Islamofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Islamofobia é o sentimento de repugnância, satanização[1][2] ou de repúdio em relação aos muçulmanos e/ou ao Islamismo em geral.[3] Este tipo de aversão vem acontecendo principalmente nos Estados Unidos, no Canadá, na Europa e em Israel, seja devido aos atentados terroristas, ou à presença cada vez maior de muçulmanos nesses lugares. Os atentados terroristas são promovidos por organizações fundamentalistas, tais como a Al-Qaeda e o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, embora este último grupo não seja apoiado pela população local.[4] Todavia, esse sentimento já existia anteriormente, antes de ser nomeado, embora em menor grau, devido às enormes diferenças culturais e religiosas. Este tipo de discriminação aumentou exponencialmente após os ataques de 11 de setembro de 2001, ocorridos nos Estados Unidos. Por exemplo, o islã em seus primeiros momentos foi mais tolerante na Península ibérica do que a história toda do catolicismo que depois da retirada dos praticantes da primeira fé citada, associou islamofobia ao antissemitismo em seu auge.[5] Contudo, o Islão, tal como outras grandes religiões, também conheceu épocas em que inspirou nos seguidores ódio e violência.[2]

O termo “islamofobia” aparece escrito pela primeira vez na França na década de 1920 como “islamophobie” e reaparece na década de 1970. No entanto, essas duas aparições do termo contam com diferenças em suas significações. A primeira se refere a disputas e diferenças dentro do Islã e a segunda, ao repúdio aos muçulmanos e ao islamismo.[6]

Mídia[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Enciclopédia da Raça e Estudos Étnicos, os meios de comunicação social têm sido criticados por perpetrarem islamofobia; a professora inglesa Elizabeth Poole cita um estudo de caso onde, ao analisar uma amostra de artigos na imprensa britânica de entre 1994 e 2004, conclui que os muçulmanos estavam sub-representados, e mostrados sob um foco negativo. Esses retratos, de acordo com Poole, incluem a imagem do Islamismo e os muçulmanos como uma ameaça à segurança do Ocidente e aos valores sociais desta parte do planeta.[7] Benn e Jawad escreveram que a hostilidade contra o Islã e os muçulmanos estão "intimamente ligadas aos meios de comunicação social que retratam o Islã como bárbaro, irracional, primitivo e sexista."[8] Egorova e Tudor citam os pesquisadores europeus, em que sugere que expressões utilizadas nos meios de comunicação social como "terrorismo islâmico", "bombas islâmicas" e "violento Islã" já resultaram em uma percepção negativa do Islã.[9]

Contudo, uma pesquisa efectuada pela ICM, para o canal britânico Channel4, com entrevistas presenciais a mil muçulmanos, chegou a conclusões preocupantes sobre as opiniões da comunidade muçulmana na Grâ Bretanha: um quarto dos entrevistados tinha alguma simpatia pelos bombistas suicidas, mais de metade achava que a homossexualidade não devia estar legalizada, e 39% achava que as esposas deveriam obedecer sempre aos maridos.[10] Também o Estudo Casey (Casey Review) chegou a conclusões alarmantes sobre a comunidade muçulmana no Reino Unido; caberá também aos membros da comunidade modificar esse estado de coisas.[11] Vários autores assinalam o profundo desprezo dos muçulmanos, em geral, pela civilização ocidental, mesmo após a segunda ou terceira geração de imigrantes.[12][13][14][15][16] A feminista alemã Alice Schwarzer comenta: "Os direitos humanos são universalmente válidos e indivisíveis, independentemente da cultura e da religião". A propósito da situação das mulheres muçulmanas na Alemanha, queixa-se: "Qualquer denúncia de abuso é imediatamente rotulada de racismo"[17]

Diversas iniciativas vêm surgindo com base nas sessenta recomendações enumeradas no relatório do Runnymede Trust, que visa aumentar participação muçulmana nos meios de comunicação e na política. Logo após a liberação do relatório Runnymede, foi criado o Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha para servir como uma organização guarda-chuva com o objetivo de "representar os muçulmanos na esfera pública, o lobby no governo e outras instituições." O "Fórum Contra o Racismo e a Islamofobia" (FAIR), também foi criado, destinado a acompanhar a cobertura nos meios de comunicação e estabelecer um diálogo com organizações da mídia.[18]

Comentário[editar | editar código-fonte]

Na sequência da controvérsia dos caricaturas de Maomé, publicadas pelo jornal dinamarquês Jyllands-Posten, um grupo de 12 escritores, incluindo o romancista Salman Rushdie, assinou um manifesto intitulado "Juntos Contra o Novo Totalitarismo"[19][20] no jornal satírico francês Charlie Hebdo, alertando contra o uso do termo islamofobia para Impedir a crítica do "totalitarismo islâmico". Escrevendo no Novo Humanista, o filósofo Piers Benn sugere que as pessoas que temem o surgimento da islamofobia promovem um ambiente "não intelectualmente ou moralmente saudável", a ponto de que o que ele chama de "fobia à islamofobia" poder minar "o escrutínio crítico do Islão (...)".[21]

Alan Posener e Alan Johnson escreveram que, embora a ideia de islamofobia seja por vezes mal utilizada, aqueles que afirmam que o ódio dos muçulmanos é justificado como a oposição ao islamismo realmente minam a luta contra o islamismo. O escritor Kenan Malik, ressalta que a noção de "islamofobia" é freqüentemente usada "não para destacar o racismo, mas para silenciar os críticos do Islão ou mesmo os muçulmanos que lutam pela reforma das suas comunidades ".[22] Para o filósofo Jason Stanley, entre as características do fascismo norte-americano estão a desumanização de "segmentos da população, o “outro”, como imigrantes latinos, muçulmanos, o que ajuda a justificar o tratamento destes grupos, e "criar um problema, como uma crise de imigração fictícia e unificar um grupo em torno do combate à invasão de estrangeiros ".[23][24]

Roger Kimball argumenta que a palavra "islamofobia" é inerentemente uma proibição ou medo de criticar o islamismo radical.[25] De acordo com Pascal Bruckner, o termo foi inventado pelos fundamentalistas iranianos no final dos anos 1970, de modo análogo à "xenofobia" para denunciar como racismo o que ele sente ser uma crítica legítima do Islão.[26] O autor Sam Harris, embora denuncie o fanatismo, o racismo e os preconceitos contra muçulmanos ou árabes, rejeita o termo islamofobia[27] como um distúrbio psicológico inventado e afirma que criticar essas crenças e práticas islâmicas que ele acredita que representam uma ameaça para a sociedade civil., não é uma forma de fanatismo ou racismo.[28] Da mesma forma, Pascal Bruckner chama o termo "uma invenção inteligente porque equivale a fazer do Islão um assunto que não se pode tocar sem ser acusado de racismo".[29]

Na Austrália, Nick Haslam, professor de psicologia da Universidade de Melbourne, e Clive Kessler, professor de sociologia da Universidade de Nova Gales do Sul,disseram que o termo islamofobia é usado para demitir opiniões que as pessoas não gostam, invalidando as pessoas que detêm essas opiniões.[30][31] O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, disse em janeiro de 2015, após o tiroteio de Charlie Hebdo: "É muito importante deixar claro para as pessoas que o Islã não tem nada a ver com o Estado Islâmico do Iraque e do Levante. Há um preconceito na sociedade sobre isso, mas por outro lado recuso-me a usar o termo "islamofobia", porque aqueles que usam esta palavra estão a tentar invalidar qualquer crítica a toda a ideologia islâmica.A acusação de "islamofobia" é usada para silenciar as pessoas ".[32]

Escrevendo em 2008, Ed Husain, ex-integrante do Hizb ut-Tahrir e co-fundador de Quilliam, disse que sob a pressão dos extremistas islâmicos, a "islamofobia" tornou-se um fenômeno a par do racismo ".[33]

Christopher Hitchens afirmou que o "termo estúpido - islamofobia - foi posto em circulação para tentar sugerir que um preconceito sujo espreita atrás de qualquer dúvida sobre a infalível " mensagem " do Islã."[34]

Michel Houellebecq, escritor francês, em 2002 chamou o Islão de "a mais estúpida das religiões". Imediatamente processado, foi absolvido em nome da liberdade de expressão.Foi aceite o argumento de Houellebecq durante o processo, de que ao chamar o islão de estúpido, o autor estaria a opôr-se a uma religião e não aos seus seguidores.[35]

Para Pascal Bruckner, romancista e ensaísta francês, o conceito de islamofobia, "modelado com base no da xenofobia, tem como objetivo fazer do Islã um objeto intocável, sob pena de ser acusado de racismo. Essa criação, digna das propagandas totalitárias, mantém uma confusão deliberada entre uma religião, um sistema religioso específico, e os fiéis de todas as origens que aderem a ela. " E acrescenta que, "até prova em contrário, temos o direito, num regime democrático, de julgar as religiões falsas e retrógradas e de não gostar delas". Bruckner anota que, também já tivemos motivo para recear, em outras épocas, o catolicismo.[36][37]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «'Terrorism' database cites 'Islamophobic' sources in Muslim profiles». Middle East Eye (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2021 
  2. a b Bernard Lewis, The Crisis of Islam: Holy War and Unholy Terror. Op. cit., pp. 41-54.).
  3. * Sandra Fredman, Discrimination and Human Rights, Oxford University Press, ISBN 0-19-924603-3, p.121.
    • Yvonne Yazbeck Haddad, Muslims in the West: From Sojourners to Citizens, Oxford University Press, ISBN 0-19-514806-1, p.19
    • Islamophobia: A Challenge for Us All, Runnymede Trust, 1997, p. 1, cited in Quraishi, Muzammil. Muslims and Crime: A Comparative Study, Ashgate Publishing Ltd., 2005, p. 60. ISBN 0-7546-4233-X. Early in 1997, the Commission on British Muslims and Islamophobia, at that time part of the Runnymede Trust, issued a consultative document on Islamophobia under the chairmanship of Professor Gordon Conway, Vice-Chancellor of the University of Sussex. The final report, Islamophobia: A Challenge for Us All, was launched in November 1997 by Home Secretary Jack Straw
  4. Pollock, David (14 de Outubro de 2014). «ISIS Has Almost No Popular Support in Egypt, Saudi Arabia, or Lebanon». The Washington Institute (em inglês) 
  5. inter alia Alexandre Herculano, History of the Origin and Establishment of the Inquisition in Portugal, trans. John C. Branner, 2003
  6. Santos, Priscila Silva dos. O Estudo da Islamofobia através dos meios de comunicação. Revista Habitus:revista eletrônica dos alunos de graduação em Ciências Sociais - IFCS/UFRJ, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 79-90,10 de nov. 2016. Semestral. Disponível em:<https://revistas.ufrj.br/index.php/habitus/article/viewFile/11477/8427>
  7. Encyclopedia of Race and Ethnic studies, p. 217
  8. Benn; Jawad (2004) p. 165
  9. See Egorova; Tudor (2003) pp. 2-3, que cita as conclusões de Marquina e Rebolledo: "A. Marquina, V. G. Rebolledo, ‘The Dialogue between the European Union and the Islamic World’ in Interreligious Dialogues: Christians, Jews, Muslims, Annals of the European Academy of Sciences and Arts, v. 24, no. 10, Austria, 2000, pp. 166-8. "
  10. Barrett, David (11 de Abril de 2016). «British Muslims becoming a nation within a nation, Trevor Phillips warns (Os muçulmanos britânicos estão a tornar-se uma nação dentro da nação, avisa Trevor Phillips - em inglês)». The Telegraph 
  11. Faith Matters (5 de Dezembro de 2016). «Casey Review Highlights a Number of Alarming Areas Around the Lack of Integration (O Estudo Casey destaca uma série de áreas alarmantes em torno de falta de integração) - em inglês». Faith Matters 
  12. Sennels, Nicolai (Maio de 2010). «Muslims and Westerners: The Psychological Differences (Muçulmanos e Ocidentais: As diferenças psicológicas - em inglês)». New English Review 
  13. Gutteridge, Nick (14 de Dezembro de 2016). «FRANCE'S NO GO ZONES: Women fight back after being BANNED from streets by Muslim men (Zonas proibidas em França: As mulheres ripostam, depois de terem sido banidas da via pública por muçulmanos - em inglês)». Express 
  14. Fernandes, Ferreira (26 de janeiro de 2017). «Agora, sobre assuntos bem cá de casa». Diario de Notícias. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  15. Kern, Soeren (3 de Julho de 2016). «O problema da Integração Turco Muçulmana na Alemanha "Minha religião é mais importante para mim do que as leis do país onde eu vivo."». Traduzido em português por Joseph Skilnik. Gatestone Institute 
  16. Shams, Shamil (12 de Janeiro de 2016). «Opinião: Alemanha vive um choque de culturas». Deutsche Welle (DW em português) 
  17. MICHAELA SCHIESSL, e, CAROLINE SCHMIDT (25 de Novembro de 2004). «Muslim Integration: Eyes Wide Shut (Integração muçulmana: De Olhos bem fechados - em inglês)». Spiegel OnLine 
  18. Encyclopedia of Race and Ethnic studies, p. 218
  19. «Writers issue cartoon row warning (em inglês)». BBC News. 1 de Março de 2006 
  20. «Writers' statement on cartoons (em inglês) -(Declaração de escritores acerca dos cartoons)». BBC News. 1 de Março de 2006 
  21. Benn, Piers (31 de Maio de 2007). «On Islamophobia-phobia (Acerca da fobia da islamofobia - em inglês)». New Humanist 
  22. Johnson, Alan (6 de Março de 2011). «The Idea of "Islamophobia" - (A ideia de "Islamofobia" - em inglês)». World Affairs 
  23. Guimarães, Lúcia (30 de Junho de 2018). «Filósofo explica retorno de políticas fascistas nos Estados Unidos -Jason Stanley, professor na Universidade de Yale e autor de 'How Fascism Works', mostra como identificar o fascismo atual». O Estado de S.Paulo. Consultado em 6 de Novembro de 2018 
  24. Martins, William Gonçalves Lima. «Filósofo explica retorno de políticas fascistas nos Estados Unidos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU». www.ihu.unisinos.br. Consultado em 6 de julho de 2018 
  25. Kimball, Roger. «After the suicide of the West (Depois do suicídio do Ocidente - em inglês)». Originalmente, em The New Criterion, Volume 24, January 2006, on page 4. Arquivado em WayBackMachine 
  26. Bruckner, Pascal (3 de Janeiro de 2011). «The invention of Islamophobia Islamophobia was invented to silence those Muslims who question the Koran and who demand equality of the sexes. - A invençao da Islamofobia: foi inventada para silenciar os muçulmanos que questionam o Corão e exigem igualdade dos sexos (em inglês)». Signandsight 
  27. Harris, Sam (8 de Maio de 2014). «Lifting the Veil of "Islamophobia" A Conversation with Ayaan Hirsi Ali (Levantando o véu da "Islamofobia" - uma conversa com Ayaan Hirsi Ali - em inglês)». SamHarris.org 
  28. Harris, Sam (14 de Agosto de 2010). «What Obama Got Wrong About the Mosque». The Daily Beast 
  29. Walzer, Michael (2015). «Islamism and the Left (O Islamismo e a Esquerda - em inglês)». Dissent Magazine 
  30. Haslam, Nick (17 de Dezembro de 2008). «Bigots are just sick at heart (Os intolerantes são apenas doentes - em inglês)». The Australian 
  31. Kessler, Clive (11 de Janeiro de 2015). «Islamophobia: The Origins of the Specious (em inglês)». Quadrant OnLine 
  32. Goldberg, Jeffrey (16 de Janeiro de 2015). «French Prime Minister: 'I Refuse to Use This Term Islamophobia' - (PM francês: Recuso-me a usar o termo Islamofobia - em inglês)». The Atlantic 
  33. Husain, Ed (7 de Julho de 2008). «Stop pandering to the Islamist extremists». Evening Standard 
  34. Tayler, Jeffrey (27 de Dezembro de 2015). «We need a progressive debate on Islam: This is the right way to counter Donald Trump, and be honest about extremism (Precisamos de um debate progressivo sobre o Islão: Este é o caminho certo para combater Trump e ser honesto sobre o extremismo - em inglês)». Salon 
  35. Vilela, Soraia (22 de Outubro de 2002). «Com a palavra, Monsieur Houellebecq». Deutsche Welle (edição brasileira) 
  36. Bruckner, Pascal (23 de novembro de 2010). «L'invention de l'«islamophobie»». Libération 
  37. Lévy, Elisabeth (e outro) (29 de outubro de 2012). «Pascal Bruckner : L'islamophobie, ça n'existe pas !». Causeur 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cashmore, E, ed. (2003). Encyclopedia of Race and Ethnic Studies. Londres e Nova Iorque: Routledge 
  • Benn, T.; Jawad, H. (2004). Muslim Women in the United Kingdom and Beyond: Experiences and Images. Leida e Nova Iorque: Brill. ISBN 90-04-12581-7 
  • Egorova, Y.; Parfitt, T. (2003). Jews, Muslims, and Mass Media: Mediating the 'Other'. Londres: Routledge Curzon. ISBN 0-415-31839-4 
  • Haddad, Y. (2002). Muslims in the West: From Sojourners to Citizens. Oxônia: Oxford University Press. ISBN 0-19-514805-3 
  • Johnson, M. R. D.; Soydan, H; Williams, C. (1998). Social Work and Minorities: European Perspectives. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 0-415-16962-3 
  • Miles, R.; Brown, M. (2003). Racism. Londres; Nova Iorque: Routledge. ISBN 0-415-29676-5 
  • Diego S.; (2016). Racismo provocados aos Islâmicos (Brasil; SSA: BA).
  • Spencer, Robert. Confessions of an Islamophobe
  • Shoebat, Walid. The Case for Islamophobia
  • Horowitz, David (e Spencer, Robert). Islamophobia - Thought Crime of the Totalitarian Future
  • Ahmed, Leila. Women and Gender in Islam
  • Mernisi, Fatima. Women and Islam
  • Ali, Ayaan Hirsi.Hereticː Why Islam Needs a Reform
  • Brooks, Geraldine. Nine Parts of Desire

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Islamofobia
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.