Júlio Shimamoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Banda desenhada.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde abril de 2010.

Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

Júlio Yoshinobu Shimamoto, referido às vezes referido como Shimamoto ou simplesmente Shima[1] (Borborema, 1939) é um desenhista de histórias em quadrinhos brasileiro de descendência japonesa.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Particularmente muito conhecido por seus trabalhos no gênero terror, estreou profissionalmente como desenhista de histórias em quadrinhos em 1959 pela Editora Continental/Outubro, onde desenhou a primeira HQ do Capitão 7, personagem surgido na televisão.[2] Fez parte da CETPA (Cooperativa e Editora de Trabalho de Porto Alegre-RS), em Maio de 1963, criou a pedido de Maurício de Sousa, a tira de jornal O Gaúcho, para o Suplemento Infanto-Juvenil do jornal Folha de S. Paulo.[3]

Entre 1961 e 1964 Shimamoto foi um dos responsáveis pelo movimento de nacionalização dos quadrinhos, ao lado de Mauricio de Sousa, Ely Barbosa, Gedeone Malagola, Lyrio Aragão, Luiz Saidenberg, entre outros. Integrou a Associação de Desenhistas de São Paulo (ADESP). Temendo represálias passou a se dedicar a publicidade.[4]

Entre em meados da décadas de 1970 e início 1980 trabalhou com quadrinhos em várias editoras, Vecchi, Grafipar, Bloch Editores, onde desenhou e roteirizou HQs de terror, artes marcias.[5] e, em menor grau, HQs eróticas. Além de ilustrar histórias de O Fantasma de Lee Falk para Rio Gráfica Editora, nessas histórias, Shimamoto não era creditado, mas colocava o nome "Shima" escondido nas cenas,[6] tal qual Renato Canini em Zé Carioca da Editora Abril.[7]

Ainda na década de 1980, voltou a trabalhar com publicidade, produzindo storyboards e manuais de treinamento para empresas.[8]

Em 1977, foi o vencedor, junto com os publicitários Jacques Lewkowicz e Paulo Hiroshi do 2º Concurso do Cartaz do Cinema, promovido pelo Clube de Criação do Rio de Janeiro (CCRJ), dentro da Campanha de Nacionalização do Cartaz de Cinema, para a criação de um cartaz nacional para o filme King Kong. O trabalho nunca chegou a ser utilizado, no entanto.[9]

Em 2002 Shimamoto recebeu uma homenagem da Câmara Municipal de São Paulo e em 2005 recebeu outra homenagem, dessa vez a Moção de Congratulação nº 230/05 pela Câmara Municipal de Jaboticabal.

Foi convidado de honra e homenageado no 5º Festival Internacional de Quadrinhos em 2007, tendo o Japão como país homenageado. 2008, ilustrou o livro BANZAI! História da Imigração Japonesa no Brasil para as comemorações do Centenário da Imigração Japonesa.[10] em 2009 publica Samurai, uma colêtanea de histórias sobre samurais, ninjas, entre outros artistas marciais pela EM Editora (na verdade um selo da Mythos Editora)[11] e Quadrinhos para telefone celular da Operadora Oi[12] Seu apelido nos círculos de histórias em quadrinhos é "Samurai dos quadrinhos".

Em 2011, surgiu um projeto de um curta de animação baseado na história O Ogro escrita por Antonio "Toni" Rodrigues e ilustrada por Shimamoto publicada na revista Calafrio #27 em 1984,[13] colaborou com a animação produzindo model sheet dos personagens.[14]


Em outubro de 2017, passou a colaborar com a revista Neo Tokyo da Editora Escala.[15]

Obras[editar | editar código-fonte]

Tiras[editar | editar código-fonte]

Revistas[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Ilustrados
Compilações
  • Volúpia (Opera Graphica), 2001) (material publicado pela Grafipar entre 1978-1981)[21]
  • Shima - HQs clássicas de um samurai dos quadrinhos (Editora Marca de Fantasia, 2007)
  • Samurai (Mythos Editora, (2009)
Álbuns

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. «Por vezes assina apenas como Shima.» 
  2. Eloyr Pacheco (30 de junho de 2006). «As novas HQs do Capitão 7». site Bigorna.net. Consultado em 18 de novembro de 2009 
  3. «O Gaúcho, antes de tudo um aventureiro». Universo HQ. Consultado em 18 de novembro de 2009 
  4. Gonçalo Júnior. A Guerra dos Gibis - a formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-1964. Editora Companhia das Letras editora=2004: [s.n.] 9788535905823 
  5. Cláudio Roberto Basílio. «As Artes Marciais nos Quadrinhos Parte 4». site HQManiacs. Consultado em 29 de agosto de 2009 
  6. J.J Marreiro (21 de dezembro de 2005). «Fantasma bem brasileiro». Universo HQ 
  7. Telio Navega (03/10/2009). "A alma gaúcha do Zé Carioca (HQ Perfis 3) «A alma gaúcha do Zé Carioca (HQ Perfis 3)", O Globo
  8. Júlio Shimamoto, um apaixonado pelos quadrinhos
  9. Janela Publicitária - É muito cartaz para um macaco só!
  10. «Imigração Japonesa no Brasil». Consultado em 28 de Outubro de 2009 
  11. «Samurai: as clássicas aventuras de Julio Shimamoto» 
  12. «julio shimamoto « Oi Quadrinhos». Consultado em 28 de Outubro de 2009 
  13. Matheus Moura (14 de março de 2011). «O Ogro, projeto transforma HQ de Shimamoto em animação». Bigorna.net 
  14. Model sheets desenhados por Shimamoto
  15. «Júlio Shimamoto - Mestre dos Mestres». Editora Escala. Neo Tokyo (120): 72-75. Outubro de 2017. ISSN 1809-1784 
  16. «Bigorna.net: HQB: Lançamento: O Gaúcho #1». Consultado em 28 de Outubro de 2009 
  17. «:: HQ MANIACS:: MATÉRIA: O FANTASMA COMEMORA 70 ANOS». Consultado em 28 de Outubro de 2009 
  18. Livro: Bruno Azevêdo lança Breganejo blues
  19. Livro infantojuvenil resgata mitos e lendas sobre a água
  20. Criativo Editora lança coleção de Sketchbooks e inaugura loja virtual com promoção
  21. Areia Hostil entrevista Júlio Shimamoto
  22. a b Gazy Andraus (20 de outubro de 2003). «Musashi I e II de Shimamoto: HQs ideogramáticas e filosóficas!». site Omelete 
  23. Resenha: Musashi (QI #90)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre autor ou ilustrador de banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.