Júlia da Silva Bruhns

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2016)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Júlia da Silva Bruhns

Júlia da Silva Bruhns (Parati, 14 de agosto de 1851Weßling, 11 de março de 1923) foi uma escritora teuto-brasileira, e esposa do senador, cônsul e comerciante Johann Heinrich Mann, mãe de Thomas Mann, ganhador do Prêmio Nobel da Literatura, e do também escritor Heinrich Mann.

Era filha de Johann Ludwig Herrman Bruhns, fazendeiro que possuía plantações de açúcar entre Santos e o Rio de Janeiro, e de Maria Luísa da Silva, brasileira com sangue português e indígena, morta quando Júlia tinha cinco anos. Tinha três irmãos e uma irmã.

Diz a brasiliana "A infância tropical na cidade colonial de Parati, cercada pela pujança da mata, as amas negras e as frutas tropicais, seria depois trocada pelas ruelas sombrias da antiga Lübeck no norte da Alemanha."

Na Alemanha[editar | editar código-fonte]

Um ano após a morte da mãe, o pai decidiu enviar os filhos para a Alemanha, para Lübeck, onde Júlia tinha um tio. Com seis anos de idade, Júlia não falava ainda uma palavra em alemão. O pai regressou ao Brasil. Ela viveu numa pensão até aos catorze anos.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Júlia, Julia, Heinrich e Thomas

Casou com Johann Heinrich Mann em 1869, quando tinha dezessete anos, e ele vinte e nove.

Tiveram cinco filhos:

  • Heinrich Mann
  • Thomas Mann, em cuja obra há uma leve menção à terra da mãe, o Brasil, no livro As confissões do Impostor Felix Krull. O fascínio pelo sul, a presença da latinidade como arrebatamento amoroso e a força de intoxicação passional estão presentes em sua obra.
  • Elisabeth Therese Mann
  • Augusta Olga Maria Mann
  • Viktor Mann

Viuvez[editar | editar código-fonte]

Após a morte do marido, em 1891, e em consequência de uma operação mal-sucedida à bexiga, Júlia decidiu viver em Munique com os filhos. Seus filhos escritores criaram personagens inspiradas nela em diversos livros, referindo-se afetuosamente ao seu sangue latino (os alemães costumam dizer simplesmente "do sul"). Em Buddenbrocks, de Thomas Mann, Júlia foi a inspiração de Gerda Arnoldsen e Toni Buddenbrock. Já em Doutor Fausto, foi a Senadora Rodde. No romance Tônio Kröger, foi a Mãe Consuelo. Em Morte em Veneza, surgiu na figura da mãe do principal protagonista, Gustav von Aschenbach. Nos últimos anos de vida, Júlia mudou freqüentemente de casa, morando também em hotéis. Morreu num quarto de hotel, sob a vigilância de três de seus filhos.

Obra[editar | editar código-fonte]

Júlia da Silva Bruhns escreveu, já adulta, Da infância de Dodô (Aus Dodos Kinderheit), um livro de memórias de sua infância no Brasil.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Miskolci, Richard. Uma Brasileira: A Outra História de Júlia Mann In: Cadernos Pagu. Campinas: UNICAMP, 2003. Vol. 20 p.157-176.
  • Brasiliana da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, 2001.
  • Kuschel, Karl-Josef; Mann, Frido; Soethe, Paulo Astor. Terra Mátria. A família de Thomas Mann e o Brasil. Trad.: Sibele Paulino. Rio de Janeiro: Record, 2013.