Iugonostalgia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bandeira da Iugoslávia durante um carnaval em Ptuj, na Eslovênia, em 2013
Bandeira iugoslava em uma rua em Mostar, Bósnia e Herzegovina, em 2009

Iugonostalgia (português brasileiro) ou Jugonostalgia (português europeu) (em servo-croata: jugonostalgija/југоносталгија, em esloveno: jugonostalgija, em macedônio/macedónio: југоносталгија) é um fenômeno psicológico e cultural pouco estudado que ocorre entre os cidadãos das ex-repúblicas iugoslavas – Bósnia e Herzegovina, Croácia, Macedônia, Montenegro, Sérvia e Eslovênia. Embora os seus aspectos antropológicos e sociológicos não tenham sido claramente reconhecidos, o termo e o epíteto correspondente "Iugonostálgico", é geralmente usado pelas pessoas na região de duas formas distintas: como uma descrição pessoal positiva e como um rótulo depreciativo.[1]

As atuais manifestações culturais e econômicas da iugonostalgia incluem grupos de música com iconografia retroativa jugoslava ou titoísta, obras de arte, filmes, apresentações teatrais e muitos passeios organizados e temáticos nas principais cidades das ex-repúblicas iugoslavas. A noção de iugonostalgia não deve ser confundida com o iugoslavismo, que é a ideologia da unidade das nações eslavas do sul.

Sentido positivo[editar | editar código-fonte]

Camisetas no local de nascimento de Tito, Kumrovec, Croácia, em 2012

Em seu sentido positivo, a iugonostalgia refere-se a um apego emocional nostálgico aos aspectos subjetivos e objetivamente desejáveis da República Socialista Federativa da Iugoslávia. Estes são descritos como: segurança econômica, senso de solidariedade, ideologia socialista, multiculturalismo, internacionalismonão alinhamento, história, costumes e tradições e um modo de vida mais recompensador.[2] Como afirma Halligan, essa nostalgia efetivamente "recupera" artefatos culturais anteriores a 1989, até mesmo filmes de propaganda. Essas facetas positivas, no entanto, se opõem às falhas percebidas nos países sucessores, muitas das quais sobrecarregadas pelas consequências das guerras iugoslavas e que estão em vários estágios de transição econômica e política. As falhas são várias vezes identificadas como paroquimismo, jingoísmo, corrupção na política e negócios, o desaparecimento da rede de segurança social, dificuldades econômicas, desigualdades de renda, taxas de criminalidade mais elevadas, bem como uma desordem geral nas instituições estatais.

Sentido negativo[editar | editar código-fonte]

No sentido negativo, o epíteto tem sido usado pelos defensores dos novos regimes pós-dissolução para retratar seus críticos como anacrônicos, irrealistas, antipatrióticos e potenciais traidores. Em particular, durante e depois das guerras iugoslavas, o adjetivo foi usado por funcionários do estado e meios de comunicação de alguns países sucessores para desviar a crítica e desacreditar determinadas posições no debate político. Na verdade, é provável que o termo iugonostálgico tenha sido originalmente cunhado precisamente para este propósito, aparecendo como um rótulo pejorativo politicamente motivado em meios controlados pelo governo, por exemplo, na Croácia, logo após a dissolução da Iugoslávia.[3]

De acordo com Dubravka Ugrešić o termo Iugonostálgico é usado para desacreditar uma pessoa como um inimigo público e um "traidor".[4][5]

Iugoslavismo após a Iugoslávia[editar | editar código-fonte]

Após a dissolução da Iugoslávia, a ideia do iugoslavismo perdeu popularidade. Sérvia e Montenegro continuou uma união sul-eslávica como República Federal da Iugoslávia de abril de 1992 a fevereiro de 2003 e então renomeou o país com os nomes individuais das repúblicas federais – Sérvia e Montenegro. O número de "iugoslavos" autodeclarados (no sentido étnico) na região atingiu um mínimo histórico após a dissolução da Iugoslávia. A principal língua da Iugoslávia, o servo-croata, não é a língua oficial de qualquer um das repúblicas constituintes do ex-estado. Existem poucos trabalhos publicados sobre o idioma, e não tem mais um organismo de padronização. O nome de domínio da Internet .yu, que era popular entre sites iugonostálgicos, foi extinto em 2010.

A Iugonostalgia está retornando nos ex-estados da Iugoslávia.[6] Em Vojvodina (norte da província da Sérvia), um homem estabeleceu a Iugolândia, um lugar dedicado a Tito e à Iugoslávia.[7][8] Cidadãos da ex-Iugoslávia viajaram grandes distâncias para celebrar a vida de Tito e o país da Iugoslávia.[9]

Na Croácia, a "Aliança dos Iugoslavos" (Savez Jugoslavena) foi criada em 2010, em Zagreb, uma associação com o objetivo de unir os Iugoslavos da Croácia, independentemente de religião, sexo, política ou outros pontos de vista.[10] Seu principal objetivo é o reconhecimento oficial da nação iugoslava em todos os estados sucessores da Iugoslávia: Croácia, Eslovênia, Sérvia, Macedônia, Bósnia e Herzegovina e Montenegro.[11]

Outra organização de defesa do Iugoslavismo é a Associação "Nossa Iugoslávia" (Udruženje "Naša Jugoslavija"), fundada em 30 de julho de 2009,[12] sediado em Pula,[13] que é oficialmente uma organização registrada na Croácia.[14] A associação tem a maioria de seus membros nas cidades de Rijeka, Zagreb e Pula.[15] Seu objetivo principal é a estabilização das relações entre os estados sucessores iugoslavos. Também é ativo na Bósnia e Herzegovina, no entanto, o registro oficial como associação foi negado pelas autoridades do estado da Bósnia.

Provavelmente organização iugoslavista mais conhecida de Montenegro é o "Consulado-geral da RSFI", com sede na cidade costeira de Tivat. Antes do censo populacional de 2011, Marko Perković, o presidente da organização, pediu aos iugoslavos de Montenegro que declarem livremente sua identidade iugoslava no próximo censo.[16]

Reunificação iugoslava[editar | editar código-fonte]

A reunificação iugoslava refere-se a uma ideia de reunificação das seis repúblicas. Apesar de um apelo popular em todo o território anterior, seus defensores estão conformados com a noção de que tal estado não é susceptível de se concretizar desde que os regimes sucessores tenham firmemente consolidado seu compromisso com uma existência independente, estabelecido suas instituições e escolhido suas direções.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Nicole Lindstrom, Review essay on: "Yugonostalgia: Restorative and Reflective Nostalgia in Former Yugoslavia."
  2. Brenda Luthar and Marusa Puznik, Remembering Utopia: The Culture of Everyday Life in Socialist Yugoslavia. Washington, DC: New Academia Publishing, 2010
  3. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 26 de dezembro de 2017. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2016 
  4. Ugrešić, Dubravka (1998). The Culture of Lies: Antipolitical Essays. [S.l.]: Pennsylvania State University Press. p. 231. ISBN 0-271-01847-X 
  5. Müller, Jan-Werner (2002). Memory and Power in Post-War Europe: Studies in the Presence of the Past. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 12. ISBN 0-521-00070-X 
  6. Telegraph (29 de dezembro de 2007). «Many in Slovenia yearn for old Yugoslavia». The Daily Telegraph. London. Consultado em 21 de maio de 2010 
  7. https://www.youtube.com/watch?v=MRASojQfNWI
  8. BBC (10 de maio de 2004). «Nostalgic Yugoslav re-creates land of Tito». BBC News. Consultado em 21 de maio de 2010 
  9. BBC (23 de maio de 2008). «Ex-Yugoslavs pine for unity and dignity». BBC News. Consultado em 21 de maio de 2010 
  10. U Zagrebu osnovan Savez Jugoslavena (in Croatian). Jutarnji list. Portal Jutarnji.hr; 23 March 2010
  11. U Zagrebu osnovan Savez Jugoslavena: Imamo pravo na očuvanje baštine Jugoslavije (in Croatian). Index.hr. L.J.; 23 March 2010
  12. Osnovano udruženje "Naša Jugoslavija" u Puli (in Serbian). Radio Television of Vojvodina. Tanjug; 30 July 2009
  13. Udruženje "Naša Jugoslavija" osniva Klubove Jugoslavena Arquivado em 1 de abril de 2012, no Wayback Machine. (in Croatian). Dubrovački vjesnik. Silvana Fable; 25 July 2010
  14. Yugoslavs in the twenty-first century: ‘erased’ people openDemocracy.net. Anes Makul and Heather McRobie; 17 February 2011
  15. "Naša Jugoslavija" širi se Hrvatskom (in Serbian). Vesti online. Novi list; 27 July 2010
  16. Perković pozvao Crnogorce da se izjasne i kao Jugosloveni Arquivado 5 abril 2011 no Wayback Machine (in Serbian). Srbijanet. 03-03-2011
  17. Bilefsky, Dan (30 de janeiro de 2008). «Oh, Yugoslavia! How They Long for Your Firm Embrace». The New York Times. Consultado em 16 de março de 2015 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]