Jamesson Buarque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2017)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Recife, Pernambuco, em 5 de março de 1973, na maternidade São Marcos.

Viveu até os nove anos na cidade natal e, depois, foi com a família para Itabaiana, no agreste da Paraíba, de onde saiu aos doze anos. Daí, mudou-se para Petrolina, novamente em Pernambuco, no sertão sanfraciscano. Nesta cidade, ocorreu seu contato com a poesia. Nesta localidade, graduou-se em Letras: Português e Inglês.

Mudou-se de Petrolina para Rio Maria, no Pará, onde foi professor de Educação Básica, e manteve militância política, a qual iniciou no movimento estudantil, em Petrolina.

Tornou-se mestre com a dissertação ‘’Canto dos deuses: leitura de poesia épica contemporânea do Brasil’’, pela qual organiza uma orientação para leitores iniciantes, considerando ‘’Martim Cererê’’, ‘’Invenção de Orfeu’’, ‘’Livro sobre nada’’, ‘’Os peãs’’, ‘’Sísifo’’, ‘’O campeador e o vento’’ e ‘’A juventude dos deuses’’, respectivamente de Cassiano Ricardo, Jorge de Lima, Manoel de Barros, Gerardo Mello Mourão, Marcus Accioly, Carlos Nejar e Alexei Bueno.

Em seguida, mudou-se para Goiânia, onde fez mestrado e doutorado em Estudos Literários. Esteve por um período em Serra Talhada, novamente em Pernambuco, entre 2007 e 2008, como docente da Universidade Federal Rural daquele estado. Retornou a Goiânia, onde se encontra radicado. É docente da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás desde 2008.

O poeta Antonio Miranda diz que "Jamesson Buarque aposta no poema longo e no poema-livro como base de sua poética, preocupado com as relações simultâneas dos intermeios históricos e geográficos do conhecimento e da vida social e da condição humana em solidão".

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Os delírios. Petrolina, edição independente, 1998.
  • Novíssimo tratamento, Goiânia, Ed. UFG, 2004.
  • outra troia, São Paulo, Arte Pau Brasil, 2009
  • Pluviário perpétuo, Goiânia, Ed. PUC-GO: Kelps, 2011
  • Meditações, Goiânia, Ed. martelo, 2015.

Participação e referências em livros[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Meditações, Goiânia, Ed. martelo, 2015, pág. 133

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

[1], Jornal de Poesia [2], Antonio Miranda [3], Jornal Opção [4], O Popular [5], Jornal de Poesia [6], O Povo