Itapecerica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Itapecerica (Minas Gerais))
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Itapecerica da Serra.
Município de Itapecerica
"Cidade das Rosas e do Tamanduá"
Bandeira indisponível
Brasão de Itapecerica
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Fundação 20 de novembro de 1789
Gentílico itapecericano
Prefeito(a) Wirley Rodrigues Reis[1] (PHS)
(2017–2020)
Localização
Localização de Itapecerica
Localização de Itapecerica em Minas Gerais
Itapecerica está localizado em: Brasil
Itapecerica
Localização de Itapecerica no Brasil
20° 28' 22" S 45° 07' 33" O20° 28' 22" S 45° 07' 33" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Oeste de Minas IBGE/2008 [2]
Microrregião Formiga IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Camacho, Carmo da Mata, Cláudio, Formiga, Pedra do Indaiá, São Francisco de Paula, São Sebastião do Oeste[3]
Distância até a capital 180 km
Características geográficas
Área 1 042,060 km² [4]
População 21 377 hab. Censo IBGE/2010[5]
Densidade 20,51 hab./km²
Altitude 835 m
Clima Tropical de altitude [[Classificação climática de Köppen-Geiger|(Cwb)]]
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,763 alto PNUD/2000 [6]
PIB R$ 161 155,875 mil IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 7 594,53 IBGE/2008[7]
Página oficial

Itapecerica é um município brasileiro do estado de Minas Gerais, pertencente à macrorregião do Centro-Oeste mineiro. Ele possui três distritos urbanos: Lamounier, Marilândia e Neolândia, além de uma extensa zona rural com diversas comunidades, dentre elas: Aldeia, Afonsos, Barreiro, Bom Sucesso, Bucaina, Cafofo, Casa Queimada, Capivara, Chaves, Córrego Arreado, Córrego Fundo, Gama, Gonçalves Ferreira, Inácio Caetano, Lameus, Serra dos Gomes, Santo Antônio, Serra dos Lopes, Taquara, Palmeiras, Partidário, Pedra Preta, e Vendinha.

História[editar | editar código-fonte]

A história de Itapecerica remonta à exploração aurífera no século XVII, período em que muitos garimpeiros se aventuravam no sertão brasileiro em busca de metais preciosos, tendo como destino final a Capitania de Goiás. A região do município, situada entre Tiradentes e esta capitania, era ponto de descanso dos aventureiros e possuía várias picadas (caminhados abertos pela mata pelos aventureiros), por isso ficou conhecida no período como Conquista do Campo Grande da Picada de Goiás. Sendo que o bandeirante fundador foi Lourenço Castanho de Taques, que chegou à região do Vale do Itapecerica em 1696.

No século XVIII, com a chegada do bandeirante Feliciano Cardoso de Camargo, com a pretensão de exploração mineral na região, a localidade deixou de ser apenas ponto de passagem e começou a atrair exploradores que acabaram formando um arraial. A região havia se mostrado rica em ouro, atraindo o interesse da Vila de São Jóse Del Rey, que em 1744 tomou posse do arraial, que recebeu o nome de São Bento. As primeiras autoridades reconhecidas foram: Capitão Vicente Ferreira da Costa, Tabelião Miguel da Costa, Juiz Vintenário Joaquim Pereira e o Escrivão Manoel da Silva Gral. Com a primeira paróquia sendo criada em 1757, sob o comando do vigário Gaspar Alves Gondim, que por sua popularidade, foi responsável pela atração de muitos fieis para a região e pelo início da tradição religiosa da cidade.  

O arraial foi elevado a vila em 20 de novembro de 1789, por determinação do Visconde de Barbacena, então governador de Minas Gerais. Esta passou a ser a data de fundação e de aniversário da cidade. Em 1790, ergueu-se o pelourinho e foi eleita a primeira Câmara da Vila, com os seguintes componentes: Domingos Rodrigues Gondim, Bel. João Pinto Caldeira, Antônio Garcia de Melo, José Joaquim Carneiro, José Ferreira Gomes e Antônio Joaquim de Ávila.

Em 4 de outubro de 1862, a vila foi elevada à condição de município, passando a ser denominada São Bento do Tamanduá. Este nome permaneceu até 1882, quando em 19 de outubro, passou a ser Itapecerica, que em Tupi-Guarani significa “penha escorregadia ou penhasco de encosta lisa”.[8]

Ver artigo principal: Caminho de Goiás

Geografia[editar | editar código-fonte]

É distante de Belo Horizonte 180 km, fazendo parte da microrregião geopolítica de Formiga. As principais vias de acesso são as rodovias pavimentadas: MG-164 e MG-260. É um município extenso, com superfície total de 1.040,419 km², segundo dados do IBGE de 2016, da qual em 75% do território predomina o relevo montanhoso, com a cidade situando-se a 853 m de altitude. O ponto mais alto é o Morro do Calado, situado na Serra do Barreiro, com altitude de 1.187 m.[9] A vegetação é composta pelos biomas de  Mata Atlântica e de Cerrado, fazendo parte da bacia hidrográfica do Rio Pará.

O clima da região é o tropical de altitude, com verões amenos e úmidos, e invernos frios e secos. Os recordes de temperatura mais baixa e mais alta já registrados foram, respectivamente, 7,2 °C e 37 °C. Novembro, Dezembro, Janeiro, Fevereiro e Março são os meses mais quentes, com temperaturas mínimas e máximas de 17 °C e 28 °C, e os meses mais frios são Abril, Maio, Junho, Julho, Agosto e Setembro, com temperaturas mínimas e máximas entre 5 °C e 21 °C.

Gráfico climático para Itapecerica
J F M A M J J A S O N D
 
 
269
 
28
17
 
 
212
 
28
18
 
 
176
 
27
16
 
 
70
 
26
15
 
 
27
 
24
11
 
 
19
 
22
8
 
 
10
 
21
5
 
 
13
 
22
7
 
 
58
 
23
9
 
 
130
 
25
12
 
 
204
 
27
15
 
 
320
 
28
17
Temperaturas em °CPrecipitações em mm

Demografia e economia[editar | editar código-fonte]

Possui uma população, segundo Censo de 2010, de 21.377 habitantes, com estimativa de 22.158 para 2017. Dessa, 50,5% mulheres, 77,2% moradores da zona urbana, 82,1% eleitores e 84,6% alfabetizados. Apresenta ainda densidade demográfica de 20,54 hab/km² e 6.939 domicílios, com faixa etária majoritária entre 15 e 59 anos.[9]

As principais atividades econômicas da região são a extração mineral (empresa Nacional Grafite), agropecuária, indústria de calçados (empresa Calçados Addan) e turismo (Hotel Fazenda Palestina e Capetinga). A cidade possui IDH de 0,713, abaixo da média do estado de Minas Gerais, com rendimento médio nominal de R$340, 00 na zona rural e de R$510, 00 na urbana.[9]

Cultura, esporte e lazer[editar | editar código-fonte]

Igreja Matriz de São Bento

Os principais monumentos histórico-culturais do município são de origem colonial, com arquitetura barroca, destacando-se: Igreja de São Francisco da Ordem Terceira de Santo Antônio (1801), Igreja de Nossa Senhora do Rosário (1819), Igreja de Nossa Senhora das Mercês (1862), Casarão da Cooperativa (1905), Igreja Matriz de São Bento (1912), Casarão da Mita (1910-1915), Praça Melo Vianna (1936). [10]

Igreja São Francisco

A cidade apresenta ainda importantes manifestações culturais, como o Festival de Inverno[11], na sua XXIIIª edição em 2017, e o Festival Gastronômico Rural, na sua XIª edição.  O primeiro ocorre no final de setembro, tendo como palco a Igreja da Matriz, reunindo apresentações de dança, teatro, arte e música de artistas locais e renomados, mobilizando a cidade e atraindo turistas da região. Já o segundo acontece em junho, reunindo o melhor do cardápio local, destacando a simplicidade da comida mineira do interior.

Marcado pela viva tradição religiosa, o calendário de eventos do município conta ainda com as celebrações da Semana Santa e do Centenário de Nossa Senhora das Dores, em março. Eles são marcados pelos cortejos e procissões, mostrando a seriedade litúrgica e o espírito católico. Cada um dos sete dias de celebrações é dedicado aos passos de Jesus na sua Via Cruz, entoando-se cânticos em latim, com acompanhamento de músicos das tradicionais bandas locais. Além disso, em agosto, desde 1818, acontece o Reinado do Rosário de Itapecerica, festa em homenagem à princesa Isabel, pela libertação dos escravos, e à Nossa Senhora do Rosário, considerada mãe dos negros. Ela é marcada pelos desfiles das congadas e dos Reis e Rainhas, além das tradicionais barraquinhas no Alto do Rosário.

Merece destaque que o município abriga uma Aldeia de Pataxós, uma reserva indígena demarcada em 2006, localizada no distrito de Lamounier. Ela é residência de aproximadamente 60 índios provenientes da Bahia, que mantém suas tradições culturais. ¹

Além da importante cultura e fé religiosa, o povo itapecericano é marcado pela paixão futebolística, com os times de São Bento, Boa Viagem e União dividindo a cidade. No mês de julho, o Torneio de Inverno de Futsal[12], em sua XXIIIª edição em 2017, empolga a cidade, após ter ficado inativo por alguns anos. 

Cachoeira da "Ponte de Ferro"

O município possui ainda a nascente do Rio Itapecerica, que nasce no Morro do Calado, com o nome de Rio Vermelho, e depois recebe os afluentes Gama e Santa Antônio. Suas águas aliadas ao relevo montanhoso da região, rico em ipês amarelos, atrai turistas e locais nos períodos de verão para a prática do ecoturismo, especialmente nas cachoeiras, como Pouso Alegre e Olga, e hotéis fazenda da região, tal qual Capetinga e Palestina. 

Por fim, Itapecerica é berço de vários músicos de renome. O número de músicos formados nas principais academias do estado provindos deste município é notório. Muitos deles estão inseridos no mercado profissional a frente de projetos de grande relevância cultural ou integram formações orquestrais em diversas partes do país.

Saúde[editar | editar código-fonte]

O município de Itapecerica faz parte da Região de Saúde de Divinópolis, compartilhando a execução dos serviços de saúde com 13 municípios vizinhos, com uma despesa total com saúde por habitante de R$ 231,01 por ano, segundo o DataSUS, sendo 66,81% proveniente de recursos próprios da prefeitura.[13] A Secretaria Municipal de Saúde, comandada pela secretária Lara Dias (administração: 2017-2020), é responsável pela gestão do SUS na cidade, por meio do planejamento, execução, verificação dos resultados e melhoria das ações em saúde. Sua atuação é articulada de forma descentralizada pelas três áreas de atenção: primária, secundária e terciária, formando Redes de Atenção à Saúde (RAS) através da referência e contra referência. 

Unidade Básica de Saúde Bom Jesus - Dom Antônio

A Atenção Primária, reconhecidamente o ponto chave da organização em saúde de um município, possui como estrutura física: 5 Unidades Básicas de Saúde (Alto do Rosário, Ingás, Nossa Senhora das Graças, Bom Jesus e Marilândia), sendo 3 delas com saúde bucal disponível; 3 Unidades de apoio das UBS (Dom Antônio, Lamounier, Neolândia); 1 Farmácia Municipal. 3 Laboratórios de Análises (Laboratório Central, Lab Center e São Geraldo); 1 Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) e 1 Centro Especializado de Assistência Social (CREA); 3 Unidades Conveniadas para exames de imagem (Clínica Dr Giovane José Cândido, Santa Casa de Misericórdia e Consórcio Intermunicipal de Saúde do Vale do Itapecerica - CISVI). Neste contexto, atuam 5 Equipes de Saúde da Família, com cobertura de 67,7% da população, sendo que todas estão aderidas ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB), perfazendo 32 agentes de saúde, 8 médicos generalistas (2 vinculados ao programa federal Mais Médicos), 5 odontólogos, 6 enfermeiros, 8 técnicos em enfermagem, 4 psicólogos, 3 fisioterapeutas, 5 assistentes sociais e 6 educadores físicos.[14] Além disso, o município faz parte do programa Farmácia de Todos[15], sendo que está inserido, desde julho de 2017, no critério de gestão TCM (Totalmente Centralizado no Município) do Componente Básico da Assistência Farmacêutica. Logo, a cidade é gestora dos recursos tripartide e bipartite (pelo menos R$5,10 por habitante/ano pela união; R$2,36 por habitante/ano pelo estado e R$2,36 por habitante/ano pelo município), sendo a responsável pela aquisição dos medicamentos via licitação estadual. Sendo que arca ainda com os medicamentos dispensados por ações judiciais via licitação municipal. 

Centro Integrado Viva Vida e HiperDia

A Atenção Secundária se articula com a Primária por meio das unidades: 1. Centro de Especialidades, em Itapecerica; 2. Laboratório de Inovação na Atenção às Condições Crônicas[16], em Santo Antônio do Monte, município à 54 km; 3. CISVI, em Divinópolis, cidade à 66 km. O primeiro é um centro, com sede no próprio município, que conta com 5 especialidade médicas: cardiologia, ortopedia, psiquiatria, ginecologia/obstetrícia e pequenas cirurgias, além de atendimento em psicologia. Já o segundo consiste num Centro Integrado de Referência Secundária, denominado Viva Vida, que abrange 13 munícipios da microrregião de Divinópolis, sendo responsável pelo atendimento de hipertensos, diabéticos, gestantes e crianças de zero a um ano, aplicando o Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Por fim, o terceiro é um consórcio de 9 municípios desta mesma região que oferece atendimentos em 8 especialidades: cardiologia, neurologia infantil e adulta, oftalmologia, urologia, ortopedia, otorrinolaringologia e dermatologia.

Santa Casa de Misericórdia e Maternidade Santana

A Atenção Terciária conta com 1 base do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), 1 Pronto Atendimento Geral, 1 Santa Casa de Misericórdia e Maternidade Santana, além da possibilidade de internação nos municípios da região de saúde e do referenciamento de média e de alta complexidade para Divinópolis e Belo Horizonte, respectivamente. Segundo o DataSUS, há 61 leitos disponíveis, com as principais  causas de internação sendo do aparelho respiratório (22,1%), aparelho circulatório (15,6%) e gravidez, parto e puerpério (8,4%), com um média de 4,6 internações/100 habitantes.[13]

Por fim, a gestão do SUS em Itapecerica ocorre de forma compartilhada, pela pactuação entre as diversas instâncias decisórias, com destaque para: a Superintendência Regional de Saúde (SRS) e o Conselho Municipal de Saúde (CMS). A SRS organiza, via seu Núcleo de Redes de Atenção à Saúde, encontros dos Secretários Municipais de Saúde e Técnicos dos municípios do Centro-Oeste mineiro, o último em fevereiro de 2017, com o intuito de discutir os programas e serviços prestados.  Dentre estes programas: Rede Cegonha, de Cuidados com a Saúde da Pessoa com Deficiência, PRO-HOSP, Programa Permanente para Dengue, Tratamento fora do domicílio. Já o CMS, importante instrumento de participação social, é responsável pela fiscalização das ações e dos recursos em saúde, por meio de reuniões mensais na Prefeitura Municipal. Em agosto de 2017, este colegiado aprovou o Plano Municipal de Saúde, que contém as diretrizes, ações, indicadores e metas para a saúde no período de 2018 a 2021.

Educação[editar | editar código-fonte]

A rede de educacional do município conta com 23 instituições de ensino, dividindo-se nos níveis: 5 pré-escolar, 12 fundamental e 6 médio, perfazendo 3562 alunos e 302 docentes.  Apresenta índice de desenvolvimento da educação básica, segundo dados do IBGE de 2013, de 5,2, número acima da média nacional (4,9) e estadual (4,6). Contudo, ainda possui índice de analfabetismo de 10,5%. [17]

A secretaria de Educação, sob o comando da secretária municipal Jeanete Gondim (2017-2021)[18], é responsável pela gestão da rede no município. Por exemplo, elabora o Plano de Ações Articuladas (PAR), uma forma de planejamento das politicas educacionais que é pré-requisito para o recebimento de auxilio técnico e financeiro do governo federal. O PAR, por alguns anos, ficou sem execução por parte do município, gerando penalidades financeiras, mas, este ano, sua elaboração já foi iniciada no mês de abril.

Por fim, a cidade não possui instituições de ensino superior. Entretanto, as cidades vizinhas, como Itaúna, Formiga e Divinópolis, são capazes de suprir a demanda por meio de uma extensa lista de instituições, incluindo campus de duas universidades públicas: Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ) e Universidade do Estado de Minais Gerais (UEMG), localizadas a 66 km.

Saneamento[editar | editar código-fonte]

O município apresenta 80,3% da população servida por rede de abastecimento de água, serviço de responsabilidade da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). Além disso, 70,5% dos domicílios possui esgotamento sanitário adequado, com ainda 3,2% e 21,3% utilizando fossa séptica e rudimentar, respectivamente.[19]

A cidade conta com estação de tratamento de água (ETA) e de esgoto (ETE). Das 2 ETE existentes, a localizada no distrito de Neolândia não está funcionando há 1 ano, ocorrendo vazamento de esgoto e entupimento na rede coletora, com consequente aprovação, em fevereiro, de obras emergenciais para reparo pela diretoria do meio ambiente do município. [20]

A coleta de lixo em Itapecerica conta com frota de 3 caminhões, sendo 1 de coleta de lixo reciclável. O destino final da maior parte deste é o "lixão" da cidade. Contudo, um estudo, conduzido pela Secretaria de Cidades e de Integração Regional (Secir) do Governo de Minas, indicou que a construção de um Aterro Sanitário Compartilhado na localidade, próximo ao distrito de Marilândia, pode ser uma solução para o destino do lixo nesta cidade e nas vizinhas, Santo Antônio do Monte, Carmo do Cajuru, Pedra do Indaiá, Camacho e Oliveira. O projeto ainda está em fase de elaboração. [21]

Personalidades[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Eleições 2016». Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais. «Municípios de Minas Gerais». Consultado em 21 de dezembro de 2014 
  4. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  5. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  7. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  8. OnlineSites. «Conheça Itapecerica». www.itapecerica.mg.gov.br. Consultado em 5 de setembro de 2017 
  9. a b c «IBGE | Cidades | Minas Gerais | Itapecerica». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 5 de setembro de 2017 
  10. OnlineSites. «Cultura, Esportes e Turismo». www.itapecerica.mg.gov.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  11. OnlineSites. «Prefeitura divulga programação completa do XXIII Festival de Inverno de Itapecerica». www.itapecerica.mg.gov.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  12. OnlineSites. «Finais do XXXI Torneio de Inverno de Futsal de Itapecerica acontecem esta semana». www.itapecerica.mg.gov.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  13. a b «Cadernos de Informações em Saúde - Minas Gerais». tabnet.datasus.gov.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  14. «ADPM - Administração Pública para Municípios». www.adpmnet.com.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  15. «Programa Estadual de Assistência Farmacêutica | Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais - SES». www.saude.mg.gov.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  16. OnlineSites. «Saúde». www.samonte.mg.gov.br. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  17. «IBGE | Cidades | Minas Gerais | Itapecerica | Ensino - Matrículas, Docentes e Rede Escolar - 2015». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  18. OnlineSites. «Educação». www.itapecerica.mg.gov.br. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  19. «IBGE | Brasil em Síntese». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 19 de setembro de 2017 
  20. OnlineSites. «Estação de Tratamento de Esgotos de Neolândia não funciona há pelo menos um ano». www.itapecerica.mg.gov.br. Consultado em 19 de setembro de 2017 
  21. «Governo de MG prevê aterro e estações de lixo para o Centro-Oeste». Centro-Oeste. 26 de janeiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Lago de Furnas
Aguanil | Alfenas | Alpinópolis | Alterosa | Areado | Boa Esperança | Cabo Verde | Camacho | Campo Belo | Campo do Meio | Campos Gerais | Cana Verde | Candeias | Capitólio | Carmo do Rio Claro | Coqueiral | Cristais | Divisa Nova | Elói Mendes | Fama | Formiga | Guapé | Ilicínea | Itapecerica | Lavras | Nepomuceno | Paraguaçu | Perdões | Pimenta | Ribeirão Vermelho | São João Batista do Glória | São José da Barra | Três Pontas | Varginha