Jack Smith (realizador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jack Smith
Nascimento 14 de novembro de 1932
Columbus
Morte 18 de setembro de 1989 (56 anos)
Manhattan
Cidadania Estados Unidos
Ocupação diretor de cinema, fotógrafo, ator, ator de cinema, diretor de fotografia
Causa da morte morte por AIDS

Jack Smith (14 de novembro de 1932 - 18 de setembro de 1989) foi um cineasta, ator e pioneiro do cinema underground americano. É geralmente aclamado como o pai fundador da arte de performance americana e tem sido reconhecido pela crítica pela sua qualidade como fotógrafo, embora seus trabalhos fotográficos sejam raros e permaneçam em grande parte desconhecidos.

Vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Smith foi criado no Texas, onde fez seu primeiro filme, Buzzards over Baghdad,[1] em 1952. Mudou-se para Nova Iorque em 1953.[2]

A mais famosa das produções de Smith é Flaming Creatures (1963), uma sátira aos filmes B de Hollywood e uma homenagem à atriz Maria Montez, que protagonizou muitas dessas produções. No entanto, as autoridades consideraram algumas cenas pornográficas e as cópias do filme foram confiscadas no dia da estreia e o filme foi posteriormente banido. Apesar de não ser possível vê-lo atualmente, o filme ganhou alguma notoriedade quando foram exibidas algumas cenas durante as audiências no Congresso dos EUA e Strom Thurmond, um político conservador, mencionou o filme nos seus discursos anti-pornografia.

O filme seguinte de Smith, Normal Love, foi o único em toda a obra de Smith com uma duração quase convencional (120 minutos), e contou com várias estrelas underground, incluindo Mario Montez, Diane di Prima, Tiny Tim, Francis Francine, Beverly Grant, John Vaccaro e outros. Todas as suas outras produções são curtas-metragens, muitos delas nunca exibidas em cinemas, mas apresentadas em performances e constantemente reeditadas para se adequarem às necessidades do evento (incluindo Normal Love).

Smith também trabalhou como ator, nos seus filmes e nos filmes de outros realizadores. Foi o protagonista do filme inacabado de Andy Warhol, Batman Drácula,[3] e no filme Blonde Cobra de Ken Jacobs, e fez parte do elenco de várias produções teatrais de Robert Wilson .

Também trabalhou como fotógrafo e fundou o Hyperbole Photographic Studio em Nova Iorque. Em 1962, lançou The Beautiful Book, uma coleção de fotos de artistas de Nova Iorque, que foi republicada em fac-símile pela Granary Books em 2001.

Depois do seu último filme, No President (1967), Smith foi autor de teatro experimental e de performance até à sua morte, em 25 de setembro de 1989, de pneumonia associada a SIDA.[4]

Espólio[editar | editar código-fonte]

Em 1989, Penny Arcade, um artista de performance novaiorquino, tentou salvar o trabalho de Smith do seu apartamento, após a sua longa luta contra a SIDA e subsequente morte. Arcade tentou preservar o apartamento para o transformar num museu dedicado a Jack Smith e à sua obra, porque Smith o tinha transformado num cenário elaborado para o seu filme épico Sinbad in a Rented World, que nunca viria a ser filmado, mas o seu esforço falhou.

Até recentemente, o arquivo de Smith era co-administrado por Arcade, em conjunto com o historiador de cinema J. Hoberman, por intermédio da sua empresa, The Plaster Foundation, Inc. Dez anos após a morte de Smith, a fundação, funcionando apenas com donativos e boa vontade, restaurou todos os filmes de Smith, criou uma grande retrospectiva, com curadoria de Edward Leffingwell[2] no PS 1, o Contemporary Arts Museum, agora parte do MOMA, voltou a colocar os seus filmes no circuito de distribuição internacional e publicou vários livros sobre Jack Smith e seu trabalho.

Em janeiro de 2004, o Tribunal de Justiça de Nova York ordenou a Hoberman e a Arcade que devolvessem o arquivo de Smith à sua herdeira legal, Sue Slater. Hoberman e Arcade argumentaram que Sue Slater tinha abandonado o apartamento de Jack e o seu conteúdo (a Fundação criou o arquivo e tomou posse da obra somente após 14 anos de tentativas repetidas e documentadas de comunicação com a herdeira). Num julgamento rápido, a juíza Eve Preminger rejeitou o argumento da fundação e entregou o arquivo a Sue Slater.

Em outubro de 2006, a fundação ainda não tinha entregado o arquivo de Jack Smith, alegando a falta de pagamento de despesas associadas à preservação do mesmo, numa tentativa de que a obra de Smith fosse entretanto comprada por uma instituição pública que pudesse protegê-la e apresenta-la ao público. Segundo o curador Jerry Tartaglia, o diferendo foi resolvido em 2008, com a compra do espólio de Smith pela Gladstone Gallery.

Impacto[editar | editar código-fonte]

Smith foi um dos primeiros defensores da estética que veio a ser conhecida como 'camp' e 'trash', usando meios de produção improvisados para criar um cosmos visual fortemente influenciado pelo kitsch de Hollywood e pelo orientalismo, e com o fime Flaming Creatures crou a cultura drag como é atualmente conhecida. Smith esteve fortemente envolvido com John Vaccaro, fundador de The Playhouse of the Ridiculous, cujo desprezo pela prática teatral convencional influenciou profundamente as ideias de Smith sobre a arte de performance. Por sua vez, Vaccaro foi profundamente influenciado pela estética de Smith. Foi Vaccaro quem introduziu Smith ao glitter e, em 1966 e 1967, Smith criou o guarda-roupa para o filme Playhouse of The Ridiculous de Vaccaro. O estilo de Smith influenciou o trabalho cinematográfico de Andy Warhol, bem como os primeiros trabalhos de John Waters. Apesar de os três fazerem parte do movimento de artes gay dos anos 1960, Vaccaro e Smith refutaram a ideia de que a sua orientação sexual era definidora da sua arte.[5]

Filmografia selecionada[editar | editar código-fonte]

Por Jack Smith
  • 1952: Buzzards Over Baghdad [2]
  • 1961: Scotch Tape
  • 1963: Flaming Creatures (p/b, 46 minutos)
  • 1963: Normal Love (120 minutos)
  • 1967: No President (a / k / a The Kidnapping of Wendell Willkie por The Love Bandit, cerca de minutos)
Com Jack Smith como ator
  • 1960: em Little Stabs at Happiness de Ken Jacobs[2]
  • 1963: em Blonde Cobra de Ken jacobs
  • 1963: em Queen of Sheba Meets the Atom Man, de Ron Rice
  • 1964: em Chumlum de Rice
  • 1965: em Camp de Andy Warhol
  • 1966: em Hedy de Warhol (também conhecido como Hedy, o Shoplifter), protagonizado por Mario Montez e Mary Woronov
  • 1971: em Up Your Legs Forever de John Lennon e Yoko Ono[6]
  • 1974: em Silent Night, Bloody Night de Ted Gershunny, protagonizado por Mary Woronov, Patrick O'Neal, John Carradine, Candy Darling, Ondine e Tally Brown
  • 1989: em Shadows in the City, de Ari Roussimoff (Frankenhooker)

Referências

  1. «Forever Flaming: Jack Smith at MoMA - The L Magazine». www.thelmagazine.com (em inglês). Consultado em 18 de outubro de 2018 
  2. a b c d "Film Examines Art-World Provocateur" Arquivado em 2007-06-28 no Wayback Machine. By David Ebony, Art in America, May '07, p.47. Retrieved 2-3-09. Includes photos of Smith in pre-production for Flaming Creatures and in Shadows in the City.
  3. Watson, Steven (2003), "Factory Made: Warhol and the Sixties" Pantheon Books, pp. 51-54
  4. Penny, Arcade. «The Last Days and Moments of Jack Smith». Consultado em 17 de setembro de 2013 
  5. Jones, Sonya L. (1998), Gay and Lesbian Literature Since World War II: History and Memory, ISBN 0-7890-0349-X, Haworth Press, p. 18 
  6. Jonathan Cott (16 de julho de 2013). Days That I'll Remember: Spending Time with John Lennon & Yoko Ono. [S.l.]: Omnibus Press. ISBN 978-1-78323-048-8 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hoberman, J., On Jack Smith's 'Flaming Creatures' (And Other Secret-Flix of Cinemaroc), New York: Granary Books, 2001
  • J. Hoberman e Leffingwell, Edward (eds. ), Espere por mim no fundo da piscina: os escritos de Jack Smith, Nova York e Londres: Livros de alto risco e PS1, 1997
  • Johnson, Dominic. Glorious Catastrophe: Jack Smith, Performance and Visual Culture, Manchester e Nova York: Manchester University Press, 2012
  • Leffingwell, Edward (Kismaric, Edward and Carole & Heiferman, Marvin, eds. ) Flaming Creature: Jack Smith, His Amazing Life and Times, London: Serpent's Tail, 1997
  • Reisman, D. "In the Grip of the Lobster: Jack Smith Remembered", Millennium Film Journal 23/24, Winter 1990-91.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]