Júlio Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura esportista brasileiro, veja Júlio Campos (automobilista).
Julio Campos
Prefeito Várzea Grande Flag.jpg Várzea Grande
Período 1973-1977
Antecessor(a) Ari Campos
Sucessor(a) Gonçalo de Barros
Deputado federal  Mato Grosso
Período 1979-1983
1987-1991
2011-2015
Governador  Mato Grosso
Período 1983-1986
Antecessor(a) Frederico Campos
Sucessor(a) Wilmar Peres de Faria
Senador  Mato Grosso
Período 1991-1999
Dados pessoais
Nascimento 11 de dezembro de 1946 (71 anos)
Várzea Grande, MT
Esposa Isabel Pinto de Campos
Partido PSD, ARENA, PDS, PFL, DEM
Profissão agrônomo, engenheiro, empresario
linkWP:PPO#Brasil

Júlio José de Campos, mais conhecido como Júlio Campos (Várzea Grande, 11 de dezembro de 1946) é um político, engenheiro e empresário brasileiro. É proprietário da TV Brasil Oeste.[1]

Dados biográficos[editar | editar código-fonte]

Filho de Júlio Domingos de Campos e Amália Curvo de Campos. Iniciou sua carreira política em 1964 ao filiar-se ao PSD e em 1969 formou-se em Agronomia na Universidade Estadual Paulista. Secretário de Viação e Obras Públicas em Várzea Grande foi professor da Universidade Federal de Mato Grosso e chefiou o setor de Colonização e Operações da Companhia de Desenvolvimento de Mato Grosso (CODEMAT). Eleito prefeito de Várzea Grande pela ARENA em 1972 e deputado federal em 1978, migrou para o PDS elegendo-se governador de Mato Grosso em 1982 na primeira disputa direta para o Palácio Paiaguás desde a vitória de Pedro Pedrossian em 1965. Após migrar para o PFL renunciou ao governo e foi eleito sucessivamente deputado federal em 1986 e senador em 1990 ocupando uma cadeira que já pertencera ao seu tio, Sílvio Curvo. Derrotado por Dante de Oliveira ao disputar o governo estadual em 1998, retornou ao meio empresarial até ser eleito deputado federal em 2010.

Atividade empresarial[editar | editar código-fonte]

Durante sua passagem pela prefeitura solicitou ao Governo Federal um segundo canal de televisão em Cuiabá onde existia apenas a TV Centro América, pedido atendido em 1979 com a inauguração da TV Brasil Oeste com a posse de Frederico Campos no governo do estado, sendo que este não possui relação de parentesco com a família Campos. Durante a passagem pelo senado, conseguiu de 1995 a 1996, ter retransmissoras da TV Brasil Oeste, visto como uso político contra partidários do governador Dante de Oliveira, o que gerou polêmica. Alugou a TV Brasil Oeste que passou a exibir a programação da Igreja Mundial do Poder de Deus.

TSE devolve direitos políticos a Julio Campos, após as devidas comprovações[editar | editar código-fonte]

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) havia cassado por oito anos o mandato de Júlio Campos, então deputado federal, em julho de 2014, por suposta compra de votos e gasto ilícito de dinheiro público na sua campanha eleitoral. Contudo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por meio da decisão monocrática da ministra Maria Thereza, reformou a decisão do TRE por verificar que restou comprovado que tais alegações não merecem prosperar, tendo em vista a inexistência de qualquer prova neste sentido e que justifique uma cassação e inelegibilidade pelo período de oito anos. Com efeito, após as devidas comprovações, o Tribunal Superior Eleitoral devolveu os direitos políticos ao ex-prefeito, ex-governador, ex-senador e ex-deputado Julio Campos que desabafa: “O prejuízo político, eleitoral e emocional, decorrente da condenação pelo TRE é irreparável, mas nada como um dia após o outro para que, com a graça de Deus, a verdade seja restabelecida”. [2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.