Jaime Bayly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jaime Bayly
Nascimento
Lima,  Peru
Prémios Prémio Herralde (1997)
Género literário Romance, conto
Movimento literário Pós-modernismo

Jaime Bayly ou Jaime Bayly Letts (Lima, Peru, 19 de fevereiro de 1965) é um escritor e jornalista peruano.

Bayly é o terceiro filho de uma prole de dez crianças. Ele freqüentou a Pontificia Universidad Católica del Peru (comumente conhecida simplesmente por Universidade Católica do Peru) no início da década de oitenta mas não chegou a diplomar-se. Ele é um grande crítico da organização católica conservadora Opus Dei, da qual fez parte durante a sua juventude. Bayly divorciou-se de sua ex-esposa Sandra, com quem teve duas filhas, e é um bissexual publicamente assumido (ver seção Ligações externas, ao pé desta página). Por isso tem os sobrenomes de "O Menino terrivel" e de "Gayly"

Desde abril de 2007 Bayly atua como host de um programa de televisão chamado "El Francotirador". Ele também escreve semanalmente uma coluna que é publicada pelo jornal local "CORREO".

Apresentador de televisão[editar | editar código-fonte]

Bayly foi apresentador de vários programas de televisão na América Latina e atualmente (em 2007) ele é entrevistador do show Bayly do canal WSBS-TV, de segunda à sexta, às dez horas da noite no horário EST dos Estados Unidos Mega TV.. Este programa é quase uma réplica de seu programa peruano "El Francotirador", porém com maior teor anti socialista, com referências freqüentes a Fidel Castro e Hugo Chavez. Apesar de Bayly exibir uma agenda liberal em relação a assuntos sociais, ele mantém posicionamentos mais conservadores quanto à política e economia.

A personalidade singular e os posicionamentos sociais controversos exibidos por Bayly podem ser observados claramente nesta gravação em vídeo. Aqui Bayly responde às acusações de cunho homofóbico feitas na mídia por Isaac Humala Núñez, um renomado advogado laboral peruano e também o idealizador do chamado Movimiento Etnocacerista, um grupo de etno-nacionalistas peruano. Isaac Humala Núñez também é pai de Ollanta Humala, um dos candidatos presidenciais proeminentes nas eleições nacionais do Peru de 2006 e a quem Bayly muitas vezes havia criticado em seus programas de televisão semanais. Isaac Humala Núñez manteve contato com o escritor peruano Mario Vargas Llosa durante os anos universitários quando ele o teria apresentado aos conceitos do marxismo-leninismo; e Issac Humala Núñez figura no livro de Mario Vargas Llosa Conversación en La Catedral, publicado em 1969, uma obra que o autor disse ser a primeira que ele salvaria dum fogo (eventual), se necessário...

Escritor[editar | editar código-fonte]

Bayly iniciou sua carreira de escritor em Madrid, Espanha, aos vinte e cinco anos de idade, em 1994, orientado pelo escritor peruano Mario Vargas Llosa. Vargas Llosa o apresentou a editora espanhola (Editorial) Seix Barral que publicou os seus primeiros contos. Em 1997 ele publica a sua quarta obra, desta vez com a empresa Editorial Anagrama, vindo a receber o prêmio Herralde de Novela, outorgado pela mencionada casa publicadora. Os seus seguintes três livros também são publicados pela editora Anagrama. Finalmente, em 2002, Bayly publica a sua oitava e subseqüentes obras juntamente à casa Editorial Planeta. O seu décimo conto foi um dos finalistas do Premio Planeta 2005, ficando em segundo lugar ante Pasiones romanas de María de la Pau Janer.

Muitos dos contos de Bayly giram em torno da homossexualidade. Outros elementos recorrentes em suas obras são cenas da cidade de Lima, a alta sociedade e os conflitos nas relações interpessoais.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • No Se lo Digas a Nadie (1994), filme de Francisco J. Lombardi, em 1998.
  • Los Últimos Días de la Prensa, (1996).
  • Fue Ayer y no me Acuerdo, (1997).
  • La Noche es Virgen, (1997).
  • Yo Amo a mi Mami, (1999).
  • Los Amigos que Perdí, (2000).
  • Aquí no hay Poesía, (2001)
  • La Mujer de mi Hermano, (2002), filme de Ricardo de Montreuil, em 2004.
  • El Huracán Lleva tu Nombre, (2004).
  • Y de Repente, un Ángel, (2005), finalista do Prêmio Planeta.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Homofobia

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.