Itaqueri da Serra (Itirapina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Itaqueri da Serra
—  Distrito do Brasil  —
Resquício de mata atlântica em Itaqueri da Serra.
Resquício de mata atlântica em Itaqueri da Serra.
Estado  São Paulo
Município Itirapina
Criado em 1930 (88 anos)
População
 - Total 520
Limites Leste: Itirapina
Nordeste: São Carlos
Oeste: Brotas
Norte: Campo Alegre

Itaqueri da Serra é um distrito do município de Itirapina, no interior do estado de São Paulo, no Brasil, desde 1935. Está localizado a 18 quilômetros da cidade de Itirapina, entre as cidades de São Carlos, Analândia, Brotas e São Pedro.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Itaqueri" é um nome de origem tupi que significa "rio da pedra dormente", através da junção de itá (pedra), kera (dormente) e 'y (rio).[1]

História[editar | editar código-fonte]

Itaqueri da Serra é uma vila originada por volta de 1770, provavelmente como área de parada de bandeirantes. Oficialmente, o povoado foi fundado em 1781 com o nome de "Sesmaria do Itaqueri". Era um ponto de parada para caravanas que iam da região de Mogi-Mirim para Araraquara.

Em 1833, o doutor José Ignácio Ribeiro Ferreira (secretário do governo de Martim Lopes Lobo de Saldanha) começou a construção das primeiras casas e prédios do que seria Itaqueri da Serra. O povoado recebeu, inicialmente, grupos de colonizadores portugueses vindos da Ilha da Madeira. No centro do vilarejo, foi construída, em 1839, a Capela de Nossa Senhora da Conceição, que possui uma pia batismal e uma imagem de Nossa Senhora da Conceição entalhados em carvalho trazidos da Ilha da Madeira. A partir de 1840, começaram a chegar os primeiros grupos de escravos trazidos da África. Imigrantes italianos teriam chegado a partir de 1880.

Pela Lei Provincial nº 5, de 5 de julho de 1852, passou a chamar-se "Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Itaqueri".

Em abril de 1871, Itaqueri foi elevada à categoria de distrito e teve suas divisas demarcadas. A formação da vila de "Itaqueri de Baixo", no pé da serra, é considerada, por alguns, como o início da "decadência" da vila, pois moradores começaram a se transferir para a vila "de baixo". Até a primeira metade do século XX, foi uma das mais importantes aglomerações urbanas da região que hoje é o município de Itirapina, sendo, portanto, considerada a vila onde o município de Itirapina nasceu.

Até a primeira metade do século XX, a região vivia principalmente da plantação de cana-de-açúcar e café. Entre 1885 e 1887, começou a ser construída, pela Companhia Rio-clarense, uma linha de ferro ligando a estação original de "Visconde do Rio Claro" a Jaú. A estação original de Itirapina foi inaugurada pela Rio-clarense em 1885 com o nome de Morro Pellado, localizada na "Sesmaria do Baú" (Estação Morro Pelado). Em torno da nova estação, nascia um novo povoado que passou a atrair os habitantes da "Itaqueri de Baixo". Em 1880, a nova vila foi elevada a "Freguesia do Morro Pelado", fato que propiciou o desaparecimento de "Itaqueri de Baixo". Em 1900, a Estação Morro Pelado passou-se a chamar-se Estação Ityrapina, em torno da qual foi formada a cidade de Itirapina. Esta ganhou autonomia em 31 de outubro de 1903, quando também foi criado o "Distrito de Itaqueri da Serra", sob a Lei nº 884, em 1930.

Itaqueri da Serra tornou-se uma área economicamente secundária na região, pois o escoamento da produção por carroças tornou-se economicamente inviável.

Nesta época, teve início o êxodo de habitantes em direção aos novos polos econômicos (impulsionados pela ferrovia e, posteriormente, por rodovias), tais como; Itirapina, Brotas e São Carlos entre outras. Lentamente, Itaqueri da Serra encolheu (em número de habitantes) e acabou incorporada administrativamente como distrito de Itirapina, que fora anteriormente seu distrito.

Precisamente, foi em 25 de março de 1935 que uma comissão de moradores conseguiu, junto ao Governo do Estado, a Emancipação Política e Administrativa, designando Itirapina como município. Como município, este também passou a incluir o Distrito de Itaqueri.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Hoje, Itaqueri da Serra é um pequeno povoado de poucas ruas, com muitas casas que datam do século XIX e início do século XX, cercadas por sítios e fazendas, muitas históricas, e um pequeno cemitério.

As atividades econômicas da região continuam ligadas à agricultura, mas têm sido incrementadas pelo crescente turismo, principalmente o ecoturismo, devido à presença de muitas cachoeiras e belas paisagens na região. De certa forma, esta atividade surge espontaneamente por Itaqueri estar geograficamente no alto da Serra do Itaqueri, que abrange diversos atrativos turísticos de onze municípios que compõem a Região Turística Serra do Itaqueri. São eles: Analândia, Itirapina, Brotas, Torrinha, Santa Maria da Serra, São Pedro, Águas de São Pedro, Piracicaba, Ipeúna, Charqueada, Rio Claro e Corumbataí.

Muitas das belas paisagens são de mata nativa, incluindo áreas de, Cerrado Mata Atlântica e matas ciliares, em grande parte preservadas devido à existência, na região, da Área de Preservação Ambiental (APA) de Corumbataí.

A Cachoeira e Camping do Saltão com 70 metros de altura, é o principal atrativo distante apenas cinco quilômetros de Itaqueri.

Outra curiosidade local que vale a visita é o cemitério, onde abriga muito mais túmulos do que o número atual de habitantes do vilarejo. Alguns túmulos mais antigos apresentam traços da arte bizantina provavelmente feitos por escravos que vieram de Minas Gerais para trabalhar nas lavouras de café.

Ulysses Guimarães viveu no vilarejo até os 11 anos de idade e sua mãe está enterrada no cemitério de Itaqueri da Serra. A estrada que liga Itirapina a São Pedro foi nomeada de "Rodovia Ulysses Guimarães" em sua homenagem.

A capela de Nossa Senhora da Conceição é um dos pontos turísticos mais visitados. Possui acabamento em azulejo português.

A principal festividade da cidade também tornou-se um evento turístico: a Festa da Padroeira Nossa Senhora da Conceição, em comemoração ao dia da padroeira Nossa Senhora da Conceição, acontece anualmente em 8 de dezembro. Nesta festa, é feita quermesse e leilão (objetos, bebidas e animais em geral), onde o dinheiro arrecadado é revertido à Paróquia para melhorias na Capela Nossa Senhora da Conceição.

Folclore[editar | editar código-fonte]

O distrito possui muitas lendas, como a de que uma caverna localizada atrás de uma cachoeira de difícil acesso seria a maior do mundo, se estendendo por dezenas e dezenas de quilômetros debaixo do interior paulista, até o sul do Estado, na região do PETAR.

Uma história provavelmente baseada em fatos reais diz que muitas vezes os moradores de "Itaqueri de Baixo" roubavam a santa da capela de "Itaqueri do Alto" (da Serra), e vice-versa. Até que um dia os moradores de cima, armados de espingarda, fizeram uma emboscada para evitar mais um roubo e na hora do tumulto, um dedo da imagem da santa foi quebrado. O padre teve que intervir e definir que a Santa ficaria em Itaqueri da Serra.

Fontes e bibliografia[editar | editar código-fonte]

Mapas, fotos e imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]