Júlia Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Júlia Almeida
Nome completo Júlia Gonçalves de Almeida
Nascimento 5 de janeiro de 1983 (35 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação Atriz
IMDb: (inglês)

Júlia Gonçalves de Almeida Bailey (Rio de Janeiro, 5 de janeiro de 1983) é uma atriz e empresária brasileira. Sua carreira como atriz iniciou-se durante sua infância em 1991 com a personagem Laura durante a novela Felicidade da TV Globo, escrita pelo seu pai o autor Manoel Carlos. Deste então, atuou em diversas produções dividindo seu tempo entre atuação em novelas e séries, cursos e experiências pelo mundo. Atualmente é casada, vive entre Rio de Janeiro e Londres, interpreta a na novela e possui uma marca de moda praia sustentável chamada Florita Beachwear. 

FILMOGRAFIA - NOVELAS E SÉRIES[editar | editar código-fonte]

Júlia Almeida começou sua carreira de atriz em 1991, na Rede Globo na telenovela Felicidade no papel de Laura. Felicidade foi reprisada em 1998 na TV Globo e novamente entre 2012 e 2013 no Viva. Ainda durante sua infância deu vida a Eduarda, a Duda, na novela História de Amor de 1995, escrita por seu pai Manoel Carlos. Com 14 anos de idade assumiu mais responsabilidade e ganhou notoriedade em Por Amor com a personagem Natália Saboya Trajano, irmã da protagonista Viviane Pasmanter, que viveu Laura Saboya Trajano na trama. A novela foi exibida no hórario nobre pela primeira vez em 1997 e teve mais de 5 reprises, sendo a última em 2017 pelo Canal Viva. A novela lidou com temas polêmicos e tabus como: alcoolismo, preconceito racial, bissexualidade, jogo do bicho, troca de bebês e ainda misturou classes sociais e colocou a classe emergente no cenário nacional.

Júlia também fez parte do elenco principal do grande sucesso dos anos 2000 - Laços de Família – febre nacional que mobilizou o país sobre a importância de doação de médula osséa. Com a novela a Rede Globo foi a ganhadora do “BitC Awards for Excellence 2001”, na categoria “Global Leadership Award”, o mais importante prêmio de responsabilidade social do mundo. A repercursão da trama foi ainda maior devido um ato de censura - decisão do juiz Siro Darlan, então da 1ª Vara de Infância e Juventude do Rio de Janeiro, que achou que não poderia haver crianças convivendo no ambiente da novela, que ele julgava apelatória por causa das cenas de violência e sexo. A Globo foi exigida de exibir a trama após as 21h e assim Laços de Família se tornou a primeira novela da Globo a aderir a classificação etária de 14 anos. A única atriz menor de idade que permaneceu na novela foi Júlia Almeida, por um mandado de segurança que permitiu a atriz dar continuidade em seu papel. A novela teve reprise em 2005 em Vale a Pena Ver de Novo da TV Globo e foi repetida em 2016 pelo canal Viva.

Em 2001, Julia interpretou Luísa, filha de Lúcia (Helena Ranaldi) na minissérie Presença de Anita. Presença de Anita foi reprisada um ano depois de sua apresentação original.

Em 2003, Julia Almeida viveu Vida Ribeiro Alves Nogueira – Vidinha - uma estudante de jornalismo que muitas vezes trabalhava como hostess no hotel de seu pai Rafael, (Cláudio Marzo). Rodrigo Santoro, Tony Ramos e Susana Vieira eram os outros atores da família de Vidinha - um dos núcleos principais da novela. Sua personagem apaixonada pelo Rio de Janeiro e pelo personagem Sérgio Vasconcelos (Marcelo Antony) cativou o público. Reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo entre 2008 e 2009 - Mulheres Apaixonadas deu mais audiência que as tramas inéditas das 17, 18 e 19 horas da época – Malhação, Negócio da China e Três Irmãs, respectivamente.

Em Um Só Coração, de 2004 , escrita por Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira, Julia viveu a própria Adelaide - mulher do personagem Rudá (Daniel Ávila), filho de Oswald de Andrade (José Rúbens Chachá). Com outros personagens reais e fictícios a série representeou um perfil da cidade de São Paulo na primeira metade do século XX, evidenciando movimentos artísticos que tiveram papel decisivo no desenvolvimento da cidade – em especial a Semana de Arte Moderna. Esse foi o primeiro papel em produção de época da atriz. Um Só Coração voltou foi reprisada em 2013 pelo Canal Viva.

Em 2006, Júlia interpretou a jornalista Helô Machado em JK – minisérie baseada na biografia do ex-presidente do Brasil Juscelino Kubitschek escrita pela dramaturga Maria Adelaide Amaral, conhecida por se envolver em produções do gênero, e por Alcides Nogueira, além de Geraldo Carneiro, com a colaboração de Letícia Mey e Rodrigo Arantes do Amaral. A minisérie foi reprisada também no canal Viva entre setembro e novembro de 2012.

Em 2007 interpretou Fernanda (Nanda), uma mulher jovem forte, trabalhadora e sedutora em Duas Caras, novela das oito de Aguinaldo Silva com direção de Wolf Maya eleita pelo jornal espanhol 20 minutos como a 9ª melhor telenovela brasileira de todos os tempos. Sua personagem independente e estilosa agradou o público e inspirou mulheres sobre relacionamento. Sucesso resultado das cenas e histórias com seu par romântico com Benoliel (Armando Babaioff).

Júlia interpretou uma cineasta aspirante de bem com a vida chamada Leinha em 2009 na telenovela Caminho das Índias, de Glória Perez. Na ficção, a jovem Lea inspirou muitas mulheres com seu estilo irreverente e único marcado pela mistura de peças distintas em um mesmo look, como peças de brechó e botas de cowboy. A originalidade e criavitidade de Júlia com o trabalho da figurinista Emília Duncan na construção do personagem fez com que Leinha caisse no gosto do público brasileiro que aderiu tendência de moda boho chic instaurada pela atriz em seu papel. Caminho das Índias foi a primeira novela brasileira a ganhar o Emmy Internacional (prêmio norte-americano) de melhor novela, em 2009. A trama foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo entre 2015 e 2016.

Outro papel relevante na sua carreia foi Magali na minisérie Divã, exibida na Tv Globo em 2011. A atriz foi escalada para a comédia escrita por Marcelo Saback baseada no livro de Martha Medeiros.

Ainda no mesmo ano foi convidada para participar da novela A Vida da Gente como Lorena - uma babá honesta, estilosa apaixonada pela criança que cuidava de Tiago (Kaic Crescente). A produção de Licia Manzo com direção geral de Jayme Monjardim e Fabrício Mamberti foi ao ar entre 2011 e 2012 as 18h na TV Globo.

Em 2018 interpreta

Ano Título Personagem
1991 Felicidade Fernanda
1995 História de Amor Duda (Eduarda)
1997 Por Amor Natália Saboya Trajano
2000 Laços de Família Estela de Albuquerque
2001 Presença de Anita Luísa Reis
2003 Mulheres Apaixonadas Vida Ribeiro Alves Nogueira (Vidinha)
2004 Um Só Coração Adelaide Guerrini de Almeida
2006 JK Helô Machado
2007 Duas Caras Fernanda Carreira (Nanda)
2009 Caminho das Índias Léia Félix Motta Goulart (Leinha)
2011 Divã Magali
A Vida da Gente Lorena

MODA, CRIATIVIDADE e EMPREENDEDORISMO[editar | editar código-fonte]

Júlia Almeida sempre esteve relacionada com a indústria criativa, a moda e as artes em geral. Em seus trabalhos como atriz colobora na caracterização e figurino dos personagens e em seu dia a dia estampa um estilo carioca internacional carregado de bom gosto. Seu feeling foi se aprimorando e se tornando expertise e com isso Julia fez campanhas de merchandising para grandes marcas como C&A, e a joialheria LISTH. Com a LISTH chegou a ser garota propaganda de uma coleção de joias e pingentes de luxo.

Seu olhar e censo crítico também deu origem a uma exposicão de fotografia chamada de Dazed que foi exposta na Livraria Argumento do Leblon em 2011. Inspirada em suas viagens pelo mundo, nas pessoas que ama e no universo que transita, Julia apresentou fotos que mostravam suas experiências pelos quatro cantos do planeta com um olhar artístico, curioso e interessado por tudo o que a cerca. A mostra buscava mostrar o novo modus operandi da vida moderna com o uso excessivo de smartphone, a mudança no contato interpessoal, o início das redes sociais e fotos de celular. A exibição foi em 2012 instalada no Shopping Rio Desing Leblon.

Júlia também já foi publisher e editora de uma revista de moda conceitual e arte. O gosto pela apreciação da beleza e fotografia deu origem a The Mark Magazine que funcionou no Rio de Janeiro e Londres. Sua objetivo era mostrar visões, perspectivas e talentos distintos pouco conhecidos no mainstream. A revista divulgou editoriais feitos na Inglaterra, além de expor uma série de profissionais de excelência. The Mark obteve sucesso num nicho seletivo e chegou a participar como parceira em uma das edições da semana de moda de São Paulo, a SPFW.

FLORITA BEACHWEAR[editar | editar código-fonte]

Júlia criou em 2017 uma marca de moda praia sustentável em Londres e no Brasil chamada de Florita Beachwear. Sua marca foi criada baseada nos conceitos da sustentabilidade. O material base da coleção de biquinis é o fio biodegradável Amni Soul Eco®. Trata-se de um fio de poliamida 6.6, que foi aprimorado em sua formulação para permitir que as roupas se decomponham rapidamente, após serem descartadas em aterro sanitário. A marca também usa tecido fabricado da reciclagem de garrafas pet. A cada metro de tecido estima-se a retirada de 8 garrafas pet das cidades, praias e lixões. A producão em geral é isenta de produtos químicos e incentiva o diálogo e a conscientização do consumo consciente. A produção é toda feita no Brasil e colabora para a inserção de mulheres e desenvolvimento de mão de obra local especializada e justa.

VIAGENS E LIFESTYLE[editar | editar código-fonte]

Júlia nasceu no Rio de Janeiro, mas já morou temporadas em Nova Iorque e atualmente reside em Londres. Viagens, experiências e cursos internacionais sempre fizeram parte da sua vida. Essa avidez por conhecimento e interesse pelo novo, belo, singular é constante e se mantém presente em seu dia a dia.

Em Nova Iorque cursou os cursos mais renomados como o The Method de Lee Strasberg, ainda na Actors Studio estudou na Stella Adler Academy, na Bill Esper Academy e também se aprofundou em direção pela New York Film Academy.

Recentemente viajou para Espanha, França, Austria e Jamaica.

CAUSAS E ALERTA SOCIAL[editar | editar código-fonte]

Em Londres em 2014 foi diagnosticada com epilepsia. O olhar para si próprio e a busca do equilíbrio foram se tornando mais recorrentes na vida da Júlia, que desde então busca a aprender e conscientizar as pessoas sobre a doença. Estima-se que 50 milhões de pessoas sofram de epilepsia no mundo e que somente 50% saibam sobre seu diagnóstico e tratamentos.

A atriz e empresária também apoia e busca ações em prol da natureza, preservação das praias e sustentabilidade através da sua marca Florita.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.