JBS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de JBS Friboi)
Ir para: navegação, pesquisa
JBS
Friboi jbs.jpg
Razão social JBS S.A.
Tipo Empresa de capital aberto
Slogan Uma história feita de gente.
Cotação BM&F Bovespa: JBSS3
OTC Pink: JBSAF
Indústria Alimentícia
Gênero Sociedade Anônima
Fundador(es) José Batista Sobrinho (Zé Mineiro)
Sede São Paulo, (SP),  Brasil
Área(s) servida(s) Mundo
Proprietário(s) J&F Participações
Pessoas-chave José Batista Sobrinho (Zé Mineiro) (CEO)
Empregados 216.693 (em 2015)[1]
Produtos Carne bovina, aves, suínos, ovinos, couro, produtos de higiene e limpeza, colágeno, embalagens metálicas, biodiesel, laticínios, transportes
Subsidiárias JBS-Swift Foods Company
Pilgrim's Pride
Primo Smallgoods
Seara Alimentos
Moy Park
Valor de mercado Aumento R$ 48,641 bilhões (Mai/2015)[2]
Lucro Aumento R$ 4,640 bilhões (2015)[3]
LAJIR Aumento R$ 22,590 bilhões (2015)[3]
Faturamento Aumento R$ 162,914 bilhões (2015)[3]
Website oficial www.jbsglobal.com/pt-br

JBS S.A. é uma empresa brasileira de Goiás, fundada em 1953. É uma das maiores indústrias de alimentos do mundo.[4] A companhia opera no processamento de carnes bovina, suína, ovina e de frango e no processamento de couros. Além disso, comercializa produtos de higiene e limpeza, colágeno, embalagens metálicas, biodiesel, entre outros. Seus negócios são divididos em três unidades: JBS Mercosul, JBS Foods e JBS USA, que inclui as operações de bovinos nos EUA, Austrália e Canadá, suínos e aves nos EUA, México e Porto Rico.[5]

O grupo controla marcas como Swift,[6] Friboi,[7] Maturatta,[8] Seara,[9] Cabaña Las Lilas, Pilgrim's, Gold Kist Farms,[10] Pierce,[11] 1855[12] e Big Frango.[13] A companhia atua em 22 países de cinco continentes (entre plataformas de produção e escritórios) e atende mais de 300 mil clientes em mais de 150 nações. A companhia abriu seu capital em março de 2007[14] e suas ações são negociadas na BM&FBovespa no mais elevado nível de governo corporativo do mercado de capitais do Brasil, o Novo Mercado.[15]

A companhia hoje tem mais de 216.000 colaboradores ao redor do mundo e 340 unidades, entre fábricas e escritórios comerciais.[16]

É uma das principais doadoras de recursos para as campanhas eleitorais do Brasil.

E na campanha eleitoral de 2014 a empresa JBS doou 391,8 milhões de reais para candidatos de pelo menos dezesseis partidos políticos do Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

A JBS nasceu em 1953 na cidade de Anápolis, no interior de Goiás. A companhia iniciou a expansão de seus negócios a partir da construção de Brasília, quando seu fundador, José Batista Sobrinho, conhecido por Zé Mineiro, passou a comercializar carne para as grandes construtoras e empreiteiras que se instalaram na região com objetivo de construir a nova capital federal. A partir de então a JBS passou a construir uma plataforma de produção de carne para dar início a seu processo de internacionalização.[20]

Em setembro de 2005, a JBS chegou ao exterior ao adquirir as operações da Swift, na Argentina.[21] Esse processo foi acentuado em 2007, quando a JBS tornou-se a primeira empresa de carnes do Brasil a abrir o capital e ter suas ações negociadas em bolsa, além de criar sua área de Relações com Investidores. Naquele mesmo ano a JBS tornou-se a maior empresa de processamento de carne bovina do mundo e a maior indústria brasileira de alimentos ao comprar a Swift, nos Estados Unidos, negócio que voltou a unificar mundialmente a marca, que passou a operar também na Austrália.[22] Em dezembro de 2007 comprou 50% da italiana Inalca por 225 milhões de euros e entrou no mercado europeu de alimentos,[23] porém em março de 2011 a JBS vendeu a sua participação na empresa por 219 milhões de euros, a justificativa da venda foi por desavenças com a Cremonini, que detinha os outros 50% da Inalca e por isso resolveram deixar o negócio.[24]

Em março de 2008 a JBS fez duas aquisições no exterior, a primeira foi a compra de uma companhia de processamento de alimentos australiana, a Tasman Group por 150 milhões de dólares[25], a segunda aquisição foi da divisão de bifes da empresa americana Smithfield Foods por 565 milhões de dólares[26], no mesmo mês a JBS também tentou comprar a americana National Beef por 560 milhões de dólares, porém em outubro de 2008 o Governo dos EUA resolveu barrar essa aquisição[27] devido que uma possível compra da National Beef pelo JBS acarretaria em uma diminuição muito grande da concorrência do setor de carnes no país e consequentemente em um aumento de preços para os consumidores americanos.[28]

Em 2009, a JBS voltou ao mercado, dessa vez para incorporar as operações da Bertin, no Brasil, e em setembro de 2009 assumiu o controle da Pilgrim's Pride nos Estados Unidos por 2,8 bilhões de dólares[29] e estreando assim no segmento de frangos.[30]

Em março de 2010[31] adquiriu a companhia australiana de carnes Rockdale Beef por 37,3 milhões de dólares.[32]

Em março de 2011 após vender a sua participação de 50% na Italiana Inalca por 219 milhões euros, a JBS comprou 100% da empresa de alimentos embutidos italiana Rigamonti por um valor não revelado a imprensa,[33] em maio de 2011 adquiriu a divisão de cosméticos e limpeza do Grupo Bertin por R$ 350 milhões, com a compra a JBS aumentou a sua atuação no ramo de bens de consumo como sabonetes, produtos de limpeza e outros,[34][35] a divisão de cosméticos e limpeza da JBS se chama Flora onde já atua no ramo desde 1980.[36]

Em 2012 a JBS passa a atuar no segmento de aves no Brasil, ao assumir as unidades da Frangosul [37], Tramonto [38] e Agrovêneto [39], e também expandir sua atuação na América do Norte ao adquirir a XL Foods, no Canadá [40]. Neste ano, a JBS anunciou a compra das operações da Seara Brasil, ampliando sua atuação no mercado de carne de frango. A operação com a Seara, contudo, a aquisição foi aprovada em setembro de 2013 sem nenhuma restrição.[41]

Em dezembro de 2013 adquiriu por R$ 260 milhões a empresa paulista de alimentos Massa Leve.[42]

Em julho de 2014 a JBS comprou da Ceu Azul Alimentos vários ativos de processamento de aves, incluindo duas fábricas de ração e três incubatórios, a operação custou 246 milhões de reais,[43] no mesmo mês a JBS adquiriu todas as operações da Tyson Foods no Brasil e no México por 575 milhões de dólares,[44] com essa aquisição a JBS a empresa diminui no Brasil a distância que ela tem da líder brasileira no mercado de aves, a BRF. Já no México a JBS passa a controlar mais três unidades industriais, dez centros de distribuição, mais de 5.400 empregados e passa a ser líder no mercado Mexicano de aves.[45]

Em agosto de 2014 adquiriu a empresa de aves paranaense Belafoods por 105 milhões de reais, com a aquisição a JBS assume uma unidade industrial e mais de 1.000 funcionários e também expande suas operações nos setor de aves.[46]

No dia 20 de novembro de 2014 realizou duas aquisições, a primeira foi a compra de 100% da empresa australiana Primo Smallgoods por 1,250 bilhões de dólares,[47] a Primo Smallgoods atua em alimentos de valor agregado como presunto, bacon, salame, pizza e emprega 4.000 pessoas e também é dona de marcas importantes dentro da Austrália e com a aquisição a JBS consolida ainda mais a sua liderança no mercado australiano,[48] já a segunda aquisição foi a compra de 100% da companhia paranaense de processamento de aves Big Frango por 430 milhões de reais anunciado no proprio site da companhia nesta segunda 24 de novembro de 2014.[49][50]

Em 21 de junho de 2015 a JBS anunciou a compra da empresa Moy Park que fica localizada na Irlanda do Norte e que pertencia a Marfrig por 1,5 bilhão de dólares.[51]

Em 1 de julho de 2015 adquiriu nos Estados Unidos a divisão de suínos da Cargill por 1,45 bilhão de dólares, nessa operação estão incluídas duas unidades indústrias de processamentos de carne localizadas em dois estados, cinco fabricas de ração,[52] localizadas três estados e também quatro granjas de suínos que ficam situadas em outros três estados americanos,[53] com essa aquisição a JBS aumentou o seu Portfólio de produtos nos Estados Unidos[54] e o valor da compra foi pago a vista.[55]

Em 31 de maio de 2017, o grupo J&F Investimentos, controlador da JBS, aceitou pagar o valor de R$ 10,3 bilhões, no maior acordo de leniência já firmado no mundo, junto ao Ministério Público Federal (MPF). A empresa irá detalhar fatos investigados em cinco operações na qual vinha sendo investigada: Greenfield, Sépsis, Cui Bono, Carne Fraca e Bullish. O pagamento será iniciado em dezembro, e terá o prazo de 25 anos. Nesse período, os valores serão corrigidos pela inflação, o que, segundo o MPF, pode elevar o total para 20 bilhões de reais. Toda a multa ficará no Brasil. Os 10,3 bilhões de reais correspondem à 5,62 por cento do faturamento da J&F em 2016. [56]

Segmentos[editar | editar código-fonte]

JBS atua nos segmentos de carne bovina, suína, aves e ovinos, além de couro, colágeno, embalagens metálicas, biodiesel e transportes.[57]

Produtos[editar | editar código-fonte]

Lista de algumas marcas que pertencem à JBS.[58]

Proteína animal[editar | editar código-fonte]

Laticínios[editar | editar código-fonte]

Cosméticos e limpeza[editar | editar código-fonte]

Outros[editar | editar código-fonte]

  • Anglo (vegetais)
  • Funpet (ração para animais)
  • JBS Biodiesel
  • JBS Couros
  • JBS Latas
  • JBS Transportadora
  • JBS-Swift Foods Company
  • NovaProm (colágeno)
  • JBS Envoltórios

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Processo Roberto Carlos[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2014 o cantor Roberto Carlos que era garoto propaganda de um das marcas do grupo, a Friboi, processou a empresa devido ao um rompimento de contrato,[59] a JBS rescindiu o contrato com o cantor devido ao baixo rendimento comercial, já que a companhia esperava um retorno comercial bem maior devido a imagem de Carlos, porém a estratégia não deu certo.[60] O cantor pede na Justiça uma indenização de 7,2 milhões de reais, porém a JBS alega que só é obrigada a pagar 3,2 milhões de reais[61], o contrato de publicidade firmado entre a JBS com Carlos foi iniciado em fevereiro de 2014 e tem um valor total de cerca de 45 milhões de reais,[62] o caso ainda precisa ser julgado na 38ª Vara Cível de São Paulo.[63]

Processos trabalhistas[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2014 a empresa JBS é condenada em segunda instância pelo Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região, no Mato Grosso, em dois processos diferentes abertos pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) com base em infrações sistemáticas de leis trabalhistas. Uma das sentenças é referente a contaminação da carne servida aos empregados, com larvas. O outro, pelo descuido com a saúde de seus trabalhadores, por não tomar medidas básicas de monitoramento e segurança em relação ao reservatório para refrigeração por gás amônia, neste caso, o juiz Juliano Girardello destaca que “fiscais detectaram forte cheiro deste produto químico na sala de máquinas”.[64]

Compra de dólares[editar | editar código-fonte]

No dia 17 de maio de 2017, a JBS comprou grande quantidade de dólares no mercado, poucas horas antes da divulgação do escândalo que fez a moeda disparar e levou a Bovespa a encerrar na manhã de quinta feira as atividades, após queda de 10 por cento. A informação sobre a operação da empresa repercutiu de forma negativa no mercado financeiro, e na sociedade civil.[65] Na operação, a JBS lucrou 170 milhões de dólares.[66] A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) investigará o caso.[67] O lucro na operação foi mais que o suficiente para a JBS pagar a multa milionária para escapar das Operações Greenfield e Lava Jato, nas quais é investigada.[68]

Participação política[editar | editar código-fonte]

A JBS foi uma das maiores doadoras de recursos para a campanha eleitoral das eleições no Brasil em 2014, num valor total de 391,8 milhões de reais declarados ao Tribunal Superior Eleitoral. A empresa doou recursos para a campanha de pelo menos 16 partidos políticos. Dentre os políticos que receberam esses recursos, foram eleitos a presidente Dilma Roussef, 12 senadores, 18 governadores e 190 deputados federais. Devido a isso, o proprietário da empresa, Joesley Batista, está interferindo na escolha do ministro da agricultura, cargo que tem grande importância para os negócios do conglomerado e que tem a senadora Kátia Abreu, sua notória adversária, como principal postulante.[69]

Contudo, embora Aécio Neves (PSDB) e outros candidatos não tenham sido eleitos, também receberam doações em 2014.[70]

Denúncias de Corrupção[editar | editar código-fonte]

Operação Carne Fraca[editar | editar código-fonte]

Em 17 de março de 2017, alguns frigoríficos da empresa JBS foram alvos de investigação durante a Operação Carne Fraca, realizadas pela Polícia Federal. Na ocasião a PF prendeu 36 pessoas suspeitas de envolvimento em um esquema de fraude na produção e comercialização de carne e que envolveram a corrupção de fiscais do Ministério da Agricultura e produtores, a investigação encontrou indícios de adulteração de produtos e venda de carne vencida e estragada. Ao todo foram 21 fábricas investigadas. Por conta da operação, a JBS chegou a perder 15,35% do seu valor de mercado, que na época do ocorrido, era R$ 32,6 bilhões antes da operação e encerrou valendo R$ 27,6 bilhões, segundo a empresa de informações financeiras Economatica. Apesar disso, o mercado de carnes brasileiro continuou em alta. [71]

Operação Bullish[editar | editar código-fonte]

Em 12 de maio de 2017, a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Bullish, que investigou fraudes em aportes concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por meio da subsidiária BNESPar, à JBS. Os aportes teriam sido realizados após a contratação de empresa de consultoria ligada ao ex-parlamentar Antonio Palocci. Entre os alvos dos mandados estavam Luciano Coutinho, que presidiu o banco de fomento entre 2007 e 2016, e os irmãos Joesley e Wesley Batista, que ficam à frente das empresas do grupo. Joesley Batista, no entanto, está em Nova York, como informa a coluna do Lauro Jardim. Os aportes teriam sido feitos a partir de junho de 2007 e utilizados para aquisição de outras empresas no ramo de frigoríficos, no valor de R$ 8,1 bilhões. A PF encontrou indícios que as operações foram executadas sem exigência de garantias e com a dispensa indevida de prêmio contratualmente previsto, o que teria gerado um prejuízo de aproximadamente R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos. [72]

Em 17 de maio de 2017, a área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) calculou em 711,3 milhões de reais o prejuízo que o BNDES teve com operações de compra de ações e debêntures (títulos de dívida) do grupo JBS. Os auditores chegaram a afirmar que houve "cessão graciosa de dinheiro público" para a empresa. O material foi um dos elementos que levaram à Operação Bullish. Os técnicos do TCU avaliam que o BNDES deixou de cobrar recursos a que tinha direito, não fiscalizou a aplicação do dinheiro aportado e nem levou em conta o alcance social do resultado das operações realizadas com o grupo.[73]

Operação Tendão de Aquiles[editar | editar código-fonte]

Em 9 de junho de 2017, a Polícia Federal realizou uma operação em São Paulo na sede da empresa JBS de busca e apreensão de material. A nova operação, em conjunto com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), apurou se houve uso indevido de informações privilegiadas por parte da JBS S/A e de sua controladora na compra e venda de dólares nos dias anteriores à delação premiada de Joesley e Wesley Batista. A operação também investigou a atuação da companhia no mercado de dólar futuro e negociações do acionista controlador FB Participações SA com ações da empresa. Foram cumpridos três mandados de busca e quatro mandados de condução coercitiva. [74]

Operação Lava Jato[editar | editar código-fonte]

Atualmente, a JBS e seus proprietários estão envolvidos no maior escândalo político do Brasil, envolvendo um Presidente da República em exercício, assim como um Senador da República. Apesar de não envolver valores tão vultosos quanto o maior escândalo de corrupção da história recente do país no Petrolão[75], os desvios realizados pelo Partido dos Trabalhadores e seus aliados na Petrobras e o escândalo da JBS são fatos comparáveis, uma vez que a delação premiada de Joesley Batista atingiu diretamente o Presidente Michel Temer, incluindo gravações de áudio e vídeo extremamente comprometedoras. Além do Presidente Temer, o Senador Aécio Neves, alvo da Operação Patmos, também foi citado e gravado pelo delator.[76]

CPI da JBS[editar | editar código-fonte]

Em 5 de setembro de 2017, o Congresso Nacional criou a CPI da JBS, uma Comissão Parlamentar de Inquérito Mista,[77] que visa apurar as supostas irregularidades praticadas pelo grupo J&F, que controla a JBS, junto a empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), ocorridos entre os anos de 2007 a 2016,[78] e o termo de colaboração do grupo com o Ministério Público Federal.[79] A CPI foi alvo de críticas de parlamentares e da imprensa por ter sido usada nas palavras de João Gualberto e Otto Alencar para constranger o Ministério Público Federal,[80][81][82][83] e alterar regras da delação premiada.[84] O senador Randolfe Rodrigues, crítico da CPI, entrou com mandando de segurança no Supremo Tribunal Federal pedindo a suspensão dos trabalhos. Segundo Randolfe, a CPI tem como objetivo o "emparedar" a independência do Poder Judiciário e do Ministério Público.[85][79]

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Marketing Best 2014 com slogan "Friboi, carne confiável tem nome"[86]
  • Troféu Ponto Extra 2012[87]
  • Maior Empresa de Alimentos e de Capital Aberto do Brasil[88]
  • Maior Empresa de Alimentos do Brasil pelo Ranking Valor 1000[89]
  • Prêmio Fimec 2012 [90]
  • Empresa que melhor se relaciona com a imprensa [91]

Referências

  1. «RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO JBS 2015» (PDF) (em inglês). JBS. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  2. http://www.bloomberg.com/quote/JBSS3:BZ
  3. a b c «RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO JBS 2015» (PDF). 3 de Maio de 2015. Consultado em 20 de Março de 2016 
  4. «JBS é a segunda maior empresa de alimentos do mundo em vendas anuais». Valor Econômico. 19 de dezembro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  5. JBS, em "Relatório Anual e de Sustentabilidade 2012"
  6. «JBS: Swift é eleita uma das marcas mais valiosas do Brasil». Beefpoint. 28 de junho de 2012. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  7. «Cinco barões brasileiros da carne se tornam bilionários com ajuda do BNDES». UOL economia. 15 de dezembro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  8. «Produtos». JBS. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  9. «JBS COMPRA SEARA, DA MARFRIG, POR R$ 5,8 BILHÕES». Epoca. 10 de junho de 2013. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  10. «JBS ANUNCIA OFERTA PARA COMPRAR A HILLSHIRE BRANDS». GeldCapital. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  11. «JBS participa da Gulfood em Dubai». AviSite. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  12. «Campanha institucional apresenta os grandes valores e as pessoas que fazem a JBS». Portal da Propaganda. 5 de janeiro de 2015. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  13. «Cade aprova compra do Grupo Big Frango pela JBS». UOL economia. 14 de janeiro de 2015. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  14. «Friboi leva mais de R$1,5 bi com venda de ações». Estadão. 28 de março de 2007. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  15. «JBS-Friboi faz mudança relâmpago em estrutura de controle acionário». Estadão. 1 de junho de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  16. «JBS Day e Resultados do Terceiro Trimestre de 2012» (PDF). JBS. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  17. «Maior doador de campanhas concentra repasses a governistas». Folha de S.Paulo. 21 de setembro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  18. «JBS: Maior doador concentra repasses a governistas». Brasil Agro. 22 de setembro de 2014 
  19. «JBS: Maior doador concentra repasses a governistas». Hoje em dia. 22 de setembro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  20. «De açougueiro a rei das carnes». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  21. «Grupo brasileiro Friboi compra frigorífico argentino Swift». 5 de setembro de 2005. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  22. «Compra da Swift coloca JBS-Friboi em 45% do mercado mundial de carne». Suinocultura. 30 de maio de 2007. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  23. «JBS-Friboi estréia no fornecimento de carne para fast-food». Revista Exame. 7 de dezembro de 2007. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  24. «Após briga, JBS desfaz sociedade com a Cremonini e vai recomeçar na Europa». Estadão. 4 de março de 2011. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  25. «www.efeedlink.com/contents/04-25-2008/d4903780-067e-4740-97d8-897664939219-a181.html». efeedlink. 25 de abril de 2008. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  26. «Big beef producer cuts deal with Tasman Group». THE AGE (english). 6 de março de 2008. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  27. http://www.aviculturaindustrial.com.br/noticia/governo-dos-eua-veta-compra-da-national-beef-pela-jbs/20081021083908_36141
  28. «JBS: justiça americana bloqueia compra do National Beef». Beefpoint. 21 de outubro de 2008. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  29. http://www.aviculturaindustrial.com.br/noticia/eua-aprovam-compra-da-pilgrims-pride-pela-jbs/20091015095751_H_636
  30. «JBS Friboi compra Pilgrim's Pride dos EUA por U$ 2,8 bilhões». Estadão economia. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  31. http://www.stockjournal.com.au/news/agriculture/cattle/beef/jbs-confirms-bid-to-buy-rockdale-beef/1782707.aspx
  32. http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/jbs-conclui-aquisicao-rockdale-beef-597739
  33. http://jbss.infoinvest.com.br/ptb/1097/INALCA%20e%20RIGAMONTI%20POR.pdf
  34. http://www.gironews.com/informacoes-de-fornecedores/jbs-compra-operacao-de-higiene-e-beleza-da-bertin-10363/
  35. http://www.freedom.inf.br/notas-bertin-higiene-e-limpeza-agora-e-da-jbs-3300.asp
  36. http://www.flora.com.br/nossa-empresa/historia
  37. Portal Exame, http://exame.abril.com.br/negocios/aquisicoes-fusoes/noticias/cade-aprova-arrendamento-de-ativos-da-frangosul-pelo-jbs-2. Visitado em 21 de agosto de 2013
  38. «JBS aluga por 5 anos fábrica da Tramonto em Morro Grande (SC)». G1 economia. 30 de janeiro de 2013. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  39. «JBS compra Agrovêneto por R$ 128 milhões». Exame.com. 5 de novembro de 2012. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  40. «JBS confirma aquisição de ativos da XL Foods nos EUA». Valor Econômico. 4 de abril de 2013. Consultado em 21 de agosto de 2013 
  41. «Cade aprova, sem restrição, a compra da Seara Brasil pela JBS». G1 economia. 12 de setembro de 2013. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  42. «Cade aprova compra da Massa Leve pela JBS». Estadão economia. 30 de maio de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  43. «JBS FOODS ADQUIRE ATIVOS DA CÉU AZUL POR R$ 246 MILHÕES». Epoca. 14 de julho de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  44. «JBS compra setor de aves da Tyson Foods no Brasil e México por US$ 575 mi». Revista Veja. 28 de julho de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  45. «JBS compra negócio de aves da americana Tyson Foods por US$ 575 milhões». O Globo. 28 de julho de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  46. «BELAGRÍCOLA CONCLUI NEGOCIAÇÃO DA BELAFOODS COM A JBS». belagrícola. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  47. http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2014/11/jbs-australia-compra-grupo-primo-smallgoods.html
  48. http://www.theaustralian.com.au/news/jbs-australia-to-buy-primo-for-145-billion/story-e6frg6n6-1227130456215
  49. http://www.suinoculturaindustrial.com.br/noticia/jbs-adquire-novos-ativos-na-australia-e-brasil/20141121090529_S_762
  50. http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKCN0J51OC20141121
  51. http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/06/marfrig-anuncia-venda-da-moy-park-para-a-jbs-por-us15-bi-20150621175503893529.html
  52. http://www.infomoney.com.br/jbsfriboi/noticia/4136022/jbs-anuncia-aquisicao-unidade-cargill-nos-estados-unidos-por-bilhao
  53. http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2015/07/jbs-compra-unidade-de-suinos-da-cargill-nos-eua-por-us145-biloes.html
  54. http://www.jb.com.br/economia/noticias/2015/07/02/ft-jbs-compra-produtora-de-carne-de-porco-nos-eua-por-us-15-bilhoes/
  55. https://br.noticias.yahoo.com/jbs-compra-neg%C3%B3cio-carne-su%C3%ADna-cargill-us-1-210200573--finance.html
  56. «JBS fecha acordo de leniência e irá pagar R$ 10,3 bilhões». O Globo. 31 de maio de 2017. Consultado em 31 de maio de 2017 
  57. Tatiana Vaz (18 de maio de 2017). «Além da JBS, de quem mais a J&F é dona». Exame. Abril. Consultado em 10 de junho de 2017 
  58. Revista Dinheiro Rural: Wesley Batista, a nova cara do JBS
  59. http://www.regiaonoroeste.com/portal/materias.php?id=105601
  60. «Friboi rompe contrato com Roberto Carlos por imagem "não confiável"». Infomoney. 10 de novembro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  61. «Roberto Carlos está processando a JBS». Globo Rural. 10 de novembro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  62. «JBS rescinde contrato com Roberto Carlos». Revista VEJA. 10 de novembro de 2014 
  63. «Roberto Carlos processa JBS após quebra de contrato milionário». G1 economia. 10 de novembro de 2014. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  64. Daniel Santini e Stefano Wrobleski (7 de agosto de 2014). «JBS é condenada por servir carne com larvas para empregados». Repórter Brasil. Consultado em 19 de outubro de 2015 
  65. «JBS fez grande compra de dólares na véspera de escândalo, afirmam jornais». Jornal do Brasil. Consultado em 19 de maio de 2017 
  66. «Ganho da JBS com compra de dólares é mais que suficiente para pagar multa». Estadão. 18 de maio de 2017. Consultado em 19 de maio de 2017 
  67. «CVM investigará se JBS lucrou com delação premiada, diz jornal». InfoMoney. 19 de maio de 2017. Consultado em 19 de maio de 2017 
  68. «Dono da JBS grava Temer dando aval para compra de silêncio de Cunha». O Globo. 17 de maio de 2017 
  69. Sadi, Andréia; Natuza Nery (2 de Dezembro de 2014). «Indicação de Kátia Abreu para a Agricultura gera atrito com grupo JBS». Folha de S.Paulo. Consultado em 2 de Dezembro de 2014 
  70. «Três empresas bancam 65% da arrecadação de presidenciáveis». Folha de S.Paulo. 7 de agosto de 2014 
  71. «Três frigoríficos da JBS que deram férias coletivas após 'Carne Fraca' retomam atividades em MT». Jornal Globo. 24 de abril de 2017. Consultado em 12 de maio de 2017 
  72. «Polícia Federal investiga fraude em aportes do BNDES à JBS». Jornal Oglobo. 12 de maio de 2017. Consultado em 12 de maio de 2017 
  73. «BNDES perde R$ 711 milhões com JBS, diz TCU». Jornal Oglobo. 17 de maio de 2017. Consultado em 17 de maio de 2017 
  74. «PF faz operação na sede da JBS em São Paulo». G1 Globo. 9 de junho de 2017. Consultado em 9 de junho de 2017 
  75. «Livro-reportagem revela os bastidores da corrupção na Petrobras | G1 - Pop & Arte - Máquina de Escrever». Máquina de Escrever 
  76. «Dono da JBS grava Temer dando aval para compra de silêncio de Cunha». Globo.com. Consultado em 19 de maio de 2017 
  77. «Instalada a CPI mista da JBS e J&F». Senado. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  78. Mirthyani Bezerra. «CPI da JBS aprova convidar Janot e convocar ex-procuradores e irmãos Batista». Uol. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  79. a b «Um terço dos membros da CPI da JBS já foi financiado pela empres\». Correio Braziliense. 13 de setembro de 2017. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  80. «CPI do Janot». O Antagonista. 13 de junho de 2017. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  81. Mirthyani Bezerra. «Integrantes da CPI da JBS dizem que comissão quer constranger o MPF e que acabará em pizza». Uol. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  82. Débora Bergamasco e Mateus Coutinho (22 de setembro de 2017). «Aliados de Michel Temer manobram CPI contra Janot e delatores da JBS». Época. Globo.com. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  83. «CPI da JBS blinda Lula, convida Janot e convoca Joesley». Último Segundo. iG. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  84. «Governo quer usar CPI da JBS para mudar regra de delação». O Antagonista. 16 de setembro de 2017. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  85. «CPI da JBS viola independência do Judiciário e do Ministério Público, afirma senador». Consultor Jurídico. 21 de setembro de 2017. Consultado em 26 de setembro de 2017 
  86. «Friboi ganha Prêmio Marketing Best 2014». Brasil Agro. Consultado em 10 de junho de 2017 
  87. «Conheça os vencedores do Troféu Ponto Extra 2012». Portal Aspas. Consultado em 20 de agosto de 2013 
  88. Página do jornal DCI, http://www.dci.com.br/especiais/2012/premiodci/vencedores/. Visitado em 20 de agosto de 2013.
  89. «Ranking Valor 1000». Valor Econômico. Consultado em 20 de agosto de 2013 
  90. Troféu Desempenho Exportação, http://www.gruposinos.com.br/internaNoticias.asp?codNoticia=74. Consultado em 20 de agosto de 2013.
  91. «Prêmio "Empresas que Melhor se Comunicam com Jornalistas"». Revista Negócios da Comunicação. Consultado em 20 de agosto de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.