Itaberaba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Itaberaba (desambiguação).
Município de Itaberaba
"Portal da Chapada"
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Fundação 26 de março de 1877 (141 anos)
Gentílico itaberabense
Prefeito(a) Ricardo dos Anjos Mascarenhas (Partido Socialista Brasileiro)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Itaberaba
Localização de Itaberaba na Bahia
Itaberaba está localizado em: Brasil
Itaberaba
Localização de Itaberaba no Brasil
12° 31' 40" S 40° 18' 25" O12° 31' 40" S 40° 18' 25" O
Unidade federativa Bahia Bahia
Mesorregião Centro Norte Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Itaberaba IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Boa Vista do Tupim, Ipirá, Iaçu e Ruy Barbosa
Distância até a capital 264 km
Características geográficas
Área 2 343,505 km² [2]
População 65 806 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 28,08 hab./km²
Altitude 265 m
Clima Semi-árido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,620 médio PNUD/2010 [4]
Gini 0,58 PNUD/2010[5]
PIB R$ 427 019,636 mil IBGE/2011[6]
PIB per capita R$ 6 905,46 IBGE/2011[6]

Itaberaba é um município do estado da Bahia, no Brasil. Localiza-se na região da Chapada Diamantina. Sua estimativa populacional, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é de 66 mil habitantes em 2014. Fica às margens da BR-242, uma importante rodovia federal que liga a Bahia ao Distrito Federal. Possui diversas indústrias e um forte comércio, o que a torna um dos maiores centros regionais do estado.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Itaberaba" é um termo de origem tupi que significa "pedra brilhante", através da junção dos termos itá (pedra) e beraba (brilhante)[7].

História[editar | editar código-fonte]

A região que hoje o município de Itaberaba ocupa já foi habitada pelos índios Maracás, do grupo dos Tapuias. Eram índios robustos e guerreiros, mas não eram antropófagos.

Em 1561, dom Vasco Rodrigues adentrou o Rio Paraguaçu em setenta léguas. Mais tarde, passou por ali Gabriel Soares de Sousa.

Em 1768, foi fundada a Fazenda São Simão pelo capitão Manuel Rodrigues Cajado.

Itaberaba teve políticos influentes no cenário estadual e nacional, como José Amando, que chegou a assumir a governadoria, Medeiros Neto, que foi candidato a governador do estado e presidente do Senado Federal e Renato Medeiros, que foi secretário estadual de agricultura.

Hoje, Itaberaba é considerada mundialmente como a terra do abacaxi.[carece de fontes?]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Município de médio porte em relação aos demais municípios do estado. Fica localizado na região semiárida, apresentando algumas características dessa região, a exemplo da sua vegetação e clima.

O município está inserido no domínio morfoclimático do semiárido brasileiro, com temperatura média anual de 29 °C, sendo os meses de junho, julho e agosto os mais frios. Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1961 a 1970, 1973 a 1980, 1986 a 1989 e a partir de 1993,[nota 1] a menor temperatura registrada em Itaberaba foi de 7,8 °C em 26 de julho de 2008,[8] e a maior atingiu 40,1 °C em 23 de janeiro de 1995.[9] O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 165,8 milímetros (mm) em 28 de outubro de 2009.[10] Janeiro de 2016, com 578,5 mm, foi o mês de maior precipitação, batendo o antigo recorde de 549,2 mm em janeiro de 1964.[11]

Dados climatológicos para Itaberaba
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 40,1 39,2 38,3 38,1 36,5 34,9 34,5 36,8 37,5 39,5 38,1 39,9 40,1
Temperatura máxima média (°C) 33,3 33,7 33 31,8 30,6 28,7 28,4 29,2 30,8 32,4 32,6 32,7 31,4
Temperatura média compensada (°C) 26,4 26,8 26,5 25,6 24,4 22,7 22,1 22,6 23,9 25,2 25,9 26 24,8
Temperatura mínima média (°C) 20,4 20,9 20,8 20 18,6 16,6 15,7 16,3 17,7 19,6 20,3 20,5 18,9
Temperatura mínima recorde (°C) 15,6 14,8 14,6 13,6 11,2 10 7,8 9 9,4 11,2 14 15,2 7,8
Precipitação (mm) 68,3 61,7 95,7 58,7 32,4 36,1 33,3 20,3 18,4 38,5 74,3 80,2 617,9
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 5 6 8 8 6 8 7 5 4 4 5 5 71
Umidade relativa compensada (%) 65,3 65,6 68,9 71,7 72,3 74,9 72,6 68,7 67,1 65 66,7 67,4 68,9
Horas de sol 226,1 211,7 219,1 192,9 177,2 150,3 169,9 183,1 192 202,3 185,2 195,5 2 305,3
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[12] recordes de temperatura: 01/01/1961 a 31/12/1970, 01/01/1973 a 31/12/1980, 01/01/1986 a 31/03/1989 e 01/01/1993 a 03/05/2017)[nota 1][8][9]

Economia[editar | editar código-fonte]

Possui um comércio forte, bem como indústrias de calçados, móveis, alimentos e outras. É um dos principais centros regionais da Bahia, abrigando diversos órgãos estaduais e federais, a exemplo da Diretoria Regional de Educação, Diretoria Regional de Saúde, Departamento Estadual de Trânsito, Fundação Nacional de Saúde, Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola, Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional, Serviço de Atendimento ao Cidadão etc.

A cidade conta com agências bancárias do Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Caixa Econômica Federal, Bradesco e Sicoob.

Sazonalmente, são realizadas festas tradicionais, como o São João, micaretas etc., atraindo milhares de pessoas todo ano.

Educação[editar | editar código-fonte]

Possui inúmeras escolas regulares, duas universidade públicas, sendo o campus XIII da Universidade do Estado da Bahia, com os cursos de Pedagogia, História, Ciências Contábeis, Direito e Letras, além de um polo da Universidade Aberta do Brasil (UAB) que oferta cursos EaD gratuitamente. Ainda conta com universidades privadas, a exemplo da Universidade Norte do Paraná (UNOPAR), a Faculdade de Tecnologias e Ciências (FTC), Faculdade Santa Cruz e o Centro de Formação Técnica em Saúde, todos com cursos nas mais diversas áreas. Desde o ano de 2016, também passou a contar com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano), que oferta cursos na área agrícola para os municípios do Território de Identidade do Piemonte do Paraguaçu.

Notas

  1. a b Dados de temperatura máxima até 19 de janeiro de 2015 e de mínima até 3 de maio de 2017, havendo desde então somente dados de precipitação disponíveis.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2013». Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2013. Consultado em 2 de outubro de 2013. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de julho de 2013. 
  5. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (2010). «Perfil do município de Itaberaba - BA». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Consultado em 4 de março de 2014. 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2007-2011». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 12 de setembro de 2014. 
  7. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. p. 132.
  8. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Itaberaba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 15 de julho de 2018. 
  9. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Itaberaba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 15 de julho de 2018. 
  10. «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Itaberaba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 15 de julho de 2018. 
  11. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Itaberaba». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 15 de julho de 2018. 
  12. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 15 de julho de 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um município da Bahia é um esboço relacionado ao WikiProjeto Nordeste do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.