Jafar ibne Ali ibne Hamdune

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Abu Ali Jafar ibne Ali ibne Hamdune
Nascimento século X
Nacionalidade Califado de Córdova
Ocupação Almirante

Abu Ali Jafar ibne Ali ibne Amade ibne Hamdune/Hamdane (Abu Ali Ja'far ibn Ali ibn Ahmad ibn Hamdun/Hamdan), também chamado só como Jafar, o Andalusino (Ja'far al-Andalusi)[1] ou ibne Hamdune,[2] foi oficial militar muçulmano de origem berbere do século X do Califado de Córdova do Alandalus. De início serviu ao Califado Fatímida da Ifríquia, mas depois mudou de lado e se aliou aos magrauas e ao hájibe cordovês Almançor.

Vida[editar | editar código-fonte]

Magrebe em finais do século X

Jafar era um príncipe berbere zeneta,[2] filho de Ali ibne Hamdune. Senhor de Massila, na Ifríquia, aceitou servir o Califado Fatímida, tornando-se governador (emir) de Zabe. Segundo ibne Calicane, era um patrono generoso e amigo dos homens de letras para quem alguns poemas admiráveis foram compostos por Abu Alcácime ibne Hani.[1] Em 971, abandonou a fidelidade aos fatímidas, aliou-se aos magrauas de Alcair ibne Maomé e reconheceu a suserania do Califado de Córdova do Alandalus. Juntos, derrotaram e mataram o sanhaja Ziri ibne Manade, um antigo inimigo de Jafar que havia sido enviado contra eles.[3]

Pouco depois, Bologuine ibne Ziri continuou a guerra contra Jafar e seus aliados, obrigando-os a marchar para oeste.[1] Segundo ibne Calicane, Jafar precisou migrar ao Alandalus, onde foi morto em 974-975, porém ainda estava vivo e ativo no Magrebe nos anos subsequentes. Em 975-976, segundo uma lista existente, Jafar era governador do Magrebe Ocidental em nome de Córdova e em seu séquito estavam vários nobres magrauas: Maomé, Mucatil, Cazerune, Fulful e Bacsas.[3] Ele tinha grande prestígio entre os soldados e foi importante aliado do hájibe cordovês Almançor, com quem se reuniu em 980.[4][5]

Referências

  1. a b c ibne Calicane 1842, p. 326.
  2. a b Sánchez 2002, p. 250.
  3. a b Yver 1986, p. 1176.
  4. ibne Darrai 1979, p. 29.
  5. Moral 2005, p. 97.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ibne Calicane, Xemece Aldim Abulabas Amade ibne Maomé (1842). «Ibn Khallikan's Biographical Dictionary, Vol. I. Trans. Bn. Mac Guckin de Slane». Paris: Oriental Translation Fund of Great Britain and Ireland 
  • ibne Darrai, Amade ibne Maomé (1979). Almanzor en los poemas de Ibn Darrāy. Traduzido por Garrido, Margarita La Chica. Madri: Anubar 
  • Moral, Angel Encinas (2005). Cronología histórica de Al-Andalus. Madri: Miraguano Ediciones 
  • Sánchez, Nicolás Caparrós (2002). El califa sin nombre: Crónicas de Al-Mansur. Madri: Editorial Biblioteca Nueva 
  • Yver, G. (1986). «Maghrawa». The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume V: Khe–Mahi. Leida e Nova Iorque: BRILL. ISBN 90-04-07819-3