 1990.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g Curriculo de Irajá Damiani Pinto.
  2. a b c d e Isaia, Antônio (2008). Os Fascinantes Caminhos da Paleontologia. Santa Maria: Pallotti. p. 60. ISBN 978-85-7782-107-5 
  • Academia Brasileira de Ciências
  • Livro: Os Fascinantes Caminhos da Paleontologia. Autor : Antônio Isaia. Comentários : Conta as historia dos paleontólogos de Santa Maria e região. 60 páginas. Editora Pallotti.
  • Livro: "Cronologia Histórica de Santa Maria e do extinto município de São Martinho." 1787-1933. Vol I. Autor: Romeu Beltrão, Editora Pallotti, 1958.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]