Jacques Fesch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jacques Fesch
Nome nativo Jacques Fesch
Nascimento 6 de abril de 1930
Saint-Germain-en-Laye
Morte 1 de outubro de 1957 (27 anos)
Cidadania França
Ocupação diarista
Religião Igreja Católica
Causa da morte decapitação

Jacques Fesch, em português chamado Tiago Fesch (1930-1957), foi um jovem criminoso francês de caráter místico religioso, encarcerado durante três anos na prisão de Santé, célebre prisão de Paris, e guilhotinado aos 27 anos, no dia 1 de Outubro de 1957, devido a um duplo crime em cometido em Fevereiro de 1954: um assalto de um cambista acompanhamento e a morte de um polícia.

Jacques Fesch nasceu em 6 de Abril de 1930 em Saint-Germain-en-Laye. Ele é de origem belga e da mesma família como do Cardeal Joseph Fesch. O seu pai, Georges Fesch, era diretor de um banco belga para estrangeiros instalada em França.

Aos vinte anos, prestando serviço militar na Alemanha, casou-se como uma rapariga de Saint Germain-en-Laye, sua cidade natal. Nasceu-lhes uma filha, Verónica.

Decepcionado por uma vida sem ideal, consciente de sua decadência, tendo perdido tudo, acha que enontrará a salvação numa viagem em volta ao mundo. Queria comprar un barco para navegar.

O sonho se transforma em ideia fixa, que vai levá-lo a trágica agressão.

Na prisão, despetertou-se-lhe a fé há muito adormecida. Fé que cresceu com sua conversão, vivificouse interiormente e, passo a passo, conduziu-o por ásperas veredas no ascendente caminho da ascese, até fazê-lo atingir os cumes da mística. Sua ascensão espiritual é realmente excepcional.

Em 1987, um processo de beatificação da sua pessoa foi aberto pelo Cardeal Jean-Marie Lustiger, Arcebispo de Paris.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Jacques Fesch, cartas da prisão: Luz sobre o andaime e célula 18.

Brazil: Cartas de um condenado. A.-M. Lemonnier, Cartas da prisão de Jacques Fesch, guilhotinado aos 27 anos. Apresentação de Michel Quoist. Coleção « Perspectivas », Edições Paulinas, São Paulo, 1978.