Ivan Monteiro de Barros Lins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ivan Lins Academia Brasileira de Letras
Nascimento 16 de abril de 1904
Belo Horizonte,  Minas Gerais
Morte 16 de junho de 1975 (71 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação jornalista, pensador, ensaísta e conferencista

Ivan Monteiro de Barros Lins (Belo Horizonte, 16 de abril de 1904Rio de Janeiro, 16 de junho de 1975) foi um jornalista, professor, pensador, ensaísta e conferencista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Edmundo Pereira Lins e de Maria Leonor Monteiro de Barros Lins. Estudou no Colégio Anglo-Americano e no Colégio Arnaldo, em Belo Horizonte. Mudando-se para o Rio de Janeiro em 1917, ali veio a formar-se em medicina, em 1930, já adepto do positivismo.

Foi dos maiores defensores e divulgadores da filosofia positivista no Brasil, em cuja defesa tornou-se assíduo conferencista e articulista em diversos jornais.

Vida pública[editar | editar código-fonte]

Foi Secretário da Estação Experimental de Combustíveis e Minérios, em 1932. Em 1937 tornou-se professor de história da filosofia da Faculdade de Direito da Universidade do Brasil.

Durante a Era Vargas foi nomeado ministro do Tribunal de Contas da União, do qual foi presidente. Integrou uma representação cultural brasileira, no Uruguai, em 1940.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Lope da Vega (1935)
  • Católicos e positivistas (1937)
  • Tomás Morus e a utopia (1938)
  • Um aspecto inédito na obra de Martins Fontes(1938)
  • Ruiz de Alarcón (1940)
  • A Idade Média, a cavalaria e as cruzadas (1939)
  • Descartes: Época, Vida e Obra ( 1940)
  • Gonçalves de Magalhães (1943)
  • Aspectos do padre Antônio Vieira (1956)
  • História do Positivismo no Brasil (1964)
  • Edmundo Lins (1965)
  • Estudos brasileiros, ensaios (1973)

Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Eleito em 7 de agosto de 1958, em sua segunda candidatura (perdeu a primeira para Menotti del Picchia), foi o terceiro ocupante da cadeira 1, que tem por patrono Adelino Fontoura, na sucessão de Afonso d'Escragnolle Taunay. Foi recebido pelo acadêmico Rodrigo Octavio Filho em 12 de novembro de 1958. Recebeu os acadêmicos Hermes Lima, Aurélio de Lyra Tavares e Paulo Carneiro.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Afonso d'Escragnolle Taunay
Lorbeerkranz.png ABL - terceiro acadêmico da cadeira 1
1958 — 1975
Sucedido por
Bernardo Élis