Jaime IV da Escócia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jaime IV
Rei da Escócia
James IV of Scotland.jpg
Governo
Reinado 11 de junho de 14889 de setembro de 1513
Coroação 26 de junho de 1488
Consorte Margarida Tudor
Antecessor Jaime III
Sucessor Jaime V
Dinastia Stewart
Títulos Duque de Rothesay
Vida
Nascimento 17 de março de 1473
Morte 9 de setembro de 1513 (40 anos)
Flodden, Northumberland, Inglaterra
Filhos Jaime
Artur
Jaime V
Alexandre
Pai Jaime III
Mãe Margarida da Dinamarca

Jaime IV Stuart, (17 de março de 1473 - 9 de setembro de 1513) foi o Rei da Escócia a partir de 11 junho de 1488 até a sua morte. Ele é geralmente considerado como o mais bem sucedido dos monarcas Stuart na Escócia, mas o seu reinado terminou com a desastrosa derrota na batalha do campo de Flodden, onde se tornou o último monarca da Escócia, não só, mas também de toda a Grã-Bretanha, a ser morto em batalha.

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Jaime era o filho de Jaime III e Margarida da Dinamarca, provavelmente nascido no Castelo de Stirling. Como herdeiro da coroa escocesa, ele tornou-se duque de Rothesay. Em 1474, seu pai arranjou o seu noivado com a princesa Cecília da Inglaterra.[1] Seu pai não era um rei popular e enfrentou duas grandes rebeliões durante o seu reinado. As negociações de casamento e pagamentos do dote levou à invasão da Escócia e captura de Berwick em 1482 por seu tio Alexander, duque de Albany e Ricardo, duque de Gloucester, enquanto Jaime permaneceu em Stirling. O exército de Jaime III rebelou-se contra ele e o exército Inglês chegou a Edimburgo.[2]

Durante a segunda rebelião, os rebeldes investiram a Jaime, com 15 anos de idade, como seu líder nominal.[3] Seu pai foi morto em combate por rebeldes na Batalha de Sauchieburn em 11 de junho de 1488, e Jaime assumiu o trono e foi coroado em Scone em 24 de junho. Quando ele percebeu o papel indireto que tinha desempenhado na morte de seu pai, ele decidiu fazer penitência por seus pecados. A partir dessa data, ele usava uma cadeia de cilício de ferro pesado em torno de sua cintura, ao lado da pele, cada Quaresma como penitência, acrescentando onças cada ano extra.[4]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Jaime IV ordenou a Kirk of Steill a ser construída em 1500, por ocasião do Jubileu cristão, e para comemorar seu resgate próximo do rio Tweed.

Jaime IV rapidamente se mostrou um governante eficaz e um sábio rei. Derrotou outra rebelião em 1489, teve participação direta na administração da justiça e, finalmente, trouxe o Senhor das Ilhas sob controle em 1493. Por um tempo, ele apoiou Perkin Warbeck, pretendente ao trono Inglês, e realizou uma breve invasão da Inglaterra em seu nome, em setembro de 1496. Então, em agosto de 1497, Jaime sitiou o Castelo de Norham, usando bombardas.

Jaime reconheceu, no entanto, que a paz entre a Escócia e a Inglaterra era do interesse de ambos os países, e estabeleceu boas relações diplomáticas com a Inglaterra, que estava naquele tempo a emergir de um período de guerra civil. Primeiro, ele ratificou o Tratado de Ayton, em fevereiro de 1498. Então, em 1502, Jaime assinou o Tratado de Paz Perpétua com Henrique VII. Ele também manteve suas relações com a França. Com rumores de que o rei iria renovar a Velha Aliança, em abril 1508 Thomas Wolsey foi enviado para discutir as preocupações de Henrique VII sobre isso. Wolsey encontrado "nunca houve um homem pior bem-vindo à Escócia do que eu, ... eles mantem seus assuntos tão secretos aqui que as mulheres no mercado conhecem todos os motivos da minha vinda."[5]

James viu a importância na construção de uma frota que poderia fornecer a Escócia, com uma presença marítima forte. Fundou duas novas docas para o propósito e adquiriu um total de 38 navios para a Marinha Real Escocesa, incluindo a Margaret, e a carraca Michael ou Grande Michael. Este último, construído em grande despesa em Newhaven e lançado em 1511, tinha 73 metros de comprimento, pesava 1.000 toneladas e foi, na época, o maior navio da Europa.[6]

Cultura[editar | editar código-fonte]

O crescente prestígio de Jaime IV permitiu ao monarca negociar como um igual com outros soberanos europeus, mas entrou em conflito com Henrique VIII. Em 1512, Jaime aliou-se com a França para lutar contra a Inglaterra. Quando Henrique VIII invadiu a França no ano seguinte, James decidiu, mesmo com a oposição de seus conselheiros, socorrer seus aliados avançando nos territórios ingleses. Ela capturou quatro castelos no norte da Inglaterra em Agosto de 1513, mas sua tropa foi desastrosamente derrotada na Batalha de Flodden, perto de Branxton, em 9 de Setembro de 1513. O Rei foi morto enquanto lutava, e a maioria de seus nobres foi deteriorizada. Jaime deixou um filho legítimo, seu sucessor Jaime V. Ele tinha muitos filhos bastardos, dos quais muitos tornaram-se figuras prominentes da Escócia.

Verdadeiro aos ideais da Renascença, Jaime IV fez de sua corte um centro de refinamento e aprendizagem. Ele patronizou a literatura, licenciou os primeiros pintores escoceses e aperfeiçoou educação.

Descendentes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Marshall, Rosalind K.. Scottish Queens, 1034–1714 (em inglês). [S.l.]: Tuckwell Press, 2003. p. 85.
  2. Macdougall, Norman, James IV, pp. 5-7.
  3. Hammond, P. W.. Richard III: Loyalty, Lordship and Law. Richard III and Yorkist History Trust, 1986. pp. 149. ISBN 0948993014
  4. Lindsay of Pitscottie, Robert, The History of Scotland, Robert Freebairn, Edimburgo (1778), 149.
  5. Macdougall, Norman, James IV, (1997), p.254: Letters James IV, SHS (1953) p.xlii, 107-111: Pinkerton, John, History of Scotland from the Accession, vol.2 (1797), p.449, imprime a carta de Wolsey na íntegra e atribui a Nicolas West.
  6. Macdougall, Norman, James IV, Tuckwell (1997); chapter 'Royal Obsession: The Navy', pp. 223–246.
Precedido por
Jaime III
Rei da Escócia
1488 - 1513
Sucedido por
Jaime V