Jaguaruana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Município de Jaguaruana
"Terra da rede"
Brasão de Jaguaruana
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 4 de setembro de 1865
Gentílico jaguaruanense
Prefeito(a) Roberto Barbosa Moreira (Roberto Da Viúva) (PTN)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Jaguaruana
Localização de Jaguaruana no Ceará
Jaguaruana está localizado em: Brasil
Jaguaruana
Localização de Jaguaruana no Brasil
04° 50' 02" S 37° 46' 51" O04° 50' 02" S 37° 46' 51" O
Unidade federativa Ceará
Mesorregião Jaguaribe IBGE/2008[1]
Microrregião Baixo Jaguaribe IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Itaiçaba, Aracati, Quixeré, Palhano, Russas, Baraúna (Rio Grande do Norte)
Distância até a capital 183 km
Características geográficas
Área 867,251 km² [2]
População 32 239 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 37,17 hab./km²
Altitude 20 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,654 médio PNUD/2000[4]
PIB R$ 184 525,823 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 5 742,39 IBGE/2008[5]

Jaguaruana é um município brasileiro do estado do Ceará, localizado no Vale do Jaguaribe. Muito conhecida como "terra da rede".

História[editar | editar código-fonte]

A data da sua criação é 4 de Setembro de 1865, sendo instalada em 4 de Março de 1866. Toponímia de Onça Preta. Variação toponímicade união.

Chamou-se primitivamente de Caatinga do Góis, depois União e finalmente o nome atual. Suas origens remontam às primeiras décadas da segunda metade do Século XVIII, quando em 1771, Dona Feliciana Soares da Costa, viúva de Simão de Góis, doou terras para construir a primitiva capela. Com essa doação, além da capela, geraram-se em torno de sua liderança precedentes gregários dos quais se formaria o Município de Jaguaruana.

Durante cerca de setenta anos, são escassas as referências sobre a evolução desse reduto, o que, entretanto, não exclui o seu crescimento que o colocaria em estágio de progresso. Com o advento da Lei Geral de 1830, que autoriza a criação de Distritos de Paz na Província, a povoação de Catinga de Góes figura no elenco das que seriam contempladas. Como forma de dar cumprimento ao disposto contido na Lei Geral, tem-se como instrumento de execução a Lei de 3 de dezembro de 1832, originária da Câmara Municipal do Aracati, ficando a instalação na dependência de autorização governamental. Essa autorização, no entanto, deixaria de ser expedida, considerando para tanto estar curada a capela da povoação, conforme se deduz de Ofício Presidencial datado de 23 de janeiro de 1833.

As primeiras manifestações de apoio eclesial datam do ano de 1761, quando da doação do patrimônio respectivo, feita por D. Feliciana Soares da Costa. Essa doação consta de escritura pública, lavrada no Cartório de Lázaro Lopes Bezerril, Tabelião do Aracati em 6 de Outubro de 1761. A capela, que terá sido edificada cerca de quatro anos antes do registro cartorário, a expensas de D. Feliciana, tem como padroeira Nossa Senhora Santana. Tem-se como instrumento de criação da Freguesia, a Lei nº 1.083, de 4 de dezembro de 1863, e canonicamente sacralizada a 19 de dezembro do mesmo ano. Consta como seu primeiro vigário o padre Alexandre Corrêa de Araújo Melo, natural do Aracati e empossado a 31 de janeiro de 1864. Outros religiosos marcantes que passaram pela paróquia de Santana: Côn. Agostinho José de Santiago Lima, Padre Marcondes, Padre Façanha (do Céu) e Padre Raimundo Barbosa (atual).

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município de Jaguaruana corresponde a 0,66% da área do estado do Ceará.

Recursos hídricos: Rio Jaguaribe, Riacho Araibu, Lagoa do Lagamar e Rio Campo Grande

Bairros[editar | editar código-fonte]

Bairros Localização
Alto Norte
Bairro do Dió; Leste-Sul
Cardeais Leste-Sul
Centro Centro
COHAB Norte
Córrego das Melancias Oeste
DNOCS Leste
Lagoa Leste
Juazeiro Sul
Tabuleiro Norte-Leste

Distritos[editar | editar código-fonte]

Afogados;

Antonópolis;

Assentamento Bela Vista;

Borges;

Caatiguinha;

Caiçara;

Campo Grande;

Carnabal;

Córrego do Machado;

Curralinho da Barra;

Curralinho do Patos;

Figueiredo;

Figueiredo do Bruno;

Furtuoso;

Giqui;

Giqui de Baixo;

Horta;

Jurema;

Jureminha;

Lagoa da Esperança (Lagoa dos Porcos);

Lagoa Vermelha;

Mata Fresca;

Mato Fernandes (Aroeira);

Matinho;

Mutambas;

Novo Distino;

São José (São José do Lagamar);

Santa Luzia;

Sargento;

Saquinho;

Pasta Branca;

Pasta Vermelha;

Patos;

Poró;

Pitombeira;

Volta;

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de precipitação em 24 horas
registrados em Jaguaruana por meses (INMET)[6]
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 98,3 mm 18/01/1974 Julho 64,9 mm 02/07/2017
Fevereiro 132,6 mm 24/02/1979 Agosto 19,4 mm 30/08/2008
Março 112,3 mm 21/03/1995 Setembro 29,7 mm 18/09/1974
Abril 115,3 mm 20/04/1984 Outubro 25,5 mm 07/10/2014
Maio 83,2 mm 03/05/2009 Novembro 11 mm 19/11/2014
Junho 83,4 mm 08/06/2006 Dezembro 36,2 mm 22/12/2011
Período dos dados: 01/10/1969 a 12/12/1971, 01/04/1973 a 31/12/1984 e a partir de 01/02/1992

O clima do município é atípico para uma região sertaneja, pois mesmo ficando perto do Oceano Atlântico e, portanto, bem longe dos efeitos da continentalidade ou altitude, é comum a queda de granizo em pleno sertão em épocas cíclicas períodos com intervalos de aproximadamente uma década ou duas, quando os efeitos do La Niña tornam-se superiores. O último registro de queda de granizo em Jaguaruana ocorreu no dia 10 de março de 2008.[carece de fontes?] A média da pluviometria anual é de 720 mm, concentrados de fevereiro a maio.

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1969 a 1971, 1973 a 1984 e a partir de 1992, a menor temperatura registrada em Jaguaruana foi de 14,5 °C em 24 de julho de 1980,[7] e a maior alcançou 38,5 °C em 5 de outubro de 2016.[8] O maior acumulado de precipitação em 24 horas chegou a 132,6 milímetros (mm) em 24 de fevereiro de 1979. Outros grandes acumulados iguais ou superiores aos 100 mm foram: 115,3 mm em 20 de abril de 1984, 115,1 mm em 26 de fevereiro de 2012, 112,3 mm em 21 de março de 1995, 111,3 mm em 3 de abril de 2008, 103 mm em 25 de abril de 2007 e 101 mm em 23 de fevereiro de 1980.[6] Abril de 1984 foi o mês de maior precipitação, com 515,2 mm.[9]

Dados climatológicos para Jaguaruana
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 37,8 37,7 38,2 37,3 37,2 37,6 37,8 37,7 37,6 38,5 37,7 37,5 38,5
Temperatura máxima média (°C) 34 33,6 32,6 32,1 32,1 32,1 32,8 33,9 34,8 34,8 34,6 34,4 33,5
Temperatura média compensada (°C) 28,1 27,9 27,5 27,2 27 26,5 26,5 27 27,7 28 28,3 28,4 27,5
Temperatura mínima média (°C) 24 24 23,9 23,7 23,4 22,3 21,8 21,6 22,2 22,9 23,5 24 23,1
Temperatura mínima recorde (°C) 19,9 20,3 20,6 20,7 19 16,9 14,5 16,3 17,8 18,8 18,2 20 14,5
Precipitação (mm) 62,9 92 192,1 186,8 107,3 43,6 17,3 7,1 2,6 2,2 0,8 9,4 724,1
Dias com precipitação (≥ 1 mm) 5 7 13 15 10 6 3 1 0 0 0 1 61
Umidade relativa compensada (%) 71,1 74,6 79,7 82 79,2 74,5 69,1 64,7 62,2 64 66,1 67,6 71,2
Horas de sol 237,4 206,1 202,7 198,8 230 231 254,5 283,6 291,1 308,2 294,3 272,6 3 010,3
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (normal climatológica de 1981-2010;[10] recordes de temperatura:
01/10/1969 a 12/12/1971, 01/04/1973 a 29/10/1977, 29/05/1978 a 31/12/1984 e a partir de 01/02/1992)[7][8]

Demografia[editar | editar código-fonte]

  • População de acordo com o censo de 2010: 32.239 hab.
  • Densidade demográfica de (hab/km²) 34,73.

Religião[editar | editar código-fonte]

Na cidade a Igreja Católica tem um grande número de seguidores a Igreja Matriz - Paróquia Senhora Sant'Ana é sede do catolicismo na cidade. Os jovens tem a opção de irem ao Shalom que fica nas imediações da Igreja Matriz.

As igrejas evangélicas tem também uma grande representatividade, como a Igreja Assembleia de Deus, Igreja Batista, Igreja Universal e a Igreja Mundial do Poder de Deus. As Testemunhas de Jeová tem suas atividades desde 1982, recentemente tem feito um bom trabalho com os surdos, usando material disponibilizado no site deles.[11]

Ainda há as demais religiões, como Umbanda, Candomblé.

Segundo o censo de 2010, na cidade de Jaguaruana existem 28.820 habitantes da religião católica, 2.017 da religião evangélica e 68 espíritas.[12]

Política[editar | editar código-fonte]

Três famílias se destacam na política de Jaguaruana: (a) Jaguaribe, tendo Francisco (Chico) Jaguaribe sido prefeito do município 4 vezes e seu filho Raimundo Francisco 2 vezes; (b) Almeida, prefeito Joaquim Rebouças de Almeida, José Milton de Almeida (vice-prefeito) e por fim José Augusto de Almeida sendo prefeito por três mandatos (dois consecutivos) e que desde 1992 se elege e elege prefeitos no município, ficando conhecido como o homem que bota e que tira (seu Zé botou, seu Zé tirou); (c) Barbosa, Manezinho Barbosa foi prefeito 3 vezes e sua neta Ana Teresa foi eleita nas últimas eleições (2012). Nas eleições municipais de 2016, o candidato Roberto da Viúva ganhou a eleição da então prefeita Ana Teresa.

Economia[editar | editar código-fonte]

Setor primário[editar | editar código-fonte]

Na agricultura tem o cultivo da banana, caju, manga, algodão, mandioca, milho e feijão.

Na pecuária tem a criação de bovinos, de suínos e de aves.

Jaguaruana também se destaca no cultivo de camarão em cativeiro, com uma vasta área produtiva.

Setor secundário[editar | editar código-fonte]

No município há a presença da indústria têxtil com grande produção de redes e colchões, da indústria de tintas, de uma das unidades do Grupo Telles (Agropaulo) que opera na fazenda lagoa vermelha produzindo Etanol, pecuária leiteira e de corte e muitas outras atividades Agroindustriais empregando em média 400 funcionários, entre outras.

Repasse do ICMS em 1995: R$-540.770,90.

Renda Interna Municipal 1995: R$-11.337,00.

Renda Per Capita 1995: US$-597.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

  • Distância da capital em linha reta: 144 km.
  • Distância por rodovia: 183 km.
  • Vias de acesso à capital: CE's 263, 123 e 040, BR's 116 e 304.
  • Abastecimento de água: 1.601 ligações.
  • Energia elétrica: N° de consumidores: 4.980. Total consumo: 1.029.734.[carece de fontes?]

Educação[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com uma Escola Estadual de Educação Profissional Francisca Rocha Silva aonde conta com cursos Técnico em Administração, Técnico em Agronegócios, Técnico em Meio Ambiente e Técnico em Redes de Computadores.

Recentemente também foi instalado na cidade de Jaguaruana um Campus Avançado do IFCE. O Campus tem os cursos Técnico em Informática e Técnico em Computação Gráfica.[13] Tem havido uma procura entre alunos do Vale Jaguaribe (dentre eles Palhano, Russas e Icapui)

No município conta com duas escolas particulares: Colégio Pontes Barbosa (carinhosamente apelidada de Vovó Pontes ou CPB), conta com aulas do Maternal ao ensino médio; UNIC, que tem atendido crianças do Maternal ao ensino fundamental.

  • Rede Estadual Pré-Escolar 1° e 2° Grau: 7
  • Rede Municipal Pré-Escolar 1° e 2° Grau: 5

N° de alunos matriculados

  • Rede Estadual Pré-Escolar: 245
  • 1° Grau: 1.690
  • 2° Grau: 253
  • Rede Municipal Pré-Escolar: 106
  • 1° Grau: 980
  • 2° Grau: 162.

Saúde[editar | editar código-fonte]

O município possui 14 unidades básicas de saúde para pronto atendimento a população divididas em comunidades da zona rural e urbana. No Centro da cidade se encontram um posto de saúde e o Hospital e Maternidade Nossa Senhora da Expectação.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Carnaval[editar | editar código-fonte]

O carnaval de Jaguaruana é a manifestação cultural que mais traz pessoas para ao município[carece de fontes?]. Tendo como eventos mais tradicionais o mela-mela que é realizado na avenida e na praça central do município, com festejos acontecendo com bandas de axé, onde os foliões utilizam para sua diversão spray de espuma, farinha de trigo e maisena, e a Festa no Rio Jaguaribe que é realizada no período da manhã a beira do Rio Jaguaribe, agitada por bandas de axé e as clássicas marchinhas carnavalescas no trio elétrico. Desde 2010 teve início a micareta Jaguar Fest.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - precipitação (mm) - Jaguaruana». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 30 de maio de 2018. 
  7. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura mínima (°C) - Jaguaruana». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 30 de maio de 2018. 
  8. a b «BDMEP - série histórica - dados diários - temperatura máxima (°C) - Jaguaruana». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 30 de maio de 2018. 
  9. «BDMEP - série histórica - dados mensais - precipitação total (mm) - Jaguaruana». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 30 de maio de 2018. 
  10. «NORMAIS CLIMATOLÓGICAS DO BRASIL». Instituto Nacional de Meteorologia. Consultado em 30 de maio de 2018. 
  11. «Testemunhas de Jeová — site oficial | jw.org». JW.ORG 
  12. «IBGE | Cidades | Ceará | Jaguaruana | Síntese das Informações». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 9 de fevereiro de 2018. 
  13. «Home — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE». ifce.edu.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]