Izabella Teixeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Izabella Monica Teixeira
Ministra do Meio Ambiente do Brasil Brasil
Período 1º de abril de 2010
até 12 de maio de 2016
Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva
Dilma Rousseff
Antecessor(a) Carlos Minc
Sucessor(a) José Sarney Filho
Vida
Nascimento 9 de outubro de 1961 (54 anos)
Brasília, DF
Nacionalidade  brasileira
Dados pessoais
Alma mater Universidade de Brasília
Profissão Bióloga

Izabella Mônica Vieira Teixeira (Brasília, 9 de outubro de 1961)[1] foi a ministra do Meio Ambiente do Brasil. Assumiu o cargo em 1 de abril de 2010, substituindo Carlos Minc.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nascida em Brasília, Izabella Teixeira formou-se em biologia pela Universidade de Brasília (UnB). É mestre em planejamento energético e doutora em planejamento ambiental pela COPPE/UFRJ.

Funcionária contratada do IBAMA em 1985,[2] exerceu cargos de direção no Instituto, bem como no MMA e no Governo do Estado do Rio de Janeiro. Nunca foi aprovada em concurso público para carreiras associadas a esses órgãos.

Ministério do Meio Ambiente[editar | editar código-fonte]

Em seu primeiro período como Ministra do Meio Ambiente, em 2010, notabilizou-se por ter efetuado os maiores gastos em viagens dentre todos os ministros do Governo, tendo recebido, só em diárias, R$65.000,00 nos 50 dias em que esteve viajando pelo exterior, contabilizado apenas o período entre abril e outubro.[3] Ao final de 2010, Izabella Mônica já havia recebido mais de R$73 mil reais para custear suas viagens internacionais.[4]

Permaneceu no cargo no Ministério do Meio Ambiente no governo de Dilma Rousseff a partir de 2011, contrariando a área ambiental do Partido dos Trabalhadores[5], as organizações da sociedade civil e o próprio corpo técnico do MMA. Izabella Teixeira exonerou dois presidentes do IBAMA: Roberto Messias Franco,[6] em 6 de abril de 2010, e Abelardo Bayma, em 12 de janeiro de 2011.[7] [8]

Destacou-se pela negociação do Código Florestal em aliança com o segmento ruralista do Congresso Nacional e por garantir que a gestão Dilma Rousseff fosse considerada por ambientalistas como "a pior da história para o meio ambiente"[9].

Respondeu publicamente por disfunções na gestão da pasta, por ataques a segmentos profissionais[10] e pela negligência[11] com relação a um dos maiores desastres ambientais da história (o rompimento da bacia de rejeitos da Samarco[12]). O Brasil foi criticado duramente pelas Nações Unidas pelo descaso governamental com a crise ambiental em Mariana[13].Izabella deixou o Brasil em meio a crise em Mariana (MG) para substituir o Ministro das Relações Exteriores em uma conferência internacional[14][15].

Desde sua exoneração em 12 de maio de 2016[16], não assumiu nova posição apesar de ter atuado fortemente para representar o país em organismos internacionais com vistas a alavancar sua própria carreira. Teve seu nome incluído entre os que pleiteavam a posição de secretária executiva da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climáticas, sem sucesso. Atualmente, usufrui dos honorários compensatórios relativos ao período de quarentena do cargo público[17].

Referências

  1. G1 (16 de dezembro de 2010). «Com perfil técnico, Izabella Teixeira se mantém no Meio Ambiente». G1.globo.com. Consultado em 26 de novembro de 2012. 
  2. Portal da Transparência do Governo Federal (12 de janeiro 2011). «SERVIDORES DO PODER EXECUTIVO FEDERAL - Nome:IZABELLA MONICA VIEIRA TEIXEIRA - Ato de Ingresso no Órgão: CONTRATO». Controladoria-Geral da União. Consultado em 25 Fevereiro 2014. 
  3. O Globo (11 Dezembro 2010). «Ministros somam R$ 1,2 milhão em diárias de viagem». O Globo. Consultado em 20 Dezembro 2010. 
  4. Portal da Transparência do Governo Federal (12 Janeiro 2011). «Diárias por Favorecidos - Favorecido: 279.754.601-68 IZABELLA MONICA VIEIRA TEIXEIRA». Controladoria-Geral da União. Consultado em 12 Janeiro 2011. 
  5. Folha (1 Dezembro 2010). «Secretaria do PT protesta contra permanência de Izabela Teixeira no Meio Ambiente». BOLNotícias. Consultado em 10 Dezembro 2010. 
  6. Agência Estado (26 Dezembro 2010). «Sob rumores de que estaria sendo pressionado para liberar a construção da hidroelétrica de Belo Monte, o presidente do Ibama, Roberto Messias Franco, pede para ser exonerado do cargo». Diário do Grande ABC. Consultado em 12 Janeiro 2011. 
  7. Agência Estado (12 Janeiro 2011). «Presidente do Ibama pede demissão». Estadão. Consultado em 12 Janeiro 2011. 
  8. Xingu Vivo (12 Janeiro 2011). «Belo Monte derruba presidente do Ibama». Xingu Vivo. Consultado em 12 Janeiro 2011. 
  9. «Gestão Dilma é a pior da história para o meio ambiente, diz ambientalista - 19/01/2014 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 2016-09-01. 
  10. «OAB vai representar contra ministra por citar 'máfia dos advogados'». Consultado em 2016-09-01. 
  11. «Izabella Teixeira: "Não podemos perder anos com ação judicial em Mariana"». Consultado em 2016-09-01. 
  12. «.:Um adeus ao Rio Doce:.». www.otempo.com.br. Consultado em 2016-09-01. 
  13. «ONU critica Brasil, Vale e BHP por resposta ‘inaceitável’ a desastre de Mariana - BBC Brasil». Consultado em 2016-09-01. 
  14. «COP 21 em Paris não será ofuscada pelos atentados, diz Izabella Teixeira - Notícias - R7 Brasil». noticias.r7.com. Consultado em 2016-09-01. 
  15. «'Roubamos a cena', diz ministra Izabella sobre a COP-21 - Sustentabilidade - Estadão». Consultado em 2016-09-01. 
  16. «Afastada, Dilma Rousseff exonera ministros – Lula é o primeiro da lista». Consultado em 2016-09-01. 
  17. «Nota à Imprensa - 27/06/2016». Comissão de Ética Pública. Consultado em 2016-09-01. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Izabella Teixeira


Precedido por
Carlos Minc
Ministro do Meio Ambiente do Brasil
2010 — 2016
Sucedido por
'