Jan Baptista van Helmont

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de J. B. Van Helmont)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2016)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Jan Baptista van Helmont
Nome nativo Jan Baptista van Helmont
Nascimento 12 de janeiro de 1580
Bruxelas
Morte 30 de dezembro de 1644 (64 anos)
Vilvoorde
Cidadania Bélgica
Ocupação químico, físico, médico escritor

Jean Baptista van Helmont (Bruxelas, 12 de janeiro de 1580Vilvoorde, Flandres, 30 de dezembro de 1644) foi um médico, alquimista, e fisiologista belga.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Van Helmont era o mais novo de cinco filhos de Maria e Christiaen Helmont van Stassaert, um promotor público e membro do Conselho de Bruxelas, que havia se casado na igreja de Sint-Goedele em 1567. Foi educado em Leuven, e depois variando inquieto de uma ciência para outra e sem encontrar satisfação em nenhuma, virou-se para a medicina. Interrompeu os seus estudos, e durante alguns anos ele viajou pela Suíça, Itália, França e Inglaterra.

Retornando ao seu próprio país, van Helmont obteve um diploma em medicina em 1599. Praticou em Antuérpia, no momento da grande peste em 1605. Em 1609 ele finalmente obteve seu doutorado em medicina. No mesmo ano ele se casou com Margaret van Ranst, que era de uma rica família nobre. Van Helmont e Margaret viveram em Vilvoorde, perto de Bruxelas, e tiveram seis ou sete filhos. A herança de sua esposa lhe permitiu aposentar mais cedo a partir de sua prática médica e ocupar-se com experimentos químicos, até à sua morte em 30 de dezembro de 1644.

Grande defensor da abiogênese (geração espontânea) e da hipótese de Aristóteles, que afirmava a existência de um "princípio ativo" (capacidade de originar seres vivos), Van Helmont acreditava que conseguiria formar um ser vivo por meio da matéria bruta.

Químico cético, se converteu a Alquimia após a visita insuspeita de um Adepto Hermético à sua residência, donde este último, cedeu a Helmont, um pequeno cisco da Pedra Filosofal, ensinando-lhe como transmutar grande quantidade de chumbo ou azougue em ouro puro. Posteriormente estudou Magia, e em um dos seus feitos compôs um amuleto contra a praga utilizando-se de sapos verminosos.

Principais publicações[editar | editar código-fonte]

  • 1621 - De magnetica vulnerum curatione. Disputatio, contra opinionem d. Ioan. Roberti (...) in brevi sua anatome sub censurae specie exaratam, Paris
  • 1642 - Febrium doctrina inaudita, Antuérpia
  • 1644 - Opuscula medica inaudit
  • 1648 - Ortus medicinae, id est Initia physicae inaudita

Van helmont e o magnetismo[editar | editar código-fonte]

Van Helmont apesar de ter contribuído muito a Química, o médico também fez aparições pela física na área do magnetismo, em que defendeu o Magnetismo animal como a dominação do fluido vital presente nos seres humanos.

Helmont foi seguidor de Paracelso (1493-1541) que defendia a ligação entre biologia e magnetismo, a harmonia entre o microcosmo individual e celestial para haver uma boa saúde e o poder que esse fluido poderia exercer sobre outros.

Seguindo as ideias de seu inspirador, Jan Baptista Van Helmont usou imãs para curar seus pacientes e afirmou ter conseguido êxito em seus tratamentos. Mesmo sendo católico, ele redigiu um tratado, De magnética vulnerum curatione (1621), em que defendia suas ideias sobre o magnetismo animal e fazia algumas explicações cientificas sobre passagens da bíblia.

Como alquimista, tomou o magnetismo animal como o que o levaria a dominar a Magia.

l Modernism, Physis: Rivista Internazionale di Storia della Scienza, vol.43, 2005, pp. 305–332.

  • Nelson Papavero, Jorge Llorente Bousquets, David Espinosa Organista. Hisroria de la biología comparada. México: Universidad Nacional Autónoma de México, vol.3, 1995, pp. 46.

Observações na Digestão[editar | editar código-fonte]

Ao experimentar a medicina, Jean Baptiste van Helmont deu sequência aos estudos de Paracelso. Porém, os estudos médicos no qual solidificou seu trabalho foram baseados no conhecimento anatômico de Vesalius e sua escola.

Helmont dividiu suas pesquisas no que denominou de ‘Gas’ e ‘Blas’. O primeiro termo fazia referência a uma de suas descobertas que hoje conhecemos como gás carbônico e estava relacionada ao estudo de gases. Ele assumiu que existiam apenas dois elementos: o ar (como atmosfera natural) e a água (que representava tudo o que não era ar). Ele tentou explicar como poderia ser obtido, de várias maneiras, algo que é como o ar, mas não o ar atmosférico. Tratava-se de algo que ele denominou como gás e aparecia na fermentação de uvas na produção de vinhos.

Fascinado com a ideia da ação dos fermentos, van Helmont a adotou como base de seu sistema de fisiologia. Surgem, então, considerações sobre todas as mudanças no corpo como a digestão, nutrição, impregnação e até mesmo movimentação através dos gases. Seu trabalho foi dividido em seis estágios:

  • O primeiro é a digestão no estômago, o qual notou que a comida e a bebida são convertidas em quilo através de um fermento que não reside permanentemente no estômago. Tratava-se de um processo intermitente,  que referia-se a transição que ocorria no baço;
  • O segundo afirma que o quilo ácido, ao passar para o duodeno imediatamente adquire uma natureza salina, por meio da transmutação, a qual chamamos o fermento responsável de bile;
  • O terceiro está relacionado com a digestão duodenal, a qual o quimo ácido é convertido em alcalino, iniciado nas veias mesentéricas e continuado no fígado até estar completo na veia cava, ou seja, convertido em sangue, cruor e soro. Os dois fermentos responsáveis são fornecidos pelo fígado: um levado ao duodeno pela bile da vesícula e outro desce do fígado ao longo das veias mesentéricas. Cabe ressaltar que Helmont considerava todo o quilo como sendo absorvido pelas veias e argumentava que ele só estaria pronto para esse processo depois de preparado pela segunda digestão duodenal. Quanto aos mecanismos de absorção, ele realizou um experimento para mostrar que os sais dissolvidos na água passariam por uma membrana, assim como a absorção do quilo se dá através da passagem dos sais pelas membranas (por difusão) e em parte por minúsculos orifícios nas paredes do intestino. O que resta após a absorção do quilo nutritivo, passa pelo intestino, encontrando-se no ceco com um fermento estercorácico e é transformado em fezes;
  • O quarto estágio ocorre no coração e nas artérias, onde o sangue mais escuro e mais espesso da veia cava se torna mais claro e distintamente volátil. Nessa fase, fica implícita a mudança de sangue venoso para arterial e a distinção entre o cruor e o sangue vitalizado;
  • No quinto ele "transforma o sangue das artérias no espírito vital do archceus", que age e se multiplica como um fermento, estando sempre presente no lado esquerdo do coração, no sangue arterial do ventrículo esquerdo, e sendo parte dele atraído pelo septo, do lado esquerdo para a direita, através de poros minúsculos, que não permitem a passagem do sangue. Ele então começa a se multiplicar até a parte direita, onde o coração trabalha incessantemente para que o sangue cru na veia cava seja vivificado;
  • O último estágio descreve membros nutritivos o qual “cada lugar cozinha sua comida por si mesmo”, ou seja, a partir do sangue comum, cada tecido assimila seu uso, tendo apenas uma influência indireta, “uma veia" (uma artéria).

Dentre suas contribuições, Helmont mostrou que muitos dos problemas do corpo vivo poderiam ser solucionados através do conhecimento químico, além de chamar a atenção para que a experiência demonstrou ser um fato indiscutível que, grande parte dos processos que ocorrem no corpo vivo são similares ao processo pelo qual a levedura produz álcool, processo conhecido como fermentação e sua descoberta do gás carbônico e de outros gases, os quais ele reconheceu que não se tratavam todos semelhantes.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikipedia-pt-hist-cien-logo.pngPortal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.


  1. 1836-1907., Foster, M. (Michael), Sir, ([1970]). Lectures on the history of physiology during the sixteenth, seventeenth, and eighteenth centuries. New York,: Dover Publications. ISBN 0486623807. OCLC 73311