Irmãos do Livre Espírito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Os Irmãos do Livre Espírito foi um movimento leigo cristão que floresceu no norte da Europa nos séculos XIII e XIV. Antinomianos e individualistas na vigilância, entraram em conflito com a Igreja Católica e foram declarados heréticos pelo papa Clemente V no Concílio de Vienne (1311-1312).

Eles são frequentemente considerados semelhantes aos amalricanos. Floresceram em um momento de grande trauma na Europa Ocidental durante o conflito entre o decadente Papado de Avinhão e o Sacro Império Romano-Germânico, a Guerra dos Cem Anos, a Peste Negra, o aumento das heresias dos cátaros e a subsequente Cruzada albigense, o início da Inquisição, a queda dos Templários e o Cisma do Ocidente - que ajudaram a alimentar o apelo de sua abordagem individualista e milenar para o cristianismo e as Escrituras.

Naquele momento de crise dentro da Igreja e da sociedade como um todo, houve uma forte sensação de que o Fim do Mundo estava próximo e por isso a questão da espiritualidade do homem e da salvação tornaram-se cada vez mais importante. Onde as pessoas deixaram de encontrar as respostas espirituais que procuraram a partir de Roma, os movimentos dissidentes, como os Irmãos surgiram em toda a Europa pregando uma visão alternativa do cristianismo. Como a maioria das heresias, entraram em choque com a Igreja e sofreram perseguição considerável nas mãos das autoridades temporais e espirituais da época por meio da Inquisição.

João Escoto Erígena (século IX) desenvolveu as ideias gerais do movimento e a primeira condenação papal foi em 1204. As ideias de Joaquim de Fiore também circularam entre o Livre Espírito. Amaury de Bene, professor de teologia em Paris, teve uma mera retratação e morreu pacificamente em 1207. Seus seguidores, denominados amalricianos, tiveram menos sorte: uma dúzia deles acabaram na fogueira entre 1209 e 1211. Este foi o início de cinco séculos de perseguição.

Como muitos outros movimentos da época: cátaros, valdenses, e também dos templários, turlupins, franciscanos e outros, o Livre Espírito promoveu um ideal de pobreza. Mas aqui, esta pobreza foi no sentido de purificar o homem do pecado e ressuscitar Cristo nele. Eles poderiam, portanto, agir mal e ouvirem seus desejos, iriam entrar em uma era de "Livre Espirito", onde poderiam experimentar a bem-aventurança da vida terrena. A caridade funde-se com o amor carnal que ocorrem sem restrições dentro da comunidade. Uma mulher grávida é o poder do Espírito Santo.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Norman Cohn, The Pursuit of the Millennium, Secker and Warburg, London, 1957
  • Robert Lerner, The Heresy of the Free Spirit in the Later Middle Ages, Berkeley, 1972
  • Marguerite Porete, The Mirror of Simple Souls, ed. Ellen Babinsky. Paulist Press, 1993. ISBN 0-8091-3427-6
  • Barbara Tuchman, A Distant Mirror, Alfred A Knopf Inc, New York, 1978. ISBN 0333644700
  • Raoul Vaneigem, The Movement of the Free Spirit, Zone Books, 1994
  • Walter Wakefield and Austin Evans, Heresies of the High Middle Ages, Columbia University Press, New York, 1991
  • Catholic Encyclopaedia [1]
  • Christopher McIntosh: The Rosicrucians: The History, Mythology and Rituals of an Esoteric Order Weiser Books 1988
  • John Ruusbroec (John of Ruysbroek): The Spiritual Espousals and Other Works. Introduction and translation by James A Wiseman, OSB. Preface by Louis Dupre. Paulist Press 1985. ISBN 9780809127290
  • Rui Manuel Gomes Marques