Jair Bolsonaro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Deputado federal pelo Rio de Janeiro
Período 1 de fevereiro de 1991
até a atualidade
Vereador do Rio de Janeiro
Período 1 de janeiro de 1989
até 1 de fevereiro de 1991
Vida
Nascimento 21 de março de 1955 (62 anos)
Campinas, São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Dados pessoais
Progenitores Mãe: Olinda Bonturi[2]
Pai: Geraldo Bolsonaro[2]
Cônjuge Ana Cristina Valle
Rogéria Nantes Braga Bolsonaro (divorciado)
Partido PSC (desde 2016)
Religião Católico apostólico romano[1]
Profissão Militar da reserva do Exército brasileiro e político
Website bolsonaro.com.br
Serviço militar
Lealdade Exército do Brasil[3]
Anos de serviço 11
Graduação Capitão.png Capitão
Unidade 9º Grupo de Artilharia de Campanha

8º Grupo de Artilharia de Campanha Paraquedista

Jair Messias Bolsonaro (Campinas, 21 de março de 1955) é um militar da reserva e político brasileiro. Cumpre atualmente o seu sexto mandato na Câmara dos Deputados do Brasil, eleito pelo Partido Progressista (PP).[3] Nas eleições gerais de 2014, foi o deputado mais votado do estado do Rio de Janeiro com apoio de 6% do eleitorado fluminense (464 mil votos).[4] O parlamentar é filiado ao Partido Social Cristão (PSC) desde março de 2016,[5] mas em novembro entrou em conflito com a liderança do partido.[6]

Também foi titular da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional e da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado,[7] além de ter sido suplente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.[8] Além dele, seu irmão Renato Bolsonaro e três filhos seus também são políticos: Carlos Bolsonaro (vereador do Rio de Janeiro pelo PP), Flávio Bolsonaro (deputado estadual do RJ pelo PSC)[9] e Eduardo Bolsonaro (deputado federal de São Paulo pelo PSC).

Tornou-se conhecido nacionalmente por suas posições nacionalistas e conservadoras, por suas críticas ao comunismo e à esquerda[10] e por várias declarações controversas, as quais lhe renderam cerca de 30 pedidos de cassação em 26 anos de mandatos na Câmara dos Deputados.[11] Também é conhecido por defender a ditadura militar e por ter considerado a tortura uma prática legítima.[11] Suas posições políticas geralmente são classificadas como alinhadas aos discursos da extrema-direita.[11][12][13]

Biografia

Bolsonaro junto com três de seus filhos: Eduardo, Carlos e Flávio

Nasceu na cidade de Campinas, interior do estado de São Paulo, em 21 de março de 1955, filho de Perci Geraldo Bolsonaro[2][14] e Olinda Bonturi[2], ambos de ascendência italiana[15]

Foi casado com Rogéria Bolsonaro,[16] a quem ajudou a eleger vereadora da capital fluminense em 1992 e 1996, com que teve três filhos: Flávio Bolsonarodeputado estadual fluminense —, Carlos Bolsonaro — assim como o pai e mãe, vereador da cidade do Rio de Janeiro, o mais jovem do país[16] —, e Eduardo. De seu segundo casamento com Ana Cristina, teve Renan.[16]

Em 2013 casou-se com Michelle, na casa de festas Mansão Rosa, no Alto da Boa Vista, no Rio de Janeiro, a cerimônia foi realizada pelo pastor Silas Malafaia.[17] Com Michelle, teve sua primeira filha, a Laura.[18]

Carreira

Serviço militar

Bolsonaro cursou a Escola Preparatória de Cadetes do Exército[19] e em seguida a Academia Militar das Agulhas Negras, formando-se em 1977. Serviu no 9º Grupo de Artilharia de Campanha, em Nioaque, MS, no período de 1979-81.[20] Após isso, integrou a Brigada de Infantaria Paraquedista do Rio de Janeiro, onde se especializou em paraquedismo. Em 1983 formou-se em educação física na Escola de Educação Física do Exército, e tornou-se mestre em saltos pela Brigada de Infantaria Paraquedista. Em 1987, cursou a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO).[14]

Documentos sigilosos produzido pelo Exército Brasileiro na década de 1980 mostra que oficiais superiores de Bolsonaro o avaliaram como dono de uma "excessiva ambição em realizar-se financeira e economicamente".[21] Segundo o superior de Bolsonaro na época, o coronel Carlos Alfredo Pellegrino:[21]

"[Bolsonaro] tinha permanentemente a intenção de liderar os oficiais subalternos, no que foi sempre repelido, tanto em razão do tratamento agressivo dispensado a seus camaradas, como pela falta de lógica, racionalidade e equilíbrio na apresentação de seus argumentos".[21]
Coronel Carlos Alfredo Pellegrino

Prisão

Em 1986, servindo como capitão no 8º Grupo de Artilharia de Campanha Paraquedista, Bolsonaro foi preso por quinze dias após escrever, na seção "Ponto de Vista" da revista Veja de 3 de setembro de 1986, um artigo intitulado "O salário está baixo".[22] Para Bolsonaro, o desligamento de dezenas de cadetes da AMAN se devia aos baixos salários pagos à categoria de uma forma geral, e não a desvios de conduta, como queria deixar transparecer a cúpula do Exército. A atitude de seus superiores levou à reação de oficiais da ativa e da reserva, inclusive do General Newton Cruz, ex-chefe da agência central do Serviço Nacional de Informações (SNI) no governo João Figueiredo. Bolsonaro recebeu cerca de 150 telegramas de solidariedade das mais variadas regiões do país, além do apoio de oficiais do Instituto Militar de Engenharia (IME) e de esposas de oficiais, que realizaram manifestação em frente ao complexo militar da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro.[14] Foi absolvido pelo Superior Tribunal Militar dois anos depois.[23]

Operação Beco Sem Saída

Bolsonaro e o esquema, de próprio punho, do plano ataque à Adutora do Guandu, integrante da rede de abastecimento de água do Rio de Janeiro[24]

Em 27 de outubro de 1987, Jair Bolsonaro informou à repórter Cássia Maria, da revista Veja, sobre a operação "Beco Sem Saída". Na época Bolsonaro apoiava a melhoria do soldo e era contra a prisão do capitão Saldon Pereira Filho.[25]

A operação teria como objetivo explodir bombas de baixa potência em banheiros da Vila Militar, da Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Rio de Janeiro e em alguns outros quartéis militares com o objetivo de protestar contra o baixo salário que os militares recebiam na época.[24]

Bolsonaro teria desenhado o croqui de onde a bomba seria colocada na Adutora do Guandu, que abastece de água ao município do Rio de Janeiro. A revista entregou o material ao então Ministro do Exército e este, após quatro meses de investigação, concluiu que a reportagem estava correta e que os capitães haviam mentido.[24]

O caso foi entregue ao Superior Tribunal Militar (STM). O julgamento foi realizado em junho de 1988, e o tribunal acolheu a tese da defesa de Bolsonaro e do também capitão Fábio Passos da Silva, segundo a qual as provas documentais — cujo laudo pericial fora feito pela Polícia do Exército — eram insuficientes por não permitirem comparações caligráficas, uma vez que fora usada letra de imprensa. Esse laudo seria mais tarde desmentido pela Polícia Federal, que confirmou a caligrafia de Bolsonaro. De todo modo, o STM absolveu os dois oficiais, que assim foram mantidos nos quadros do Exército. Ainda em 1988, Bolsonaro foi para a reserva, com a patente de capitão, e no mesmo ano iniciou sua carreira política, concorrendo a vereador do Rio de Janeiro.[14][26][27]

Política

Em 1988 entrou na vida pública elegendo-se vereador da cidade do Rio de Janeiro pelo Partido Democrata Cristão. Nas eleições de 1990 elegeu-se deputado federal pelo mesmo partido. Viriam em seguida outros quatro mandatos sucessivos. Foi filiado ao PPR (1993-95), PPB (1995-2003), PTB (2003-2005), PFL (2005), PP (2005-2016), e desde março de 2016 integra o PSC.[5] Bolsonaro afirmou que já pensou em se filiar ao Prona[28] Foi autor da lei do voto impresso, segundo o deputado, para evitar fraudes no sistema de votação.[29]

Ficou conhecido por suas ideias nacionalistas, conservadoras e por suas críticas ao comunismo e à esquerda. Bolsonaro defende abertamente o regime militar instalado no Brasil em abril de 1964.[30]

Bolsonaro, que começou sua carreira política em 1988, em cerca de 25 anos interruptos de Congresso conseguiu aprovar uma única emenda, uma PEC que prevê emissão de "recibos" junto ao voto nas urnas eletrônicas. O parlamentar justificou a aprovação de uma única emenda alegando que não recebe apoio suficiente dos demais congressistas, em virtude de sofrer "discriminação" por possuir ideais direitistas.[31]

Desempenho eleitoral

Nas eleições de 2010, Jair Bolsonaro obteve cerca de 120 mil votos, sendo o décimo-primeiro deputado federal mais votado do estado do Rio de Janeiro. Em seu mandato anterior se destacou na luta pela aprovação da PEC300 e contra uma possível volta da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras). É representante de parcela das Forças Armadas brasileiras na Câmara dos Deputados e defende recomposição salarial dos militares.[carece de fontes?]

Foi reeleito em 2014, como o deputado federal mais votado do Rio de Janeiro com 464.572 votos.[32]

No dia 2 de fevereiro de 2017, concorreu pela terceira vez para presidente da Câmara dos Deputados, obtendo apenas quatro votos e ocasionando sua derrota. Ele disputou o mesmo cargo em 2005 e 2011 e também não logrou êxito nestas tentativas.[33]

Principais posições

O deputado propõe que um comprovante seja impresso para evitar fraudes na contagem eletrônica de votos por não existir "nenhum país no mundo" que use a mesma tecnologia que a brasileira, ao insinuar que a urna eletrônica brasileira não é confiável,[34] apesar do sistema ser testado periodicamente.[35] De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), isto geraria custos adicionais de cerca de 1,8 bilhão de reais aos cofres públicos.[36]

O parlamentar defende a revogação do Estatuto do Desarmamento e defende que o proprietário rural tenha direito de adquirir fuzis para evitar invasões do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra.[37] Além disto, também apresentou um projeto de lei que estabelece a castração química voluntária como condição para que uma pessoa condenada por estupro possa progredir o regime de pena.[38]

Bolsonaro condena publicamente a homossexualidade[39] e se opõe à aplicação de leis que garantam direitos LGBT, como o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a adoção de filhos por casais homossexuais,[40] além da alteração no registro civil para transexuais.[41]

Ele se posiciona de forma contrária à legalização das drogas e, em entrevista dada ao programa CQC em abril de 2011, reiterou afirmações anteriores sobre o tema ao ser questionado sobre como reagiria caso seu filho fosse usuário de drogas: "Daria uma porrada nele, pode ter certeza disso".[42]

O parlamentar também discorda da aplicação de ações afirmativas, como cotas raciais para afro-brasileiros. Em 2006, como forma de protesto contra a formulação de políticas de cotas nas universidades públicas, o deputado apresentou um projeto de lei complementar na Câmara dos Deputados, propondo o estabelecimento de cotas para deputados negros e pardos. Bolsonaro admitiu em seguida que, se o projeto fosse à votação, seria contra ele.[43]

Em várias entrevistas, Bolsonaro se posicionou favoravelmente à instituição da pena de morte no Brasil para casos de crimes premeditados pois, segundo ele, "o bandido, ele só respeita o que ele teme".[44] Também é a favor da redução da maioridade penal e em 2008, foi o único deputado do Rio de Janeiro a votar contra o projeto de lei para ampliar o uso de armas não letais, justificando que esse tipo de recurso já é utilizado.[45]

Em 2000, Jair Bolsonaro defendeu, numa entrevista à revista IstoÉ, a utilização da tortura em casos de tráfico de droga e sequestro e a execução sumária em casos de crime premeditado.[19] Ele justifica seu posicionamento ao dizer que "o objetivo é fazer o cara abrir a boca" e "ser arrebentado para abrir o bico". De acordo com a entrevista de 2000 concedida à IstoÉ, Bolsonaro ainda defende a censura, embora não especifique de qual tipo.[19] Apesar destas afirmações, recentemente o político afirmou que nunca foi favorável a tortura.[11] Em entrevista ao quadro Dois dedos de prosa do Programa do Ratinho, Bolsonaro foi questionado sobre sua opinião sobre a unificação das polícias militar e civil. Em resposta o político afirmou que não a apoia, justificando que "a polícia civil tem uma função e a polícia militar tem outra", que "se as polícias forem unificadas,serão tirados os uniformes delas", e que "terão problemas infindáveis nisso".[46]

Bolsonaro foi o autor de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê que o Sistema Único de Saúde (SUS) realize cirurgias de laqueadura e vasectomia em maiores de 21 anos que desejarem realizar o procedimento. Bolsonaro argumentou que muitas famílias pobres não têm dinheiro para fazer cirurgias como essas e teriam dificuldades em realizar um planejamento familiar por esse motivo.[47]

Em 2016, se posicionou contrário a anistia ao caixa 2,[48] uma emenda articulada principalmente por partidos e parlamentares envolvidos na Operação Lava Jato, para anistiar crimes de caixa 2.[49] Em outubro de 2016, o parlamentar participou de um evento em Brasília em apoio à liberação da vaquejada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).[50]

Economia

As declarações do deputado sobre economia são paradoxais e alternam entre apoio a um projeto econômico desenvolvimentista, herança da ditadura militar (1964-1985), com falas pró-mercado.[11] Em 2000, ao ser entrevistado por Jô Soares explicou sua defesa do fuzilamento de Fernando Henrique Cardoso, até então o presidente da repúbica. "Barbaridade é privatizar a Vale e as telecomunicações, entregar as nossas reservas petrolíferas ao capital externo", afirmou.[11]

Apesar destas afirmações, recentemente Bolsonaro tem apoiado medidas econômicas liberais, como por exemplo ter votado na abertura do pré-sal[51], e ter afirmado que o "livre-mercado é a mãe da liberdade".[11] Outro exemplo de apoio do parlamentar à liberalização da economia é quando em uma entrevista ele disse que "deve ser privatizado o máximo que puder" e que ele se opôs somente a forma como a Vale foi privatizada.[52]

Porém o Instituto Liberal afirma que Bolsonaro não é pró-liberalismo, já que votou contra a privatização de estatais e se absteve de votar a PEC da terceirização (PL 4330/04). Outra contradição segundo o instituto é o fato de Bolsonaro, apesar de crítico do governo petista ser a favor de barreiras alfandegárias.[53]

Controvérsias

Cota parlamentar e dinheiro da JBS

Bolsonaro foi denunciado por usar a cota parlamentar para pagar viagens pelo país em que se apresenta como pré-candidato à Presidência em 2018. A cota reembolsa viagens e outras despesas do mandato. Nas regras de uso, a Câmara diz que "não serão permitidos gastos de caráter eleitoral". O conteúdo das falas de Bolsonaro, contudo, é explicitamente voltado à disputa de 2018. Nos últimos cinco meses, ao menos seis viagens foram custeadas pela Câmara por um total de 22 mil reais. A assessoria de imprensa do deputado negou que ele esteja em campanha e alegou que o uso da cota para viagens é relacionado à participação na Comissão de Segurança Pública da Câmara, no qual é suplente.[54]

Em Consulta aos Doadores e Fornecedores de Campanha de Candidatos, no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o nome de Bolsonaro aparece como recebedor de 200 mil reais da empresa JBS, durante sua campanha em 2014. Naquele ano, Bolsonaro foi reeleito deputado federal com o maior número de votos no Rio de Janeiro e recebeu mais de 460 mil votos. Uma reportagem do site Vice trouxe a questão à tona em março de 2017 devido à repercussão da Operação Carne Fraca.[55] O político postou um vídeo em seu canal do YouTube, onde explica que os 200 mil reais, metade do valor gasto em sua campanha, foram devolvidos como "doação ao partido". No entanto, na planilha do TSE, os mesmos recursos voltam à conta de Bolsonaro, agora numa doação feita pelo fundo partidário.[56][57]

De 2010 a 2014 o patrimônio do deputado cresceu mais de 150%, alcançando mais de dois milhões de reais em bens, segundo a declaração registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nestes últimos anos o parlamentar adquiriu, entre outras propriedades, duas casas na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, no valor de 500 mil e 400 mil reais, respectivamente.[58]

Democracia, Estado laico e ditadura militar

Em uma entrevista para a revista Veja em 2 de dezembro de 1998, o parlamentar afirmou que a ditadura chilena de Augusto Pinochet, que matou mais de 3.000 pessoas[59] e exilou outras 200.000,[60] "devia ter matado mais gente".[61][necessário verificar] Ele também elogiou o presidente peruano Alberto Fujimori como um "modelo" pelo uso de uma intervenção militar contra o judiciário e o legislativo.[62] Em 1999, o deputado afirmou ao programa "Câmera Aberta" que era "favorável à tortura" e chamou a democracia de "porcaria". Se fosse presidente do país, respondeu que não havia "a menor dúvida" de que "fecharia o Congresso" e de que "daria um golpe no mesmo dia". Na mesma época, ao explicar ao apresentador Jô Soares por que defendeu o fuzilamento do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), ele disse que "barbaridade é privatizar a Vale e as telecomunicações, entregar as nossas reservas petrolíferas ao capital externo".[11]

O deputado federal também é conhecido por alegar que a ditadura foi uma época "gloriosa" da história do Brasil. Em carta publicada no jornal Folha de S.Paulo ele se refere ao período militar como "20 anos de ordem e progresso".[63] O deputado também afirmou, durante uma discussão com manifestantes em dezembro de 2008, que "o erro da ditadura foi torturar e não matar."[64] Bolsonaro foi criticado pelos meios de comunicação, por políticos e pelo Grupo Tortura Nunca Mais, sobretudo depois de ter afixado na porta de seu escritório um cartaz que dizia aos familiares dos desaparecidos da ditadura militar que "quem procura osso é cachorro".[65][66] Em 1993, apenas oito anos após o retorno da democracia no país, disse que apenas um regime militar conduziria a um Brasil mais "próspero e sustentável".[62] Em Março de 2015, quando o Golpe de 1964 fez 51 anos, Bolsonaro publicou em um blog pessoal uma imagem e um texto comemorando o acontecimento. O parlamentar alegou que o golpe não passou de uma "intervenção democrática", fruto da "pressão popular", e que em 1968 os guerrilheiros começaram a atacar, usando táticas de guerrilha aprendidas na China e em Cuba[67]

Em 17 de abril de 2016, Jair Bolsonaro parabenizou o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pela forma como conduziu processo de impeachment da presidente e usou seu discurso de voto sobre o impedimento de Dilma Rousseff para homenagear Carlos Alberto Brilhante Ustra,[68] o primeiro militar a ser reconhecido pela Justiça como um dos torturadores durante a ditadura militar.[69] Após o episódio, a Procuradoria-Geral da República informou que, em virtude de ter recebido 17.853 reclamações contra o teor da manifestação do deputado federal durante a votação do impeachment, decidiu instaurar um procedimento interno para investigar o caso.[70] Tal atitude também rendeu a Bolsonaro um processo no Conselho de Ética da Câmara, aberto contra o deputado em junho de 2016, no qual foi acusado de ter faltado com o decoro parlamentar durante seu voto. A representação foi feita pelo Partido Verde, que acusou o deputado de ter feito apologia do crime de tortura e pediu a cassação do mandato do parlamentar. Em sua defesa, Bolsonaro alegou que as declarações durante a votação do impeachment estão protegidas pela imunidade parlamentar.[71]

Em vídeo postado pelo seu filho, o também deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), o parlamentar fluminense afirmou que "violência se combate com violência e não com bandeiras de direitos humanos", como as defendidas pela Anistia Internacional, que ele afirmou ser formada por "canalhas" e "idiotas". Questionado sobre um levantamento da organização que mostrou que a polícia brasileira é a que mais mata no mundo, Bolsonaro disse: "Eu acho que essa Polícia Militar do Brasil tinha que matar é mais."[72]

Em um discurso em Campina Grande, em fevereiro de 2017, o deputado criticou o Estado laico ao dizer:

"Deus acima de tudo. Não tem essa historinha de Estado laico não. O Estado é cristão e a minoria que for contra, que se mude. [...] as minorias tem que se curvar para as maiorias."[73]

O jornalista estadunidense Glenn Greenwald se referiu a Bolsonaro como "o mais misógino e detestável funcionário público eleito no mundo democrático".[74] O site News.com.au, parte do conglomerado da News Corporation na Austrália, também classificou o parlamentar como o "mais repulsivo político do mundo".[75]

Mulheres

Bolsonaro discutindo com a deputada Maria do Rosário no plenário da Câmara dos Deputados durante discussão sobre a violência contra mulheres e meninas, a cultura do estupro, entre outros assuntos

Durante uma discussão no plenário da Câmara dos Deputados, Bolsonaro afirmou que não "estupraria" a deputada Maria do Rosário porque ela "não merece".[76] Ele repetiu uma ofensa que já havia proferido contra a parlamentar em 2003.[77] A briga ocorreu após ela dizer que a ditadura militar foi "vergonha absoluta" para o Brasil, e por tê-lo acusado de estuprador.[77][76] Em virtude das ofensas contra a deputada, Bolsonaro foi condenado em primeira instância por danos morais.[78]

Em junho de 2016, o Supremo Tribunal Federal (STF), ao analisar denúncia da Procuradoria Geral da República e queixa da própria deputada Maria do Rosário, decidiu abrir duas ações penais contra o deputado Bolsonaro. Em uma decisão por quatro votos contra um, a Segunda Turma do STF entendeu que além de incitar a prática do estupro, Bolsonaro ofendeu a honra da colega. Como resultado o deputado tornou-se réu pela suposta prática de apologia ao crime e por injúria. A denúncia contra Bolsonaro por apologia ao crime foi apresentada em dezembro de 2014 por Ela Wiecko (vice-procuradora-geral da República), e caso condenado, ele pode ser punido com pena de 3 a 6 meses de prisão, mais multa.[79]

Em fevereiro de 2015, em uma entrevista ao jornal Zero Hora, o deputado afirmou que não acha justo que mulheres e homens recebam o mesmo salário porque as mulheres engravidam, alegando que o direito a licença-maternidade prejudica a produtividade do empresário.[80][81]

Em abril de 2017, em um discurso no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, Bolsonaro fez um menção sobre sua filha Laura, de 6 anos, ao dizer:

"Eu tenho cinco filhos. Foram quatro homens, aí no quinto eu dei uma fraquejada e veio uma mulher"
Jair Bolsonaro[18]

Homossexuais

Protesto contra Bolsonaro durante a Parada do orgulho LGBT de São Paulo em 2011.

Em uma entrevista para a revista Playboy, em junho de 2011, Bolsonaro afirmou que "seria incapaz de amar um filho homossexual" e que preferia que um filho seu "morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí". O parlamentar também afirmou que se um casal homossexual fosse morar ao seu lado isto iria desvalorizar a sua casa.[82] Em julho do mesmo ano, durante uma entrevista para leitores da revista Época, Bolsonaro disse que "se lutar para impedir a distribuição do 'kit-gay' [conjunto de diretrizes apoiadas pela UNESCO e elaboradas pelo Ministério dos Direitos Humanos, em parceria com entidades não governamentais, que visava a promover a cidadania e os direitos humanos da comunidade LGBT][83] nas escolas de ensino fundamental com a intenção de estimular o homossexualismo, em verdadeira afronta à família é ser preconceituoso, então sou preconceituoso, com muito orgulho", disse.[1]

Em uma entrevista concedida ao Jornal de Notícias em 2011, o deputado federal associou a homossexualidade à pedofilia ao afirmar que "muitas das crianças que serão adotadas por casais gays vão ser abusadas por esses casais homossexuais".[84] Além disto, alegou que o Brasil não precisa de uma legislação específica contra a homofobia porque "a maioria dos homossexuais é assassinada por seus respectivos cafetões, em horários em que o cidadão de bem já está dormindo".[1] Na Folha de S.Paulo, em maio de 2002, disse que poderia agredir homossexuais: "se eu ver dois homens se beijando na rua, vou bater".[85] No mesmo jornal, mas em novembro de 2010, Bolsonaro defendeu surras em filhos homossexuais:

"Se o filho começa a ficar assim, meio gayzinho, [ele] leva um couro e muda o comportamento dele"
Jair Bolsonaro[86][87]

Indígenas, negros e imigrantes

Jair Bolsonaro também questionou a política indígena do governo brasileiro, em um de seus pronunciamentos a uma audiência na Câmara dos Deputados, que tratava sobre a questão indígena em Roraima. Neste dia, o parlamentar afirmou que os povos indígenas eram "fedorentos e não educados". A crítica, principalmente voltada à política de demarcação de terras indígenas, culminou com Bolsonaro afirmando que pessoas como os índios, supostamente não "educados" e "não falantes de nossa língua", não deveriam ter direito a uma tão grande porção de terra. Os comentários de Bolsonaro causaram grande indignação entre índios, parlamentares e grupos de defesa de direitos humanos, que consideraram que o comentário de Bolsonaro feria o princípio de não discriminação da Constituição Brasileira.[88] Sentido-se constrangido e ofendido com os comentários do parlamentar sobre a questão indígena, uma das lideranças do povo sateré-maués presentes na audiência pública chegou até mesmo a atirar um copo de água em sua direção.[89]

Em uma entrevista dada ao programa Custe o Que Custar (CQC), no dia 28 de março de 2011, ao ser perguntado pela cantora Preta Gil sobre o que faria caso seu filho se apaixonasse por uma garota negra, Bolsonaro disse que "não discutiria promiscuidade" e que "não corre esse risco porque seus filhos foram muito bem educados", uma das declarações que mais causou polêmica na entrevista.[90] No dia seguinte, afirmou que a resposta a Preta Gil fora um "mal entendido",[91] alegando que pensou que a pergunta fosse sobre o relacionamento de seu filho com um homossexual.[92] Sobre o caso, os filhos de Bolsonaro, Carlos e Eduardo, alegaram em suas contas de redes sociais que o programa havia "manipulado" a entrevista, ao fazer uma comparação do conteúdo de uma gravação feita pela câmera de um celular na mão do entrevistado com o conteúdo transmitido no programa.[93]

Em setembro de 2015, durante uma entrevista ao Jornal Opção, de Goiás, disse que os militares no Brasil estão "desaparelhados":[94]

"Não sei qual é a adesão dos comandantes, mas, caso venham reduzir o efetivo [das Forças Armadas] é menos gente nas ruas para fazer frente aos marginais do MST, dos haitianos, senegaleses, bolivianos e tudo que é escória do mundo que, agora, está chegando os sírios também. A escória do mundo está chegando ao Brasil como se nós não tivéssemos problema demais para resolver."
Jair Bolsonaro[94]

Em abril de 2017, em um discurso no Clube Hebraica, na zona sul do Rio de Janeiro, o deputado federal disse que irá acabar com todas as terras indígenas e comunidades quilombolas do Brasil caso seja eleito em 2018. Ele também afirmou que irá terminar com o financiamento público para ONGs: "Pode ter certeza que se eu chegar lá (presidência da República) não vai ter dinheiro pra ONG. Se depender de mim, todo cidadão vai ter uma arma de fogo dentro de casa. Não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou pra quilombola." Ele também alegou que as reservas indígenas e quilombolas atrapalham a economia. "Onde tem uma terra indígena, tem uma riqueza embaixo dela. Temos que mudar isso daí", afirmou.[95][96]

Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem pra procriador ele serve mais. Mais de 1 bilhão de reais por ano é gastado com eles."
Jair Bolsonaro[95]

Ver também

Referências

  1. a b c Revista Época, ed. (15 de fevereiro de 2015). «Jair Bolsonaro: "Sou preconceituoso, com muito orgulho"» 
  2. a b c d Valdir Sanches (2 de março de 2015). «'Ele não era de falar besteira', diz mãe de Jair Bolsonaro». Revista Crescer. Editora Globo. Consultado em 25 de novembro de 2015 
  3. a b «Conheça os Deputados: Jair Bolsonaro». Câmara dos Deputados. Consultado em 9 de abril de 2011 
  4. O Globo, ed. (22 de outubro de 2014). «Deputado mais votado no Rio, Bolsonaro reclama de ter apoio esnobado por Aécio». Consultado em 22 de janeiro de 2015 
  5. a b Isabel Braga (2 de março de 2016). «Bolsonaro se filia ao PSC e é lançado como pré-candidato à Presidência». O Globo. Consultado em 2 de março de 2016 
  6. Maurício Lima (11 de dezembro de 2016). «Jair Bolsonaro recorre ao TSE para mudar de partido». Revista Veja. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  7. «Deputado Jair Bolsonaro». Câmara dos Deputados. Consultado em 9 de abril de 2011 
  8. «Comissão de Direitos Humanos e Minorias». Câmara dos Deputados. Consultado em 9 de abril de 2011 
  9. Thamine Leta (1 de abril de 2011). «Filhos de Bolsonaro dizem que pai não é preconceituoso». G1. Consultado em 1 de abril de 2011 
  10. «Em entrevista, Bolsonaro diz que MEC "abre as portas" para homossexualidade e pedofilia». UOL. 31 de março de 2011. Consultado em 31 de março de 2011 
  11. a b c d e f g h Thaís Bilenki (9 de junho de 2016). «Pré-candidato, Bolsonaro tenta criar a 'extrema direita light». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  12. Claudio Leal (31 de março de 2011). «Jarbas Passarinho: "Nunca pude suportar Jair Bolsonaro"». Terra Magazine. Consultado em 19 de abril de 2011. Grudou-se ao congressista de extrema direita o mito de que representa a alma das Forças Armadas. 
  13. El País, ed. (7 de outubro de 2014). «O inquietante 'fenômeno Bolsonaro'». Consultado em 10 de junho de 2015. É a caricatura do político de extrema direita 
  14. a b c d FGV/CPDOC (ed.). «Jair Messias Bolsonaro». Consultado em 25 de abril de 2016 
  15. Canal da Imprensa. «Mania de pureza». Consultado em 26 de novembro de 2016 
  16. a b c Luís Edmundo Araújo. «Tal pai, tal filho». Isto É. Consultado em 17 de maio de 2016 
  17. Raphael Gomide iG Rio de Janeiro (22 de março de 2013). «Silas Malafaia celebra casamento do deputado Bolsonaro na Mansão Rosa». Último Segundo. Consultado em 17 de maio de 2016 
  18. a b Nicolas Gunkel (6 de abril de 2017). «Piada de Bolsonaro sobre sua filha gera revolta nas redes sociais». Revista Exame. Consultado em 10 de abril de 2017 
  19. a b c Cláudia Carneiro. «Entrevista: Jair Bolsonaro — "Eu defendo a tortura"». Istoé Gente. Consultado em 9 de abril de 2011. Cópia arquivada em 31 de maio de 2013 
  20. Santos, Aline dos (18 de abril de 2015). «Bolsonaro reage a críticas e garante vir a MS para receber medalha da PM». Campo Grande News. Consultado em 4 de novembro de 2016 
  21. a b c Folha de S. Paulo, ed. (16 de maio de 2017). «Bolsonaro era agressivo e tinha 'excessiva ambição', diz ficha militar». Consultado em 22 de maio de 2017 
  22. Jair Messias Bolsonaro, O salário está baixo, Revista Veja, 3 de setembro de 1986
  23. Terra Magazine (31 de março de 2011). «Jarbas Passarinho: "Nunca pude suportar Jair Bolsonaro"». Terramagazine.terra.com.br. Consultado em 6 de dezembro de 2011 
  24. a b c Revista Veja (4 de novembro de 1987). «De Próprio Punho - O ministro do exercito acreditou em Bolsonaro e em Fábio, mas eles estavam mentindo» 1000 ed. Editora Abril. Consultado em 24 de abril de 2016 
  25. Revista Veja (28 de outubro de 1987). «Pôr bombas nos quartéis, um plano na Esao» 999 ed. Editora Abril. Consultado em 24 de abril de 2016 
  26. Observatório da Imprensa (6 de abril de 2011). «Capitão Bolsonaro, a história esquecida» 636 ed. Consultado em 24 de abril de 2016 
  27. Jair Bolsonaro: Discurso de ódio levou o deputado a se tornar réu no Supremo e ser processado no Conselho de Ética na Câmara. Época, 4 de ulho de 2016.
  28. Clarice Spitz (7 de maio de 2007). «Bolsonaro diz que se identificava com Enéas». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de abril de 2017 
  29. «Câmara aprova amarra ao TSE e exigência de impressão do voto - 16/06/2015 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 8 de abril de 2016 
  30. Leandro Melito (22 de fevereiro de 2013). «Jair Bolsonaro defende golpe militar de 1964 em recepção a Yoani Sánchez». EBC. Consultado em 14 de fevereiro de 2014 
  31. Ricardo Senra (17 de junho de 2015). «Após 25 anos de Congresso, Bolsonaro consegue aprovar 1ª emenda; "Sou discriminado"». BBC Brasil. Consultado em 17 de maio de 2016 
  32. BBC, ed. (6 de outubro de 2014). «Eleições 2014: Veja como foi». Consultado em 2 de março de 2016 
  33. «Bolsonaro tem apenas quatro votos em eleição para presidente da Câmara». Uol. 2 de fevereiro de 2017. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  34. «Câmara aprova amarra ao TSE e exigência de impressão do voto - 16/06/2015 - Poder - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 7 de abril de 2016 
  35. G1, ed. (10 de março de 2016). «TSE realiza teste público de segurança das urnas eletrônicas». Consultado em 8 de abril de 2016 
  36. G1, ed. (18 de novembro de 2015). «Congresso derruba veto à impressão de voto pela urna eletrônica». Consultado em 8 de abril de 2016 
  37. «Gazeta Digital: Bolsonaro chega a Cuiabá defendendo uso de fuzil contra MST». Gazeta Digital. Consultado em 7 de abril de 2016 
  38. Câmara dos Deputados do Brasil, ed. (20 de novembro de 2013). «Projeto aumenta penas e condiciona liberdade de estuprador à castração química». Consultado em 8 de abril de 2016 
  39. Portal Terra, ed. (16 de maio de 2013). «Bolsonaro sobre casamento gay: 'não querem igualdade, e sim privilégios'». Consultado em 29 de janeiro de 2016 
  40. «MATEI PORQUE ODEIO GAY» (PDF). Grupo Gay da Bahia. 2003. Consultado em 27 de outubro de 2011. Bolsonaro, que se diz "radicalmente contra esse negócio de coluna do meio", opõe-se à defesa de questões como a união civil entre homossexuais, a mudança no registro civil para transexuais e a adoção de filhos por casais do mesmo sexo [Fonte: O Dia - RJ, 11 de maio de 2002]. 
  41. «Deputado Jair Bolsonaro associa namoro com negras a 'promiscuidade'». Notapajos.com. 29 de março de 2011. Consultado em 9 de abril de 2011 
  42. Iolando Lourenço (1 de julho de 2006). «Bolsonaro, que é contra as cotas, propõe reserva de vagas para deputados negros». Agência Brasil. Consultado em 9 de abril de 2011 
  43. «"Sou a favor da pena de morte", diz Bolsonaro». UOL. 4 de abril de 2011. Consultado em 9 de abril de 2011 
  44. Tatiane Linhares (11 de março de 2008). «Deputados do Rio aprovam projeto de lei para ampliar uso de armas não-letais». Agência Brasil. Consultado em 9 de abril de 2011 
  45. «Programa do Ratinho». SBT - Sistema Brasileiro de Televisão. Consultado em 26 de março de 2017 
  46. «PEC prevê que SUS pague laqueadura e vasectomia para maiores de 21 anos (02'16. 7 de Janeiro de 2010. Consultado em 25 de Abril de 2017 
  47. Marcella Fernandes. «A hashtag #AnistiaCaixa2NAO uniu MBL, Bolsonaro e PSOL». Brasil Post. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  48. «Manobra na Câmara para anistiar 'caixa dois' envolveu PSDB e PT». O Globo. Globo.com. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  49. «Bolsonaro posa com chapéu de Pernambuco em ato em Brasília». NE10. 26 de outubro de 2017. Consultado em 28 de março de 2017 
  50. «Abertura da exploração do pré-sal: veja como cada deputado votou». Congresso em Foco 
  51. Estado Mínimo - Entrevistando Jair Bolsonaro - Parte 9
  52. Luan Sperandio, Por que os liberais não deveriam apoiar Jair Bolsonaro?, Blog do Instituto Liberal, 13 de outubro de 2016
  53. Thais Bilenky (24 de abril de 2017). «Presidenciável, Bolsonaro usa cota parlamentar em pré-campanha». Folha S.Paulo. Consultado em 27 de abril de 2017 
  54. Vice, ed. (20 de março de 2017). «Prestação de contas no site do TSE mostra que Bolsonaro recebeu doação da JBS». Consultado em 21 de maio de 2017 
  55. Política ao Minuto, ed. (20 de março de 2017). «Bolsonaro teria tentado maquiar contas ao devolver doação da JBS». Consultado em 21 de maio de 2017 
  56. Sputnik News, ed. (20 de março de 2017). «Ao contrário do que dizem redes sociais, Bolsonaro recebeu dinheiro da JBS». Consultado em 21 de maio de 2017 
  57. María Martín (27 de março de 2017). «Após triunfar nas redes, Bolsonaro testa sua influência fora da bolha virtual». El País. Consultado em 28 de março de 2017 
  58. «Country profile: Chile». BBC News. 16 de dezembro de 2009. Consultado em 31 de dezembro de 2009 
  59. Wright, T.C.; Oñate, R. (2005), «Chilean Diaspora», in: Ember, M.; Ember, C. R.; Skoggard, I., Encyclopedia of Diasporas: Immigrant and Refugee Cultures Around the World, II, pp. 57–65 
  60. Pragmatismo Político, ed. (25 de agosto de 2015). «As 10 frases mais polêmicas de Jair Bolsonaro». Consultado em 11 de novembro de 2015 
  61. a b The New York Times, ed. (25 de julho de 1993). «Conversations/Jair Bolsonaro; A Soldier Turned Politician Wants To Give Brazil Back to Army Rule». Consultado em 4 de junho de 2016 
  62. Bolsonaro, Jair (11 de janeiro de 2011). «Comissão da inverdade». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de janeiro de 2012 
  63. «Defensor da Ditadura, Jair Bolsonaro reforça frase polêmica: "o erro foi torturar e não matar"». JovemPan. 8 de Julho de 2016 
  64. Mário Jakobskind (29 de maio de 2009). «Tortura Nunca Mais!». Joildo.net. Consultado em 9 de abril de 2011 
  65. «Repúdio a Jair Bolsonaro». Grupo Tortura Nunca Mais São Paulo. 30 de março de 2011. Consultado em 9 de abril de 2011 
  66. http://noticias.r7.com/brasil/bolsonaro-chama-ditadura-militar-brasileira-de-intervencao-democratica-31032015
  67. «Coronel Ustra, homenageado por Bolsonaro como 'o pavor de Dilma Rousseff', era um dos mais temidos da ditadura». Extra. 18 de Abril de 2016. Homenageado na fala do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) durante a votação do processo de impeachment da presidente Dilma 
  68. «Juiz condena coronel Ustra por seqüestro e tortura». Notícias do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. 10 de outubro de 2008 .
  69. UOL Notícias, ed. (20 de abril de 2016). «Após quase 18 mil queixas, Ministério Público vai analisar fala de Bolsonaro». Consultado em 28 de junho de 2016 
  70. UOL Notícias, ed. (28 de junho de 2016). «Conselho de Ética abre processo contra Bolsonaro por elogio a torturador». Consultado em 28 de junho de 2016 
  71. Thiago de Araújo (5 de outubro de 2015). Revista Exame, ed. «Bolsonaro defende que a PM mate mais no Brasil». Consultado em 17 de outubro de 2015 
  72. «Bolsonaro defende porte de armas para todos e fuzil contra MST». Jornal da Paraíba. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  73. «The Most Misogynistic, Hateful Elected Official in the Democratic World: Brazil's Jair Bolsonaro - The Intercept». The Intercept 
  74. Gavin Fernando. «Is this the world's most repulsive politician?». News.com.au 
  75. a b Folha de S.Paulo, ed. (9 de dezembro de 2014). «Para rebater deputada, Bolsonaro diz que não a 'estupraria'». Consultado em 5 de janeiro de 2015 
  76. a b «Veja essa». Veja. 19 de novembro de 2003. Consultado em 9 de abril de 2011 
  77. «Bolsonaro é condenado por dizer que Maria do Rosário 'não merece' estupro - 17/09/2015 - Mônica Bergamo - Colunistas - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de setembro de 2015 
  78. G1, ed. (21 de junho de 2016). «Bolsonaro vira réu por falar que Maria do Rosário não merecia ser estuprada». Consultado em 21 de junho de 2016 
  79. Revista Crescer, ed. (fevereiro de 2015). «Bolsonaro diz que patrões deveriam pagar salários menores para as mulheres porque elas engravidam». Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  80. Gustavo Foster (10 de dezembro de 2014). «Bolsonaro diz que não teme processos e faz nova ofensa: "Não merece ser estuprada porque é muito feia"». Consultado em 26 de março de 2016. Eu sou liberal. Defendo a propriedade privada. Se você tem um comércio que emprega 30 pessoas, eu não posso obrigá-lo a empregar 15 mulheres. A mulher luta muito por direitos iguais, legal, tudo bem. Mas eu tenho pena do empresário no Brasil, porque é uma desgraça você ser patrão no nosso país, com tantos direitos trabalhistas. Entre um homem e uma mulher jovem, o que o empresário pensa? "Poxa, essa mulher tá com aliança no dedo, daqui a pouco engravida, seis meses de licença-maternidade..." Bonito pra c..., pra c...! Quem que vai pagar a conta? O empregador. No final, ele abate no INSS, mas quebrou o ritmo de trabalho. Quando ela voltar, vai ter mais um mês de férias, ou seja, ela trabalhou cinco meses em um ano. 
  81. Portal Terra, ed. (8 de junho de 2011). «Bolsonaro: "prefiro filho morto em acidente a um homossexual"». Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  82. «Projeto de distribuir nas escolas kits contra a homofobia provoca debate». G1. 12 de maio de 2011. Consultado em 11 de abril de 2017 
  83. Pedro Henrique Fonseca (21 de junho de 2011). Jornal de Notícias, ed. «Deputado Bolsonaro diz que Governo transforma gays numa classe privilegiada». Consultado em 4 de junho de 2016. Faço uma relação entre o homossexualismo e a pedofilia porque muitas das crianças que serão adotadas por casais "gays" vão ser abusadas por esses casais homossexuais. 
  84. Leila Suwwan (19 de maio de 2002). «Apoio de FHC à união gay causa protestos». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  85. «Palmada muda filho "gayzinho", declara deputado federal». Folha de S.Paulo. 27 de novembro de 2010. Consultado em 4 de junho de 2016. Se o filho começa a ficar assim, meio gayzinho, [ele] leva um couro e muda o comportamento dele 
  86. Revista Veja, ed. (1 de dezembro de 2010). «Defensor de "couro" em filho gay não deve ser punido». Consultado em 4 de junho de 2016 
  87. Marília Oliveira (30 de abril de 2004). «Desrespeito aos povos indígenas no Congresso». Rota Brasil Oeste. Consultado em 9 de abril de 2011. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2011 
  88. Carvalho, Luiz Maklouf. «O copo e a flecha». Revisata Piauí. Consultado em 9 de abril de 2011 
  89. «Deputado nega ser racista, mas mantém declarações homofóbicas». Correio da Bahia. 29 de março de 2011. Consultado em 9 de abril de 2011 
  90. Eduardo Bresciani (29 de março de 2011). «Depois de polêmica, Bolsonaro diz que errou». Estadão. Consultado em 29 de março de 2011 
  91. «Após polêmica em programa de televisão, Bolsonaro diz que houve mal entendido». Zero Hora.com. 31 de março de 2011. Consultado em 31 de março de 2011 
  92. «Bolsonaro publica vídeo com "provas" de que CQC manipulou entrevista». VejaSP. 13 de Novembro de 2015. Consultado em 3 de Abril de 2017 
  93. a b Rita Azevedo (22 de setembro de 2015). Revista Exame, ed. «Bolsonaro chama refugiados de "escória do mundo"». Consultado em 17 de outubro de 2015 
  94. a b Marcio Dolzan (3 de Abril de 2017). «'Não podemos abrir as portas para todo mundo', diz Bolsonaro em palestra na Hebraica». Estadão 
  95. «Bolsonaro diz que irá acabar com reservas indígenas se for eleito». Metrópoles/Estadão. 3 de abril de 2017. Consultado em 4 de abril de 2017 

Ligações externas

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Jair Bolsonaro