Irapuan Teixeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde agosto de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde janeiro de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.


Irapuan Teixeira (Porto Alegre, 7 de dezembro de 1948) é um político brasileiro.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Irapuan debutou em eleições em 1992, quando concorreu à câmara de vereadores de Porto Alegre; repetiu a candidatura em 1996. Nesse período, disputou o governo do Rio Grande do Sul em 1994 e, em 1998, foi candidato a Vice-Presidência da República.

Por ser professor universitário, carreira profissional que desenvolve há mais de 35 anos, seu nome político foi registrado como "Professor Irapuan Teixeira", norma essa institucionalizada pelos Tribunais Regionais Eleitorais que registram a forma gráfica com a qual o candidato é mais conhecido.

Em 2002, filiado ao, hoje extinto, Prona, elegeu-se deputado federal pelo estado de São Paulo, com apenas 673 votos.[1][2] Posteriormente, deixou o Prona para filiar-se ao PP, do qual se tornou vice-líder de bancada no Congresso Nacional, membro da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados e Presidente da Frente Parlamentar Mista de Ensino a Distância. Para, Enéas Carneiro, fundador do partido que o elegeu, Irapuan é um "traidor".[3]

Como deputado federal apresentou 14 projetos de lei, dos quais nenhum foi aprovado.[4] Dentre suas proposições figuravam "tornar obrigatória a adoção da Bíblia Sagrada como livro didático na disciplina de história nas escolas do ensino médio";[5] e instituir, como pena, a doação compulsória de "órgãos duplos (córnea, rim, pulmão), além da medula ou 1/3 do fígado" para indivíduos condenados "em dois ou mais homicídios dolosos, cuja pena seja igual ou superior a trinta anos de reclusão."[5]

Em seu currículo oficial,[6] o deputado informa possuir os seguintes títulos:

  • Licenciado em Filosofia com Habilitação em Psicologia e História, FAFIMC, Viamão, RS, 1981/1983;
  • Pós-Graduado com Especialização em Antropologia Filosófica, PUCRS, Porto Alegre, 1984/1985;
  • Pós-Graduado com Especialização em Administração Educacional e Análise de Sistemas, SBC, Porto Alegre, RS, 1984;
  • Curso de Mestrado em Filosofia, PUCRS, Porto Alegre, 1984/1986;
  • Bacharelado, 1989/1991, Mestrado, 1992/1994 e Doutorado, 1996/1998 em Teologia, FAT, Campinas, SP;
  • Curso de Doutorado em Psicologia Clínica, pela UPS, Salamanca, Espanha, 1992;
  • Doutorado em Filosofia, FCU, Flórida, EUA, 1999/2000;
  • Pós-Graduado com o Título de Mestre em Educação, 2000; e
  • Pós-Graduado com o Título de Pós-Doutor em Filosofia/PhD, 2001, AWU, Iowa EUA.

Entretanto, de acordo com a Revista Época, a FAT (Fundação André Tosello), em Campinas informou que "não é instituição de ensino e desconhece o referido professor Irapuan Teixeira"; a PUC do Rio Grande do Sul afirmou que "em nossos registros consta apenas a inscrição no Mestrado em Filosofia, inconcluso. Irapuan Teixeira cursou todos os créditos, mas não apresentou o seu trabalho de conclusão."[7]

Referências

  1. [1]
  2. Revista Época. Mestre do ilusionismo?
  3. Freitas, Ronald (7 de agosto de 2006). «O deputado de 673 votos». Época. Consultado em 6 de abril de 2016 
  4. «Especial - 2006 - Eleições». Folha de S.Paulo. 1 de outubro de 2006. Consultado em 28 de agosto de 2014 
  5. a b [2]
  6. Câmara dos Deputados. PROFESSOR IRAPURAN TEIXEIRA
  7. [3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Câmara dos Deputados; Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo; Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul; Separatas dos anos de 2003, 2004, 2005 e 2006 da Câmara dos Deputados.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]