Isabel Noronha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde janeiro de 2019).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Isabel Noronha
Nome completo Isabel Helena Vieira Cordato de Noronha
Nascimento 18 de março de 1964 (55 anos)
Lourenço Marques, África Oriental Portuguesa
Nacionalidade moçambicana
Cônjuge Camilo de Sousa
Alma mater Universidade de Leão
Ocupação Realizadora de cinema
Principais trabalhos Trilogia das Novas Famílias

Isabel Helena Vieira Cordato de Noronha (Lourenço Marques, 18 de março de 1964) é uma realizadora de cinema moçambicana.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida em 1964 em Lourenço Marques (atual Maputo), em Moçambique no período colonial português, o seu pai e nasceu em Goa durante a administração portuguesa do território que durou até 1961, era médico ( primeiro médico português colocado na província de Inhambane, em 1928). A sua mãe nasceu Portugal, mas optou pela nacionalidade moçambicana após a Independência de Moçambique; era Assistente Social de profissão, tendo sido directora do Instituto de Educação e Serviço Social em Moçambique e directora pedagógica do Ministério da Saúde após a Independência. [2]

Isabel Noronha fez a escola primária ainda no período colonial, na escola Rainha Santa Isabel. Em 1974, durante o período de transição para a Independência, estudou no liceu D. Ana da Costa Portugal que, em 1975, aquando da Independência de Moçambique, ganhou o nome de Escola Secundária Josina Machel. Foi aí que Isabel estudou até ao 9º ano, tendo frequentado depois a Escola Secundária Francisco Manyanga, onde terminou a 11ª classe, ingressando depois na Faculdade de Educação da Universidade Eduardo Mondlane.

Em 1984, aos vinte anos de idade, Isabel Noronha inicia o seu percurso de cineastas no Instituto Nacional de Cinema, onde trabalha como assistente de produção, assistente de realização, continuísta, diretora de produção e finalmente realizadora, aprendendo cinema com realizadores e técnicos moçambicanos, na prática do Kuxa kanema ( jornal cinematográfico de actualidades), documentários e filmes de ficção produzidos nesta instituição.[3]Aí realiza os seus dois primeiros documentários em película: Hosi Katekisa Moçambique e Manjacaze ( documentário de guerra).

Depois do incêndio do Instituto Nacional de Cinema, começa a trabalhar como cineasta independente. É membro fundador da primeira Cooperativa Independente de Vídeo (COOPIMAGEM). Neste contexto, realiza em 1991 o documentário Assim na Cidade , sobre crianças refugidas de guerra, que vendem jornais na cidade de Maputo. Já mãe de uma filha ( Lara Carolina Noronha Abranches de Sousa, 1991), persegue o seu sonho de estudar psicologia, curso que só começou a existir em Moçambique em 1986, após a criação do Instituto Superior Politécnico e Universitário, primeira universidade privada do país. Em 2002 termina a licenciatura em Psicologia Clínica e Aconselhamento e passa a leccionar nesta instituição as disciplinas de Psicanálise, Psicologia Social, da Comunicação, da Personalidade e das Emoções. Em 2007, termina o seu mestrado em Saúde Mental e Clínica Social pela Universidade de Léon, Espanha.

A partir de 2003 passa a compaginar a sua actividade de docente e psicoterapeuta de inspiração analítica, com a actividade de cineasta. Faz parte do grupo de cineastas que funda a Associação Moçambicana de Cineastas ( AMOCINE). Realiza com subvenção do Fundo de Apoio ao Cinema o documentário Sonhos Guardados e em 2007, a sua primeira longa-metragem documental, Ngwenya, o crocodilo sobre o pintor moçambicano Malangatana Valente Ngwenya, em que inicia um percurso de utilização experimental de metodologia uma dialógica para a escrita e realização de documentário, que virá a utilizar daí em diante em vários dos seus documentários.

Sempre interessada em temáticas sociais, depara-se no seu país, aquando da realização dos seus documentários, com um denso silêncio sobre as histórias pessoais, familiares e políticas, que atravessa todas as trajectórias sociais, obrigando-a a pensar a utilização do dispositivo de cinema como meio para fazer face aos indizíveis da História do país e, simultaneamente, como ferramenta terapêutica. Este movimento inicia com Trilogia das Novas Famílias, uma trilogia documental sobre os novos modelos familiares de Moçambique, como resultado da síndrome da imunodeficiência adquirida.[2]. Colocada ao longo deste processo face à necessidade de certos sujeitos, expostos a situações de risco ( tanto psicológico como social ou político), poderem contar as suas histórias mantendo contudo o anonimato inicia, junto com Vivian Altman, realizadora franco-brasileira de animação, uma série de filmes em que misturam técnicas de documentário e animação. São exemplo desta pesquisa metodológica e formal, Mãe dos Netos, um filme sobre uma avó ao cuidado de quem ficaram 14 netos depois da morte de seu filme e suas 7 esposas; SALANI , sobre crianças traficadas na fronteira entre Moçambique e a África do Sul; Meninos de Parte Nenhuma, sobre crianças escravizadas por adultos dentro das suas próprias famílias ou tendo sido retiradas destas.

Em 2012, co-realiza com três outras realizadoras( Altman (Brasil), Firouzeh Khosrovani (Irão), Irene Cardona (Espanha), Espelho Meu' [4], o primeiro dos seus filmes com uma temática de género, sobre mulheres de diferentes lugares do mundo ao espelho. No mesmo sentido, com realiza com Camilo de Sousa, Na Dobra da Capulana.

Ao longo deste percurso, vai-se dando conta de que necessita de mais ferramentas teóricas, para além da psicologia, para compreender as realidades sociais com que se depara. Inicia então, o doutorado em Antropologia Social na UNICAMP, Brasil, que termina em 2018.

Prémios e reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

HOMENAGEM à OBRA de ISABEL NORONHA, CINEPORT, Brasil, 2009

Menção Mulher Criadora no Festival Cineposible ( "Mãe dos Netos"), Almendralejo, Espanha, 2009.

Prémio "Janela para o Mundo", melhor documentário de África, Ásia e América latina ( "Ngwenya, o Crocodilo") no Festival de Cinema Africano de Milão.[5], 2009.

Júri da seção de documentário do festival CINEPORT, João Pessoa, Brasil, 2011.

Prémio do melhor documentário no Festival Documenta-Madrid ( "Espelho Meu") Madrid, Espanha, 2011.

Prémio do melhor filme de animação em Terra di Tutti Film Festival ("Mãe dos Netos") Bolonha, Itália, 2010.

Menção honrosa especial do júri no Festival Terra di Tutti ("Trilogia das Novas Famílias") Bolonha, Itália, 2010.

Prémio KUXA-KANEMA, do Fundo de Apoio à Cultura, melhor filme moçambicano ("Trilogia da Novas Famílias"), Maputo, Moçambique, 2008.

Special Merit Award, Amakula International Film Festival ( "Sonhos Guardados"), Amakula International Film Festival, Kampala, Uganda, 2005.

SILVER DHOW- ZIFF Documentary Award (f "Sonhos Guardados"), ZIFF Documentary Award, Zanzibar, 2005.

Prémio ANDORINHA DIGITAL, para melhor curta –metragem video ( "Sonhos Guardados"), Festival CINEPORT, Brasil, 2005.

Prémio Instituto Camões para o Melhor filme de Expressão Lusófona, FIKE ( "Sonhos Guardados") Instituto Camões, Portugal, 2004.

Prémio KUXA-KANEMA, do Fundo de Apoio à Cultura, melhor filme moçambicano( "Sonhos Guardados") , FUNDAC-Moçambique, 2004.

Grande Prémio do Festival Internacional de Video de Oeiras ( "Assim na Cidade"), Oeiras, Portugal, 1993.


FILMOGRAFIA:

      • 1987- Kuxa-Kanema “ jornal de actualidades, 52 números, 10 ', 16 mm, P/b. 1987- Manjacaze, documentário de guerra, 12', P/b. 1988- Hosi Katekisa Moçambique, documentário, 20'., 16mm, P/b 1992- Assim, na Cidade , documentário/drama, 32', U-matic. 1993- As Mães da Terra, documentário, 26', U-matic. 2004- Sonhos Guardados, documentário/drama, 29', DVCAM 2007 - Ngwenya, o Crocodilo, documentário/ drama, 90' [6] 2007- Trilogia das Novas Famílias : Caminhos do Ser, documentário, 12'. Delfina, Mulher-Menina, documentário, 23'. Ali-Aleluia, documentário, 12'. 2008- Mãe dos Netos ( co-realização com Vivian Altman) Animação/ Documentário, 7'. 2009- Maciene- Para Além do Sonho, documentário, 63'. 2010- SALANI ( co-realização com Vivian Altman), documentário/animação, 30'. 2012- Meninos de Parte Nenhuma (co-realização, com Vivian Altman), documentário/animação, 52‘. 2012- Espelho Meu ( co-realização, com Vivian Altman (Brasil), Firouzeh Khosrovani (Irão), Irene Cardona (Espanha) (Espejito),60' [4]. 2014 - Na Dobra da Capulana ( co-realização com Camilo de Sousa), documentário, 30'


Referências

  1. «Isabel Helena Vieira Cordato de Noronha» (PDF). Universidade Federal de Santa Catarina. 14 de fevereiro de 2011. Consultado em 7 de março de 2018 
  2. a b «Isabel Noronha: cinema "da dor e da beleza"». Fundação Calouste Gulbenkian. 12 de novembro de 2014 
  3. «Isabel Noronha». CinAfrica, Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro. 24 de agosto de 2017. Consultado em 7 de março de 2018 
  4. a b «Noronha Isabel» (em francês). Federação Africana da Crítica Cinematográfica. Consultado em 7 de março de 2018 
  5. «"Mãe dos netos" de Isabel Noronha e Vivian Altman e "Ngwenya, o Crocodilo" de Isabel Noronha». Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Universidade de Coimbra. Consultado em 7 de março de 2018 
  6. Araújo, Cristóvão (10 de janeiro de 2011). «Isabel Noronha e Malangatana 'Ngwenya, o Crocodilo'». SAPO Notícias. SAPO 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.