Jair Antonio da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético. (desde outubro de 2018)
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{ER|6|2=~~~~}}, regra n° 6 da eliminação rápida.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde outubro de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jair Antonio da Silva
Primeiro prefeito municipal de Ewbank da Câmara
Prefeito de Ewbank da Câmara Minas Gerais
Período 1 de setembro de 1963
até 31 de janeiro de 1967
Vereador de Santos Dumont Minas Gerais
Período 1 de fevereiro de 1959
até 26 de agosto de 1963
(dois mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento 10 de maio de 1926 (92 anos)
Ewbank da Câmara Minas Gerais
Nacionalidade brasileira
viúvo Maria da Conceição Ferreira e Silva (1931-2014)
Partido PTB, MDB, PP e PMDB (desde 1981)
Religião católico
Profissão contador

Jair Antonio da Silva (Ewbank da Câmara, 10 de maio de 1926) é um político brasileiro mineiro.

É ex-vereador do município de Santos Dumont, como representante do distrito de Ewbank da Câmara, buscando a emancipação político-administrativa do mesmo. Em 1963 foi eleito, por sufrágio universal, primeiro prefeito do município de Ewbank da Câmara.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância[editar | editar código-fonte]

Filho da união de Orlinda Bárbara da Silva e Jacintho Cardoso da Silva, casou-se com Maria da Conceição Ferreira e Silva (Dores do Paraibuna).

Educação[editar | editar código-fonte]

Estudou na Academia de Comércio de Juiz de Fora, no período de 1941 a 1942, onde lhe foi conferido o diploma de "Auxiliar de Comércio", e no Departamento de Assistência aos Municípios (DAM), em Belo Horizonte, MG.

Em 1968, participou do curso sobre a "Idade Média" na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), e de "Difusão Universitária" em 1981, promovido pelo Centro Latino-americano de Parapsicologia (CLAP), Faculdade de Filosofia Nossa Senhora Medianeira (São Paulo).

Em 1969, foi aprovado em concurso de provas promovido pelo DAM, obtendo o "Certificado de Contador" da Prefeitura Municipal de Ewbank da Câmara, assinado pelo professor João Franzen de Lima, então secretário do Interior e Justiça do Estado de Minas Gerais. Neste mesmo ano, realizou o curso de "Organização dos Serviços de Secretaria", na cidade do Rio de Janeiro e, o curso sobre "Fundo de Participação dos Municípios" na cidade de Juiz de Fora, ambos ministrados pelo Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM), e o curso de "Treinamento e Capacitação para Funções do Núcleo de Assistência e Orientações Fiscais", na cidade de Belo Horizonte, oferecido pela Superintendência Regional da Receita Federal da 6.ª Região (Minas Gerais). Em 1970, concluiu o curso "Básico de Administração Municipal" (Juiz de Fora), promovido pela Superintendência de Articulação com os Municípios (SUPAM).

Em 1978, fez o curso de "Introdução às Relações Públicas, Humanas e Psicologia" (Juiz de Fora), oferecido pelo Programa Nacional de Orientação (Pronor) - Incentivo Cultural. Em 1980, foi oa "5.º Seminário Micro-Regional sobre o Meio Ambiente do Vale do Paraibuna", na cidade de Juiz de Fora, organizado pela Comissão de Política Ambiental (COPAM), do Governo do Estado de Minas Gerais. Em 1989, participou do curso "A Nova Constituição Estadual e o Processo de Elaboração da Leis Orgânicas Municipais", sob os auspícios da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais.

Matrimônio[editar | editar código-fonte]

Tiveram seis filhas (Maria Lúcia, Ângela Maria, Heloísa Helena, Maria Aparecida, Rita de Cássia e, Márcia Maria) e quatro filhos (Jair Antonio, Luiz Fernando, Geraldo Eustáquio e, Cláudio Francisco), atualmente bisnetas e bisnetos.

Em 2014 comemoraram, as Bodas de Platina (65 anos de matrimônio).

Política e administração pública[editar | editar código-fonte]

Exerceu dois mandatos como vereador do município de Santos Dumont, como representante do distrito de Ewbank da Câmara, no período de 1959 à 1963 e, de 1 de fevereiro à 26 de agosto de 1963, quando renunciou ao restante do mandato de vereador para assumir o mandato de primeiro prefeito municipal eleito por Ewbank da Câmara, em setembro de 1963 até janeiro de 1967. Como representante do distrito de Ewbank da Câmara, buscou a emancipação político-administrativa. Atuou ainda como chefe da Secretaria do prefeito de Santos Dumont, MG, durante o mandato de José Ferreira Gomes, no período de 1977 a 1981.[nota 1]

Município de Ewbank da Câmara[editar | editar código-fonte]

Atravpes do ofício que assinou como então Secretário da Comissão Pró-Emancipação do distrito de Ewbank da Câmara, em 10 de fevereiro de 1962[1], foram apresentados todos os documentos à Comissão pelo Deputado Estadual Wilson Modesto Ribeiro (Partido Trabalhista Brasileiro - PTB). Assim, o distrito de Ewbank da Câmara foi elevado à município de Ewbank da Câmara, através da Lei Estadual n.º 2.764, sancionada pelo então governador do Estado de Minas Gerais, José de Magalhães Pinto, em 30 de dezembro de 1962. No artigo 6.º da referida lei encontra-se disposto que as eleições nos novos municípios fossem realizadas em 120 dias após a instalação administrativa e, no artigo 7.º cada município será administrado por um intendente até a realização das eleições. No caso do município de Ewbank da Câmara, Antonio Garcia de Almeida foi nomeado intendente municipal, exercendo o cargo no período de março à agosto de 1963.

Primeira eleição municipal[editar | editar código-fonte]

Em cumprimento ao determinado no artigo 6.º da Lei Estadual n.º 2.764, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) publicou, em 10 de fevereiro de 1963, a data para as eleições nos novos municípios, qual seja, dia 30 de junho de 1963. No que se refere ao município de Ewbank da Câmara, candidatou-se ao cargo de prefeito municipal pelo PTB, ainda vereador pelo distrito de Ewbank da Câmara em Santos Dumont, em sua segunda legislatura, e pela União Democrática Nacional (UDN) candidatou-se o Sr. Geraldo Ferreira de Sá, Gerente na empresa "Laticínios Avenida Ltda". Por sufrágio universal, foi eleito o primeiro prefeito do município de Ewbank da Câmara, com 383 votos, ou seja, 62,37% do total da votação, tendo como vice-prefeito o Sr. Pedro da Silva Cunha (PTB), que concorreu ao cargo juntamente com o Sr. João Carreira Júnior (UDN).

Coincidindo com a institucionalização dos poderes constituídos do município de Ewbank da Câmara, o Executivo e o Legislativo, tomou posse, em 1 de setembro de 1963, como prefeito[nota 2], ao lado do vice-prefeito, Sr. Pedro da Silva Cunha, e cada um dos vereadores que, a partir de então, passaram a compor a Câmara Municipal daquela gestão: pelo PTB os Srs. Nabor Augusto de Castro, presidente da Câmara de Vereadores; Francisco Antonio de Abreu Filho, vice-presidente; Pedro Clarindo de Oliveira, secretário; Antônio Ribeiro Mendes; Pedro Celestino da Silva; e Antônio de Pádua Oliveira; e pela UDN os Srs. Artur de Oliveira Souza; Geraldo Leite de Oliveira; e Lucas Thompson. Todos os eleitos assumiram seus cargos públicos com mandato até 31 de janeiro de 1967. O alicerce político-administrativo de Ewbank da Câmara foi então consolidado, logrando êxito, em particular, todo o seu trabalho e toda a sua dedicação, atuando incansavelmente na concretização da emancipação municipal de Ewbank da Câmara com relação ao município de Santos Dumont.[2]

Desafios e oportunidades[editar | editar código-fonte]

Nos anos seguintes após a emancipação, a população, notavelmente rural desde os primeiros assentamentos no então povoado de Tabuões do século XIX até a constituição do município no início da década de 1960, passou a ser majoritariamente urbana. Evidentemente, este processo gerou pressão sobre a administração pública municipal, no sentido de encontrar soluções para aumentar e aprimorar a disponibilidade de serviços públicos.[3]

Água e saneamento[editar | editar código-fonte]

Durante a primeira administração municipal de Ewbank da Câmara, houve um considerável esforço de superação e aprimoramento dos serviços públicos urbanos então existentes. Este desafio foi vencido, levando-se a cabo várias obras públicas destinadas a contornar as condições de saneamento nas novas ruas que foram criadas no município, com a construção de bueiros e da respectiva canalização; expansão dos sistemas de captação, da capacidade do reservatório (de 26 mil para 62 mil litros d'água) e dos encanamentos de distribuição de água potável; e renovação e instalação de novos sistemas de escoamento pelos esgotos.

Energia elétrica[editar | editar código-fonte]

Como resultado de gestões junto às instituições estaduais da área de energia, iniciadas na primeira administração do município e concluídas já na segunda administração, em 20 de fevereiro de 1968, a cidade de Ewbank da Câmara foi interligada às Centrais Elétricas de Minas Gerais S.A. (Cemig). A partir de então, a concessão que havia sido outorgada para a exploração pública do serviço no município pela Companhia Lacticínios Alberto Boeke cessou de produzir efeitos.[4] Este passo foi dado em função da crescente demanda local por energia elétrica que se verificava, ano após ano, tanto para uso residencial quanto industrial e comercial.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Na área de comunicações, um problema aparentemente simples que consistia na ausência de nomenclatura das vias urbanas e da respectiva numeração de cada uma das edificações nelas construídas, foi solucionado também durante a primeira administração do município. Como a mudança do nome da avenida principal de Raul Soares para Santo Antônio e a atribuição de nomes para várias ruas do município, novas e antigas (rua Espírito Santo, Dona Rosa, Antônio Ribeiro Novaes, São Geraldo, Abílio Bittar, Alfredo Rodrigues de Oliveira, Antônio Lamy, André Gribel, Antônio Macêdo, Ibrahim Bittar Sobrinho, Custódio Ferreira da Costa e Nossa Senhora Aparecida e outras ), a entrega de correspondências pelos Correios e a instalação e a verificação do uso de telefones comerciais e residenciais, nos endereços que se tornaram popularmente conhecidos dentre os moradores do município, ficaram imensamente facilitadas.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Com a chegada da rodovia BR 040, que nos anos 60 passou a interligar a antiga capital federal do Rio de Janeiro à nova capital que o então presidente da República Federativa do Brasil, Dr. Juscelino Kubitschek de Oliveira, instalou em Brasília, Distrito Federal, em 1961, no planalto central do território brasileiro, melhores oportunidades de acesso automotivo às cidades circunvizinhas e mais longínquas foram abertas, em detrimento do uso dos serviços ferroviários existentes no município de Ewbank da Câmara desde o fim do século XIX. Em 1969, a avenida Santo Antonio do município recebeu pavimentação asfáltica para interligar o centro da cidade à rodovia BR-135 (hoje BR-040) em dois pontos principais de acesso, em decorrência de reivindicações ao governo estadual iniciadas na primeira administração do município.[5] Assim, com a principal via urbana e as vias de transportes interurbanas pavimentadas para automóveis, ônibus e caminhões e mediante o incremento na demanda municipal por oportunidades de educação, saúde, trabalho, etc., a população ewbankense intensificou, desde os anos 60, suas relações interurbanas sem qualquer precedente na história do município.

Educação[editar | editar código-fonte]

Na área de educação, o município herdou o primeiro prédio escolar inaugurado pelo então governador do Estado de Minas Gerais, Sr. José Francisco Bias Fortes, em 20 de janeiro de 1961, ainda no período em que Ewbank da Câmara era distrito de Santos Dumont. Em 1962, esta escola, então chamada de "Escolas Combinadas de Ewbank", acomodava nove professoras que lecionavam para 310 alunos. No mesmo ano, a escola teve o seu nome foi modificado em ato assinado pelo secretário de educação do Estado de Minas Gerais, passando a ser chamada de "Escolas Reunidas de Ewbank". Com a criação do município, a escola passou em 1964 a ter um patrono municipal, sendo a nova denominação "Escolas Reunidas Antônio Macêdo". Um ano mais tarde, com a assinatura do decreto n.° 8.820, em 12 de outubro de 1965, pelo então governador do Estado de Minas Gerais, Sr. José de Magalhães Pinto, a escola recebeu o nome de "Grupo Escolar Antônio Macêdo", responsável pelo ensino fundamental de 1.ª à 4.ª série no município.

Saúde[editar | editar código-fonte]

A saúde pública atendia às necessidades da população de forma precária e quase informal. Um 'posto de saúde' funcionava na rua Abílio Bittar para atendimento de socorro aos cidadãos que se apresentavam enfermos ou acidentados. Contudo, todos os casos mais graves eram imediatamente encaminhados para o hospital de Santos Dumont que atendia às cidades circunvizinhas daquele município. A cidade não dispunha de maternidade, assim como não dispõe até hoje, sendo os partos naturais normalmente feitos por parteiras competentes e de reputação elevada entre os moradores ewbankenses. Cesarianas eram, e são, comumente encaminhadas para maternidades em Santos Dumont e Juiz de Fora. Contudo, coube à primeira administração do município a aquisição de um terreno de 406 m², em 1965, na mesma rua Abílio Bittar[6], para a construção de um posto de higiene ou saúde pelo Estado de Minas Gerais, que fosse moderno e equipado com uma ambulância para atendimento das necessidades de saúde da população ewbankense.

Segurança[editar | editar código-fonte]

Por fim, mas não menos importante, a segurança pública foi tema que recebeu sua dedicada atenção. Ewbank da Câmara não dispunha de delegacia de polícia. A segurança era provida de forma precária e quase-pessoal por um farmacêutico, então designado sub-delegado de polícia local, Sr. João Carreira Júnior. Com o intuito de fortalecer a segurança municipal e a manutenção da ordem pública, foi realizada uma adaptação da edificação da antiga escola municipal, que se localizava na avenida Santo Antônio e a mesma removida para a rua Abílio Bittar, para o funcionamento da delegacia municipal, manutenção do destacamento policial e realização de detenções de menor gravidade. O Sr. José Theodoro Quetz foi designado delegado de polícia, assumindo o comando da delegacia de polícia ewbankense.

Honra ao mérito[editar | editar código-fonte]

O seu trabalho pela emancipação de Ewbank da Câmara e na primeira administração municipal estabeleceu os pilares para a edificação do desenvolvimento socioeconômico do município. Mesmo após o término de seu mandato como primeiro prefeito, continuou a participar, sempre com notória urbanidade, do debate político partidário no Legislativo Municipal. Numa demonstração de reconhecimento por essa contribuição ímpar para o desenvolvimento de Ewbank da Câmara, recebeu, em 2001, dentre outras personalidades ewbankenses, o diploma de Honra ao Mérito do Poder Legislativo do município.[7] Na cerimônia de diplomação, que contou com a presença de várias autoridades locais e da região, foram destacadas atividades que empreendeu em prol do bem-estar da sociedade de Ewbank da Câmara, as quais remontam aos anos de trabalho com sua postura ética frente ao Executivo municipal.

Religião e música sacra[editar | editar código-fonte]

A religiosidade se fez presente desde a infância. Entre 1938 e 1947, esteve integrado, em Ewbank da Câmara, à Congregação Nossa Senhora das Graças e São Luiz Gonzaga da igreja católica, sendo reconhecido por participar das indulgências, graças, favores, e privilégios espirituais de que gozam as Congregações Marianas agregadas à Prima-Primaria de Roma", na Itália.[8] Seguindo com o entronização do Sagrado Coração de Jesus, em sua redisencia em 1960 pelo Pe. Cláudio de Jong. Tambén dedicou-se aos estudos dos textos religiosos em retiros espirituais, e.g. Curso Superior de Religião da Fundação Santa Terezinha, São Paulo, 1961, e a formação catequética adquirida no Departamento Diocesano Religioso de Juiz de Fora, em 1962.

De sua vida religiosa advém, na segunda metade dos anos 40, o aprendizado do harmônio pertencente à Igreja de Santo Antônio em Ewbank da Câmara. Tomava aulas com um cidadão ewbankense bem reconhecido localmente pelo seu talento musical, Sr. Sebastião Miranda, e estudava o Método de Harmônio do Pe. João Batista Lehmann. Não tardou muito quando passou a tocar regularmente, com nítida destreza nas mãos, durante as missas realizadas na Igreja de Santo Antônio, assim como na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção, em Paula Lima, e na Igreja de São José, em Chapéu D'Uvas, especialmente nas festas religiosas. Um coro de vozes, do qual fazia parte, entoava, em sintonia com o potente som emitido pelo harmônio, temas de música sacra em português e latim, incluindo canto gregoriano, dentre elas, o Hino Oficial das Congregações Marianas; Hino à Nossa Senhora Aparecida; Ave Maria; Queremos Deus; A Jesus Redentor; Coração Santo; Estrela do Mar; Noite Feliz; Eia meninos à Porfia; Salve Regina cœlitum; Tantum Ergo Sacramentum; Adeste, fideles; Magnificat; Somewhere, my love (Tema de Lara), e a não menos importante Marcha Nupcial, que tocou em incontáveis cerimônias de casamento durante décadas.

Cultura e banda musical[editar | editar código-fonte]

Fundada em 1923, a Corporação Musical "Sete de Setembro", que participaram de comemoração das datas cívicas e as festas anuais do padroeiro da cidade, Santo Antonio, e demais celebrações religiosas (e.g., Natal, Nossa Senhora da Conceição Aparecida). As performances, que cativavam a alma da população, ocorriam nas ruas da cidade e no coreto que então existia na frente da Igreja de Santo Antonio. Os músicos, que em sua maioria eram cidadãos ewbankenses, beneficiavam-se da cessão sem ônus do salão da Sociedade de São Vicente de Paulo, da qual fazia parte, para realizar os ensaios da banda musical. Contudo, em meados dos anos 50, constatou-se a existência de já-bem-usados e poucos instrumentos musicais e escassos assessórios utilizados pelos músicos da corporação (i.e., dois baixos, duas clarinetas, dois saxes, dois trombones, um bombardino, um bombo, um caixa, um par de pratos e um tarol).

Foi em resposta a esta situação da banda de música ewbankense que, em 1955, atuando em coordenação com ao presidente da Corporação Musical, Sr. Jorge da Silva Gomes, e o regente, Sr. Sebastião Alves Pereira, organizaram um grande leilão, com vistas angariar fundos para a aquisição de novos instrumentos musicais e assessórios. O leilão foi realizado com inúmeras prendas doadas pela comunidade ewbankense. Houve ainda sorteio de prendas individuais e recebimento de doações em espécie. Essas iniciativas geraram os recursos financeiros necessários para a aquisição na casa Musicografia, Ubaldo de Abreu, em São Paulo, de um baixo tuba, um bombardino, um trombone, dois saxes, uma maçaneta para bombo, seis esticadores para pandeiro, três paletas, um par de correias para pratos, um talabarte para surdo, uma surdina para trombone, um par de baquetas para caixa, um par de baquetas para surdo, um método para clarineta, dentre partituras e outros assessórios. Dessa forma, contribuiu ativamente para renovação necessária dos instrumentos e assessórios na banda musical municipal. Ainda se pode ver e ouvir as performances da Corporação Musical em Ewbank da Câmara - com ainda mais novos e modernos instrumentos musicais e assessórios - nos eventos cívicos e religiosos do município.

Esporte e gestão esportiva[editar | editar código-fonte]

Com a doação pelo Sr. Abílio Bittar de um terreno situado próximo à area urbana do então distrito em 1947, para a abrigar a sede do campo de futebol, e a fundação do Esporte Clube Ewbankense, uma sociedade civil com finalidade de difundir práticas e jogos esportivos na comunidade e o intercâmbio social e esportivo com sociedades congêneres em âmbito nacional, foram estabelecidas as bases para o desenvolvimento dos esportes para a juventude local. Desde então, esteve participando das atividades do clube como jogador de futebol. Ao fim da década de 50, continua a contribuir para essas atividades, porém na qualidade de dirigente do clube ao assumir a sua presidência por dois mandatos consecutivos (1959-1960). Muitos anos mais tarde, retornou à presidência para ainda cumprir mais quatro mandatos (1986, 1988, 1989, 1990). Acrescente-se ainda que, mesmo quando não esteve a frente do clube, esteve sempre atuando para que as atividades esportivas do clube não sofressem solução de continuidade por motivos políticos, esportivos, financeiros, dentre outros. Foi homenageado em 1999, pela direção do Esporte Clube Ewbankense, no ano de seu cinquentenário, em reconhecimento pelo seu irrestrito apoio ao clube.[9]

Digno de nota, um dos fatos mais marcantes na história do Esporte Clube Ewbankense, para sempre seu time do coração, foi a partida de futebol, em 1971, na sede do clube entre as equipes juvenis do Club de Regatas Vasco da Gama e o Clube de Regatas do Flamengo - time de que era e é torcedor. Juntamente com várias autoridades ewbankenses, recepcionou as delegações dos clubes na cidade. Jogaram a preliminar à partida principal o Esporte Clube Ewbankense e o Esporte Clube Comercial (Santos Dumont). E em seguida os dois clubes cariocas se enfrentaram, sendo o resultado da partida 2 x 1: vitória do Flamengo com um gol de falta, marca registrada no futebol brasileiro, de Zico, Arthur Antunes Coimbra, que viria mais tarde a se tornar um dos ícones do futebol mundial.[10] Guarda em sua biblioteca pessoal em Ewbank da Câmara um exemplar do livro "Viva Zico", publicado no Japão em 1992, que descreve este momento histórico ilustrado com uma foto dessa partida singular.[11]

Cidadania e solidariedade[editar | editar código-fonte]

Durante uma década, de 1952 a 1962, presidiu a Conferência de Santo Antonio no seio da Sociedade de São Vicente de Paulo, uma associação de pessoas que se congregavam, e assim ainda fazem, para juntas exercer a prática do bem, visitando e assistindo a quem necessite, em observância ao ensinamentos Evangélicos de Jesus Cristo e à proteção da Virgem Maria. Entendendo que o bem estar da sociedade ewbankense compreendia ações de cidadania e solidariedade perante os conterrâneos menos favorecidos, engajou-se fielmente ao propósito de mobilizar a comunidade ewbankense no sentido de promover a assistência a quem mais necessitava.

A Conferência de Santo Antonio da Sociedade de São Vicente de Paula em Ewbank da Câmara estava subordinada ao Conselho Central de Juiz de Fora, que, por sua vez, estava integrado ao Conselho Geral de Paris, na França. A ação global da associação consistia em realizar "obras de caridade e benevolência aos pobres, aos enfermos, às crianças, aos cegos, etc."[12] Mesmo após o término do período em que esteve à frente da Conferência de Santo Antonio, jamais se afastou dos propósitos e do espírito da associação durante toda sua vivência comunitária em Ewbank da Câmara. Em 2002, foi o Destaque do Ano do Jornal do Povo (Santos Dumont) pelo "brilhante trabalho realizado em prol do engrandecimento da comunidade e região".[13]

Saúde e terceira idade[editar | editar código-fonte]

Sempre gozou de boa saúde, até mesmo quando entrou na terceira idade.[nota 3] Essa condição de saúde, porém, não implicava necessariamente em ausência de alguma medicação ou de tratamento fisioterapêutico ou de soluções para problemas de saúde nesta fase da vida, os quais eram acompanhados pelo Dr. Márcio Fernandes Borges, médico geriatra, em Juiz de Fora. A partir da última década, a sua condição cardíaca tornou-se um problema recorrente, sendo necessário que tomasse regular e continuamente medicamentos de controle da pressão alta. Ao lado desses medicamentos, estavam outros relacionados ao controle da próstata que vinha fazendo há quase duas décadas, em especial com o Dr. Newton Ferreira, urologista, também em Juiz de Fora. Além disto, fazia sessões de fisioterapia destinadas ao tratamento de lombociatalgia no Centro Municipal de Saúde de Ewbank da Câmara. E, finalmente, ainda sofria – e sofre – de deficiência auditiva, a qual era e é corrigida moderadamente com o auxílio de um aparelho auditivo configurado de acordo com os resultados de testes de audiometria.

Pneumonia[editar | editar código-fonte]

Então com 87 anos, acompanhou a sua esposa, a Sra. Maria da Conceição Ferreira e Silva, em uma visita à Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora no dia 7 de setembro de 2013, haja vista que ambos apresentavam sinais de tosse alérgica e febre alta. Foram submetidos a exames de raios-X, sendo que o resultado não indicou pneumonia. Mesmo assim, medicamentos adequados aos seus quadros clínicos foram prescritos. Deveriam tomar os medicamentos nos próximos dez dias, quando se esperava a recuperação plena de ambos.

Todavia, no dia 9 de setembro de 2013, os seus quadros não apresentaram melhoras. Ambos passaram mal nas noites anteriores. Por isso, acabaram sendo levados novamente à Santa Casa de Misericórdia em Juiz de Fora, onde a sua esposa foi internada para acompanhamento médico em face dos riscos advindos das suas condições respiratórias e de saúde. No seu caso, foi reavaliado, sendo constatada uma infecção nas vias respiratórias. Novos medicamentos lhe foram prescritos, ficando ele aguardando a análise dos resultados de exames solicitados pelo infectologista.

No dia 11 de setembro de 2013, estavam internados no mesmo hospital. A internação da sua esposa havia ocorrido por causa de graves problemas respiratórios, sendo confirmado posteriormente que ela estava com pneumonia. Esse quadro afetou sua condição cardíaca, vindo ela a sofrer de arritmia (taquicardia), sendo medicada prontamente. Por sua vez, a sua internação ocorreu no dia 11 de setembro de 2013, também com graves problemas respiratórios, sendo posteriormente confirmado que também estava com pneumonia. O seu quadro causou arritmia (bradicardia), tendo corrido risco de vida naquele dia. Ambos foram medicados à base de antibióticos intravenosos para controlar as infecções respiratórias.

Estenose aórtica[editar | editar código-fonte]

Receberam alta da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora no dia 19 de setembro de 2013. A internação da sua esposa durou 11 dias, enquanto a sua internação nove dias, ambos com “pneumonia bacteriana não especificada”. Ainda no hospital, foi submetido ao exame Holter 24 horas que consiste no registro digital dos batimentos cardíacos vis-à-vis o registro das atividades realizadas pelo paciente durante o dia e a noite. O resultado deste exame foi recebido pelo médico após a sua alta hospitalar.

Diante dos episódios relevantes detectados no exame, o médico solicitou o seu comparecimento a uma nova consulta no dia 23 de setembro de 2013. Nessa consulta, foi informado do diagnóstico de um agravamento da estenose da válvula aórtica (estreitamento do orifício de passagem sanguínea no coração a partir do ventrículo esquerdo). Nessas condições delicadas, o médico cardiologista, Dr. Sérgio Castro Pontes, prescreveu-lhe um medicamento que é utilizado em tratamento da insuficiência cardíaca congestiva severa e da hipertensão arterial.

A partir daí, passou a ter uma evolução positiva das condições de hipertensão arterial e de insuficiência cardíaca. Ainda assim, ocorreram dois episódios preocupantes de queda de pressão arterial e de batimentos cardíacos, sendo um no dia 9 de outubro e outro no dia 19 de outubro de 2013, causando-lhe tontura, vista turva, palidez, desorientação e prostração. Não houve mudanças nos medicamentos no primeiro episódio, mas houve a suspensão em pelo menos um dia do medicamento então prescrito no segundo episódio. Suas condições de saúde passaram a exigir uma vigilância constante.

No dia 27 de outubro de 2013, sentiu-se extremamente mal. Ele foi socorrido em sua residência dos sintomas de tontura acentuada, quase desmaio (síncope), queda na pressão arterial e nos batimentos cardíacos, decorrentes dos seus graves problemas de insuficiência cardíaca e de hipertensão arterial sistêmica, inclusive com risco de vida. Isso conforme o Dr. Sérgio Castro Pontes alertou aos seus filhos no dia 29 de outubro de 2013, em Juiz de Fora, numa consulta marcada para que pudessem receber informações e orientações sobre o seu quadro (e da sua esposa) e sobre como tratá-los numa emergência. Foi então sugerido o implante de uma prótese de válvula aórtica.

Bioprótese e marca-passo[editar | editar código-fonte]

Passou a se sentir frequentemente mal com sintomas de respiração difícil (dispneia), quase desmaio, queda na pressão arterial e nos batimentos cardíacos, decorrentes dos seus graves problemas de insuficiência cardíaca e de hipertensão arterial sistêmica. Diante de tal quadro de estenose aórtica severa que vinha se agravando a cada dia, em particular desde setembro de 2013, o médico Dr. Leônidas Alvarenga Henriques, cardiologista, decidiu, no dia 20 de dezembro de 2013, após uma avaliação com uma equipe médica multidisciplinar, pelo procedimento de implante percutâneo de prótese aórtica (Transcatheter Aortic Valve Implantation - TAVI), qual seja, da bioprótese sugerida pelo Dr. Sérgio Castro Pontes.[14]

Tratava-se de um procedimento cirúrgico de alto risco em função da sua idade avançada e que iria requer cuidados de recuperação pós-operatória especialmente adequados ao caso. Realizados todos os exames necessários, o Plano de Saúde da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora aprovou, no dia 31 de dezembro de 2013, o procedimento prescrito pelo Dr. Leônidas Alvarenga Henriques e a cirurgia passou a ser então planejada para ocorrer no dia 8 de fevereiro de 2014 naquele mesmo hospital, inclusive com a vinda do Dr. Luiz Antonio Ferreira Carvalho, médico especialista em implantes percutâneos no Hospital Pró-Cardíaco, no Rio de Janeiro. Além disto, previa-se o implante de um marca-passo temporário durante o procedimento e também a possibilidade de um implante definitivo no dia 10 de fevereiro de 2014, neste caso pela equipe do Dr. Felipe de Souza Possani, médico cardiologista.

Consequentemente, na iminência da realização da cirurgia pelos médicos que iriam implantar uma válvula artificial no lugar da válvula aórtica do seu coração, um procedimento sem precedentes na Unidade de Hemodinâmica da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, não era difícil imaginar o quanto esse evento lhe causou estresse, inclusive à esposa (que lhe apoiava incondicionalmente).[nota 4] Enfim, a toda família e aos amigos que lhe eram caros e que realmente se preocupam com a sua saúde e da sua esposa. A decisão de fazer ou não a cirurgia era muito complicada, mas um fator pesou infinitamente mais do que todos: de que ele iria fazer a cirurgia para recuperar a sua saúde para seguir cuidando da sua esposa, a Sra. Maria da Conceição Ferreira e Silva, com toda atenção e dedicação que lhe dispensou em quase seis décadas e meia de matrimônio.

Reconvalescimento[editar | editar código-fonte]

Jair Antonio da Silva e Maria da Conceição Ferreira e Silva celebram as suas Bodas de Diamante na Igreja de Santo Antonio, Ewbank da Câmara, em junho de 2009.

Os procedimentos de implantes (prótese de válvula aórtica e marca-passo) foram realizados com sucesso. O espírito corajoso e confiante na vontade divina e na competência médica - tanto seu quanto da sua esposa - permitiu que superassem aqueles momentos tão difícéis. Mais uma lição de suas vidas era dada a todos. Estima-se que, pelo fato de nunca ter feito uso de bebidas alcoólicas e de quaisquer tipos de produtos fumigenos, de ter seguido hábitos saudáveis de alimentação e de laser, de ter tido uma vida conjugal delineada por fortes convicções morais e éticas, os resultados dos exames pós-operatórios indicaram a retomada de uma jovialidade impressionante. Já na terceira idade, seu único e grave problema de saúde – a insuficiência cardiorrespiratória – foi superado.

Entretanto, enquanto se encontrava convalescendo dos procedimentos de implantes em sua casa, foi ainda acometido de um processo infeccioso que o levou a mais uma internação de dez dias, a partir do dia 6 de março de 2014, para ser tratado à base de antibióticos. Ao retornar, seguiu outro tratamento para cuidar de uma infecção nas pernas, que seguiam intermitentemente com edemas (inchaços). Contudo, nada parecia o deter mais. A partir de abril de 2014, ficou evidente que já estava numa curva ascendente de reconvalescimento, voltando a fazer efetivamente o que se propusera a seguir fazendo antes do procedimento de implante da prótese aórtica: cuidar da sua esposa.

Porém, por uma fatalidade do destino, cinco meses após ter sua vida renovada, viu a sua virtuosa e querida esposa ir partindo dessa vida. Renovou as suas forças no dia 11 de julho de 2014 e nos dias que se seguiram a este dia. Continua hoje vivendo a sua vida na terceira idade com os seus costumeiros cuidados com a sua saúde e com a profissão inabalada da sua . Afinal, como confidenciou a um de seus filhos, se ficou, enquanto a sua esposa se foi, é porque ainda tem muito a oferecer, seja a quem for e onde for. Por tudo isso, é um exemplo de vida, tanto quanto a Sra. Maria da Conceição Ferreira e Silva foi ao longo de toda a sua vida.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. No dia 30 de agosto de 2014, o Sr. Jair Antonio da Silva concedeu entrevista em sua residência em Ewbank da Câmara para a Produtora de Multimeios da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Esta entrevista foi incluída na Edição Especial do Programa Mosaico sobre Ewbank da Câmara, dentro do projeto Memórias da Zona da Mata Mineira, e transmitida pela TV Educativa (TVE), Canal 12 de Juiz de Fora, em 15 de setembro de 2014. Esta Edição Especial foi publicada no canal do Programa Mosaico no Youtube.
  2. Discurso do prefeito eleito e empossado pela Câmara Municipal: Exmo. Sr. Vereador Nabor Augusto de Castro, presidente da Câmara Municipal de Vereadores. Exmo. Sr. Dr. Afonso Geraldo Soares Ferreira, Primeiro Juiz de Direito e Juiz Eleitoral desta Comarca. Exmo. Sr. Dr. Orlando Rodrigues da Costa, Segundo Juiz de Direito desta Comarca. Exmo. Sr. Dr. Plorival Pereira de Castro, Promotor de Justiça desta Comarca. Exmo. Sr. Wilson Modesto Ribeiro, Deputado Estadual do PTB. Exmo. Sr. Orlando Nério Rossi, Prefeito Municipal de Santos Dumont. Exmo. Sr. João de Souza Guilarducci, Prefeito Municipal de Aracitaba. Vereadores de Santos Dumont, Aracitaba e Ewbank da Câmara. Demais autoridades civis, militares e religiosas presentes. Meus senhores, minhas senhoras. Sua Santidade o Papa João XXIII de saudosa memória, em sua Encíclica pacem in terris, em suas considerações sobre a "ordem entre os seres humanos", diz que, entre outras cousas, que três fenômenos caracterizam a nossa época. 1. A gradual ascensão econômico-social das classes trabalhadoras, partindo das reivindicações de seus direitos econômico-social, avançam sobre os direitos políticos e culturais. 2. Em segundo lugar, verifica-se o ingresso da mulher na vida pública, reivindicando direitos e deveres consentâneos, tanto na vida familiar como na vida social, não permitindo mais ser tratada como um objeto ou instrumento. 3. Como terceiro fenômeno, diz que em nossos dias, evoluiu a sociedade para padrão social e político completamente novo, estando superadas seculares opiniões que admitiam classes inferiores e classes superiores, derivadas de situação econômico-social, sexo ou posição, observando que hoje nenhuma comunidade quer estar sujeita ao domínio de outras. Portanto, torna-se necessário, principalmente por parte de nós católicos, compreender, aceitar e resolver estas situações dentro da Doutrina Social da Igreja, base da minha pregação durante a campanha eleitoral. Sendo estes fenômenos universais, sentimos os seus agravamentos também no Brasil, em Minas, e também em Ewbank da Câmara, quando premidos pela situação econômico-social, reivindicamos a nossa emancipação econômica, política e administrativa. A nossa emancipação visa um objetivo real que se evolui com a efetivação de atos e fatos que aos poucos vão mudando a situação econômica, política, social e cultural de nossa querida terra, que, conforme a orientação poderá progredir ou regredir. Até a nossa emancipação, para pesar de muitos de seus filhos, nossa terra somente regrediu. Que o Divino Espírito Santo ilumine os meus passos e faça com que eu seja honesto comigo, seguindo suas inspirações na direção de nosso recém-criado município, para edificá-lo sobre a rocha dos corações dos homens de boa vontade desta terra, a fim de que, unidos elevamos bem alto o nome de nosso município entre as comunas de Minas e do Brasil. Assim, em épocas passadas, de povoado de Juiz de Fora, fomos elevados a categoria de distrito de Santos Dumont. Em dezembro de 1962, pela Lei Estadual n.º 2.764, foi o distrito elevado a categoria de município, instalando-se de 1.º de março a 31 de agosto de 1963 o período de Intendência e com a eleição e instalação da Câmara e posse do primeiro prefeito, estamos a caminho de melhores dias para seus munícipes, objetivo visado pela nossa emancipação. Durante a campanha eleitoral apresentei ao povo a minha plataforma de governo, referendada pelo povo com a minha eleição para o cargo de primeiro Prefeito Municipal e Pedro da Silva Cunha para seu primeiro Vice-Prefeito, plataforma essa que servirá de base para minha Administração Municipal. Quero, nesta oportunidade, de público agradecer em nome do povo a honrosa presença do Dr. Afonso Geraldo Soares Ferreira, mui digno 1.º Juiz de Direito e Juiz Eleitoral da comarca, Dr. Orlando Rodrigues da Costa, 2.º Juiz de Direito da comarca, Dr. Plorival Pereira de Castro, Promotor de Justiça da comarca, dignos e respeitados representantes do Poder Judiciário da comarca de Santos Dumont, a quem muito devemos pela boa vontade que sempre demonstraram ao nosso município em todas as oportunidades. Agradeço também a presença sempre honrosa para nós do Deputado Wilson Modesto Ribeiro, pelo muito que tem feito pela nossa terra, como político e nosso representante na Assembleia Mineira. Também ao Senhor Orlando Nério Rossi, prefeito de Santos Dumont, e Paulino Alves Guedes, ex-prefeito de Santos Dumont, por tudo que fizeram por nós, o nosso respeito e também o nosso agradecimento. O Sr. João de Souza Guilarducci, mui digno Prefeito de Aracitaba, companheiro de muitas lutas na Câmara Municipal de Santos Dumont, aos Vereadores dos municípios de Santos Dumont, Aracitaba e Ewbank da Câmara, representantes de jornais e a todas as autoridades constituídas que nos honra com a presença, também o nosso sincero agradecimento. Ao terminar estas minhas palavras, agradeço as palavras dos vereadores do Legislativo de nosso município e afirmar que tudo farei para que reine a paz, união e entendimento entre a família Ewbankense para o progresso e grandeza deste terra que é pequena na extensão e grande nos corações de seus habitantes. Muito obrigado a todos.
  3. Este entendimento depreende-se da análise do acervo de documentação médica, clínica e hospitalar que o Sr. Jair Antonio da Silva mantém atualizado há anos em seu arquivo pessoal, contendo resultados de exames médicos e laboratoriais, radiografias, prescrições, listas de medicamentos, etc.
  4. A renovação das instalações da Unidade de Hemodinâmica da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, concluída em outubro de 2013, foi primordial para que o procedimento fosse realizado em naquele hospital. Ver http://vidaplasc.com.br/santa-casa-jf-inaugura-nova-hemodinamica/

Referências

  1. Os seguintes documentos foram anexados ao ofício: a) Resolução n.º 2/58, da Câmara Municipal da cidade de Santos Dumont, concedendo licença ao distrito de Ewbank da Câmara para pleitear a sua emancipação junto dos poderes competentes do Estado; b) Certidão da Agência Municipal de Estatística de Santos Dumont, datada de 2 de fevereiro de 1962, em relatório, sobre o número de habitantes na data do último recenseamento geral do Brasil em 1 de setembro de 1960; c) Certidão da Prefeitura Municipal de Santos Dumont (Serviço de Contabilidade), datada de 18 de janeiro de 1962, sobre a arrecadação do distrito em 1961; d) Certidão da Prefeitura Municipal de Santos Dumont (Serviço de Fiscalização) datada de 7 de fevereiro de 1962, sobre o número de moradias, em relatório; e finalmente, e) Mapa, cópia fotostática do mapa do distrito de Ewbank da Câmara, tirada do mapa do município.
  2. Da Silva, Jair Antonio. Entrevista, 30 de agosto de 2014. Memórias da Zona da Mata Mineira: Edição Especial do Programa Mosaico sobre Ewbank da Câmara. Produtora de Multimeios, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Transmissão pela TV Educativa (TVE), Canal 12, Juiz de Fora, 15 de setembro de 2014.
  3. "Prefeito atual: O grande realizador", em Revista Municípios do Brasil, Municípios de Minas Gerais e Espírito Santo. Ano I, n.º 2. Guanabara, 1967, p. 21.
  4. Ofício do Diretor da "Companhia Lacticínios Alberto Boeke" ao Exmo. Sr. Ministro das Minas e Energia, Santos Dumont, 27 de dezembro de 1966.
  5. "Asfalto para Ewbank da Câmara", Jornal da Mantiqueira, n. ° 48, 1.ª seção. Santos Dumont, MG, 17 de março de 1968.
  6. Escritura pública de doação de bens de raiz que faz a Prefeitura Municipal de Ewbank da Câmara ao Estado de Minas Gerais, Cartório do 1.º Oficio de Santos Dumont, lavrada no Livro n.º 88, fls 9v a 11, 4 de junho de 1965, nos termos da Lei Municipal n.º 24 de 29 de maio de 1965 - Dispõe sobre aquisição de terreno, autoriza doação do mesmo ao Estado de Minas Gerais e abre crédito especial.
  7. Legislativo Municipal de Ewbank da Câmara homenageia personalidades. Jornal Mensagem, Santos Dumont, 8 de dezembro de 2001, p. 9.
  8. Da Silva, Jair Antonio. Marialivm Sodalitatvm Diploma. Pe. Nelson Dutra, Diretor, Congregação de Nossa Senhora das Graças e São Luiz Gonzaga. Ewbank da Câmara, 13 de junho de 1947.
  9. Da Silva, Jair Antonio. Certificado de Honra ao Mérito, Esporte Clube Ewbankense 1949-1999. Antonio Carlos de Oliveira, presidente. Ewbank da Câmara, 7 de maio de 1999.
  10. No interior de Minas, o primeiro confronto. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 19 de junho de 1988.
  11. Oonuki, Tetsuyoshi (大貫, 哲義) (1992). Trajetória para o sonho de super-estrela do futebol: Viva Zico, pp. 104-105.
  12. Lehmann, Pe. João Batista (1956). Na Luz Perpétua: Leituras religiosas da Vida dos Santos de Deus, para todos os dias do ano, apresentadas ao povo cristão, p.70. Há anos que permanece na lista de doadores financeiros para Fundação João Theodósio Araújo, mantenedora da Associação dos Cegos em Juiz de Fora.
  13. Da Silva, Jair Antonio. Destaque do Ano 2002, Jornal do Povo 1988-2002. Luiz Vieira Saúde, diretor-presidente. Santos Dumont, 14 de dezembro de 2002.
  14. Ver análise detalhada em Ministério da Saúde. Implante por Cateter de Bioprótese Valvar Aórtica (TAVI) para o Tratamento da Estenose Valvar Aórtica Grave em Pacientes Inoperáveis: Relatório de Recomendação da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS - CONITEC - 92. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Brasília, agosto de 2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Da Silva, Jair Antonio. Memórias de uma vivência: uma introdução a história municipal em Minas Gerais. Editora Caminhos das Gerais, Ewbank da Câmara, 2006.
  • Lehmann, Pe. João Batista. Na Luz Perpétua: Leituras religiosas da Vida dos Santos de Deus, para todos os dias do ano, apresentadas ao povo cristão. Livraria Editora Lar Católico, IV edição, II volume, Juiz de Fora, 1956.
  • Oonuki, Tetsuyoshi (大貫, 哲義). Trajetória para o sonho de super-estrela do futebol: Viva Zico (ビバ!ジーコ : サッカー夢のスーパースターへの軌跡/Biba jīko). Nippon Television Network Corporation (日本テレビ放送網), Tóquio, 1992. ISBN 4-8203-9227-1.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jair Antonio da Silva