Ivan Junqueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ivan Junqueira Academia Brasileira de Letras
Nascimento 3 de novembro de 1934
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro1908.gif Distrito Federal
Morte 3 de julho de 2014 (79 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Jornalista, poeta e crítico literário
Prêmios Jabuti, Nacional de Poesia, Assis Chateaubriand, entre outros.

Ivan Junqueira (Rio de Janeiro, 3 de novembro de 1934 — Rio de Janeiro, 3 de julho de 2014)[1] foi um jornalista, poeta e crítico literário brasileiro. Era membro da Academia Brasileira de Letras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu e realizou seus primeiros estudos no Rio de Janeiro, no Colégio Notre Dame Ipanema, posteriormente tendo ingressado nas faculdades de Medicina e Filosofia da Universidade do Brasil, não chegando a concluí-las. Em 1963 tornou-se jornalista, atuando como redator da Tribuna da Imprensa. Atuou depois no Correio da Manhã, Jornal do Brasil e O Globo, nos quais foi redator e subeditor até 1987. Foi assessor de imprensa e depois diretor do Centro de Informações das Nações Unidas no Rio de Janeiro entre 1970 e 1977, tornou-se mais tarde supervisor editorial da Editora Expressão e Cultura e diretor do Núcleo Editorial da UERJ, além de colaborador da Enciclopédia Barsa, Encyclopædia Britannica, Enciclopédia Delta Larousse, Enciclopédia do Século XX, Enciclopédia Mirador Internacional e Dicionário histórico-biográfico brasileiro, este último editado pelo CPDOC, da Fundação Getúlio Vargas. Foi também assessor de Rubem Fonseca na Fundação Rio.

Como crítico literário e ensaísta, colabora com jornais e revistas do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, e também com publicações especializadas nacionais e estrangeiras, entre elas: Colóquio Letras, Revista do Brasil, Senhor, Leitura e Iberomania. Em 1984 foi escolhido como a “Personalidade do Ano” pela UBE. Foi assessor da Fundação Nacional de Artes Cênicas (Fundacen) de 1987 a 1990. Em 1991 transferiu-se para a Fundação Nacional de Arte (Funarte), onde foi editor da revista Piracema e chefe da Divisão de Texto da Coordenação de Edições até 1997, quando se aposentou do serviço público. Foi ainda editor adjunto e depois editor executivo da revista Poesia Sempre, da Fundação Biblioteca Nacional. Como poeta, já teve seus livros traduzidos para o alemão, chinês, dinamarquês, espanhol, francês, inglês, italiano e russo.

Foi membro do PEN Clube do Brasil.

Morreu por falência múltipla dos órgãos, quando estava internado no hospital Pró-Cardíaco no Rio de Janeiro em 3 de julho de 2014.

Prêmios recebidos[editar | editar código-fonte]

Ivan Junqueira já recebeu vários prêmios literários. São eles:

  • Prêmio Nacional de Poesia, do INL (1981);
  • Prêmio Assis Chateaubriand, da ABL (1985);
  • Prêmio Nacional de Ensaísmo Literário, do INL (1985);
  • Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (1991);
  • Prêmio da Biblioteca Nacional (1992);
  • Prêmio José Sarney de poesia inédita, do Memorial José Sarney (1994);
  • Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro (1995);
  • Prêmio Luísa Cláudio de Sousa, do PEN Clube do Brasil (1995);
  • Prêmio Oliveira Lima, da UBE (1999);
  • Prêmio Jorge de Lima, da UBE (2000).

Em 1998 recebeu a Medalha Cruz e Sousa, da municipalidade de Florianópolis, e, em 1999, a Medalha Paul Claudel, da UBE. Em 2002 foi patrono do IV Concurso Nacional de Poesia Viva, patrocinado pelo jornal Poesia Viva.

Lorbeerkranz.pngAcademia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Ocupava a cadeira 37 da Academia Brasileira de Letras.

Referências

  1. «Morre no Rio o imortal Ivan Junqueira, aos 79 anos». 3 de julho de 2014. Consultado em 3 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Vinícius de Moraes / Rubem Braga / Frederico Barbosa / Marina Colasanti
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Poesia
1995
Sucedido por
Leonardo Fróes / Renata Pallottini / Dora Ferreira da Silva
Precedido por
João Cabral de Melo Neto
Lorbeerkranz.png ABL - sexto acadêmico da cadeira 37
2000 — 2014
Sucedido por
Ferreira Gullar[1]


  1. «Ferreira Gullar, Evaldo Mello e Zuenir Ventura ocupam as cadeiras vagas na ABL». Tribuna do Norte. 01 de Agosto de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)