James Lovelock

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
James Lovelock
James Lovelock em 2005
Nascimento 26 de julho de 1919 (98 anos)
Hertfordshire
Nacionalidade Reino Unido Britânico
Alma mater Universidade de Manchester, Escola Londrina de Higiene e Medicina Tropical, Universidade de Londres, Escola de Medicina de Harvard
Prêmios Prêmio Ambiental Volvo (1996), Medalha Wollaston (2006)
Instituições Pesquisador independente
Campo(s) Ambientalismo

James Ephraim Lovelock CH, CBE, FRS (Hertfordshire, 26 de julho de 1919) é um pesquisador independente e ambientalista que vive na Cornualha (oeste da Inglaterra).

A popular hipótese de Gaia foi articulada por Lovelock com a colaboração de Lynn Margulis, para explicar o comportamento sistêmico do planeta Terra.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Lovelock nasceu na cidade jardim de Letchworth (Letchworth Garden City), Hertfordshire.

Após estudar química e matemática na University of Manchester obteve um cargo no Medical Research Council do Institute for Medical Research em Londres.

Em 1948 obteve um Ph.D. em medicina no London School of Hygiene and Tropical Medicine. Pesquisas na Universidade de Yale, Baylor University College of Medicine, e Harvard University.

Lovelock inventou muitos instrumentos científicos utilizados pela NASA para análise de atmosferas extraterrestres e superfície de planetas. Para Lovelock o contraste entre o equilíbrio estático da atmosfera de Marte (muito dióxido de carbono com pouquissímo oxigênio, metano e hidrogênio) e a mistura dinâmica da atmosfera da Terra é forte indicio da ausência de vida naquele planeta.

Em 1958 inventou o Detector de Captura de Elétrons, que auxiliou nas descobertas sobre a persistencia do CFC e seu papel no empobrecimento da camada de ozônio.

Hipótese de Gaia[editar | editar código-fonte]

A partir dos anos 1960 Lovelock começou a desenvolver uma hipótese científica que veio a ser batizada Hipótese de Gaia, postulando que os organismos vivos modificam seu ambiente inorgânico de maneira favorável à sua sobrevivência, formando juntos um sistema complexo e autorregulado que funciona de maneira semelhante a um único organismo vivo. A hipótese foi duramente criticada em seu aparecimento, mas com o passar do tempo seus elementos mais essenciais foram largamente aceitos pela comunidade científica. A hipótese permanece em parte controversa, mas abriu todo um novo campo de estudos interdisciplinares nas Ciências da Terra e contribuiu para a formação de uma visão holística da vida e da evolução no planeta, afastando-se do mecanicismo clássico.[1][2][3][4] A relevante contribuição à ciência dada através desta hipótese lhe valeu a prestigiada Medalha Wollaston da Sociedade Geológica de Londres.[5]

Energia Nuclear[editar | editar código-fonte]

Em 2004 Lovelock surpreendeu ambientalistas ao afirmar que "só a energia nuclear pode deter o aquecimento global". Para ele, apenas a energia nuclear é uma alternativa realista aos combustíveis fósseis para suprir a enorme necessidade de energia da humanidade, sem aumentar a emissão de gases causadores do efeito estufa.

Atualmente, propõe que sejam instalados enormes tubos no fundo do oceano. A proposta inclui um intercambio hídrico de temperatura nos oceanos, usando as águas profundas dos golfos como agente de transferência, procedimento que resultará no aquecimento do fundo e esfriamento da superfície, como a água fria é mais pesada, mesmo que a circulação do agente transferência esteja ao próprio nível do mar, a única energia disponível, além da energia eólica, é fissão nuclear controlada.

Não existe, no mundo, nenhum parecer de biólogos em resposta ao projeto, nem a quantidade de urânio enriquecido que seria necessária.

Extinção da humanidade[editar | editar código-fonte]

Escrevendo no jornal britânico "The Independent" em janeiro de 2004, Lovelock afirma que como resultado do aquecimento global no final do século XXI:

Lovelock afirma que, pelo final do século, a temperatura média nas regiões temperadas aumentarão 8°C e nos trópicos até 5°C, tornando a maior parte das terras agriculturáveis do mundo inabitáveis e impróprias para a produção de alimentos.

Ponto de não retorno[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2006 afirmou no "The Independent" que "o mundo já ultrapassou o ponto de não retorno quanto às mudanças climáticas e a civilização como a conhecemos dificilmente irá sobreviver". Ele acredita que os esforços para conter o aquecimento global já não podem obter sucesso completo e a vida na Terra nunca mais será a mesma.

Aquecimento global[editar | editar código-fonte]

Numa entrevista em abril de 2012, Lovelock afirmou que foi "alarmista" sobre o momento da mudança climática, mas não sobre a mudança em si. Ainda acredita que o clima deve aquecer, embora a taxa de mudança não seja como se pensava.

Atualmente escreve um livro discutindo como a humanidade pode ajudar a regular os sistemas naturais da Terra.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Kirchner, James W. "The Gaia Hypothesis: Fact, Theory, and Wishful Thinking". In: Climate Change, 2002; 52 (4):391–408
  2. Tyrrell, Toby. On Gaia: A Critical Investigation of the Relationship between Life and Earth. Princeton University Press, 2013, pp. 208-209
  3. Gray, John. "The Revenge of Gaia, by James Lovelock". The Independent, 27/01/2006
  4. Joseph, Lawrence E. "Brtitain's Whole Earth Guru". The New York Times, 23/11/1986
  5. The Geological Society. 2006 Awards: Citations, Replies.
  6. a b «Worldnews» (em inglês). Consultado em 11 de Maio de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Edward A. Irving
Medalha Wollaston
2006
Sucedido por
Andrew Knoll


Ícone de esboço Este artigo sobre Ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.