Islamofascismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Islamofascismo ou fascismo islâmico é um termo usado por parte dos cientistas políticos ocidentais para descrever a analogia entre certas ideologias e características operacionais de determinados movimentos islamistas contemporâneos com aquelas do Neofascismo, do totalitarismo ou, em menor medida, de correntes ideológicas inspiradas pelo histórico fascismo europeu da primeira metade do século XX.

Islamofascismo é usado com frequência em veículos da mídia ocidental, no contexto da chamada guerra contra o terrorismo como sinônimo de "terrorismo islâmico" e, para esse efeito tem sido usado para descrever organizações como a Al-Qaeda, Taliban, a Irmandade Muçulmana,[1][2][3] o Hamas, os Wahhabistas[4] e o Hezbollah, mas também para criticar a natureza de certos regimes, como o que resultou da revolução iraniana, ou o da Arábia Saudita.

Bases e uso do termo[editar | editar código-fonte]

 A expressão "fascismo islâmico" parece ter sido empregada pela primeira vez em 1933 por um jornalista indiano, Akhtar Husain, num ataque contra o nacionalista muçulmano Mohamed Iqbal. Ele apresenta a sua ideia dum Paquistão muçulmano como uma forma de "fascismo islâmico".[5].

Manfred Halpern no seu livro The Politics of Social Change in the Middle East and North Africa (1963) desenvolve a ideia que o islamismo seria uma nova forma de fascismo.O principal argumento de Halpern foi baseado em uma análise da Irmandade Muçulmana no Egito, argumentando que esse tipo de movimentos islâmicos eram um obstáculo para os regimes militares que eram, na opinião dele, representantes de uma nova classe média capaz de modernizar o Oriente Médio[6].

O primeiro exemplo do termo Islamofascismo, teria, de acordo com William Safire, ocorrido em um artigo escrito pelo erudito escocês e escritor Malise Ruthven escrevendo em 1990. Ruthven usou isso para se referir à maneira pela qual as ditaduras árabes tradicionais usavam recursos religiosos para permanecer no poder. [7] Malise Ruthven, em "Construindo o Islã como Língua" , no The Independent, 8 de setembro de 1990: "No entanto, há o que poderia ser chamado de um problema político que afeta o mundo muçulmano: em contraste com os herdeiros de outras tradições não-ocidentais, incluindo hinduísmo, xintoísmo e Budismo , as sociedades islâmicas parecem ter achado particularmente difícil institucionalizar as divergências politicamente: o governo autoritário, para não dizer o islamismo fascista, é a regra e não a excepção de Marrocos até ao Paquistão ". [8]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde janeiro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

O termo "islamofascismo" foi criticado por vários estudiosos[9] e jornalistas. O historiador Niall Ferguson[10] e o estudioso Angelo Codevilla de relações internacionais consideram-no historicamente impreciso e simplista.[11] O autor Richard Alan Nelson, crítica o termo por ser geralmente usado como pejorativo ou para propaganda[12][13] e afins. Tony Judt argumentou em um artigo de Setembro de 2006 na London Review of Books que o uso do termo foi destinado a reduzir a guerra contra o terror "a uma familiar justaposição que elimina a exótica complexidade e confusão", criticando autores que utilizam o termo islamofascismo e se apresentam como especialistas apesar de não terem experiência anterior sobre o Islã.[14]

Críticos como o colunista José Sobran da ex-National Review, e Paul Krugman colunista do The New York Times argumentam que "fascismo islâmico não é nada, mas um termo de propaganda vazia." utilizada por defensores da "Guerra ao Terror".[12][15][16] O especialista em segurança Daniel Benjamin, o cientista político Norman Finkelstein e o colunista do The American Conservative Daniel Larison, destacam a afirmação de que, apesar de seu uso como uma peça de propaganda, o termo é inerentemente sem sentido, pois, como observa Benjamin, "não há sentido em jihadistas abraçarem a ideologia fascista como foi desenvolvida por Mussolini ou qualquer outra pessoa que foi associada com o termo".[17][18]

O historiador cultural Richard Webster afirmou que agrupar diversas ideologias políticas, grupos terroristas e insurgentes, governos, e seitas religiosas em uma única noção de "fascismo islâmico" pode levar a uma banalização do fenômeno do terrorismo.[19] Na mesma linha do National Security Network afirma que o termo perigosamente obscurece importantes distinções e diferenças entre grupos de extremistas islâmicos enquanto alienando as vozes moderadas no mundo muçulmano porque "cria a percepção de que os Estados Unidos estão lutando uma guerra religiosa contra o Islã".[20] Daniel Larison atribui proponente a Hitchens suporte da frase a sua posição anti-religiosa.[21] historiador britânico Niall Ferguson salienta que este uso político do que eu chama de "conceito completamente enganoso", é "apenas uma maneira de nos fazer sentir que estamos na 'melhor geração' para lutar outra guerra mundial".[10] Reza Aslan afirma que o termo "cai" para descrever grupos como a Al-Qaeda, notando que eles são antinacionalista, enquanto o fascismo é ultranacionalista. [carece de fontes?]/

Comentando sobre a incongruência reclamada entre o "Mundo Muçulmano" e "fascismo estado industrial", jornalista do EUA Eric Margolis ironicamente afirma que os regimes mais totalitários islâmicos, na verdade, "são aliados dos Estados Unidos".[22] Porém este comentário não corresponde a verdade, sendo feito provavelmente para fins publicitários, observando que o regime que mais causa sofrimento ao seu povo, o Sirio, é ajudado com apoio financeiro e militarmente por outro país muçulmano, o Irão,[23] e por duas potencias mundiais originalmente marxistas, Rússia[24] e China[25] sendo criticado pelos Estados Unidos pela matança indescriminada de civis por parte das forças do governo.[26] Não obstante, é notória a aliança dos EUA com países como Arábia Saudita, Qatar, Emirados Árabes, Jordânia e Bahrain.

O uso público do termo suscitou uma resposta crítica também de vários grupos muçulmanos. No rescaldo da trama dos aviões transatlânticos de 2006, George W.Bush descreve as políticas como a sua batalha contra "fascistas islâmicos... [que] vai usar todos os meios para destruir aqueles, porque nós amamos a liberdade." O Conselho para as Relações Americano-Islâmicas (CAIR) escreveu a ele para reclamar, dizendo que o uso do termo "alimenta a percepção de que a guerra ao terror é na verdade uma guerra contra o Islã".[17] Ingrid Mattson da Sociedade Islâmica da América do Norte também queixou-se desse discurso, alegando que adicionado a um mal-entendido do Islã. Mattson reconhece, no entanto, que alguns grupos terroristas também abusam dos "conceitos islâmicos e condições para justificar sua violência".[27]

Em abril de 2008, a Associated Press informou que as agências federais dos Estados Unidos, incluindo o Departamento de Estado e o Departamento de Segurança Interna, foram aconselhados a parar de usar o termo "islamofascismo" em um memorando de 14 pontos emitido pelo Extremist Messaging Branch no departamento de outro órgão federal conhecido como o Centro Nacional de Contraterrorismo. Destinado a melhorar a apresentação da "guerra ao terrorismo" ante as audiências muçulmanas e os meios de comunicação, o memorando diz:. "Estamos a comunicar com o nosso público, não a confrontá-lo. Não os confunda nem os insulte com termos pejorativos como o" islamismo-fascismo ", que são considerados ofensivos por muitos muçulmanos "..[28]

Uma das maiores autoridades mundiais sobre o fascismo, Walter Laqueur, depois de rever termos este e afins, concluiu que "fascismo islâmico, islamofobia e antisemitismo, cada um a seu modo, são termos imprecisos sem os quais poderíamos passar, mas é duvidoso que possam ser retirados do nosso léxico político.[29]

Ver também[editar | editar código-fonte]



Referências

  1. Islamic Terrorism's Links To Nazi Fascism
  2. The Muslim Brotherhood, Nazis and Al-Qaeda
  3. Islamism, fascism and terrorism
  4. Islamic Terrorism's Links To Nazi Fascism
  5. (2011). "Western Representastions of Fascist Influences on Islamist Thought". Görlach, Joseph-Simon, dans Feuchter, Jörg; Hoffmann, Friedhelm; Yun, Bee. Cultural Transfers in Dispute: Representations in Asia,Europe and the Arab World since the Middle Ages. Campus Verlag. pp. 149–165. https://books.google.fr/books?id=14jlAgAAQBAJ&pg=PA151&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false
  6. Kramer, Martin (2016). The War on Error. [S.l.]: Transaction Publishers. 72 páginas 
  7. Hitchens, Christopher (22 de Outubro de 2007). «Defending Islamofascism. It's a valid term. Here's why.». Slate 
  8. Feuchter, Jorg (e outros) (2011). «Cultural Transfers in Dispute: Representations in Asia, Europe and the Arab World Since Midlle Ages» 
  9. Boyle, Michael, 'The War on Terror in American Grand Strategy', International Affairs, 84, (March 2008), p196
  10. a b «Niall Ferguson Interview: Conversations with History)». Institute of International Studies, UC Berkeley. 2006. Consultado em 12 de outubro de 2007  "... o que vemos no momento é uma tentativa de interpretar nossa situação atual em uma linguagem da II Guerra Mundial bastante caricaturizada. Quero dizer, "Islamofascismo" ilustra bem o ponto, porque é um conceito completamente enganador. Na verdade, praticamente não há sobreposição entre a ideologia da al-Qaeda e o fascismo. É apenas uma maneira de nos fazer sentir que somos a "melhor geração" lutando noutra Guerra Mundial, como a guerra em que nossos pais e avós lutaram. Você está traduzindo uma crise simbolizada pelo 11 de setembro em uma espécie de pseudo II Guerra Mundial. Então, o 11 de setembro se torna Pearl Harbor e então você vai atrás dos bandidos que são os fascistas, e se você não nos apoiar, então você deve ser um apaziguador."
  11. Angelo Codevilla. Advice to War Presidents. [S.l.]: Public Affairs. p. 25. ISBN 978-0-465-00483-6  "...O termo "Islamofacismo", usado para descrever fortemente movimentos antiocidentais no Mundo Muçulmano, revela ignorância desses movimentos, bem como do Islã e do fascismo".
  12. a b Sobran, Joe. «Words in Wartime». Consultado em 18 de abril de 2006  "Em outras palavras, o Islamofascismo não é senão um termo de propaganda vazio. E a propaganda de guerra geralmente é, se não sempre, criada para produzir histeria, a destruição de qualquer sentido de proporção. Essas palavras, indefinidas e não medidas, são usadas por pessoas mais interessadas em nos fazer perder a cabeça do que manter suas próprias.
  13. Richard Alan Nelson (1996). A Chronology and Glossary of Propaganda in the United States. [S.l.: s.n.]  "A propaganda é definida neutra como uma forma sistemática de persuasão decidido que tenta influenciar as emoções, atitudes, opiniões e ações de públicos-alvo específicos para fins ideológicos, políticos ou comerciais, através da transmissão controlada de mensagens unilaterais (que pode ou não ser factual) através de canais de massa e mídia direta. uma organização de propaganda emprega propagandistas que se envolvem na criação propagandismo aplicado e distribuição de tais formas de persuasão." (falta numero de pagina...)
  14. Judt, Tony (21 de setembro de 2006). «Bush's Useful Idiots». London Review of Books. 28 (18) 
  15. Rall, Ted. «Bush's war on history and to…toma…tomatotarianism». Consultado em 28 de julho de 2007 
  16. Paul Krugman (29 de outubro de 2007). «Fearing Fear Itself». New York Times. Consultado em 29 de outubro de 2007  "...não há realmente qualquer coisa como islamofascismo - não é uma ideologia, é uma invenção da imaginação neoconservadora. O termo entrou em voga somente porque era uma forma dos "falcões do Iraque" encobrirem a transição desajeitada de perseguir Osama bin Laden, que atacou a América, para Saddam Hussein, que não fez."
  17. a b Richard Allen Greene (12 de agosto de 2006). «Bush's language angers US Muslims». BBC News. Consultado em 28 de junho de 2007 
  18. Wajahat Ali, 'An Interview with Norman Finkelstein' "'Islamofascismo" é um termo sem sentido. Se eu não me engano, foi cunhado pelo comentarista Christopher Hitchens. O termo é um retrocesso para aos esquerdistas juvenis, eu entre eles, marcado todos que discordavam de um 'porco fascista'. Portanto, esta é uma versão kosher-halal do epíteto. Fascismo usado para se referir a um conhecido preciso fenômeno histórico, embora é ainda duvidoso que o termo precisão engloba regimes tão diferentes quanto a Itália de Mussolini e a Alemanha de Hitler. Mas quando você começar a usar o termo para caracterizar bandos terroristas que querem voltar o relógio vários séculos e ressuscitar o Califado, é simplesmente um epíteto vazia como 'Império do Mal', 'Eixo do mal' e o resto. (Nota: a página indicada já não existe)
  19. Richard Webster. «Israel, Palestine and the tiger of terrorism: anti-semitism and history». New Statesman. Consultado em 28 de junho de 2007  "A ideia de que existe algum tipo de autonomia "Islamofacismo", que pode ser esmagada, ou que o Ocidente pode defender-se contra os terroristas que ameaçam cultivando a ânsia de matar muçulmanos militantes que Christopher Hitchens insta sobre nós, é uma perigosa ilusão. Os sintomas que levaram alguns a aplicar o rótulo de "Islamofacismo" não são razões para esquecer causas. Eles são razões para nós examinamos com mais cuidado ainda que aqueles causas realmente são." (Nota: o link já não existe - em Setembro de 2017)
  20. Report: 'Islamofascism' blinds U.S. "(Islamofascismo) cria a percepção de que os Estados Unidos estão lutando uma guerra religiosa contra o Islã, assim afastando vozes moderadas na região, que estaria disposto a trabalhar com os Estados Unidos para objetivos comuns." (Nota: link já não existe em Setembro de 2017)
  21. Larison, Daniel. «Term Limits». Consultado em 13 de março de 2008  "A palavra "Islamofacismo" nunca tinha algum significado, a não ser como resumo de todos qualquer regimes e grupos de palavras que usuários desejavam fazer metas para a ação militar. Hitchens também é bem conhecido por seus equívocos tendenciosos de todas as formas de religião, teísmo comparando a um regime totalitário sobrenatural e atribuindo todos os crimes do totalitarismo político à religião. Foi portanto, apropriado que ele deve promover o "Islamofacismo" termo uma vez que define um movimento religioso na língua do totalitarismo secular".( link já não existe)
  22. Eric Margolis (2006). «The Big Lie About 'Islamic Fascism'». Consultado em 28 de julho de 2007  "Não há nada em qualquer parte do Mundo Muçulmano que se assemelha os estados corporativos fascistas da história ocidental. Na verdade clã, e tribal baseado sociedade islâmica tradicional, com suas estruturas de poder fragmentados, lealdades locais e do consenso de tomada de decisão, é de cerca de o mais longe possível do fascismo estado ocidental industrial. Mundo muçulmano está repleto de ditaduras brutais, monarquias feudais e corruptos militares gerindo estados, mas nenhum desses regimes, no entanto deplorável, se enquadra na definição padrão do fascismo. A maioria, de fato, são aliados dos Estados Unidos." (link quebrado)
  23. Tisdall, Simon. «Iran helping Syrian regime crack down on protesters, say diplomats». The Guardian. Londres. Consultado em 22 de fevereiro de 2012 
  24. «Isolate Syria's Arms Suppliers». HRW. Consultado em 29 de junho de 2012 
  25. Gordts, Eline (5 de outubro de 2011). «Russia, China Veto Syria Sanctions». Huffington Post. Consultado em 12 de abril de 2012 
  26. «Obama Condemns 'Outrageous' Syria Violence, Iran Aid». Google News. Agence France-Presse. Consultado em 27 de abril de 2011 
  27. «U.S. Muslim group's head says Bush's term 'Islamic fascism' adds to misunderstanding of Islam». The Associated Press (link já não existe). 1 de setembro de 2006. Consultado em 28 de junho de 2007 
  28. «'Jihadist' booted from US government lexicon». Associated Press. 25 de abril de 2008. Consultado em 25 de abril de 2008 
  29. Walter Laqueur, The Origins of Fascism: Islamic Fascism, Islamophobia, Antisemitism, 2006

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Morse, Chuck - The Nazi Connection to Islamic Terrorism. Washington: WorldNetDaily, 2010



Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.