Janer Cristaldo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Janer Cristaldo
Nome completo Janer Cristaldo Ferreira Moreira
Nascimento 2 de abril de 1947
Santana do Livramento, Rio Grande do Sul
Morte 27 de outubro de 2014 (67 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade Brasil brasileiro
Filho(s) Isadora Pamplona
Ocupação Jornalista
Principais trabalhos O Paraíso Sexual-Democrata
Religião Ateu

Janer Cristaldo Ferreira Moreira (Santana do Livramento, 2 de abril de 1947São Paulo, 27 de outubro de 2014)[1] foi um escritor, ensaísta e contista brasileiro. Bacharel em direito, graduado em filosofia, doutor em letras francesas e comparadas pela Universidade de Sorbonne Nouvelle (Paris 3)[2], trabalhou como tradutor (traduziu Ernesto Sabato[3], entre outros), redator (especificamente nos jornais Folha de S.Paulo e O Estado de São Paulo[4]) e articulista de jornais onlines e sites do Brasil. Nos anos 1971 e 1972, durante a ditadura militar, exilou-se voluntariamente em Estocolmo, na Suécia, onde estudou cinema e língua e literatura suecas. Em 1973, publicou O Paraíso Sexual Democrata, que teve quatro edições no Brasil e uma em espanhol, em Buenos Aires, proibida na Argentina.

Obras[editar | editar código-fonte]

Ensaios e Livros Digitais[editar | editar código-fonte]

  • Cultvox, Mensageiros das Fúrias – Uma Leitura Camusiana de Ernesto Sábato.
  • Crônicas da Guerra Fria.
  • Flechas Contra o Tempo.
  • A Vitória dos Intelectuais.
  • EleCrônicas.
  • A Difícil Travessia do Uruguai.
  • Engenheiros de Almas, ensaio
  • Ianoblefe, ensaio
  • A Indústria Textil, ensaios
  • Ressentidos de Todo o Mundo, Uni-vos, crônicas
  • Flechas contra o tempo, crônicas
  • Como ler jornais, ensaio

Livros em papel[editar | editar código-fonte]

  • O Paraíso Sexual Democrata, ensaio. Rio, Cia. Editora Americana, outubro 1973; 2.a edição, novembro 1973; 3.a edição, 1974; 4.a edição, Porto Alegre, Editorial Villa Martha, 1980. Tradução ao espanhol: El Paraíso Sexual Democrata, Buenos Aires, Shapire Editores, 1974
  • Uma Estória Obscena, contos. Porto Alegre, Edições Casa do Livro, 1974
  • O Construtor de Mistérios, crônicas de Ney Messias, organização, seleção e prefácio de Janer Cristaldo. Porto Alegre, co-edição Janer Cristaldo/Garatuja, 1975
  • Enfim, um Conto Absolutamente Novo, conto in-folio. Porto Alegre, Edições Casa do Livro, 1975
  • Assim Escrevem os Gaúchos, antologia. São Paulo, Editora Alfa-Ômega, 1976
  • A Força dos Mitos, crônicas. São Paulo, Editora Alfa-Ômega, 1976
  • Mensageiros das Fúrias, Florianópolis, Editora da UFSC, 1983. Edição em CD-ROM: revista Neo Alternativa nº 4, São Paulo, 1994
  • Qorpo Santo, organização da revista Travessia (TR) no 7, Florianópolis, Editora da UFSC, 1983
  • Ponche Verde, romance. Rio Editorial Nórdica, 1986

Traduções[editar | editar código-fonte]

  • Sobre Heróis e Tumbas[5], de Ernesto Sabato, (espanhol).
  • Kalocaína[6], de Karin Boye (do sueco).
  • Crônicas de Bustos Domecq[7], de Jorge Luís Borges e Adolfo Bioy Casares (do espanhol). São Paulo, Editora Alfa-Ômega, 1976
  • Hugo e Josefina (do sueco), de Maria Gripe. Rio, Editorial Nórdica, 1976
  • Sobre Heróis e Tumbas (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora, 1981
  • Abaddón, o Exterminador (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora, 1980
  • O Túnel (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora, 1981
  • O Escritor e seus Fantasmas (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora, 1982
  • Os Sete Loucos (do espanhol), de Roberto Arlt. Rio, Francisco Alves Editora, 1982
  • Casa de Campo (do espanhol), de José Donoso. São Paulo, Difel, 1985
  • Mazurca para Dois Mortos (do espanhol), de Camilo José Cela. São Paulo, Difel, 1985
  • Escrevo da Itália (do francês), de Michel Déon. São Paulo, Difel, 1985
  • Nós e o Universo (do espanhol), de Ernesto Sábato. Rio, Francisco Alves Editora,1985
  • A Família de Pascual Duarte (do espanhol), de Camilo José Cela. São Paulo, Difel, 1986
  • Gilles e Jeanne (do francês), de Michel Tournier. São Paulo, Difel, 1986
  • Marlene D (do francês), de Marlene Dietrich. Rio, Editorial Nórdica, 1987
  • Homens e Engrenagens (do espanhol), de Ernesto Sábato. Campinas, Papirus, 1993
  • Heterodoxia (do espanhol), de Ernesto Sábato. Campinas, Papirus, 1993
  • Os Lança-Chamas (do espanhol), de Roberto Arlt, inédito
  • Iluminações, (do francês), de Arthur Rimbaud, livro digital
  • Uma Temporada no Inferno, (do francês) de Arthur Rimbaud, livro digital
  • A Saga do Grande Computador, (do sueco) de Olof Johanesson, livro digital

Teses[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Janer Cristaldo (1947-2014)». Perspectiva On-line. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  2. «Folha de S.Paulo - Opinião - A morte da Europa que amo - 26/09/2012». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  3. Leia livros. [S.l.]: Editora Leia Livros. 1 de janeiro de 1982 
  4. «Janer Cristaldo». Ratio Pro Libertas. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  5. «Por entres as ruínas da pátria: Ernesto Sábato e Osvaldo Soriano pensam a Argentina». Revista Garrafa. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  6. «KALOCAÍNA». dinasalemlevy.com. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  7. «Acervo Digital». Biblioteca Digital de Santo André. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 
  8. «Index Translationum». UNESCO. Consultado em 9 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.