James Baldwin (escritor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
James Baldwin
Nascimento 2 de agosto de 1924
Nova Iorque, Nova Iorque (estado)
 Estados Unidos
Morte 1 de dezembro de 1987 (63 anos)
Saint-Paul de Vence,  França
Etnia Afro-americano
Ocupação Escritor, ativista
James Arthur Baldwin (2 de Agosto, 1924 - 1 dezembro de 1987) foi um romancista, ensaísta, dramaturgo, poeta e crítico social afro-americano. Seus textos, tal como o Notes of a Native Son (1955), exploram complexidades palpáveis ainda não ditas sobre a sexualidade e as distinções de classes raciais nas sociedades ocidentais, principalmente na América da metade do século 20, e suas inevitáveis tensões. [1] Alguns textos de Baldwin são do comprimento de um livro, como por exemplo The Fire Next Time (1963), No Name in the Street (1972), e The Devil Finds Work  (1976).

Os romances e peças de Baldwin tornam em ficção perguntas pessoais fundamentais e dilemas em meio a pressões sociais e psicológicas complexas frustrando a integração equitativa, não só de negros, mas também de homens homossexuais e bissexuais, enquanto descrevem alguns obstáculos internalizados nas buscas de tais indivíduos  à aceitação. Essa dinâmica é proeminente no segundo romance de Baldwin, Giovanni's Room (O Quarto de Giovanni), escrito em 1956, bem antes dos direitos dos homossexuais serem amplamente defendidos nos Estados Unidos. [2]

Bibliografia (em inglês)[editar | editar código-fonte]

  • The Price of the Ticket (1985)
  • The Evidence of Things Not Seen (1985)
  • Just Above My Head (1979)
  • The Devil Finds Work (1976)
  • If Beale Street Could Talk (1974)
  • A Dialogue (1973)
  • No Name in the Street (1972)
  • A Rap on Race (1971) (com Margaret Mead)
  • Tell Me How Long the Train's Been Gone (1968)
  • Going to Meet the Man (1965)
  • Blues for Mister Charlie (1964)
  • The Fire Next Time (1963)
  • Another Country (1962)
  • Nobody Knows My Name: More Notes of a Native Son (1961)
  • Sonny's Blues (1957)
  • Giovanni's room (1956)
  • Notes of a Native Son (1955)
  • The Amen Corner (1954)
  • Stranger in the Village (1953)
  • Go Tell it on the Mountain (1953)
Baldwin era filho de Emma Berdis Jones, a qual teria abandonado seu pai biológico por causa de seu abuso de drogas e mudou-se para o Harlem, na cidade de Nova Iorque. Lá, ela se casou com um pastor, David Baldwin. A família era muito pobre.
Baldwin passou muito tempo cuidando de seus vários irmãos e irmãs mais novos. Aos 10 anos de idade, ele foi provocado e abusado por dois policiais de Nova Iorque, um caso de assédio racista pelo Departamento de Polícia de Nova Iorque que ele iria experimentar mais tarde quando adolescente e viria a documentar em seus textos. Seu pai adotivo, ao qual Baldwin se referia em seus textos simplesmente como seu pai, parece tê-lo tratado - em comparação com seus irmãos - com grande dureza.
Seu padrasto morreu de tuberculose no verão de 1943, pouco antes de Baldwin completar 19 anos. O dia do aniversário de 19 anos de Baldwin foi o dia do funeral de seu pai, o dia que a última criança de seu pai nasceu, e o dia do motim do Harlem de 1943, que foi retratado no início de seu texto "Notes of a Native Son". [3] A busca para responder ou explicar a rejeição familiar e social - e alcançar um senso de individualidade, coerente e benevolente - tornou-se um motivo condutor nos escritos de Baldwin.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: James Baldwin (escritor)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.