James Esdaile

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «James Esdaile» na Wikipédia em inglês. Ajude e colabore com a tradução.
James Esdaile
Conhecido(a) por É reconhecido por fazer cirurgias indolor por meio do Mesmerismo.
Nascimento 6 de fevereiro de 1808
Montrose, Angus
Morte 1859 (51 anos)
Nacionalidade Escócia Escócia
Cônjuge Eliza Weatherhead
Alma mater Universidade de Edimburgo
Ocupação Médico, que viveu a vida como magnetizador
Influências
Influenciados
Movimento literário Magnetista
Magnum opus Natural and Mesmeric Clairvoyance, With the Practical Application of Mesmerism in Surgery and Medicine, 1852

James Esdaile ( Montrose, Angus, Escócia, 06 de fevereiro de 1808 - 1859), é uma das figuras mais notáveis na história do mesmerismo por suas cirurgias sem dor antes da anestesia. Esdaile foi casado três vezes [nota 1].

Vida[editar | editar código-fonte]

A educação[editar | editar código-fonte]

Ele era o filho mais velho do Rev. James Esdaile e Margaret Blair, nascido em 06 de fevereiro de 1808 em Montrose, Angus, Escócia. Ele estudou medicina na Universidade de Edimburgo [nota 2] se formou em MD no ano de 1830.

Na Índia[editar | editar código-fonte]

Mesmerismo na Índia

Em 1830, ele foi apontado como cirurgião assistente do Companhia Inglesa das Índias Orientais, e chegou em Calcutá, Bengal e em seguida, noa ano de 1831, à capital da Índia britânica. Após ter sofrido bronquite crônica e asma, desde a adolescência, Esdaile pensou que o clima diferente da Índia seria benéfico. Ele sofreu um colapso total e foi dado um prolongado licença de 1836 a 1838. [nota 3]

Ele voltou de sua licença de Calcutá, e logo foi nomeado para o pequeno Hospital de Hooghly; e, como consequência disso, também foi responsável pelo ambulatório da prisão local.

Anestesia mesmérica[editar | editar código-fonte]

Em 4 de Abril de 1845, Esdaile realizou seu primeiro procedimento mesmérico:

Por sua própria aplicação, Esdaile nunca tinha visto um ato magnético; mas, dado o nível de dor deste paciente específico, e o conhecimento que ele tinha adquirido, de temas lidos, ocorreu-lhe que o magnetismo animal poderia ser de grande valor:

Esdaile teve sucesso.

Aplicado por Esdaile, o ato mesmerico era um procedimento exaustivo:

Como consequência, Esdaile, cuja saúde própria estava longe de ser boa, logo começou a delegar esse trabalho exaustivo, que quando necessário, implicaria " [ter] um paciente magnetizado por horas a cada dia, por dez ou doze dias, [aos seus] assistentes nativos, salvando sua própria força, para a realização da cirurgia " [nota 4].

Em um curto espaço de tempo, Esdaile tinha ganho uma grande reputação entre as comunidades europeias e indígenas pela cirurgia indolor, especialmente nos casos dos "tumores" escrotais, que eram endemia, em Bengala naquela época [nota 5] devido a filariose (semelhante a elefantíase) que era transmitida por mosquitos.

A anestesia hipnótica de Esdaile foi extremamente segura:

Em 1846, o trabalho de Esdaile com a cirurgia indolor realizadas em Hoogly tinha chegado ao conhecimento do vice-Governador de Bengala, Sir Herbert Maddocks. Maddocks nomeou uma comissão de sete funcionários respeitáveis ​​(médicos e não-médicos) para investigar as alegações de Esdaile. A comissão apresentou um relatório positivo (em 09 de outubro de 1846), e um pequeno hospital em Calcutá foi colocado à sua disposição em novembro 1846 [1].

Em 1848, um hospital mesmerico financiado inteiramente por subscrição pública foi aberto em Calcutá especialmente para o trabalho de Esdaile. O qual doi fechado 18 meses mais tarde pelo vice-governador de Bengala, Sir John Littler [1].

Em 1848, Lord Dalhousie, o governador-geral da Índia, nomeou Esdaile para a posição de Cirurgião da Presidência e em 1850, enquanto não apoiava a continuação do hospital mesmerico em Calcutá, Dalhousie por ter muito apreço por Esdaile e seu trabalho, ele o nomeou para o cargo de Cirurgião da Marinha[6].

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Publicações de James Esdaile[editar | editar código-fonte]

  • (em inglês) Letters from the Red Sea, Egypt, and the Continent, Calcutta, 1839
  • (em inglês) Mesmerism in India, and its Practical Application in Surgery and Medicine, Longman, Brown, Green, and Longmans, Londres, 1846
  • (em inglês) Natural and Mesmeric Clairvoyance, With the Practical Application of Mesmerism in Surgery and Medicine, Hippolyte Bailliere, Londres, 1852

Referencido por outros autores[editar | editar código-fonte]

  • (em inglês) Ernst, W., "“Under the Influence” in British India: James Esdaile's Mesmeric Hospital in Calcutta, and its Critics", Psychological Medicine, Vol.25, No.6, Novembre 1995, pp.1113-1123.
  • (em inglês) Ernst, W., "Colonial Psychiatry, Magic and Religion. The Case of Mesmerism in British India", History of Psychiatry, Vol.15, No.57, Part 1, Mars 2004, pp.57-71.
  • (em inglês) Gauld, A., A History of Hypnotism, Cambridge University Press, Cambridge, 1992
  • (em inglês) Pulos, L., "Mesmerism Revisited: The Effectiveness of Esdaile's Techniques in the Production of Deep Hypnosis and Total Body Hypnoanaesthesia", American Journal of Clinical Hypnosis, Vol.22, No.4, Avril 1980, pp.206-211.
  • (em inglês) Schneck, J.M., "James Esdaile, Hypnotic Dreams, and Hypnoanalysis, Journal of the History of Medicine, Vol.6, No.4, Autumn 1951, pp.491-495.

Notas

  1. Sua primeira esposa morreu durante a sua viagem à Índia; sua segunda esposa morreu na Índia alguns anos mais tarde. Ele foi socorrido por sua terceira esposa, Eliza Weatherhead, com quem se casou por volta de 1851.
  2. A Universidade de Edimburgo também foi a alma mater de John Elliotson e James Braid.
  3. Durante este tempo ele viajou extensivamente. Seu trabalho de 1839 foi resultado destas viagens.
  4. Esdaile relata que " é exigente demais da natureza humana esperar as pessoas a suar por horas arranhando o ar (1846, p.11, grifo do autor [1])
  5. Alguns destes crescimentos escrotal maciços eram tão grandes quanto 112lb/51kg [4]

Referências

  1. a b c d Gauld (1992), p.223.
  2. Esdaile (1846), p.43.
  3. Gauld (1992), p.257.
  4. Gauld, 1992, p.222
  5. Esdaile (1846), p.xxiv
  6. Marquês de Dalhousie, Carta aos pobres Direito Guardians of Exeter, 27 junho 1856. replicada em (Esdaile, 1856, p.4)Visitado em 12/11/2015.