Julio Shimamoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Júlio Shimamoto)

Julio Yoshinobu Shimamoto
Shimamoto na Bienal de Quadrinhos de Curitiba de 2018
Pseudónimo(s) Shima
Nascimento 13 de maio de 1939 (83 anos)
Borborema, São Paulo, Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Principais trabalhos Musashi
Sombras
Volúpia
Prémios Troféu HQ Mix, Prêmio Angelo Agostini, Troféu Claudio Seto
Área desenhista, pintor, ilustrador

Julio Yoshinobu Shimamoto, às vezes referido como Shimamoto ou simplesmente Shima,[1] (Borborema, 13 de maio de 1939),[2] é um desenhista de histórias em quadrinhos brasileiro de ascendência japonesa.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É casado desde 1973 com Vera Kauyo, que teve quatro filhos: Denise Yoshiko, Silvia Yuri, Márcia Yumi e Julio Yoshiharu.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Julio Shimamoto, é descendente de samurais aristocratas que serviram ao daimyo Oda Nobunaga,[4] nasceu em Borborema, São Paulo, filho de Kioichiro Shimamoto, um japonês[5] nascido em Shingu, na província de Wakayama, que imigrou para o Brasil em 192, [6] e de Chiyoko Oishi, segundo Julio Shimamoto, tanto da família Shimamoto, quanto da família Oishi tiveram samurais que serviram a Nobunaga, sua mãe descende de Ōishi Yoshio ou Ōishi Kuranosuke, o líder dos 47 rōnin.[7]

Aos três anos de idade, a família de Julio Shimamoto mudou-se para uma região próxima ao Mato Grosso,[8] onde teve contato com a primeira história em quadrinhos, Mutt e Jeff, publicada no jornal O Estado de São Paulo. Logo em seguida, passou a ler revistas em quadrinhos como O Guri, Gibi, O Tico-Tico e O Globo Juvenil, presenteadas pelo pai e por uma prima, Myoko Oishi.[8][9] Inspirado por narrativas de super-heróis lutando contra soldados japoneses, desenhou suas primeiras HQs, em papéis de embrulho avulsos, onde mostrava os japoneses derrotando os americanos.[8] Mesmo após o fim da Segunda Guerra Mundial, foi hostilizado e sofreu bullying pela ascendência japonesa.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Para se aprimorar no desenho, Julio Shimamoto adquiriu uma versão em espanhol do livro Creative Illustration de Andrew Loomis

Em 1954, mudou-se para Vila Luzita, em Santo André, logo em seguida, trabalhou como estoquista no escritório da matriz das Lojas de Tecidos Buri. Entre 1954 e 1955, frequentou aulas de desenho na Associação Paulista de Belas Artes, onde aprendeu natureza morta e perspectiva às quartas e sextas, contudo, não participou das aulas de modelo vivo aos sábados por questões financeiras, nesse período, também adquiriu os livros importados: Iustración Creadora de Andrew Loomis, El Dibujo Humoristico de Bam Bhu, Dibujo de Historietas e Dibujo de la figura en color de José de Llobera e Drawing and Illustration de John Moranz, Shimamoto enviou desenhos para serem avaliados na revista Aí Mocinho da Editora Brasil-América Limitada (EBAL), ganhando notas entre 5 e 8 (a nota máxima era 10), também enviou a HQ Orquídea Negra, ilustrada por e escrita por Leonardo Santos, um colega de trabalho na loja de tecidos, contudo, a mesma não foi publicada.[10][9]

Na cidade de São Paulo, em 1956, conseguiu uma vaga de desenhista do departamento de propaganda das Lojas Sears & Roebuck. No entanto, após seis meses, estava trabalhando mais na rua do que com desenhos, o que levou a se desentender com o chefe do setor de redação e levando a demissão. Três meses depois de procurar outro emprego no ramo da publicidade, resolve se tornar quadrinista.[8] Na Sears & Roebuck, conheceu o japonês Massayuki Kato, que fazia ilustrações à guache similares as da revista Saturday Evening Post, Shimamoto convenceu o artista a procurar uma editora de quadrinhos, ambos então foram até a Editora La Selva, lá conheceram o português Jayme Cortez, apesar de elogiar o artista, Cortez disse que sua arte não servia para capas de quadrinhos, mas apenas para contos e romances, Kato continuou a carreira dentro da publicidade.[10]

Apresentou uma HQ para a editora Novo Mundo, adaptando o conflito Brasil-Bolívia, tendo como base o livro A Conquista do Acre, contudo, a HQ não foi publicada, o editor e quadrinista Miguel Penteado,[10] não gostou do desenho das mãos e de como os bolivianos foram retratados,[10] ele no entanto viu potencial em Shimamoto, dizendo para não desistir e o pediu para criar a série "Agora sei que", 8 HQs curtas de curiosidades, a nova série substituído a estrangeira "Acredite se Quiser" (Ripley's Believe It or Not! no original) de Robert Ripley.[8][4]

Seu primeiro trabalho no gênero terror foi a Satanásia para a Editora Novo Mundo, logo em seguida, Penteado lhe apresentou ao português Jayme Cortez, que o convidou para desenhar HQs inspiradas em palhaços brasileiros como Fuzarca e Torresmo, Arrelia e Pimentinha[4] e Carequinha e Fred.[8]

Em 1959, Miguel Penteado e Jayme Cortez fundam Editora Continental com Claudio de Souza, Helí Otávio de Lacerda, José Sidekerkis, Arthur de Oliveira e Victor Chiodi, onde desenhou Shimamoto a primeira HQ do Capitão 7,[8] personagem surgido na televisão.[11] seguindo uma recomendação de Jayme Cortez para se inspirar rosto de Flash Gordon de Alex Raymond.[8] Ainda em 1959, ilustrou sua primeira HQ sobre samurais, Os Fantasmas do Rincão Maldito,[8] considerada a primeira HQ brasileira sobre o tema, contudo, de acordo com Shimamoto, a EBAL publicou duas histórias de origem italiana na revista Epopéia: Os 47 Samurais (janeiro de 1957) e O Bravo Samurai (dezembro de 1958).[8] Nos anos 60, outro descendente de japoneses, Claudio Seto, apresentou narrativas de samurais inspirado nos mangás e gekigás, na EDREL, editora fundada por Minami Keizi.[12] Shimamoto também teria feito a primeira história em quadrinhos brasileira do Drácula intitulada A Volta do Drácula.[13]

Entre 1961, Shimamoto integrou a Associação de Desenhistas de São Paulo (ADESP) e foi um dos responsáveis pelo movimento de nacionalização dos quadrinhos, ao lado de Mauricio de Sousa, Ely Barbosa, Gedeone Malagola, Lyrio Aragão, Luiz Saidenberg, entre outros.[14] Em 1962, parte da CETPA (Cooperativa Editora e de Trabalho de Porto Alegre),[15] onde desenhou A história do Rio Grande do Sul.[4]

Em maio de 1963, Maurício de Sousa lhe encomendou uma tira de aventura, inicialmente, pensou em fazer um cangaceiro, mas o tempo que passou no Rio Grande do Sul e conhecimento adquirido lendo livros como O Tempo e o Vento, Ana Terra, Um Certo Capitão Rodrigo, O Ataque (Érico Veríssimo); Os Guaxos (Barbosa Lessa), No Galpão (Darcy Azambuja); Contos Gauchescos, Casos do Romualdo, Lendas do Sul, Terra Gaúcha (João Simões Lopes Neto); Os Farrapos (Walter Spalding), além de um dicionário Tupi Guarani-Português,[8] fez com que concebesse a tira O Gaúcho, para o Suplemento Infanto-Juvenil do jornal Folha de S.Paulo,[15] para o mesmo jornal, ilustrou Coisas do Futebol, com curiosidades sobre o futebol paulista[4] que traziam roteiros de Luís Hamasaki, Nestor, Terra e Maurício de Sousa.[16] Em Clássicos do Faroeste nº 3 (Editora Outubro, 1963), foi publicada adaptação de Matar ou Morrer (High Noon) por Shimamoto, filme estrelado por Gary Cooper.[17]

Em 1964, dividiu o tempo entre a prancha semanal de O Gaúcho e storyboards para a agência de publicidade McCann Erickson, onde havia sido indicado por Lyrio Aragão e Luiz Saidenberg. Em 1965, O Gaúcho para de ser publicada e Shimamoto continua trabalhando com publicidade.[14][18]

Em 1970 em São Paulo, foi preso pela OBAN, acusado de apoio logístico ao terror. Seu nome estava na lista de ajuda em dinheiro para o ex-patrão Carlos H. Knapp, publicitário, exilado na França.[8][4] Em 1972, mudou-se para o Rio de Janeiro, passando a trabalhar recém-fundada agência de publicidade Caio Domingues e Associados.[9]

Em 1975, por intermédio de Paulo Hamasaki, diretor de arte da Editora Noblet, a tira O Gaúcho foi republicada nas páginas da revista de faroeste Carabina Slim, de origem italiana.[19] Na mesma editora, ilustrou contos escritos por Rubens Francisco Lucchetti publicados na versão brasileira de Vampirella da Warren Publishing.[20] Em 1977, foi o vencedor, junto com os publicitários Jacques Lewkowicz e Paulo Hiroshi do 2º Concurso do Cartaz do Cinema, promovido pelo Clube de Criação do Rio de Janeiro (CCRJ), dentro da Campanha de Nacionalização do Cartaz de Cinema, para a criação de um cartaz nacional para o filme King Kong. O trabalho nunca chegou a ser utilizado, no entanto,[21] a peça foi acusada ser um plágio de uma capa da revista erótica Hustler, de acordo com Marco Lucchetti, a tal capa da revista americana nunca existiu.[4]

Entre meados da décadas de 1970 e início 1980 trabalhou com quadrinhos em várias editoras, Vecchi (revistas Spektro e Pesadelo),[22] Grafipar, Bloch Editores (revistas Mestre do Kung Fu, A Múmia Viva),[8] Press (revista Medo) e D-Arte (revistas Calafrio e Mestres do Terror),[23] onde desenhou e roteirizou HQs de terror, artes marciais,[24] na Grafipar, publicou a revista Kiai - Faixa Preta, cujo nome veio de um conceito de artes marciais e inspirado no bushidô, um código filosófico japonês, no zen-budismo e no xintoísmo[8], além de histórias ambientadas no Japão, criou com o roteirista Hayle Gadelha, o capoeirista Meia-Lua, o rei da capoeira,[25] o nome vem de um golpe da capoeira,[26] e a Garota do Aikidô, escrito pela esposa de Gadelha, de acordo com Shimamoto, a revista havia sido apresentada para a EBAL, que publicou as revista O Judoka e Kung Fu recusou o projeto, contudo, de acordo com Shimamoto, meses depois, a editora lançou uma revista chamada FaixaPreta.[26]

Também ilustrou quadrinhos eróticos roteirizados pelo casal Paulo Leminski e Alice Ruiz[27] e por Minami Keizi, que assinou como Rose West.[28]

A Múmia Viva originalmente era um título da múmia N'Kantu da Marvel Comics, criada por Steve Gerber (roteiro) e Rich Buckler (desenhos),[29] com a perda da licença, a editora resolveu contratar autores brasileiros para produzir novas histórias, o escritor e roteirista Rubens Francisco Lucchetti criou uma nova múmia, Kharis, com desenhos de Shimamoto.[30][31] Em 1978, para o suplemento Pingente do jornal O Pasquim, ilustro A Maldição do AI-5, roteirizado por Reinaldo e Nani[32][33]

Além de ilustrar histórias de O Fantasma de Lee Falk para Rio Gráfica Editora, nessas histórias, Shimamoto não era creditado, mas colocava o nome "Shima" escondido nas cenas,[34] tal qual Renato Canini em Zé Carioca da Editora Abril.[35] Também para a RGE, ilustrou uma versão em quadrinhos da série de televisão Carga Pesada da TV Globo.[36]

O samurai Myamoto Musashi teve HQs produzidas por Shimamoto.

Ainda na década de 1980, voltou a trabalhar com publicidade, produzindo storyboards e manuais de treinamento para empresas,[9] Shimamoto recusou um convita da TV Globo para fazer desenhos de depoimentos em tribunais, segundo ele, esses trabalhos exigiram que fosse convocado a qualquer momento, contudo, chegou a produzir ilustrações similares aos storyboards exibidas nos programas Fantástico e Esporte Espetacular.[37]

Em 1986, ilustrou o álbum Nos Tempos de Madame Satã, roteirizado por Luiz Antônio Aguiar, para a Editora Marco Zero.[38]

Em 1995, publicou num álbum da revista Heavy Metal só com autores brasileiros.[19] Em 2002, Shimamoto recebeu uma homenagem da Câmara Municipal de São Paulo e em 2005 recebeu outra homenagem, dessa vez a Moção de Congratulação nº 230/05 pela Câmara Municipal de Jaboticabal.

Pela editora Opera Graphica, publicou duas graphic novels sobre o samurai Miyamoto Musashi na Coleção Opera Brasil: Musashi I (2002) e Musashi II (2003).[39][24] Participou dos álbuns Sertão Vermelho - Lampião em Quadrinhos (2004) e Sertão Vermelho - Lampião em Quadrinhos 2 (2005), com roteiros de Haroldo Magno, os álbuns forma financiados com apoio da prefeitura e empresas locais de Paulo Afonso, na Bahia.[40][41]

Foi convidado de honra e homenageado no 5º Festival Internacional de Quadrinhos em 2007, tendo o Japão como país homenageado.[42]

Em 2008, ilustrou o livro BANZAI! História da Imigração Japonesa no Brasil para as comemorações do Centenário da Imigração Japonesa, roteirizada por Francisco Noriyuki Sato, com colaboração de Paulo Fukue (roteiro) e Adauto Silva (desenhos)[4][43] e publica uma história de 12 páginas que faria parte de um terceiro álbum da série Musashi como um encarte do fanzine QI de Edgard Guimarães.[44]

Em 2009 publica Samurai, uma coletânea de histórias sobre samurais, ninjas, entre outros artistas marciais pela EM Editora (na verdade um selo da Mythos Editora),[45] pela mesma editora, ilustra os livros "Lendas de Musashi" e "Lendas de Zatoichi",[nota 1] ambos escritos por Minami Keizi[47] além de Painkiller, quadrinhos para telefone celular da Operadora Oi, com roteiros de Fernando Azevedo e cores e letras de Adauto Silva.[48][49] Além das publicações tradicionais, colabora com fanzines e publicações independentes.[50][51][52]

Em 2011, surgiu um projeto de um curta de animação baseado na história O Ogro escrita por Antonio "Toni" Rodrigues e ilustrada por Shimamoto publicada na revista Calafrio #27 em 1984,[53] colaborou com a animação produzindo model sheet dos personagens.[54] Em outubro de 2017, publicou uma história na revista Neo Tokyo da Editora Escala.[55]

Em dezembro de 2019, com 80 anos de idade, Julio Shimamoto será homenageado no Artists’ Alley da Comic Con Experience, além de confirmar presença no evento, Shimamoto assina o pôster do espaço.[56]

Em maio de 2021, André Carim do selo Múltiplo lançou uma campanha de financiamento coletivo de Colt 45 no Catarse, contendo histórias de faroeste produzidas por Shimamoto, a campanha não foi bem-sucedida.[57] Em setembro do mesmo ano, a Graphite Editora lançou uma campanha da coletânea Ken no Mishi, contendo histórias de samurais produzidas por Shimamoto[58] e uma nova campanha de Colt 45 foi relançada.[59] Em abril de 2022, o Da Rosa Estúdio lançou uma campanha do Sketchbook Julio Shimamoto do Catarse.[60]

Influências[editar | editar código-fonte]

Shimamoto foi influenciado por diversos artistas ao longo do tempo como Syd Shores, Harold Foster, Alex Toth, Joe Kubert, José Luís Salinas, Alberto Breccia, José Antonio Muñoz, Austin Briggs, Andrew Loomis, Frank Frazetta, Bob Peak e Jon Whitcomb.[61]

Além dos quadrinhos, cita livros juvenis da Editora Melhoramentos, Monteiro Lobato, livros de faroestes de Karl May, e revistas como Seleções, Coletânea, Eu Sei Tudo, Vida Doméstica, Careta, Fon-Fon,[8] romances policiais de Ellery Queen, Mickey Spillane, Raymond Chandler, Howard Hunt e das revistas Emoção e Contos de Mistério da Editora La Selva. Produzindo quadrinhos de terror, passou a ler autores como Edgar Allan Poe, E. T. A. Hoffmann, Horace Walpole e Nathaniel Hawthorne. Dentro dos quadrinhos, acompanhou revistas adultas como Métal hurlant, Heavy Metal, Animal, El Vibora e Skorpio, tardiamente, tomou contanto com mangás, citando obras como Lobo Solitário de Kazuo Koike e Goseki Kojima, A Lenda de Kamui de Sanpei Shirato e Vagabond e Takehiko Inoue.[62]

Para Claudio Seto, que foi seu editor na Grafipar em Curitiba:

Creio que se o Mestre Shima tem algo a ver com o mangá é na narrativa seqüencial, mas acho que é involuntário e mais recente. Pois começou quando ele desenhou, quase dez anos depois, a revista “Kiai”, para a Grafipar. Como os golpes marciais exigiam desenhos em seqüências didática para serem melhor entendidos, Mestre Shima passou a desenhar assim.

[63]

Para o quadrinista e professor universitário Gazy Andraus:

Mas é também verdade que sua herança cultural nipônica influenciou seu estilo, que passa ao largo do padrão-mangá em muitos pontos, enquanto conserva dele o ritmo ágil de ação visual.

[39]

O próprio Shimamoto ressaltou sua narrativa:

Na HQ, os personagens tem que ser movidos à adrenalina, provocativos, senão o leitor boceja.

[64]

Técnicas[editar | editar código-fonte]

Shimamoto usa diversos materiais para desenhar como bexigas,[9] sacos plásticos, caixas de papelão, azulejos, cerâmicas brancos para obter um efeito xilográfico e mais recentemente, ferro de solda.[8] Em Sombras, publicado em preto e branco pela Opera Graphica,[65] Shimamoto inverteu, ao invés de desenhar com tinta preta em papel branco, desenhou em cartolina preta com tinta branca.[8]

Obras[editar | editar código-fonte]

Tiras[editar | editar código-fonte]

Revistas[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Ilustrados
  • Lendas de Musashi (escrito por Minami Keizi)
  • Lendas de Zatoichi (escrito por Minami Keizi)
  • Breganejo Blues (escrito por Bruno Azevêdo)[72]
  • Era uma vez um rio (escrito por Anne Raquel Sampaio)[73]
  • Sketchbook Custom (2016)[74]
  • Fanzine Ilustrado 2 - Julio Shimamoto - (Múltiplo, 2017)[61][75]
  • Goiânia, uma cidade sombria (2018)[76]
Compilações
  • Volúpia (Opera Graphica), 2001) (material publicado pela Grafipar entre 1978-1981)[77]
  • Shima - HQs clássicas de um samurai dos quadrinhos (Marca de Fantasia, 2007)
  • Samurai (Mythos Editora, (2009)
  • Sombras – Edição especial (Atomic Editora, 2014)[78]
  • O Primeiro Samurai (Criativo Editora, 2017)[79]
  • Contos de Horror (Atomic Editora, 2018)
  • Tenebris (Criativo Editora, 2019)[80]
  • O Ditador Frankenstein e outras histórias de terror, tortura e milicos (contendo 12 histórias, 11 delas produzidas durante a Ditadura militar brasileira entre 1978 e 1986, em parceria com Luiz Antonio Aguiar, Luscar, Nani, Reinaldo Figueiredo e Maria Emília Kubrusly, Editora MMarte, 2019)[81]
  • Shima no QI (encartado na edição digital do QI nº 163, Marca de Fantasia, 2020)[52]
Álbuns

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Zatoichi é um espadachim cego do período Edo, criado pelo escritor Kan Shimozawa, presente no cinema e na TV japonesa.[46]

Referências

  1. «Por vezes assina apenas como Shima.» 
  2. «Nossas histórias por autores nosso (IV)». Correio Paulistano. 15 de junho de 1961. Consultado em 26 de setembro de 2020  |website= e |jornal= redundantes (ajuda)
  3. Chaves, Dario (2021). «Os últimos anos na publicidade e os novos quadrinhos». Julio Shimamoto - O Samurai do Traço. São Paulo: Criativo Editora. pp. 155–161 
  4. a b c d e f g h i admin. «Julio Shimamoto». Imigração japonesa. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  5. Carim de Oliveira, André. Fanzine Ilustrado 3 Caricaturas, Charges, Cartuns e Tiras. [S.l.]: Clube de Autores (managed) 
  6. «Uma vida em quadrinhos». Consultado em 24 de outubro de 2019 
  7. Chaves, Dario (2021). «Introdução». Julio Shimamoto - O Samurai do Traço. São Paulo: Criativo Editora. pp. 8–9 
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p q Spaca, Rafael (22 de junho de 2017). «"Sou tímido, não humilde"». Bravo! (em inglês). Consultado em 20 de outubro de 2019 
  9. a b c d e Júlio Shimamoto, um apaixonado pelos quadrinhos
  10. a b c d Chaves, Dario (2021). «Sonhando em desenhar». Julio Shimamoto - O Samurai do Traço. São Paulo: Criativo Editora. pp. 30–33 
  11. Eloyr Pacheco (30 de junho de 2006). «As novas HQs do Capitão 7». site Bigorna.net. Consultado em 18 de novembro de 2009 
  12. «Samurai brasileiro - Revista de História». web.archive.org. 7 de agosto de 2016. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  13. «Mestres do Terror # 72 tem Drácula como tema». UNIVERSO HQ. 6 de março de 2020. Consultado em 12 de março de 2020 
  14. a b Carim de Oliveira, André. «Depoimento Julio Shimamoto». Clube de Autores (managed). Múltiplo (4) 
  15. a b «O Gaúcho, antes de tudo um aventureiro». Universo HQ. Consultado em 18 de novembro de 2009 
  16. Rocco, Luigi (novembro de 2014). Guimarães, Edgard, ed. O Outro Maurício (PDF). [S.l.]: EGO. p. 29 
  17. Chaves, Dario (2021). «Os melhores anos do quadrinho nacional». Julio Shimamoto - O Samurai do Traço. São Paulo: Criativo Editora. pp. 74–75 
  18. Gonçalo Júnior. A Guerra dos Gibis - a formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-1964. Editora Companhia das Letras: 2004. 9788535905823 
  19. a b Shimamoto, Julio (outubro de 2011). «Um samurai na banda desenhada brasil - monólogo autobigráfico». BDJornal (28): 19-26 
  20. Guedes, Roberto. «WARREN - O MELHOR TERROR DO MUNDO!». HQManiacs. Consultado em 15 de novembro de 2019 
  21. Janela Publicitária - É muito cartaz para um macaco só!
  22. «Pesadelo era o humor negro nas bancas». UNIVERSO HQ. 8 de março de 2007. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  23. «HQs restauradas de Julio Shimamoto na revista Contos de Horror». UNIVERSO HQ. 12 de julho de 2018. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  24. a b Cláudio Roberto Basílio. «As Artes Marciais nos Quadrinhos Parte 4». HQ Maniacs. Consultado em 29 de agosto de 2009 
  25. Personagens capoeiristas nos quadrinhos nacionais: sentidos e significações
  26. a b Chaves, Dario (2021). «De volta ao terror...». Julio Shimamoto - O Samurai do Traço. São Paulo: Criativo Editora. p. 115 
  27. «Livro reúne HQs eróticas de Alice Ruiz e Paulo Leminski feitas na ditadura - 31/10/2015 - Ilustrada». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de dezembro de 2019 
  28. «Maria Erótica - Fantasia adulta em quadrinhos # 1». UNIVERSO HQ. 19 de dezembro de 2008. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  29. HOWE, SEAN (1 de agosto de 2013). Marvel Comics - A história secreta 🔗. [S.l.]: LeYa. ISBN 9788580448795 
  30. «Bigorna.net: Notícias: A Múmia de Júlio Shimamoto e R. F. Lucchetti». Bigorna.net. Consultado em 31 de outubro de 2019 
  31. «Terror é o tema do terceiro número da Status Comics». UNIVERSO HQ. 22 de novembro de 2019. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  32. O quadrinho de terror brasileiro
  33. «O Pasquim (RJ) - 1969 a 1991 - DocReader Web». memoria.bn.br. Consultado em 24 de novembro de 2019 
  34. J.J Marreiro (21 de dezembro de 2005). «Fantasma bem brasileiro». Universo HQ 
  35. Telio Navega (03/10/2009). "A alma gaúcha do Zé Carioca (HQ Perfis 3) «A alma gaúcha do Zé Carioca (HQ Perfis 3)", O Globo
  36. Carim de Oliveira, André. Múltiplo 2. [S.l.]: Clube de Autores (managed) 
  37. Chaves, Dario (2021). «Os últimos anos na publicidade e os novos quadrinhos». Julio Shimamoto - O Samurai do Traço. São Paulo: Criativo Editora. p. 121 
  38. «Opera Graphica lança Madame Satã: Cassino, de Shimamoto e Aguiar». UNIVERSO HQ. 9 de novembro de 2002. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  39. a b c d Gazy Andraus (20 de outubro de 2003). «Musashi I e II de Shimamoto: HQs ideogramáticas e filosóficas!». site Omelete. Consultado em 14 de junho de 2009. Arquivado do original em 25 de junho de 2009 
  40. «SERTÃO VERMELHO - LAMPIÃO EM QUADRINHOS». UNIVERSO HQ. 1 de dezembro de 2004. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  41. Novas aventuras de Lampião em Sertão Vermelho 2
  42. «FIQ: um Belo Horizonte para os quadrinhos». UNIVERSO HQ. 24 de outubro de 2007. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  43. abrademi (11 de outubro de 2007). «História da imigração japonesa em mangá». ABRADEMI - Associação Brasileira de Desenhistas de Mangá e Ilustrações. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  44. Resenha: Musashi (QI #90)
  45. «Samurai: as clássicas aventuras de Julio Shimamoto» 
  46. https://www.denofgeek.com/movies/zatoichi-the-best-martial-arts-movie-series-youve-never-heard-of/ Zatoichi: The Best Martial Arts Movie Series You've Never Heard Of]
  47. Marcelo Naranjo (4 de setembro de 2007). «Novos livros ilustrados nas bancas podem enganar o leitor». Universo HQ. Consultado em 19 de outubro de 2009 
  48. «Painkiller é o novo destaque do projeto Oi Quadrinhos». UNIVERSO HQ. 15 de setembro de 2009. Consultado em 7 de novembro de 2019 
  49. «Painkiller « Oi Quadrinhos». web.archive.org. 18 de setembro de 2011. Consultado em 7 de novembro de 2019 
  50. Edição Quadrinhos estréia com HQ inédita de Julio Shimamoto
  51. Guimarães, Edgard (2020). Fanzine (PDF) 4ª ed. [S.l.]: Marca de Fantasia. 69 páginas. ISBN 978-65-86031-02-7 
  52. a b Guimarães, Edgard (ed.). «Shima no QI». Marca de Fantasia. QI. Consultado em 3 de agosto de 2020 
  53. Matheus Moura (14 de março de 2011). «O Ogro, projeto transforma HQ de Shimamoto em animação». Bigorna.net 
  54. «Model sheets desenhados por Shimamoto». Consultado em 13 de julho de 2016. Arquivado do original em 17 de agosto de 2016 
  55. «Júlio Shimamoto - Mestre dos Mestres». Editora Escala. Neo Tokyo (120): 72-75. Outubro de 2017. ISSN 1809-1784 
  56. «Julio Shimamoto é o homenageado do Artists' Alley na CCXP19». Omelete. 6 de novembro de 2019. Consultado em 6 de novembro de 2019 
  57. «COLT 45». Catarse. Consultado em 30 de maio de 2021 
  58. «Ken no Michi». Catarse. Consultado em 13 de setembro de 2021 
  59. «COLT 45 - O Pistoleiro». Catarse. Consultado em 20 de setembro de 2021 
  60. «Sketchbook Julio Shimamoto». Catarse. Consultado em 17 de maio de 2022 
  61. a b Shimamoto, Julio. Carim de Oliveira, André, ed. Shimamoto. Col: Fanzine Ilustrado. 2. [S.l.]: Clube de Autores 
  62. «Dois perdidos em uma cidade suja». Jornal Opção. 26 de agosto de 2018. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  63. «Bigorna.net: Entrevistas: Entrevista Claudio Seto - O Samurai Mágico da HQB (parte 2)». Bigorna.net. Consultado em 24 de outubro de 2019 
  64. Julio Shimamoto: um incansável aprendiz
  65. Martins, Jotapê (30 de agosto de 2001). «Primeiro FESTCOMIX em São Paulo». Omelete. Consultado em 18 de novembro de 2019 
  66. «Bigorna.net: HQB: Lançamento: O Gaúcho #1». Bigorna.net 
  67. «O Gaúcho nº3». Impulso HQ. 11 de julho de 2008 
  68. «Bigorna.net: HQB: Resenha: Billy The Kid & Outras Histórias #1». www.bigorna.net. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  69. «Bigorna.net: Gibizóide: Almanaque Assombração». www.bigorna.net. Consultado em 3 de outubro de 2020 
  70. Novas edições das revistas Calafrio e Mestres do Terror
  71. «:: HQ MANIACS:: MATÉRIA: O FANTASMA COMEMORA 70 ANOS». Consultado em 28 de Outubro de 2009 
  72. Livro: Bruno Azevêdo lança Breganejo blues
  73. «Livro infantojuvenil resgata mitos e lendas sobre a água». Consultado em 5 de novembro de 2016. Arquivado do original em 5 de novembro de 2016 
  74. Criativo Editora lança coleção de Sketchbooks e inaugura loja virtual com promoção
  75. Shimamoto - Fanzine Ilustrado 2 - Abril de 2017. [S.l.: s.n.] 
  76. Goiânia, uma cidade sombria
  77. Areia Hostil entrevista Júlio Shimamoto
  78. Sombras – Edição especial, de Júlio Shimamoto, está à venda
  79. Os samurais de Julio Shimamoto em lançamento da Editora Criativo
  80. «Evento lança quatro álbuns de consagrados autores nikkeis». UNIVERSO HQ. 3 de outubro de 2019. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  81. «O guia dos lançamentos de quadrinhos na CCXP 2019 - Página 3 de 6». UNIVERSO HQ. 29 de novembro de 2019. Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  82. Wellington Srbek
  83. Julio Shimamoto e Márcio Jr. lançam Cidade de Sangue no FIQ
  84. Assis, Érico (6 de novembro de 2020). «Enquanto Isso... nos Quadrinhos | Graphic novel é só um rótulo marketeiro?». Omelete. Consultado em 8 de novembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]