Isaura Gomes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Isaura Gomes (1944) é uma farmacêutica e política cabo-verdiana.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Gomes concluiu o ensino secundário como a melhor aluna da sua turma, mas não obteve uma bolsa de estudos para uma universidade em Portugal, já que a bolsa foi dada ao filho de um cidadão português, embora ele tivesse notas mais baixas do que ela.[2] No entanto, logo depois o único dentista de Cabo Verde ajudou-a a obter uma bolsa de estudos completa para estudar farmácia na Universidade de Coimbra, onde também recebeu bolsas de estudos e deu aulas particulares aos seus colegas de turma.[3] Depois de se formar em 1967, trabalhou em Portugal brevemente antes de retornar a Cabo Verde em 1970.[3][4]

Depois de retornar a Cabo Verde, liderou as atividades secretas do Partido Africano da Independência de Cabo Verde em São Vicente; Cabo Verde tornou-se independente em 1975.[3] Entre 1975 e 1981, foi a primeira e única deputada do partido, gerando um avanço na questão dos direitos das mulheres dentro do partido.[3] Também ajudou a fundar a Organização Nacional das Mulheres de Cabo Verde e foi fundamental para que as leis nacionais legalizando o aborto fossem aprovadas.[3] Deixou o parido em 1981 por falta de apoio a um sistema multipartidário em Cabo Verde, conforme desejava.[3]

Na década de 1980, Gomes foi uma importante figura para o desenvolvimento do sistema médico de Cabo Verde, atuando como diretora nacional de farmácias e treinando seus técnicos de laboratório e farmácia.[3] Também foi importante em meados da década de 1980 para ajudar a garantir o reconhecimento internacional à cantora cabo-verdiana Cesária Évora, que era sua amiga.[5] Em 1989, abriu seu próprio laboratório clínico e farmácia.[3] De 1997 a 2003, foi presidente da Associação de Mulheres Empresárias de Cabo Verde e, em 2001, foi presidente da Federação de Associações de Promoção da Mulher de Cabo Verde.[6] Em 2004, tornou-se prefeita de São Vicente, sendo a primeira prefeita de Cabo Verde; ela já havia concorrido cargo em 2000.[5][7] Em 2005, ingressou no Movimento para a Democracia, e em 2008 foi reeleita prefeita.[7] Em 2011, renunciou ao cargo de prefeita, afirmando que a renúncia era motivada por motivos de saúde.[8]

Referências

  1. Professor Henry Louis Gates, Jr.; Professor Emmanuel Akyeampong; Mr. Steven J. Niven (2 de fevereiro de 2012). Dictionary of African Biography. [S.l.]: OUP USA. pp. 484–. ISBN 978-0-19-538207-5 
  2. Professor Henry Louis Gates, Jr.; Professor Emmanuel Akyeampong; Mr. Steven J. Niven (2 de fevereiro de 2012). Dictionary of African Biography. [S.l.]: OUP USA. pp. 484, 485–. ISBN 978-0-19-538207-5 
  3. a b c d e f g h Professor Henry Louis Gates, Jr.; Professor Emmanuel Akyeampong; Mr. Steven J. Niven (2 de fevereiro de 2012). Dictionary of African Biography. [S.l.]: OUP USA. pp. 485–. ISBN 978-0-19-538207-5 
  4. Agência Lusa. «Cabo Verde/Autárquicas: Isaura Gomes, única presidente de Câmara, disputa Mindelo com ex-PM C/FOTO - Agência Lusa - SAPO Notícias». Noticias.sapo.pt. Consultado em 2 de junho de 2016 
  5. a b November 13, 2007 5:51 pm (13 de novembro de 2007). «Profile: Isaura Gomes, mayor of São Vicente». FT.com. Consultado em 2 de junho de 2016 
  6. Professor Henry Louis Gates, Jr.; Professor Emmanuel Akyeampong; Mr. Steven J. Niven (2 de fevereiro de 2012). Dictionary of African Biography. [S.l.]: OUP USA. pp. 485, 486–. ISBN 978-0-19-538207-5 
  7. a b Professor Henry Louis Gates, Jr.; Professor Emmanuel Akyeampong; Mr. Steven J. Niven (2 de fevereiro de 2012). Dictionary of African Biography. [S.l.]: OUP USA. pp. 486–. ISBN 978-0-19-538207-5 
  8. «Mayor of São Vicente resigns - Primeiro diário caboverdiano em linha». A Semana. 24 de maio de 2011. Consultado em 2 de junho de 2016. Arquivado do original em 8 de agosto de 2016 

Nota[editar | editar código-fonte]