Ivan Junqueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ivan Junqueira Academia Brasileira de Letras
Nascimento 3 de novembro de 1934
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro1908.gif Distrito Federal
Morte 3 de julho de 2014 (79 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Jornalista, poeta e crítico literário
Prêmios Jabuti, Nacional de Poesia, Assis Chateaubriand, entre outros.
Prémios Prémio Nacional de Poesia do Instituto Nacional do Livro (1980)

Prémio Jabuti (1995)

Magnum opus Os Mortos (1964)

Ivan Junqueira (Rio de Janeiro, 3 de novembro de 1934 — Rio de Janeiro, 3 de julho de 2014)[1] foi um jornalista, poeta e crítico literário brasileiro. Era membro da Academia Brasileira de Letras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu e realizou seus primeiros estudos no Rio de Janeiro, no Colégio Notre Dame Ipanema, posteriormente tendo ingressado nas faculdades de Medicina e Filosofia da Universidade do Brasil, não chegando a concluí-las. Em 1963 tornou-se jornalista, atuando como redator da Tribuna da Imprensa. Atuou depois no Correio da Manhã, Jornal do Brasil e O Globo, nos quais foi redator e subeditor até 1987. Foi assessor de imprensa e depois diretor do Centro de Informações das Nações Unidas no Rio de Janeiro entre 1970 e 1977, tornou-se mais tarde supervisor editorial da Editora Expressão e Cultura e diretor do Núcleo Editorial da UERJ, além de colaborador da Enciclopédia Barsa, Encyclopædia Britannica, Enciclopédia Delta Larousse, Enciclopédia do Século XX, Enciclopédia Mirador Internacional e Dicionário histórico-biográfico brasileiro, este último editado pelo CPDOC, da Fundação Getúlio Vargas. Foi também assessor de Rubem Fonseca na Fundação Rio.

Como crítico literário e ensaísta, colabora com jornais e revistas do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, e também com publicações especializadas nacionais e estrangeiras, entre elas: Colóquio Letras, Revista do Brasil, Senhor, Leitura e Iberomania. Em 1984 foi escolhido como a “Personalidade do Ano” pela UBE. Foi assessor da Fundação Nacional de Artes Cênicas (Fundacen) de 1987 a 1990. Em 1991 transferiu-se para a Fundação Nacional de Arte (Funarte), onde foi editor da revista Piracema e chefe da Divisão de Texto da Coordenação de Edições até 1997, quando se aposentou do serviço público. Foi ainda editor adjunto e depois editor executivo da revista Poesia Sempre, da Fundação Biblioteca Nacional. Como poeta, já teve seus livros traduzidos para o alemão, chinês, dinamarquês, espanhol, francês, inglês, italiano e russo.

Foi membro do PEN Clube do Brasil.

Morreu por falência múltipla dos órgãos, quando estava internado no hospital Pró-Cardíaco no Rio de Janeiro em 3 de julho de 2014.

Prêmios recebidos[editar | editar código-fonte]

Ivan Junqueira já recebeu vários prêmios literários. São eles:

  • Prêmio Nacional de Poesia, do INL (1981);
  • Prêmio Assis Chateaubriand, da ABL (1985);
  • Prêmio Nacional de Ensaísmo Literário, do INL (1985);
  • Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (1991);
  • Prêmio da Biblioteca Nacional (1992);
  • Prêmio José Sarney de poesia inédita, do Memorial José Sarney (1994);
  • Prémio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro (1995);
  • Prêmio Luísa Cláudio de Sousa, do PEN Clube do Brasil (1995);
  • Prêmio Oliveira Lima, da UBE (1999);
  • Prêmio Jorge de Lima, da UBE (2000).

Em 1998 recebeu a Medalha Cruz e Sousa, da municipalidade de Florianópolis, e, em 1999, a Medalha Paul Claudel, da UBE. Em 2002 foi patrono do IV Concurso Nacional de Poesia Viva, patrocinado pelo jornal Poesia Viva.

Lorbeerkranz.pngAcademia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Ocupava a cadeira 37 da Academia Brasileira de Letras.

Referências

  1. «Morre no Rio o imortal Ivan Junqueira, aos 79 anos». 3 de julho de 2014. Consultado em 3 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Vinícius de Moraes / Rubem Braga / Frederico Barbosa / Marina Colasanti
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Poesia
1995
Sucedido por
Leonardo Fróes / Renata Pallottini / Dora Ferreira da Silva
Precedido por
João Cabral de Melo Neto
Lorbeerkranz.png ABL - sexto acadêmico da cadeira 37
2000 — 2014
Sucedido por
Ferreira Gullar[1]


  1. «Ferreira Gullar, Evaldo Mello e Zuenir Ventura ocupam as cadeiras vagas na ABL». Tribuna do Norte. 01 de Agosto de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)