Júlia (filha de Júlio César)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Agosto de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Júlia César.

Júlia ou Iulia (83 a.C.54 a.C.) foi filha do cônsul e ditador romano Júlio César e da sua primeira esposa, Cornélia.

Efígie de Julia no Promptuarii Iconum Insigniorum

Biografia[editar | editar código-fonte]

Júlia foi inicialmente prometida como esposa a Servílio Cepião, mas quando seu pai estabeleceu uma aliança com Pompeu, a jovem casou com este [1] para selar a aliança política que estabeleceu o primeiro triunvirato.[nota 1] Servílio Cepião ficou noivo de uma filha de Pompeu, que também estava prometida a outro, a Fausto, filho de Sula.[1] Segundo alguns historiadores modernos, este Servílio Cepião, citado por Plutarco, era Quinto Servílio Cepião Bruto, ou Bruto, o mais famoso assassino de César.[2] William Smith, porém, considera-o um personagem distinto.[3]

O casamento com Pompeu ocorreu em abril de 59 a.C., quando Júlia tinha pouco mais de 20 anos e Pompeu perto de 50. Júlia tornou-se a quarta esposa de Pompeu, que já tinha vários filhos adolescentes. Embora se tivesse tratado de um casamento arranjado, a união resultou venturosa, pois entre ambos nasceu o amor. Segundo Plutarco, Pompeo teria mesmo descurado os seus deveres por causa da sua esposa.

Na eleição dos Edis de 55 a.C., Pompeu viu-se envolvido em um tumulto, no Campo de Marte , ficando sua toga manchada de sangue (de outra pessoa). Um de seus escravos foi buscar uma toga limpa, em sua casa, e Júlia, que estava grávida, ao ver a toga ensanguentada do marido, julgando que ele estivesse morto, provocou um aborto, que teria abalado, irreversivelmente, seu organismo.[4]

Júlia faleceu no ano seguinte, quando dava à luz uma filha (ou filho, segundo outras fontes [5] [6] ), que faleceu, por sua vez, poucos dias depois do nascimento. A morte de Júlia foi uma catástrofe para o seu marido, para o seu pai, e até mesmo para Roma; em pouco tempo a aliança entre Pompeio e César desfez-se e entrou-se na guerra civil.

Júlia foi sepultada no Campo de Marte, tendo o seu pai ordenado um banquete e espectáculos de gladiadores em sua honra, um feito raro para uma mulher da Roma Antiga.

Notas

  1. O primeiro triunvirato foi formado por Júlio César, Pompeu e Marco Licínio Crasso

Referências

  1. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de César, 14.7
  2. Franklin H. Potter, University of Iowa, Political Alliance by Marriage (1933)
  3. William Smith. "[[Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology]], Caepio" (em inglês). Ancientlibrary.com.  Ligação wiki dentro do título da URL (Ajuda)
  4. Plutarco. Vida de Pompeu (48)
  5. Suetônio. Vida dos Doze Césares - Júlio César (26)
  6. Lucano. Farsália (v. 474, ix. 1049).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LIGHTMAN, Marjorie; LIGHTMAN, Benjamin - Biographical Dictionary of Greek and Roman Women. Checkmark Books, 2000. ISBN 0816044368
  • DUGGAN, Alfred. Julius Caesar. Cia. Editora Nacional, 1958.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.