Isabel Jonet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Isabel Jonet
Nome completo Maria Isabel Torres Baptista Parreira Jonet
Nascimento 16 de fevereiro de 1960 (60 anos)
Lisboa Portugal Portugal
Nacionalidade Portugal Portugal
Ocupação Presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome
Prémios Prémio Mulher Ativa 2000

Prémio Carreira da Universidade Católica 2000
Prémio D. Antónia 2007
Personalidade Europeia de 2012
Prémio Femina 2011

Maria Isabel Torres Baptista Parreira Jonet GOM (Lisboa, 16 de fevereiro de 1960) é a atual Presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome e da ENTRAJUDA.

Formação[editar | editar código-fonte]

É Licenciada em Economia pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.[1]

Luta contra a fome[editar | editar código-fonte]

Em 1993, iniciou atividade como voluntária no Banco Alimentar Contra a Fome, uma instituição que angaria alimentos para distribuir pelas pessoas necessitadas.

É Presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome[2][3] e do Banco Alimentar Contra a Fome de Lisboa.[3]

Estruturou e lançou em 2005, proclamado pelo Conselho da Europa como o Ano Europeu da Cidadania através da Educação, o programa Educar para a Cidadania dirigido a crianças e jovens, o qual, através do caso prático do Banco Alimentar, mostra a importância dos valores na formação e na educação.[4]

Foi Presidente do Conselho de Administração da Federação Europeia dos Bancos Alimentares[5] entre Abril de 2012 e Dezembro 2017

Em novembro de 2012, foi criada uma Petição Pública para que abandonasse o cargo de presidente do Banco Alimentar Contra a Fome, devido a declarações polémicas proferidas em época de austeridade, entre as quais "Vamos ter de reaprender a viver mais pobres" e "Se não temos dinheiro para comer bifes todos os dias, não podemos comer bifes todos os dias". [6] No entanto, como resposta a esta petição, várias outras petições públicas, com muito mais assinaturas, surgiram em defesa da Isabel Jonet, pedindo-lhe que continuasse por muitos anos à frente dos destinos do Banco Alimentar Contra a Fome.[7]

Projeto ENTRAJUDA[editar | editar código-fonte]

Fundadora, em 2004[8], da ENTRAJUDA, projecto inovador na área da solidariedade social, que visa dotar instituições de solidariedade social com instrumentos e recursos de gestão e de organização susceptíveis de aumentar a eficiência dos seus meios e a eficácia dos seus resultados.[9]

No âmbito da ENTRAJUDA, concebeu e participou no lançamento de projetos como a Bolsa do Voluntariado, o Banco de Bens Doados, o Banco de Equipamentos, o Dr. Risadas[4][10], o Dar e Receber e o Tempo Extra, de envelhecimento ativo e voluntariado qualificado de reformados.

Prémios[editar | editar código-fonte]

O seu trabalho foi reconhecido pela Assembleia da República de Portugal, que em 2005 entregou o prémio Direitos Humanos[11] ao Banco Alimentar Contra a Fome.[12]

Foi distinguida, entre outros, com os seguintes prémios:

  • Prémio Mulher Ativa 2000, atribuído pela revista feminina Ativa [1]
  • Prémio Direitos Humanos, ao Banco Alimentar Contra a Fome, 2005
  • Prémio Carreira, da Universidade Católica, em 2006[13] - 1ª edição
  • Prémio Dona Antónia Ferreira 2007[14]
  • Prémio Femina 2011, por actos de Humanitarismo em prol da dignidade e direitos do Ser Humano
  • Personalidade Europeia de 2012, atribuído pelas Selecções do Reader's Digest[4]
  • Eleita "Marca de Confiança" em 2013, 2014, 2015, 2016, 2017, 2018
  • Grande-Oficial da Ordem do Mérito (5 de dezembro de 2017)[15]
  • Prémio Fundação António Quadros 2019 - Empreendedorismo
  • Personalidade do Ano Nacional 2019 - jornal O Mirante.[16]

Referências